sábado, 9 de julho de 2011

Dois Toques: Jogadores que podem explodir em 2011: Brian Hartilne

Ele precisa urgentemente melhorar suas mãos. Nesta foto, falha sua na partida contra o Titans, que nos custou um TD. Quem lançou a bola?

Sabem quem é o DB no chão? Se não, procurem no roster do atual campeão do Super Bowl

Brian Hartline parece demais, e em mais de um sentido, com um patinho feio. Praticamente ninguém deu atenção quando ele foi escolhido, pois para muitos analistas ele nem sairia no mesmo. Wide Receiver "comum" de Ohio State, vinha para se juntar a um ex-colega, o "famos" TGJ. Hoje, que coisa, ele é o famoso e o outro caminha a passos largos para se tornar um dos piores negócios da história da NFL ( do Dolphins ele já o é ). Bom, agora falemos apenas de B-Hart.

Hartline, assim como a imensa maioria dos Wide Receivers, sofre com a mudança da NCAA para a NFL. Aliás, pra muitos analistas, talvez seja posição onde tal mudança seja mais complexa. O tempo do jogo, a complexidade do playbook, a qualidade dos DBs... são vários os problemas a serem enfrentados. Mas atualmente o maior de Hartline são suas mãos. Ele deixou passar, ao menos, uns 4 TDs por entre suas mãos, o que é muito. E convém citar que ele começou 2010 como Starter do ataque, ao lado de Brandon Marshall e deixando D-Bess no banco. Contudo perdeu este posto durante o ano. E depois ainda se machucou, ficando de fora dos últimos 04 jogos da temporada. E mesmo assim, conseguiu números decentes: 615 jardas em 43 passes ( 14,3 jds de média ) e 03 Tds.

Por isso em 2011, com um ataque mais equilibrado e com um novo playbook, temos porque ficarmos esperançosos com ele. E eu acredito que não iremos nos arrepender disso...

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Dois Toques: Jogadores que podem explodir em 2011: Sean Smith

Na temporada 2010 estes dois andaram meio separados um do outro. Agora em 2011 esperamos tê-los juntos, bem juntos.


Sean Smith foi uma das grandes apostas do nosso Front Office no Draft de 2009. Não custa nada lembrar que no mesmo round, umas 15 picks antes, o Miami escolheu um tal de Pat White. Alguns se questionaram se fazia sentido escolher outro DB no mesmo draft em rounds iniciais ( no primeiro, na 25° pick, tínhamos escolhido Vontae Davis ). O tempo mostrou que a escolha foi bem feita, mas apenas o primeiro conseguiu reluzir até agora na NFL.

Por isso 2011 é o ano de Sean Smith explodir pra Liga. Ele é rápido, alto, ágil e tem uma boa leitura do jogo, faltando-lhe apenas ter um melhor uso das mãos, pois às vezes ele perde interceptações fáceis, deixando a bola cair ou leva queimadas bobas. Corrigindo isso ele tem tudo para ser o nosso melhor DB, a frente de Davis. Duvida? No ano de rookies, ele permitiu menos jardas e menos passes recebidos que o colega de time.

Motivos para ficarmos esperançados, nós temos. E talento para cumprir as expectativas, Sean Smith possui. E de sobra...

terça-feira, 5 de julho de 2011

Dois Toques: Jogadores que podem explodir em 2011: Koa Misi

Alguns podem dizer que ele foi um rookie sem chamar atenção. Fitzpatrick com certeza discorda disso...

Esperamos, todos, que o lock-out acabe durante esta semana, porque dia 15 é a data limite para não perdemos sequer um dia no cronograma da temporada regular. Portanto...

Mas voltando ao tema da coluna, inicio hoje uma leitura ( em alguns casos uma nova leitura ) de alguns jogadores do Miami Dolphins que ainda não são estrelas ou que tiveram temporada ruim em 2010. Começo hoje por Koa Misi, o rookie de segundo round do Draft de 2010.

  • Posição: Outside Linebacker ( Weak side ).
  • Números em 2010: 4,5 sacks, 53 tackles ( 41 solo ).
  • Situação: Starter sem perspectiva de correr risco de virar reserva.
Misi entrou numa fria e tanto: substituir uma lenda, Jason Taylor. Isso para um jogador vindo da Universidade de Utah, que tinha uma boa carreira no College é um desafio bem grande. E muitos acham que ele não foi bem, mas o seu número de sacks é apenas o segundo de todos os jogadores do Miami, lembrando que Cameron Wake teve 14.

Outros dados devem ser ditos a respeito dele: a mudança da NCAA para a NFL não é fácil, ainda mais quando o sistema usado é diferente, e em Utah era usado o 4-3. Todos sabemos que o Miami usa 3-4. Só isso seria suficiente para ter problemas, mas Misi os superou com grande competência.

Por isso 2011 deve ser um ano e tanto. Mais experiente, mais acostumado com o sistema e sendo alguém temido. Motivos não faltam para acreditarmos que iremos nos orgulhar muito ainda com Koa Misi. É só esperar.