segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Week 17: Dolphins 0!! x 28 Patriots - Não falta mais nada...

Melhor momento de nosso QB na partida de ontem...

Devo dizer que fui dormir para não postar algo extremamente ácido. Perder era o básico pra ontem, todos nós sabíamos. Que não temos time para enfrentar o Patriots, e posso assegurar que não teremos um nem em 2013 e talvez nem em 2014, mas alguns estavam esperançados pelas atuações seguras diante de Jags e Bills. Eu avisara que os adversários eram fracos, bisonhos até, mas alguns preferiram criticar-me a acreditar no óbvio: temos um time fraquíssimo, do QB a Secundária.

As atuações diante de Jags e Bills deveriam ser relativizadas, disse eu e levei porrada de quase todos os lados, tendo que ouvir coisas como: "não importa, é uma vitória" ou "Tom Brady lançou duas ints diante do Jags", passando por "você só torce contra". Acho que agora está claro que o time não é nada mais do que um amontoado de jogadores e que talvez nem esteja entre os 10 piores da temporada, mas também não está muita coisa acima.

Os problemas, é claro, não resumem-se apenas a Ryan Tannehill. Ele não é o único elemento ruim do elenco, mas é o que custou mais caro. Pra mim está claro desde o draft de que a sua escolha nos atrasará, ao menos, uns 3 anos. Nada de ruim caso o time tivesse vencido um Super Bowl na década passada, alguns times estão nesta situação. Mas a nossa última conquista tem quase 40 anos. Portanto tempo é algo que não temos, pelo contrário .

Sei que estou sendo chato. Mas eu tenho que me posicionar acerca do que aconteceu ontem. Foi patético de se ver. Ryan tem um problema sério: quando lança uma Interceptação ele não consegue se recuperar de imediato, demora muito tempo pra voltar ao ritmo. Isso é algo horrível, acreditem. Ele teve muitas jardas, mas TD que é bom... claro que tivemos Drops e um dos principais alvos não estava em campo ( D-Best ). A culpa é só de Ryan? Não é claro. A culpa é de quem deixou o time sem alvos decentes, de quem trocou Vontae Davis para deixar Rishard Marshall, quem escolheu um TE inoperante ao contrário de um tal de Alfred Morris que ontem teve uma atuação espetacular pelo Redskins...

Este Blog entra em recesso e salvo alguma notícia bombástica ( tipo demitirem o Mike Sherman ), o ritmo normal somente deverá ser retomado quando a Free Agency estiver mais próxima. Porque este time não merece. 

sábado, 29 de dezembro de 2012

E a classe de 2011 do Draft?

Conhece o WR da foto? Não? Fique tranquilo, você não é o único...
 
O Draft de 2011 foi complicado, primeiramente pela temporada complexa de 2010, onde fizemos inacreditáveis 1-7 dentro de nosso estádio, mas vencemos por exemplo Vikings e Packers fora de casa. Sim, o Packers que seria o campeão ao final do ano. E não teríamos pick de segundo round, que enviamos para o Broncos na troca por Brandon Marshall. E acho que fizemos um dos piores drafts recentes ( e olha que somos especialistas em drafts ruins ). Vamos ver como estão os jogadores daquela turma:
  • Mike Pouncey. Titular desde o primeiro dia, podemos dizer que é o único que vingou de verdade. Sofre ainda com algumas defesas, mas até aqui em 2 anos mostra o potencial para ser de elite. Comparando com os first rounds de drafts anteriores, é um dos melhores escolhidos ao lado de Long;
  • Daniel Thomas. Pra mim, até aqui, uma bola fora. Não consegue correr pra valer, não consegue manter-se saudável e se existe a possibilidade de deixarmos Bush ir embora é por causa de Lamar Miller, não de Thomas. Serve no máximo para ser complemento, jamais como corredor principal. Para adquirimos ele no segundo round, tivemos que ceder as picks de terceiro, quinto e sétimos rounds. Tudo isso para conseguir um back-up. Sensacional, não?;
  • Edmont "Clyde" Gates. Quem? O cara da foto. Mas o que ele fez de bom? Nada. Tanto que hoje está no Jets. Viera de uma Universidade desconhecida e mostrou-se um desperdício de pick;
  • Charles Clay. Este está ai ainda e vem sendo usado como TE. Marcou TD recentemente, diante do Seahawks. Vem contribuindo bem e virou um reserva útil;
  • Frank Kearse. Foi cortado este ano e não está mais na NFL;
  • Jimmy Wilson. Está lotado na secundária e vem contribuindo de forma até que bem. Por ter saído no sétimo round, acho que valeu a pena.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Salary Cap, Franchise Tag e um recorde do Blog...

A NFL definiu valores do Salary Cap e das Franchise Tag para a temporada de 2013. E este Blog tem um recorde com este post...
Nesta sexta, a NFL anunciou os valores do Salary Cap e das Tags para cada posição. O total que as equipes podem gastar em 2013 aumentou impressionantes 1mi. Isso mesmo, passou de 120 para 121mi. Além disso os valores das Tags ficaram assim:
  • Quarterbacks: 14,642 milhões;
  • Runningbacks: 8,079 milhões; 
  • Wide Receiver: 10,357 milhões;
  • Tight End: 5,962 milhões; 
  • Ofensive Lineman: 9,660 milhões;
  • Defensive End: 10,984 milhões;
  • Defensive Tackles: 8,306 milhões;
  • Linebackers: 9,455 milhões;
  • Cornebacks: 10,668 milhões;
  • Safeties: 6,798 milhões;
  • Kickers/Punters: 2,926 milhões;
O Miami poderá ter que assinar a TAG com algum destes jogadores: Jake Long, Sean Smith, Brian Hartline, Randy Starks, Reggie Bush e Anthony Fasano. Sendo que no caso de Long, o valor não ficaria nesse citado ai em cima, ele cairia na regra que cita: "o valor da Tag ou 120% do salário, o que for maior". No caso de tagarmos Long, ele receberia impressionantes 15,3 milhões em 2013.

Além disso existem 2 tipos de Tags: a exclusiva e a não exclusiva. Na primeira o jogador é tagado e ele não pode negociar com nenhum time, euquanto que na segunda o jogador pode negociar, mas o time que tagou receberia duas picks de primeiro round. Existe uma terceira opção: a Tag de Transição, que é pouco usada, pois nela o time paga menos do que os valores acima, mas ele pode negociar com outra equipe e o time fica sem recompensa alguma.

