sábado, 9 de janeiro de 2010

Top prospects: Defensive Tackle

Começo a série por aquela que talvez seja o ponto de partida de uma grande defesa. Não conheço um grande time vencedor, sem ter um DT/NT ao menos bom ( na verdade tem que ser mais que bom ). Não acreditam nisso? Quando Fergunson começou a ser assolado por contusões e mesmo assim jogava, tinhamos uma defesa top ten contra o jogo corrido. Quando ele parou de jogar, na partida contra o Panthers, nossa defesa caiu bastante, fechando na 17ª posição contra as corridas. Preciso mesmo dizer mais alguma coisa sobre a importância de um ótimo jogador nesta posição?

Ok, Fergunson pode voltar da contusão e dominar a posição novamente, mas é fato que ele tem 34 anos e mesmo que volte bem, não deverá ter mais do que 2 temporadas pela frente. Sendo assim, é urgente o draft de um substituto para ele, mesmo que seja para ser reserva agora em 2010.
Jogadores bons/ótimos, mas que não devem ser draftados, pois poderão ser Top Five picks:
  • Ndamukong Suh, Nebraska - É de longe o melhor de todos os DT/NT do Draft, e por isso mesmo não irá vir jogar em Miami, a menos é claro que façamos um trade-up violento. E eu acho que isso valeria a pena. Ele é um monstro e pode jogar desde o começo na nossa defesa, porquê tanto joga em 3/4 quanto em 4/3. Pesa contra si as cirurgias já realizadas, mas pode ser considerado ótimo quanto a ética profissional e fora de campo;
  • Gerald McCoy, Oklahoma - É um valor tão bom quanto Suh, mas é mais leve ( 290 contra 305 ) e é um underclassman - jogadores que se declaram pro Draft antes de completarem os seus 4 anos de Universitário - e são chamamos de Júnior ( 3 anos ) ou Sophomore ( 2 anos ). Os Freshman ( o rookie da NFL ), são proíbidos de se declararem pro Draft. Este deve sair até a pick 7 ou 8, e uma eventual mudança não seria tão cara quanto por Suh. Ele também sabe jogar em 3-4;

Alvos mais realistas, já que devem sobreviver ao Top Ten do Draft:

  • Brian Price, UCLA - E um jogador e tanto, forte, atlético, determinado. Perfeito, não? Só tem um grande problema: é apenas um Júnior e não é considerado adequado para a defesa 3-4. Sua temporada de 2009: 16,5 tackles for loss e 10 sacks. Bons números, diga-se;
  • Dan Williams - Tennessee - É um jogador com cara de NFL e tem peso pra isso ( 327 kg ) e outro atributos também. Joga em uma Universidade que não faz parte da elite da NCAA, mas isso não vem a ser exatamente um problema. Pode atuar em 3-4 basicamente, e isso é o que nos importa. Conseguiu 56 tackles ( 8 for loos ) e 2 sacks, algo que sabemos ser complicado mesmo em defesas que atuam em 3-4. É um pick interessante, e o time se decidir por um NT, tem tudo para ser escolhido;
  • Terrence Cody, Alabama - Em uma palavra: um monstro. Ele pesa nada menos que 365 kg!!! E é porque perdeu 30!!! É um pick arriscado em vários sentidos, mas o maior é o seu peso, que lhe tira uma das mais importantes qualidades de um jogador de sua posição: agilidade. E não é nada versátil. Aliás como alguém com tantas arrobas poderia sê-lo? No entanto, consegue empurrar Centers de grande peso e bloqueia dois ao mesmo tempo. Alguma surpresa nessas duas qualidades?

Se formos de DT/NT no primeiro round, o nome será um destes ai. Se esperarmos pro segundo round, temos alguns nomes a serem observados:

  • Allen Bailey , Miami - O NT dos Hurricaines é um bom prospecto, que pode até, eventualmente, sobrar até nossa pick de segundo round. Mas eu acho isso quase impossível. Mas vai que acontece o mesmo que ocorreu com o Phillip Merling?
  • Jared Odrick, Penn State; Odrick teve números espantasos: 41 tackles ( 10 for loss ) e seis sacks. É um jogador perfeito para 3-4 e por isso, creio eu, deva sair ainda no primeiro round. Mas é mais provável sobrar pra gente do que Bailey, até pela reputação dos times dos dois;
  • Mike Neal, Purdue - Versatilidade. Esta é a sua vantagem na luta por um bom time. Tem quase tudo de regular pra bom, mas falta aquela grande skill. Sendo assim, é certeza estar disponível em nossa pick de segundo round. Se for escolhido, tem tudo para ser um atleta dedicado e que possui algum potencial de crescimento. Dificilmente será, um dia, um Top Ten em sua posição, mas também não será um dos piores.

