sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz Ano Novo

O ano termina e apesar de tudo o que aconteceu, sinto que estamos, agora melhores do que há um ano atrás. Agora não temos mais Coach Sparano e teremos um novo comandante. Além disso acho que nosso ataque pode sim tornar-se letal se for adicionado a ele a peça certa: um QB acima da média. A defesa termina melhor do que no final de 2010, mas acho que precisaremos de umas sutis mudanças. Em todo caso, 2012 será o primeiro ano sem - definitivamente - Jason Taylor. Mas teremos um Draft para achar um substituto a altura, além é claro do QB acima da média.

Eu farei o post final desta temporada amanhã, mas logo em seguida tirarei 15 dias de férias. Portanto, este post é meio que um até logo. Dependendo da urgência da notícia ( mudança no corpo diretivo ou o anúncio do novo Coach ) eu poderei até voltar, mas em tese, serão 15 dias se postar. A todos um feliz 2012, cheio de luz, paz e alegria. E claro, da palavra do Salvador. Até em breve...


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Afinal, quem é Jason Taylor?

 Creio que poucos que frequentam este espaço tenham visto Dan Marino jogar, afinal ele se aposentou ao fim da temporada de 1999. E lá se vão 12 anos desde que uma lenda da franquia se retirava do Esporte sendo atleta nosso. Zach Thomas se retirou sendo Free Agent, e mesmo que tenha assinado num dia e se aposentado no outro, ele não era mais um atleta do Dolphins, infelizmente. Agora, assim como Marino, vemos uma lenda se aposentar vestindo nossa gloriosa ( e também, infelizmente, sofrida camisa ). 

E pode até parecer estranho para alguns, mas o sentimento de perda agora é maior do que quando Marino parou. Pelo simples fato de que Jason Taylor cresceu teve sua carreira coincidindo com o advento da Internet, o que por demais facilitou obter informações sobre a NFL. Taylor chegou a NFL em 1997, ano que a Internet ainda não era, nem de longe, o que é hoje. Marino eu acompanhei a carreira com o que a Band, percussora da NFL em nosso país, passava no seu ( saudosíssimo ) Show do Esporte , que passava a NBA, mas que não detinha os direitos de transmisssão da NFL, mas que passava os melhores lances. Claro que eu sou Dolphins porque Luciano do Valle também o é. Assim como ambos somos torcedores do Lakers e do Yankees.

Mas como explicar o fato de que eu esteja mais triste hoje do que quando Marino parou? Simples , era esperada a sua aposentadoria e estava claro, desde 1995 ao menos, que ele não venceria um Super Bowl. A alguns anos ele confidenciou que pensara em parar em 1996, mas fora convencido por Jimmy Johnson, que seria seu Coach na última partida contra o Jaguars ( uma surra horrenda de 62x7!!! ). O mesmo Johnson draftaria Taylor, talvez o seu grande feito, em 3 temporadas como nosso Coach. Mas ainda assim fica a pergunta: porque eu estou tão triste enquanto escrevo esse texto? Talvez se eu tivesse escrevido um quando Marino parou eu ficasse tão ou mais do que agora, mas em 99 nem passava pela minha cabeça ter um Blog. Quanto mais um que falasse do Dolphins. 

Taylor é o jogador que atua com a mesma intensidade em todas as partidas e com qualquer placar. Ele nunca fez corpo mole ( vide Joey Porter ) ou diminuiu o ritmo quando o placar estava elástico, fosse a favor ou contra. Se os Bloqueadores o dominassem, ele ia com mais vontade ainda em busca dos sacks. Tom Brady deve estar mais descansado agora. Porque? Dos 139,5 sacks de Taylor, nada menos que 11.5 foram para o QB do Pats. Nenhum outro QB sofreu mais e nenhum outro defensor bateu mais em Brady.

Taylor sempre teve a mentalidade vencedora. Sempre. Sempre foi capitão do time, sempre deu 110% em campo, talvez até mais do que isso. Taylor foi o líder no meio de feras ( Marino, Thomas. Williams, Chambers, Surtain e Madison ) e entre os perebas ( não sujar este post citando os nomes, mas todos sabem bem quais foram ). Seguiu sendo destaque quando o time desgringolou a partir de 2004. Esteve ausente em duas temporada ( uma com o Redskins e outro - que coisa - com os Jets ). Como disse na coluna First Down: ele é tão diferente, que eu seria capaz de torcer por ele, mesmo vestindo a camisa dos Jatos. E todos sabem o quão isso seria sofrido e uma verdadeira tortura para mim, mas eu faria 10 vezes necessário fosse, porque o grande Taylor merece. Isso e muito mais. Todas as homenagens serão insuficientes. Nada para tanta dedicação que ele teve para com esta franquia.