Eu, particularmente, só acho que valha a pena assinar Tag com o Bush ou com o Sean Smith. No mais, não faria sentido e nem compensaria do ponto de vista financeiro. Além disso o Miami terá 22 FAs para assinar. Alguns é claro que nem valem a pena, outros são cruciais e mesmo que tenhamos 60 milhões de Salary Cap, não teremos espaço para assinar com todos. Além de, todos sabem, precisamos de reforços.

Quanto ao recorde deste Blog é o número de postagens totais em um ano, chegando neste na marca de 278 posts, superando a marca da temporada de 2009. A marca é significativa e vem em uma temporada onde a chance de post-season bateu, diversas vezes, na nossa porta mas por diversos problemas ( pra mim o principal é a falta de qualidade do QB ) iremos mais uma vez ver a post-season pela televisão. Fica para 2013. Ou não. 

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Cameron Wake é Pro Bowl.

Cameron Wake será o único jogador do Dolphins no Pro Bowl. Merecido, ele é de longe o melhor jogador do elenco. Brandon Fields, pra mim, merecia ter ido, mas é aquela coisa: não merecemos dois jogadores no Pro Bowl, não temos time pra isso. E essa é uma dura realidade. Parabéns para Wake, que tem sido de fato um jogador espetacular...

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Hora de olhar pra temporada dos rookies...

Foram 09 jogadores escolhidos. Um deles nem sobreviveu ao corte da temporada. Outro é o pomo da discórdia entre os torcedores, tem o que praticamente não entrou em campo, tem o que teve que mudar de posição... enfim, todos os rookies do Dolphins tiveram bons e maus momentos. Vamos ver o que rolou na temporada deles, com nota e tudo:
  • Round 1 Pick #8 - Ryan Tannehill - QB, Texas A&M - Discussão sem fim. Ou com fim, pois em 2 anos saberemos o fim da saga. Como ela será é que é problema. Polêmicas a parte, todos concordam em uma coisa: ele está melhor agora no fim da temporadas, mas não está conseguindo ter excelentes atuações e sim jogos seguros, errando menos mas não aumentando o número de acertos. Além dos adversários serem mais fracos. Antes do fim da temporada ele está 12-12. Seria bom, mas 3 rookies QBs tem mais Tds, mais destaque e concorrem entre si para ver quem vai ser o Rookie Ofensivo do Ano. É esperar pra ver o que rola em 2013, mas o meu sentimento não mudou desde o dia em que ele foi draftado. Nota B-;
  • Round 2 Pick #42 - Jonathan Martin - OT, Stanford - Que tal entrar em um time para ser RT e terminar o ano substituindo aquele que pra muitos era o melhor LT da Liga em 2010? Gelada, não é mesmo? Pois ele se virou bem até aqui, apesar do erros costumeiros de rookies. Parece promissor e com espaço pra crescimento. Nota B;
  • Round 3 Pick #72 - Olivier Vernon - DE, Miami - Uma atuação histórica diante do Jets valeu o ano. E ele foi consistente a temporada inteira, rodando entre DL e LB. Está progredindo bem e agora vai ter que mostrar-se melhor em 2013. Boa aquisição até aqui. B
  • Round 3 Pick #78 - Michael Egnew - TE, Missouri - Quem? Pois é, a pergunta do dia do Draft permanece. Até aqui praticamente não entrou em campo. Tem cara de bola fora, e daquelas pra gente nunca mais esquecer. Nota E;
  • Round 4 Pick #97 - Lamar Miller - RB, Miami - Por algum motivo inexplicado Joe Philbin e Mike Sherman insistiam em deixar ele de fora. Quando resolveram colocá-lo ele deixou esperança de que pode ser bem útil para os próximos anos. Nota ( por ter jogado pouco ) B-;
  • Round 5 Pick #155 - Josh Kaddu - OLB, Oregon - Tem atuado mais no Special Teams, mas parece que cavou seu lugar no elenco, pelo menos para 2013. Nota D;
  • Round 6 Pick #183 - BJ Cunnigham - WR, Michigan State -Tão bom, mas tão bom que nem sobreviveu ao corte do 53 man rostes. Bust do Draft até aqui, mesmo que o round tenha sido o sexto. Sem nota, é óbvio;
  • Round 7 Pick #215 - Kheeston Randall - DT, Texas - Parecia ser apenas mais um a tentar a sorte em uma TC saindo em little rounds. Mas eis que ele está fazendo uma temporada de rookie sendo bem interessante tanto nos STs quanto sendo usado na rotação dos DTs. Nota D;
  • Round 7 Pick #227 - Rishard Matthews - WR, Nevada - Excelente achado ou um jogador que aparece pela fraqueza do grupo de WRs? Difícl saber agora, mas ele tem feito o seu papel e conseguido suas jardas, apesar de ter recebido apenas 8 passes. Em 2013 saberemos melhor a resposta para a pergunta feita acima. Nota C, pelo round em que saiu.

Novo logotipo do Dolphins?

Pode ser que esse seja o novo Logotipo do Miami Dolphins. Há tempos que vem sendo especulada a modificação, mas agora existe um desenho. Se vai ser este ou não é outra coisa, mas eu achei bonito. Mesmo sendo apegado a tradições, eu gostei...

Renovar ou não com Reggie Bush eis uma questão pertinente

Que o seu Natal tenha sido cheio de paz, alegria e com a presença de ses familiares e amigos queridos...

mas a questão agora sobre este jogador. Valeria a pena mantê-lo em Miami?

Voltando a ativa após a pausa pras Festas Natalinas, vamos a uma questão pra lá de pertinente: Reggie Bush deveria receber um contrato na próxima off-season? Antes de prosseguir, vamos a um comparativo entre o Bush de 2011 e o de 2012 ( ano passado ele ficou de fora da última partida, portanto os números são todos de 15 jogos ):
  •  Jardas Corridas: 1.086 contra 960 ( a duas marcas são as melhores de sua carreira );
  • Touchdowns: 6, mas em 2012 ele recebeu pra 2, contra apenas 1 em 2011;
  • Média de Jardas por corrida: 5,0 contra 4,4;
  • First Downs: 40;
  • Corridas de 20jds: 7 contra 6;
  • Fumbles: 4
Analisando de forma bem fria, podemos dizer que os números são bem equivalentes, apesar de 120jds a menos. Acontece que Bush não fez nenhuma partida pra mais de 200k este ano enquanto fizera uma ( contra o Bills ) em 2011. Bush ficou devendo em diversos momentos na temporada e fez jogos apáticos, mas chega a ser surpreendente ver que ele esteja a míseras 40jds para ultrapassar, e apenas pela segunda vez em sua carreira de 7 temporadas, as 1000jds. 