É isto, se formos de DT/NT, um destes nomes deverá desembarcar em Miami. Quem será, só o tempo dirá... Segunda eu falarei dos Running Backs, a outra grande necessidade do time.

E agora Ted Ginn Jr, qual vai ser a desculpa?

TGJ no ( único ) dia em que brilhou verdadeiramente na NFL. E isso em quase 50 jogos. Nada mal, não é mesmo? Afinal neste ritmo ele será Hall of Fammer daqui a uns 100 anos...

Estava pensando em falar sobre várias coisas ( sobretudo sobre Draft e como podem/devem voltar os contundidos ), mas ao passar no NFL.com eu resolvi ver como fechou o ano o "mito" TGJ. É de assustar qualquer um, que em seu "break out year", ou em bom português o ano em que deveria explodir de vez, ele piorou seus números como Recebedor, ficou na mesma como retornador, mesmo que tenha conseguido um recorde ( no jogo contra o Jets e seus dois retornos para 100 jardas ou mais no mesmo quarto ). Vamos aos seus números, comparando os 3 até aqui de sua carreira:
  • 2007: 34 recepções, 420 jardas ( 12,4 de média ) e 2 TDs e 1 de especialista;
  • 2008: 56 recepções, 790 jardas ( 14,1 de média ) e 2 TDs.
  • 2009: 38 recepções, 454 jardas ( 11,9 de média ) e 1 TDs, com dois de Specialista.

Claramente ele piorou em tudo no ano de 2009. Menos como especialista, e mesmo assim em quantidade de TDs, porque em termos de média, ficou bem parecido. E era o seu "ano". É complicado defender alguém que consegue a proeza ter menos jardas e menos TDs do que um rookie de quarto round ( Brian Hartline ) e menos passes recebidos do que um WR que não seria Starter na maioria dos times da NFL ( Greg Camarillo ). E claro e evidente, que se levarmos em conta que os QBs do Miami conseguiram mais de 40 TDs em 3 anos, ele ter apenas 5 mostra o quão bom ele foi... isso se levarmos em conta que ele deveria ser o "astro" do time, aquele a resolver jogos, fazer as catches mais improváveis, etc, etc... Eita, me esqueci, estou falando do TGJ, não do Rice, Moss, Wayne...

Convém lembrar que os seus defensores diziam: ele não tem QB que lance pra ele e que possa ter braço para aproveitar a sua maior virtude, a velocidade. Pois bem, esta desculpa ele não tem mais: Chad Henne mostrou ter um canhão no lugar do braço. E o que fez TGJ? Dropou passes que até mesmo um WR do Torneio Touchdown seguraria facilmente. Teve bola de vitórias nas mãos e nada.

O Miami irá ficar com ele em 2010? Mantenho o que disse quando o mesmo foi draftado: ele nunca deveria ter sequer sido cogitado pra jogar no Miami. Por mim, e pelos seus pífios números em 2009, e pela queda de rendimento, quando todos os WRs cresceram de 2008 pra esta temporada, ele seria trocado. Mas talvez receba mais uma chance. Todo mundo merece uma. Só que no caso dele, seria a quarta de fazer algo na Liga.

Ele já um Bust? Está ficando cada vez mais claro isso, sendo que pra mim, ele sempre foi um...

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Saiu o calendário provisório 2010

Estes são os rivais para 2010, que tem uma porcentagem de vitórias derrotas de 0,4951, que é bem enganosa ( sobretudo comparada com a deste ano, que beirava os 0.6000 ) porque tem o Lions no meio do caminho, e que apenas 4 times tem menos vitórias do que derrotas. É um calendário mais fácil do que 2009? Pode até ser, mas pra mim tendo a ser parecido.