Faltou o Super Bowl, dirão alguns. Sim, faltou, mas não podemos medir um jogador apenas pelas suas conquistas máximas. Em um esporte cada vez mais profissional e com tantas estrelas - a maioria no ataque - não é qualquer que se aposenta sendo defensor e tendo 10 em 10 analistas enaltecendo os seus feitos. E Jason Taylor será eleito para o Hall da Fama em Canton, Ohio, com 100% de certeza na sua primeira tentativa. E o será porque é um mito. Porque fez em campo o que muitos desejam e não consegue. E porque fora dos gramados sempre foi uma pessoa exemplar, sem qualquer mácula em sua honra.

Jason Taylor é o melhor defensor de sua geração e com certeza uma dos 10 melhores Deffensive Ends da História. Mas sobretudo é um dos melhores jogadores do Miami Dolphins. No mesmo patamar de monstros sagrados como Bob Griese, Dan Marino, Larry Csonka, Paul Warfield e todos os membros da Defesa Sem Nome do Super Bowl de 1972. É esta lenda viva que vai se aposentar, viver sua vida pós-NFL ao lado de sua ( belíssima ) esposa e seus três filhos. Que merece receber um cargo na Direção ou na Comissão Técnica ( ou quem sabe os dois ). Com a sua inteligência teria muito a ajudar-nos. E acho que se ele aplicar a mesma dedicação que teve em campo, poderá - caso deseje - tornar-se um excelente Coordenador Defensivo ou até mesmo um renomado Head Coach. Mas isso é, por enquanto, mero exercício de futurologia. O que é certo é que, este fã tem apenas uma frase a dizer: "obrigado por tudo Jason Taylor, nosso melhor jogador de defesa de todos os tempos".


Abaixo fotos de momentos marcantes de sua carreira:


2006 - Retorno de Interceptação para TD de 51 jardas, a maior marca de sua carreira.

o primeiro sack a gente nunca esquece. Quem é o Quarterback? Uma dica: quase virou nosso Técnico nessa temporada...

Alguém conhece outro jogador da foto? Procurem bem e verão um dos melhores DBs de nossa história ai. Mas neste momento, Taylor era figurante. Situação que logo mudaria...

A vítima predileta. 11,5 sacks dos seus quase 140. E que apesar de tudo, Taylor ainda venceu mais que perdeu contra o Pats.

First Down: Vencer pelo Grande Jason Taylor

O jogo de encerramente da temporada, diante do rival Jets,  será o último da grande carreira de Jason Taylor.

É o jogo diante do NY Jets ganhou um atrativo especial, como se fosse necessário mais algum. Taylor encerrará uma carreira de 15 anos ( 13 deles com o Dolphins ) e 139,5 sacks ( o sexto na história, sendo 131 com a nossa camisa ), foi 6 vezes selecionado pro Pro-Bowl, três integrou o All- Pro ( melhor time da temporada ), duas vezes o segundo time, foi eleito para o All-Team dos anos 2000, Jogador de Defesa de 2006.

Tantos números, tantos feitos, tantas honras e infelizmente irá se aposentar sem a maior de todas: um Super Bowl. Mas que o time faça da partida diante dos Jatos o encerramente digno de uma lenda. Sim, Taylor é uma lenda viva da NFL e claro do Dolphins. Não tenho o menor medo de errar que ele entrará para o Hall da Fama na primeira tentativa, logo que ficar elegível ( são 5 anos após a aposentadoria oficial ). Ele merece e todos iremos ficar tristes e ao mesmo tempo felizes, por estarmos vendo a história acontecer. Eu sou tão fá de Taylor, que se os Jatos tivessem ido ao Super Bowl eu torceria para que Taylor conseguisse o seu anel. Leiam bem: eu disse TAYLOR.

Ainda sobre a partida diante dos Jatos, temos uma baixa: Jake Long foi colocado na Injury Reserve, ficando obviamente fora da partida. Long, que teve uma temporada abaixo da média, termina de forma nada alegre a temporada, com o músculo da coxa rasgado. Junte-se as dores do joelho e lombares e temos um problema nada interessante para a temporada de 2012.