Não existem muitos corredores por ai que podem correr, de forma consistentemente, mil jardas em duas temporadas seguidas. Além disso, convém citar, que o candidato a substituto está - pela segunda temporada em duas, na Lista dos Machucados. Seu nome? Daniel Thomas. E o terceiro no backfield está apenas agora ganhando experiência em correr, mas não está enfrentando as melhores defesas contra corridas, ressalte-se.

Isso torna delicada demais a decisão de renovar ou não com Reggie Bush. Ele está tendo, de longe, suas melhores temporadas conosco e tem ficado longe de contusões, algo que o perseguia antes. Mas se renovar, qual a duração do contrato? Qual valor? Quanto de dinheiro garantido? Daria para conseguir alguém melhor ou parecido na Off-Season? E se conseguirmos outro RB, seria mais barato?

Primeiro passo para definir essa questão é definir se Bush é importante para a evolução de Ryan Tannehill. Sim, isso tem peso crucial nessa decisão. Química entre jogadores de ataque não é uma coisa que aparece do dia pra noite e trocar o RB principal ( que também é um bom alvo no passe ) e o WR com quem ele melhor se entendeu no seu ano de rookie ( Brian Hartline ), não me parece uma boa ideia.

Isso quer dizer que devemos renovar com Bush ( e por tabela com B-Hart ), a todo custo? Não é bem assim, devemos procurar equacionar bem as variáveis envolvidas neste problema: Cap, tempo de contrato, idade ( RB começa a decair os números a partir dos 30 e Bush terá 29 ano que vem ) e melhora de nosso QB. Se pudermos equilibrar tudo isso, teremos feito um grande trabalho. Se iremos conseguir é outra coisa, mas o Bush de domingo passado merece ficar mais anos em Miami.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Feliz Natal para todos!!!

Feliz Natal para todos é o que desejam todos os que fazem o Undefeatteam.

Miami vence o Bills, mas está eliminado. Quem se importa com isso?

Ontem esta dupla, que ficou devendo em boa parte da temporada, esteve perto da perfeição. Mas eles podem se separar em 2013...
 e quem decide é este homem ai. Ou não, vai saber...

Eu sempre quero vencer. Se for diante de um rival de divisão, isso vira obrigação pra mim. Não sei bem a opinião de todos os que frequentam este espaço, mas eu sempre quero vencer, mesmo que o rival seja o Patriots ou o Texans, em suma, quero vencer mesmo quando é certeza a derrota. Mas existem outros lados que quero tocar neste tópico, o qual não irá malhar Ryan Tannehill. Acho que ele mereça uma trégua após completar sua quarta partida seguida sem interceptação, após romper a barreira das 3000 jardas e ter dado um passo grande no sentido de, ao menos, ficar zerado na relação TDs-Ints ( está 12-12 agora ):
  • O time vem de 3-2 nas últimas 5 partidas, mas só venceu um time que tem mais vitórias que derrotas ( Seahawks ). Perdemos para Patriots e Niners, mas esses eram resultados pra lá de prevísiveis e agora vencemos Jaguars e Bills. Não quero ser o chato, mas ocorre a vocês que além do Seahwaks, a outra equipe com mais vitórias do que derrotas a quem conseguimos vencer foi o Bengals? E que perdemos pra Jets, Cardinals, Bills e Titans e que das outras equipes que vencemos até aqui só o Rams pode terminar com saldo positivo? Isso mostra o quê exatamente? Que nosso time tem sérias dificuldades em vencer adversarios do mesmo naipe ou inferior e que consegue atuações decentes contra times fortes ( foi assim diante de Pats e Niners ). Temos muito o que melhorar para podermos ir a post-season;
  • Não obstante o dito acima, fica claro e evidente para que possamos ousar desafiar o amplo domínio do Pats na divisão, precisamos varrer Jets e Bills e só ai trocar derrotas com o NE. Varrer rivais ridículos como Bills e Jest é obrigação para quem tem o time que temos. Ou alguém ai vai dizer que o time mudou tanto assim da semana 11 para a 16? Não mudou, é a mesma equipe ( vá lá, Long estava em campo mas isso não quer dizer nada ). O QB, os OLs, os RBs, os WRs eram os mesmos. Ficou claro para quem quis ver que era possível termos vencido lá em Buffalo. Porque não vencemos? Não sei, mas que o Bills é patético ficou claro ontem, quando pediu pra levar 50 pontos de novo e não tivemos a capacidade de sequer fazer a metade disso;
  • O calendário do ano que vem é mais complicado do que o dessa temporada, pois inclui times bem fortes como Falcons, Saints, Steelers e Ravens e os confrontos com os times da AFC que terminaram na mesma posição em suas divisões prevê jogos duros contra Colts e Chargers. Trocando em míudos: nada de Raiders e afins ( vá lá que tem o Browns, mas eles melhoraram bem o ritmo neste fim de temporada ). Acho, sinceramente, que diante desses 6 times deveremos, em tese, perder ao menos 4 jogos. Some-se a isso duas derrotas pro Pats e já teríamos seis derrotas. E ainda tem times como Buccs, Panthers e Bengals na conta. Seria necessária uma melhora mais do que ótima para podermos ir a post-season ( isso sem melhoras nos rivais ). Aguardar que ela aconteça, no momento, é mais do que improvável;
  • Tudo isso claro, passa por uma evolução de Ryan Tannehill. Se ele melhorar de forma gradativa, ok. Se não, nada de post-season. Ele está melhor agora do que no começo da temporada? Piorar seria impossível, não é mesmo? Mas jogar bem e não ser inteceptado é uma boa notícia, mesmo não esquecendo que os adversários são bem mais fracos. E ontem ele ficou com menos jardas passadas do que Fitzpatrick. Alguns dirão que não fez falta e que vencemos, mas é um dado a ser considerado. Mas vai que ele atua assim ( ou melhor quem sabe ) diante do Patriots? Ai sim teríamos motivos para ficarmos animados de verdade;
  • O estádio vazio é um sintoma, acho que todos perceberam durante a partida, e para os que não viram a foto de Ryan e Bush juntos não deixa dúvidas. A torcida só vai aparecer em peso quando, e se, este time conseguir vencer mais partidas do que perder. A história poderia ter sido diferente e vi gente no Facebook criticando Steelers e seus jogadores, mas quando você passa a depender do outros é porque você não fez a sua parte. E nós deixamos de fazer a nossa ao perdermos, em casa, pra time como Jest e Titans ou ao conseguirmos perder pro Cards que na sequência perdeu apenas 9 partidas! Claro tudo poderia ser diferente, é o que todos queriámos. Mas, infelizmente, não deu;
  • Acertar a mão na off-season é mais essencial do que nunca. Na obtenção disso residem nossas esperanças de irmos melhor em 2013.
O Blog entra em recesso e só volta a ativa, talvez, na quinta. Um Feliz Natal para todos, cheio de paz e alegria. E até quinta-feira. Ou não... 

domingo, 23 de dezembro de 2012

Week 16: Bills at Dolphins - Vencer pra terminar com dignidade diante da torcida

Apesar de eu ter certeza de que esta temporada não está sendo, nem a pau, melhor do que a de 2011, alguns jogadores estão tendo a melhor temporada de sua vidas. O da foto pode ter a sua melhor marca em sacks em uma única temporada, basta conseguir 1 na partida de hoje.