Home: Buffalo 6-10 (V), New England 10-6 (+/-), N.Y. Jets 9-7 (V), Cleveland 5-11 (V), Pittsburgh 9-7 (+/-), Tennessee 8-8 (+/-), Chicago 7-9 (V) and Detroit 2-14 (V).
Resumo: Conto com 5 vitórias certas, ao meu ver, mas temos 3 jogos complexos, dos quais, em tese, somos inferiores aos 3. Mesmo assim, não é impossível vencer nenhum dos 3, pois quase os vencemos este ano. Um até vencemos uma vez ( Pats )...

Away: Buffalo 6-10 (V), New England 10-6 (D), N.Y. Jets 9-7 (+/-), Baltimore 9-7 (D), Cincinnati 10-6(+/-), Oakland 5-11 (V), Green Bay 11-5 (+/-) and Minnesota 12-4 (D).
Resumo: Conto com 2 vitórias apenas e com 3 derrotas, ao meu ver, certas. Mas isto depende das datas de calendário, vide o Jets que só se classificou porque pegou dois times já classificados no fim da temporada. Pegasse-os no começo e teria perdido, com certeza, ambos... Das 3 derrotas, pra mim, a que pode virar vitória é contra o Pats, pela rivalidade. Porquê temos que ser conscientes que somos inferiores a Ravens e Vikings. Dos 3 +/- o que mais pende pro nosso lado é contra o Bengals. Packers, a depender da época, será no gelo puro - onde sempre vamos mal - e contra o Jets , sempre é complexo pela rivalidade.

Resumo Geral: podemos oscilar de 7 a 11 vitórias. Não vejo como fazermos além disso... mas também, não vejo como fazer menos do que em 2009... sem a quantidade de contusões atuais e com um draft cirúrgico, temos como vencer ao menos, 9...

Claro e evidente, desde que não apareça um outro Pat White no segundo round...

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Pílulas do dia seguinte...

Entra com um ( considerável ) atraso de 2 dias, mas o motivo é nobre: estou fazendo uma prova para virar professor da Faculdade daqui da cidade ( na qual me formei em dezembro passado ).
Falando do Dolphins, temos alguns pontos interessantes a serem relatados:
  • A derrota pro Steelers era prevista. Mas pela 5 vez contra grandes equipes ( Colts, Chargers, Saints e Pats ) perdemos nos detalhes. No caso desta derrota em especial, nas Interceptações, 4 no total;
  • A queda de produção de Ricky Williams foi triste. De 3 jogos em 4 com 100 ou mais jardas, para 3 com menos de 50. Mas isso era esperado, pois ele não tem físico para aguentar tantas carries. Precisaria de complemento, algo que evidentemente ele não teve;
  • Nossa secundária precisa de um grande reforço, sei lá quem e de onde. Mas precisamos de um fora-de-série para intimidar os QBs rivais. Só com Davis e Smith não dá. Eles são rookies ( serão sophomores ano que vem ) mas ainda não estão prontos para, sozinhos, comandarem um setor. Precisam de ajuda. Trade, draft ou Free Agent, sei lá, temos que conseguir alguém de qualidade;
  • Outro grande ponto a ser observado são os LBs. Precisamos de melhores opções. Taylor e Porter deram mostras de que não conseguem jogar o ano inteiro em alto nível, e sem Fergunson a coisa decaiu ainda mais. Um NT é prioridade, talvez até mesmo a número 1;
  • Uma discussão interessante por ai: Henne ou Thigpen? Pra mim, Henne fácil. E Sparano concorda comigo.
  • Em uma bela festa no LandShark Stadium comemorou os 80 anos do Eterno Head Coach Don Shula, bi-campeão do Super Bowl, com o Dolphins Em 72/73, em 71 com o Colts, e que está no Hall da Fama. Fotos e vídeo da festa, aqui: http://www.miamidolphins.com/aquavision/album/don-shulas-80th-birthday-celebration-photo-gallery;
  • A nossa posição no Draft, a ser realizado no último fim de semana de Abril próximo está definido: seremos a 12ª equipe a escolher. O mais incrível é que, no desempate de Wild Card, ficamos atrás de Denver e Jaguars. Mas no Draft, ficamos na frente. Não é o Top Ten que eu projetei, mas é possível conseguir algo vantajoso sem ter que descarregar um caminhão de dinheiro.
  • Jake Long é o único pro-bowler do Dolphins. Mas houve uma injustiça: Lousaka Polite merecia, com suas 17 conversões de 4ª descidas em 18 tentativas. Mas é claro, sempre acontecem injustiças...