Sobre a temporada de 2012 não gostei nada de saber que Jeff Ireland falou o seguinte: "não iremos fazer loucuras. E se o novo Coach não pedir ( leia-se exigir ) um QB, iremos com os que temos agora". Como Henne será RFA ( Agente Livre Restrito ) e Pat Devlin agradou tanto que chegaram a contratar duas amebas para serem back-ups de Matt Moore, eu tiro dessa frase sofrível e lamentável o seguinte: iremos, a menos que o novo Coach exija, Moore de Starter. Eu detesto essa ideia por dois motivos básicos: ficou bem claro que nos jogos complicados Moore sumiu ( Pats, Cowboys, Broncos, Eagles... ) e vencemos aqueles em que a defesa deu show ou Bush foi a grande válvula de escape e a segunda é que com um QB acima da média este time iria para post-season com 100% de certeza.

Então para que insistir em um QB que fez algo parecido com o Panthers no fim de 2009 e em 2010 foi terrível? Já aconteceu isso e vamos esperar que aconteça de novo? Isso, contudo é papo para outra coluna.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Dois jogadores são nomeados para o Pro-Bowl

Os camisas 77 e 19 foram nomeados para o Pro Bowl. Alguém está surpreso?

Jake Long é um cara com um moral extremo no mundo da NFL e prova disso é o fato de, pela quarta vez consecutiva ele ter sido nomeado o Left Tackle do time da AFC no Pro Bowl. E destas 4, apenas uma vez ele foi como reserva. Feito nada desprezível.

A outra honra coube a Brandon Marshall, o nosso camisa 19 volta ao Pro-Bowl, onde esteve em 2008 e 2009, quando ainda defendia o Denver Broncos.

Outros nomes na espera, que dependem de quais times forem ao Super Bowl: Brandon Fields ( Punter ), Cameron Wake e karlos Dansby ( Linebackers ) e Reggie Bush ( running bakc ).

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Parabéns Drew Brees

Ontem a noite, curiosamente em um Monday Night Football assim como Marino, o QB do New Orleans Saints passou a ser o recordista em jardas passadas em uma mesma temporada, conseguindo superar em 3 a marca anteriores ( 5.087 agora, contra 5084 do nosso eterno QB ). Parabéns a Brees pelo feito e que o mesmo prossiga jogando tão bem quanto agora. E nós ficamos assistindo a este grande QB, que foi passado por nós e por duas vezes. Por isso, Parabéns Drew Brees.

domingo, 25 de dezembro de 2011

Tunel do Tempo: 40 anos do Jogo mais longo da História

Em dias em que recordes nossos são batidos com frequência até que absurda, vamos a um que - aparentemente - não corre risco iminente...

Era dia de Natal. Como hoje. E o jogo valia ida a final da AFC. E aquele time de 71 iria ainda ao Super Bowl, dando prévia do que iria acontecer em 72. E o Miami já era um time conhecido e com um certo respeito na recente NFL ( a liga, como a conhecemos hoje nasceu em 70. Mas o nome existe desde os anos 20, e os times que dela fizeram parte estão quase que todos na NFC ). Mas o jogo era diante do Kansas City, time fortíssimo e que fora a primeira equipe da ( atual ) AFC a vencer um Super Bowl. Portanto não éramos os favoritos, mas aquele time era muito bom e fez um dos seus melhores jogos, na opinião do Coach Shula, segundo o qual nunca mais veria tanta entrega, determinação e vontade em campo. Enfim, aquele foi um Natal Mágico. Com vitória na segunda prorrogação. E é este o recorde: vencer a partida mais longa da história do esporte. E este não corre - em tese - risco.

Falo deste recorde, porque o de Jardas Passadas em uma Temporada, pertecennte a Dan Marino deve cair domingo que vem. Tom Brady precisa de míseras 194jds e o Pats não tem histórico de tirar o pé em partidas finais. Além dele podem bater o recorde Aaron Rodgers ( Packers ) e Drew Brees ( Saints ), mas estes ainda jogam na segunda. E pensar que conseguimos a proeza de passarmos Brees duas vezes!!! Outro recorde caiu neste ano: o de vitórias de Coach e QB, que era da dupla Marino-Shula, agora pertence a Brady-Belichik.

Enfim, é bom lembrar disso. Ver que um dia fomos fortes o suficientes para resistirmos quase 5 horas em campo. E vencer. Que ontem perdemos após fazer 17x0 no primeiro tempo e no segundo levamos 27x7!!! Mas que fique registrado que eu fiquei feliz com a atuação: demos um belo cartão de visitas para 2012. Com um QB acima da média, esse time pode vencer qualquer um. QB acima da média eu disse...