Iremos encerrar nossa temporada diante de nossa ( sofrida ) torcida, enfrentando um velho e incorrígel freguês: o Buffalo Bills ( 55-37-1 ), diante de quem estamos 5-3 na recentemente. Vencer é importante não porque isso manteria acessa as ( remotíssimas ) chances de post-season, mas sim por darmos um presente de Natal aos tocedores, vencendo em casa e voltando a ter mais vitórias em casa do que nas temporadas anteriores ( se vencer, ficaremos 5-3 contra impressionantes 1-7 de 2010 por exemplo ou do 3-5 de 2011).

Vencer sempre é importante, pois é o objetivo básico do esporte. O draft de 2013 não pode comportar erros e pouco faria diferença entre escolher na 11ª ou na 14ª, pois mesmo perdendo as duas últimas o time não vai entrar no Top 10, onde sim faz diferença.

Nesta partida poderemos ver Cameron Wake superar a sua marca de sacks em uma temporada ( 14 em 2010, além de liderar pela 4ª temporada seguida o time nesse quesito ), poderemos ver Reggie Bush encaminhar-se para pela segunda vez na carreira conseguir passar das 1000jds ( precisa de 151 em duas partidas ). E que Tannehill passe das 3k jds ( precisa de apenas 71 hoje ) e que tenha 90 ratings ou mais ( o time está 5-1 quando ele faz isso ).

Davone Bess, Dan Carpenter, Daniel Thomas e Koa Misi estarão de fora da partida e a baixa mais sentida sera a de Bess, pois já não temos um grande corpo de recebedores, imagina sem um Starter a disposição. Enfim, vencer é a base. E é o que eu quero. Se der pra ser passando o carro, tanto melhor. Pois se Ryan deseja ficar com mais TDs do que Ints, teria que passar por pelo menos uns 3 hoje ( sem interceptações ), pois na semana seguinte passar para mais de um será bem complicado, diante do Pats, não acham?

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Imagem da Semana

A festa da torcida no Sun Life Stadium. Existe algo melhor do que isso? E claro, como tem gente com a camisa 17 na foto, não?

Dessa eu não sabia... Mr. Saban...

Fala galera, na paz? Aqui é Juba Rivas, colaborador do blog do nosso querido Miami Dolphins, comandado pelo ilustre Flávio Vieira. To postando uma "notícia" que rolou no início dessa semana lás no país da bola oval, referente a Saban, Brees e Dolphins.



Atual técnico da Universidade do Alabama e nosso ex-treinador, Nick Saban (foto) disse que, em 2006, o Miami Dolphins chegou a oferecer um contrato para Drew Brees, antes de mandarem um para Daunte Culpepper, ao contrário do que muita gente pensa. Saban disse isso ontem, no DanLeBatar Show.

"Nós escolhemos o Drew Brees. Eu nunca falei sobre isso publicamente e acho que um monte de jogadores sabem disso. Havia muita lealdade na organização e os jogadores nunca falaram sobre isso. Acho que Drew Brees é um jogador excepcional. Esse é o cara pra quem mandamos a primeira oferta. Francamente, ele não passou no teste físico com a nossa organização, de modo que tínhamos que ir em uma direção diferente e não havia realmente nada que qualquer um de nós pudesse ter feito sobre isso. Se a gente tivesse tido sorte com a posição de QB, devido as circunstancias e a situação, poderíamos ter obtido sucesso com o time. No ano que eu estive lá, em 2006, tínhamos uma ótima defesa, mas nosso ataque não produzia. Joey Harrington, enquanto esteve por lá fez um bom trabalho, quando Culpepper se machucou. E acabamos o ano indo com o Cleo Lemon. Então não tivemos a qualidade de execução necessária e esperada de um QB."

Depois ele ainda desconversou, dizendo que falar sobre isso agora não iria fazer muita diferença mesmo. Eu só acho engraçado Saban falar isso somente 6 anos depois. Nitidamente quer tirar a parcela de culpa dele, sobre o fracasso do time, afinal de contas, Culpepper também voltava de cirurgia, assim como Brees. A diferença é que o QB do NO Saints teve uma lesão, senão me engano, no ombro que efetua o lançamento, enquanto Daunte teve no joelho. Mas, mesmo assim. Foram na onda dos médicos, ok. Porém, se Culpepper tivesse detonado e virado ídolo em Miami o discurso seria bem diferente. Ao meu ver, faltou critério nessa escolha. O tal do football feeling. Depois de vencer o Superbowl, com o Saints, em Miami (que coisa né?), Drew Brees deu uma entrevista e respondeu: "Os Saints salvaram não só minha carreira, como a minha vida.", ao ser perguntado se foi o Saints que o salvou ou se foi ele quem salvou o Saints (todos nos sabemos como era o time de New Orleans antes de Brees chegar, risos)




Números de Brees nos Saints
Jogos como titular: 109
Recorde: 68-41-0
Comp % : 67.0%
Jardas: 32.432
Touchdowns: 232

Números de Culpepper nos Dolphins
Jogos como titular: 4
Recorde: 1-3
Comp % : 60.4%
Jardas: 929
Touchdowns: 2


Isso sempre será uma ferida para os fans do Miami Dolphins. E só será curada quando um QB nos levar e vencer, novamente, um Superbowl.





terça-feira, 18 de dezembro de 2012

First Down: E se Tannehill não for a solução?

Este é um tópico sério, baseado em uma pergunta de um leitor do Blog.

O leitor Celso Pires fez uma pergunta na caixa de comentários do post "Sentimentos estranhos perseguem-me nestes dias". A indagação foi exatamente essa: Flávio, me tire uma dúvida. Você não acredita no Tannehill. O que fazer se a reestrturação do time der razoavelmente certo e simplesmente esbarrar numa suposta falta de talento dele? É possível draftar algum QB na 1ºrodada numa posição entre 18º e 24º, por exemplo? Ou o caminho é buscar em uma eventual FA ?