No geral várias coisas podem ser ditas sobre a temporada do Miami em 2009: de calendário ( que não será tão mais fácil assim em 2010 ), contusões, buracos no elenco e falhas da comissão técnica. Mas pra mim, 2010 é o ano em que este elenco tem que render em alto nível. Ou então, que se mude-o.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Boa recuperação Pat White...

A pancada foi feia, mas nã foi desleal diga-se. Uma jogada normal, onde um quer jardas e o outro impedi-las...

Nada hoje é mais importante para os phináticos do que a recuperação de Pat White. Até onde consegui saber, ele está bem - dentro do possível. Ele sofreu um helmet-to-helmet contra Ike Taylor, que como cito acima, não foi desleal, no máximo imprudente, já que White já conseguira o Firs Down e estava buscando sair pela lateral para, justamente, não levar o tackle. Não estou, quero deixar isso claro, acusando o Taylor, é tarefa dele evitar qualquer jarda extra do ataque. Ele ( White ) sofreu uma concusão e isso preocupa demais. Ele irá fazer exames mais detalhados hoje. Mas quero tornar públicas as palavras dele, antes de sair de campo:

"Eu estou bem, ficarei bem. Lutem até o fim, podemos vencer este jogo e eu confio em vocês. Lutem até o fim"

Posso não ter sido generoso nos comentários com Pat White ( e de fato não o fui ), mas é impossível não respeitar alguém que, em um momento tão crítico, pensa no time e em seus companheiros antes de, sequer, saber como sua saúde está. Força Pat White, você subiu bastante em meu conceito ontem... E nos dos phináticos de verdade

E o jogo? Isso é secundário... primeiro, que nosso "guerreiro" fique bem. Perder pro campeão do Super Bowl, era esperado mesmo. A surpresa é ter tido, de novo, a chance de vencer um time superior e ter ficado vivo até os instantes finais...

domingo, 3 de janeiro de 2010

Fim de temporada...

Hoje no LandShark Stadium termina a temporada 2009 pro Miami Dolphins. Era conhecido que o calendário era osso, mas estamos ficando de fora por causa de duas derrotas contra times mais fracos ou com, infinitamente, menos tradição ( Bills e Texans ). De positivo posso citar que não fomos surrados por ninguém e que "quase vencemos" os três melhores times da temporada regular ( Colts, Saints e Chargers ), e ai não dá pra esquecer o drop ( com a bola na mão ) de TGJ diante do Colts, do apagão no terceiro quarto diante do Saints e dos erros ofensivos que nos mataram diante dos Bolts. É lamentar, afinal duas vitórias nestes três jogos e hoje a Post-season já seria realiadade. Pena.

Diante do atual campeão do Super Bowl e sua mítica defesa, o que esperar? Eu particularmente, após perder para a piada Houston Texans, espero outra derrota. E terminar a temporada com mais derrotas do que vitórias, o que será triste após o 11-5 do ano passado, mas mesmo assim melhor do que 2005/2006 e 2007.

Em 2010 é torcer para não termos tantas contusões em jogadores chaves ( Ronnie Brown, David Martin, Will Allen, Jason Fergunson ) e de reservas importantes ( Patrick Cobbs ). Somados ao fato de termos perdido nosso QB diante do Chargers e de termos que contar com um praticamente Rookie ( Chad Pennington e Chad Henne respectivamente ), que no fim das contas mostrou algo que mais nos ajudou do que o contrário.

Fato é que, diante de todas as dificuldades, ainda temos remotíssimas chances de Post-Season na semana 17. Quando a maioria dos "analistas", apostavam em campanha de 5-11 ou até menos. Fato é que fizemos uma temporada decente, e que, com um pouco mais de qualidade no elenco ( um WR matador, por exemplo ), até mesmo a divisão poderia ter sido nossa.