E como responder a essa questão sem suscitar problemas dos mais diversos? Vamos pelo começo: eu não acredito que Tannehill seja a solução, mas disso todos já sabem creio eu. Mas partindo do presuposto de que eu esteja certo, como e quando o time resolveria o problema? Não é fácil falar nem do próximo draft, quanto mais sobre como arranjar outro QB, se o atual é ainda um rookie? Mas eu não me furto dos temas polêmicos, vocês sabem disso. 

O primeiro a se pensar sobre esse assunto é que Tannehill é o cara do Sistema. E o chefe desse sistema é Joe Philbin que acabou de assumir o posto e não existe nada que aponte que ele vá sair ao fim da temporada seguinte, pois o trabalho dele não está sendo ( de todo ) ruim e nada demonstre que o time vá piorar em 2013 ( ao menos não queremos isso, certo? ). Sendo assim enquanto ele ficar em Miami ele deverá manter o Ryan como QB pelo maior tempo possível e como Starter. E enquanto isso assim mantiver-se, não deveremos investir em QBs em rounds iniciais ou ir atrás de figurões na Free Agency. Claro e evidente que se Ryan mostrar-se ruim e Philbin permanecer por, tipo, uma década, ele vai ter que investir em outro QB. Por isso vamos determinar que por pelo menos 3 anos Philbin e cia devem bancá-lo como Starter. E tentar montar o time no entorno deste.

Segundo existe a questão do desenvolvimento, não apenas de Ryan mas do time. Digamos que o time evolua e Ryan não ( uma das principais perguntas de Celso ), o que pode acontecer? Se ficar claro que o time não consegue ir além por causa de Ryan, a pressão sobre Ryan e cia ficaria grande. E ai podem acontecer duas coisas: vermos a situação patética que acontece nos Jatos ( onde Rex Ryan já deixou claro que insistirá até o fim com o Sanshize ) ou a situação do Niners, onde Jim Jarbaugh aproveitou uma oportunidade e bancou uma troca. O problema é que o Niners tinham ido ao NFCCG em 2011 e draftaram um ótimo prospecto, mas vamos imaginar que façamos isso em 2013 ou 2014. Mas tenham certeza: se ficar claro que o time estiver limitado por causa de Tannehill, mudar será imperioso.

Terceiro temos que analisar o tal breakout year. O que é isso? É o ano em que o cara desponta de vez. E novamente cito o Niners: em 2011 ninguém esperava que Alex Smith jogasse o que jogou. Ele teve o ano do estouro, o ano em que finalmente joga aquilo que dele se esperava. E se Ryan fizer isso em 2014 ou 2015? E se ele for trocado e jogar isso em um rival? Impossível? Não, existem casos a rodo por ai. Brett Favre será pra sempre ligado pelos seus gloriosos anos em Green Bay, mas você sabia que ele fora draftado pelo Atlanta Falcons? Ou que Drew Brees fora draftado pelo Chargers?

Não é fácil prever isso. Eu posso estar errado e não escondo que adoraria poder dizer daqui a 3 ou 4 anos que estava errado. Estarei? Impossível responder isso agora, mas o que sei é que isso é algo paupável. Existem sinais para pensar o contrário, é fato. Mas não podemos fechar os olhos pros sinais ruins também. Portanto, o correto, é bom ficarmos de olhos bem abertos. Mas não teremos, com certeza, um QB escolhido no Draft em rounds iniciais e nem veremos chegar algum Top via Free Agent/Trade. Isso é o que posso afirmar com certeza...

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Reggie Bush renovar ou não

Bom esse é meu segundo post no blog. Meu nome é Caique salinas e começo a minha jornada junto com os leitores do blog. Estou aberto a sugestões, criticas e dicas. Espero que gostem do post.
                                                                Fica ou Não ?? 
 
O fim da temporada se aproxima e nossos pensamentos já devem se voltar para próxima off season. E pensando exatamente nisso, resolvi escrever esse post, levantando uma questão: vale a pena ou não renovarmos o vinculo com Reggie Bush?

Bush veio a Miami depois de uma passagem não muito boa nos Saints, devido a isso chegou aos dolphins quase de graça, por apenas uma inversão de pick no Sexto round, com um salario de um RB mediano. Devido a tudo isso Bush começou a temporada passada cercado de desconfiança. Mas se tornou uma das maiores surpresas, correndo para mais de 1000 jardas e se tornando talvez o único ponto positivo do nosso ataque na ultima temporada.

Essa temporada começou diferente para Bush, pois agora ele tinha o status de principal arma de um ataque que tinha um QB rookie e um grupo de WR no mínimo fraco. Infelizmente para Miami, nosso RB não conseguiu manter o mesmo nível da ultima temporada. Jogou até bem em algumas partidas mais não foi o "cara" do nosso ataque, como se esperava no inicio da temporada. Deixando um grande ponto de interrogação acerca de seu futuro no time.

Com seu contrato vencendo no fim dessa temporada a renovação de contrato de Bush se torna um ponto polemico, pois o jogador provavelmente pedirá um grande aumento de salario e isso poderia afetar nosso CAP. Além disso, ele vai fazer 29 anos idade perigosa para um RB. Não podemos esquecer que que teremos na free agent nomes como Felix Jones, Danny Woodhead, Rashard Mendenhall e Steven Jackson que poderiam substituir Bush em nível igual ou até mesmo superior.

Devido a tudo isso acho que o melhor para os Dolphins  é não renovar o vinculo com Reggie Bush, e ir  buscar um outro RB no período de free agency. E vocês concordam ou não? Sintam-se a vontade para deixar sua opinião na caixa de comentários.

Sentimentos entranhos perseguem-me nesses dias...

A atuação foi boa, o adversário é fraco, a foto é ótima, mas falto algo ainda...

Sabem o que é mais inacreditável nesta ( mais uma ) temporada de reconstrução? O fato de ainda termos chance de post-season. Mas eu acho que existe algo ainda mais inacreditável: é que muitos acreditam nisso. E posso ir além no inacreditável: muitos creditam isso a Ryan Tannehill. Antes de prosseguir uma informação que acho valiosa: não irei tornar este post uma discussão sem fim se Tannehill é ou não a solução. Eu tenho certeza que não é, muitos acham que é. Então cada um que fique com as suas convicções, certo?

Porque é inacreditável atribuir a Ryan Tannehill o feito de o time ainda estar brigando pela post-season? Pelo simples fato de que se formos, iremos APESAR DE e não POR CAUSA DE. Quando a temporada começou ninguém em sã consciência apontaria o Miami como candidato a post-season. Eu por exemplo sequer cogitei tal possibilidade e o arquivo do Blog está ai para não me deixar mentir. E não se cogitava isso simplesmente porque era utópico pensar nisso antes da temporada. Mas eis que, mesmo com um rookie de QB, o time chegou a partida que marca o meio da temporada com recorde de 4-3 ( com duas derrotas que com um pouco mais de qualidade teriam virado vitórias ) e sendo, naquele momento, o Seed 5 da AFC. Santo Deus, o time totalmente desacreditado era, surpreendentemente, um candidato a post-season. Era a realidade do momento. E era um 4-3 que poderia, e deveria, ser um 6-1. Aqui as opiniões dividem-se sobre porque o time não vencera Jets e Cards, mas uma certeza une a todos: estas duas partidas o time perdeu pra si mesmo, não pro rival.

Mas voltemos ao momento da Semana 8: o time era o Seed 5 da AFC e ia enfrentar, o na época, Seed 6. Jogo entre dois dos QBs Rookies do Top Ten do Draft ( o outro é o RGIII ), dos que até então, segundo alguns, eram os mais promissores advindos da NCAA. Era a partida da afirmação. Eis que perdemos o jogo, mais um, tomando uma virada. Um rookie, de fato, brilhou naquele dia no Lucas Oil, mas ele vestia azul, não branco. Aqui a temporada do Dolphins, de fato, dividiu-se em duas.

Depois vieram mais duas derrotas. Mas não foram derrotas simples contra times fortes ( coisa que o Colts transformou-se naquele dia no Lucas Oil na Week 8 ), foram para times que são, hoje, piores do que nós. E pior: uma delas foi a pior surra em casa desde 1968!!! A outra foi uma derrota pro Bills. Esse mesmo Bills que ontem tomou 50 pontos do Seahawks. Mas ai veio a partida contra este mesmo Seahawks, e eis que Ryan Tannehill e cia ( é bom dar méritos pra todos ) resolveram conseguir uma virada na temporada ( e até agora única ) e com dois Tds no quarto período vimos nosso Rookie colocar em sua estatísticas uma virada, esta aplicada. Porém a seguência era ingrata e perdemos pra Pats e Niners. Derrotas esperadas, mas que vendemos caro. Mas até isso é engraçado: em ambas, com mais talento, poderiam ter virado vitórias. Ambas as equipes, em certo momento da partida, pediram pra perder. Mas não conseguimos.

Ai, ontem, recembemos o Jaguars. A equipe que consegue ser pior do que nós desde Janeiro de 2000, quando nos aplicou um sonoro 62x7(!!!) na despedida de Dan Marino. Os Jaguars, pra quem não sabe, está pior do que nós em vitórias desde 2001. É, isso mesmo, existe time pior do que nós. E o time deles faz uma temporada tão ruim que um refugo nosso ( Henne ) é considerado melhora significativa por lá. Mas ontem e hoje, diversos torcedores do Miami estão - como direi - mais esperançados pela vitória e pela ( de fato, boa ) atuação de Ryan Tannehill ontem: 22/28 mais de 200 jardas, 2 Tds sem interceptação. Boa atuação repito e trago outro dado: a última interceptação dele já está longe, foi no primeiro quarto diante do Seahawks. Isso mesmo, a quase 4 jogos que ele não lança uma interceptação e isso tendo enfrentado Niners e Pats ( que ontem fizeram o melhor jogo em anos, que eu tenha visto ). É animador? Sim, é. Mas nem tanto. Devagar com andor, diria minha mãe.

Podemos sonhar com post-season? A Matemática fria diz que sim, mas alguém realmente vê este time vencendo o Pats em Foxborough? Tudo bem que se for o Pats do primeiro tempo de ontem daria, mas eles são na verdade o time do segundo tempo, que consegue empatar um jogo após estar perdendo por 28 pontos!!! Sabem qual foi a última vez em que fizemos isso? Eu não sei...

Prefiro, e digo isso de coração, não ir pra post-season e vencer o Bills ( obrigação ) e desperdi-me de 2012 com dignidade no Gillete Stadim, até porque assim teremos uma melhor posição no Draft. E pensar em 2013. Na verdade, nem em 2013 em si, mas em dias melhores, que tenham certeza ainda não devem aparecer em 2013, não porque eu não acredite em Ryan, mas porque times vencedores não são montados do dia pra noite e é preciso entrosar as peças. E a nossa, talvez, maior necessidade leva tempo pra render: WR talvez seja a posição onde a transição da NCAA pra NFL é mais complexa, pois os playbooks da Universidades costumam ser mais simples e porque os DBs da NFL são bem melhores do que os da NCAA.

Tenho sido perseguido por estes sentimentos estranhos, de não querer que o time vá pra post-season, de querer estar errado quanto ao Ryan ( e quero estar ), de estar sendo chato ao insistir com meu pensamento, que já é tachado de chato normalmente, de estar remando contra a maré... 

Mas eu me sentia assim com relação a TGJ, e deu no que ( não ) deu. E fiquei esperançoso demais com a era Sparano, e igualmente deu no que ( não ) deu . E me dei muito mal isso. Tinha dias em que eu nem queria abrir a internet, acessar um fórum, quanto mais fazer um post. Talvez por isso eu tenha ficado ressentido e com medo de criar uma falsa expectativa e que o tempo e a realidade se mostrassem tenebrosas, terríveis.  Totalmente o oposto do sonho, da esperança, da vontade de ver o time vencedor novamente. Talvez seja isso, medo de me machucar outra vez, de ver mais uma reconstrução dando em nada, de ver mais picks perdidas, de permanecer sendo por mais anos ( e quanto tempo mais ) uma piada para outros torcedores. 

Mas é como me sinto. E se querem saber, eu não me sinto nada bem com isso...

domingo, 16 de dezembro de 2012

Um plano para o sucesso na próxima off-season - Parte II

A ideia é essa mesmo: dar um salto de qualidade para 2013...
 
No post anterior eu trouxe pro Blog o plano traçado na Off-Season de 2013 que pudesse levar-nos ao Sucesso na próxima temporada, plano este bem feito e rico em detalhes. Reitero que não estou escrevendo nada e que apenas traduzo e adequo para os leitores do Blog.
 
O post terminou antes da Free Agency e no plano o Dolphins tinha uma sobra de 28m milhões de dólares. O que não é muita coisa, mas dá pra fazer uns estragos. Um detalhe bem observado pelo autor é: Philbin e cia deixaram claro a preferência por jovens valores, sendo assim ele descartou do plano jogadores acima dos 30 ( Greg Jennings e Wes Welker ). Vamos ao que pode vir a ser a diferença entre outra temporada medíocre ou uma temporada vitoriosa.
  •  Mike Wallace WR. Possivelmente a jóia mais interessante dentre os FA do ano que vem. Rápido, atlético, ágil e excelente recebedor. Tudo o que um QB ( rookie ou não ) precisa ter em um Receiver. Com ele abrindo as defesas, os DBs não poderáo ficar tão próximos da DL. É um perigo na End Zone e comete poucos drops. Tudo muito bem, mas ele não vai querer ganhar pouco, é claro. Jogadores assim querem assinar o contrato de suas vidas. Como comparativo o Steelers assinou com Antonio Brown um contrato de 6 anos no total de 43mi. Um contrato de 5 anos e 45mi ( com 20mi garantidos ) deve ser suficiente para seduzi-lo a assinar conosco. E em 2013 o peso do seu salário seria de 6mi. Cap restante 22mi;
  • Mike Jenkins CB. Miami vai precisar de mais talento na secundária e isso é algo que todos concordam. Mas se mantivermos Smith e trouxermos outro no draft, isso não resolveria o problema? Não, pois talento nunca é demais. Jenkins está hoje em um time que tem um rookie talentoso ( Claiborne ) e dois jogadores com tempo de Cowboys que receberam extensões recentemente ( Carr e Scandrick ). Portanto não faz lá muito sentido gastar mais cap pra renovar com Jenkins, que seria o terceiro na lineup. Jenkins tem talento suficiente para chegar e ser titular. Mas quanto isso custaria? Ele vai custar mais do que Marshall mas é ele também é melhor, portanto vale a pena. 24 milhões para 4 anos, com 8 milhões garantidos parece-me algo capaz de seduzir ele e isso contaria 5mi contra o Cap em 2013. Cap restante 17mi;
  • Michael Johnson DE. Existem 3 motivos básicos para irmos atrás dele na off-season: ele trabalhou com o nosso Coordenador de Defesa Mike Coyle; ele é extremamente produtivo em campo; e por fim precisamos de ajuda real no pass-rush, pois o time fica previsível tendo apenas Cameron Wake, que vai fazer 31 anos em janeiro. Precisa de mais? Creio que não. Um contrato de 24mi por 4 anos ( com 9mi de garantia ) deve resolver o problema, ficando 6mi contando no espaço salarial. Cap restante 11mi;
  • Evan Dietrich-Smith Guard. Outra coisa consensual em Miami é que o interior ee nossa OL precisa de melhores jogadores. Smith é melhor do que Jerry e do que Incognito e não seria tão caro assim. Além disso joga no Packers onde Philbin era OC até a temporada passada. Está acostumado com sistema de bloqueios por zona ( ZBS ) e seria uma aquisição válida. 9 milhões por 3 anos, com 2 contando no espaço. Cap restante 9mi.
Não é possível cobrir todos os buracos em uma Free Agency, além do que times vencedores são formados a partir do Draft, mas a FA pode ajudar bastante nisso. Com essas 4 aquisições acrescentamos talento em posições cruciais e melhoramos o time. O draft, e nossas 10 picks, deve tentar cobrir o resto. Vamos ao plano agora ( tomando como base a posição ao fim da rodada 14 da NFL, onde a nossa pick seria a 11ª no round 1:
  • Round 1: Keenan Allen WR, Califórnia. Talento nunca é demais, lembram? Pois é, Allen é o que pode-se dizer chamar de negócio perfeito. Pode jogar de Slot ou como WR1. É alto e tem velocidade, predicados básicos para os Receivers atuais. Com ele, Wallace e Bess, Ryan não teria do que reclamar, não é mesmo?
  • Round 2, Pick 1: Lane Johnson OT, Oklahoma. Jogador alto e forte parece ser o valor ideal neste momento do draft para substituirmos Jake Long. Precisará de desenvolvimento é claro, mas ele tem o básico para ser, trocadalho do carilho, grande;
  • Round 2, Pick 2: Desmond Trufant CB, Washington. Com a possível vinda de Mike Jenkins, draftar outro CB faz sentido? Claro que faz, pois talento nunca é demais e existe a possibilidade do time não renovar com Sean Smith. Trufant tanto pode jogar por fora ou como Nickel. Teve boas atuações na NCAA e os times evitavam lançar do seu lado. Seria uma boa aquisição;
  • Round 3, Pick 1: Joseph Fauria TE, UCLA. Que tal um TE que conseguiu 11 Tds em 2012? Que foi o segundo em jardas na sua universidade? Tudo muito bom, né? Problema dele é que não bloquia bem, mas é algo que poderá ser corrigido com treinos. Tudo bem que gastamos uma pck neste mesmo round em 2012 com Michael Egnew. Mas vejam como Brady usa e abusa dos seus TEs. Por isso a escolha faz sentido;
  • Round 3, Pick 2: Baccari Rambo S, Georgia. Mesmo renovando com Chris Clemons, iremos precisar de talento no setor. E existe algo melhor do que ter Rambo como Safety? Falando sério, ele é bom e tem espaço pra crescimento. Problemas extra-campo é que o fizeram cair pro segundo dia do Draft;
  • Round 4: Omeregie Uzi Guard, Geogia Tech. Para mim John Jerry é bananeira que já deu coco e como o plano prevê o corte de Incognito, teremos que adicionar mais talento. E Uzi é um talento decente para se adquirir no quarto round. Poderá sair mais cedo, mas se o conseguirmos aqui seria fantástico;
  • Round 5: Zaviar Gooden OLB, Missouri. Precisamos de profundidade na posição de LB, onde Misi não mostrou, ainda, todo o seu potencial e Burnett é muito meia boca. Gooden poderia até virar Starter, mas o correto é esperar que ele vire um backup decente;
  • Round 6: Aaron Mellette WR, Elon. Ele vem de uma obscura universidade ( lembram da ACU e o grande Clyde Gates? ), mas se tivesse tais números em uma USC ou Ohio State seria first rounder com certeza. Vale a aposta pois neste momento se der errado, ninguém reclama, mas se vingar só teremos a ganhar com isso;
  • Round 7, Pick 1: Mychal Rivera TE, Tennessee. Outro TE? Pois é, eu também achei estranho, mas ele é um talento que poderia sair no segundo round, não fossem contusões recentes. Em todo caso, com 4 TEs no elenco, não deve ser impossível arrumar um que preste, não é mesmo?
  • Round 7, Pick 2: Armonty Bryant DE, East Central Oklahoma. Fim de feira é assim mesmo e os coachs devem buscar talentos com problemas extra-campo que caíram no draft ou apostas em obscurar universidades. Bryant se enquadra nas duas opções. Era de North Carolina e saiu de lá por problemas diversos e foi parar na altamente desconhecida ECO. Talento? Ele tem, mas não é um absurdo. Se viesse e virasse um back-up confiável já teria feito mais do que o esperado.
É um plano minuscioso, rico em detalhes e que poderia dar certo. Vai dar? Vai ser posto em prática? Não sei, mas acho que é o caso de torcermos que algo neste sentido seja feito.

sábado, 15 de dezembro de 2012

Um plano para o sucesso na próxima off-season...

Quem aceita o desafio de ser o alvo pra Ryan Tannehill levante a mão...

O Site The Phinsider ( para ler a matéria em inglês clique aqui ) lançou uma matéria com um plano para termos sucesso na próxima temporada. O Plano é bem feito e com detalhes passíveis de serem implantados na Free Agency e no Draft.

Tudo passa pelo controle do Salary Cap. E no ano vem que teremos praticamente 50mi. E logo podemos pensar: é muito. Mas não é, pois desses 5mi serão usados para assinar com os rookies ( temos 10 picks no próximo draft ) e ainda temos os jogadores que são Free Agents ( Jake Long, Chris Clemons, Matt Moore, Sean Smith, Brian Hartline, Randy Starks, Anthony Fasano e Reggie Bush ), além de podermos ( ou não ) re-estruturarmos contratos de alguns jogadores ( Paul Soliai, Karlos Dansby e Rishard Marshall ).

Comecemos pelo o que fazer com cada um destes atletas, deixando a Free Agency e o Draft de 2013 para um outro post:
  • Rishard Marshall CB - Cortar - Marshall até que jogou bem enquanto esteve saudável, mas ele irá custar 5mi no Cap em 2013. Trazendo um CB no draft poderemos ter uma melhora de qualidade por um preço menor. Cap restante 50mi;
  • Ritchie Incognito OG - Cortar - Ele não é novo, comete faltas demais e é substituiível. Acha pouco? Ele ainda custará 4mi em 2013, salário de Guards Tops, algo que ele nunca será. Cap restante 54mi;
  • Karlos Dansby MLB - Re-estruturar. Dansby está tendo uma temporada boa, não excepcional. Por isso não deve ser um grande problema ele aceitar uma extensão contratual. Mas o que ganhamos com isso, além dele ficar mais tempo em Miami? Economizariamos mais espaço no Cap ( seriam 2mi ) e ele tem valor de mercado e podemos no futuro trocá-lo por outro atleta ou pick no Draft. Cap 56mi;
  • Paul Soliai DT - Re-estruturar ou cortar. Soliai é um dos remanescentes da temporada de 2007 ( o outro é o Fields ) e que está se dando bem na mudança da 3-4 pra 4-3. Claro que ele não é um Top DT da NFL, mas irá receber em 2013 como um. Ai vem o problema? Mantê-lo com esse salário, renovar ou cortar? No plano traçado o ideal é re-estruturar o contrato atual mantendo-o por mais anos em Miami. Cap restante 58mi;
  •  Dan Carpenter K - Indiferente. Cortar ou não? Pois é, eu acho que Kickers precisam de tranquilidade e é preciso dizer em defesa de DC que ele está com um novo Coordenador e isso por si só já é algo a pesar. Claro que a tarefa do Kicker depende menos do papel de seu treinador do que um QB por exemplo, mas eu acho o velho DC ainda está lá. Por isso, e cortá-lo só reduziria pouco mais de 400k, não existe vantagem aparente, mas cortá-lo também não seria o fim do mundo. Cap restante 58mi;
  • Jake Long LT - Não renovar. Tanto o autor do texto quanto eu concordamos em um ponto: Um Long saudável é melhor do que OT que consigamos no Draft, pois a pick de primeiro round não será usada para isso e nos rounds seguintes o talento não se equivale. Mas o fato é que Long vai querer um salário compatível com o Status adquirido na NFL e não pela sua atuação nas duas últimas temporadas. E isso, hoje, não vale a pena. Que Long seja feliz em outro lugar e que Martin seja efetivado como Left Tackle. Cap restante 58mi;
  • Sean Smith CB - Franchise Tag. Situação complexa, sem dúvida. Mas ele é o melhor CB que temos e não deixa-se ele sair sem ganhar nada. Tagá-lo ( mesmo ao custo de 10mi ) é a saída e se ele desenvolver seu jogo durante a temporada, assinaremos um contrato longo na off-season de 2014. Se não, ai sim deixaremos ele sair. Cap restante 48mi;
  • Randy Starks DE/DT - Re-Assinar. Randy Starks tem jogado muito este ano, motivo pelo qual não poderemos cometer o mesmo erro que fizemos com Kendall Langford. Aliás o salário dele renovado deve ficar no mesmo patamar ( 24mi por 4 anos ), com um valor inicial de 5mi. Vale, e muito, a pena fazer isso. Cap restante 43mi;
  • Chris Clemons S - Renovar. Safeties não é a posição mais cara e ele é Starter e tem seu valor por elenco. E não se monta um setor forte trocando todas as peças. Ao renovar o seu salário ficaria em 2mi contra o Cap em 2013. Cap restante 41mi;
  • Brian Hartline WR - Não Renovar. É algo ruim de dizer, mas se queremos - de fato - melhorar como equipe, teremos que deixar Hartline ir embora. Ele que vive sua melhor temporada e possui uma química boa com Ryan, vai querer algo próximo do que um Mike Wallace vai exigir pra assinar conosco. E por mais que eu goste dele, não vale isso ( 7 ou 8 mi ) nem a pau. Cap restante 41mi;
  • Matt Moore QB - Não renovar. Óbvio, não? Cap restante 41mi;
  • Anthony Fasano TE - Renovar. Alguns irão virar o rosto, mas é algo necessário. Lembram do TD diante do Niners domingo passado? Vale a pena pagar 3mi pra alguém que faz aquilo? Além disso não temos hoje no elenco alguém que possa fazer o que ele faz, e na Off-Season quem puder fazer será mais caro. Precisa dizer mais? Cap restante 38mi;
  • Reggie Bush - Não renovar. Talvez a mais complexa de todas as decisões do plano. Afinal se iremos - e teremos que fazer - melhorar a OL como não dar uma outra chance a Bush? Acontece que ele veio pra nós quase de graça ( inversão de pick no sexto round ) e com um salário que não era de assustar. Mas agora ele vai querer um salário de Top RB ( algo na casa dos 8mi ) e vai fazer 29 na temporada de 2013 e essa é uma idade delicada para corredores. Sendo assim é melhor usar essa grana em alguém mais jovem ou apostar em um substituto oriundo do draft. Cap restante 38mi;
  • Demais Free-Agents. Existem outro FA no elenco não listados ( Tony McDaniel é o melhor deles ), mas o time vai acabar por ocupar uma quantia considerável do Cap neles ou até mesmo assinar algum dos que foram listados acima como "não renováveis". Sendo assim o autor reservou 10mi para esses jogadores ou para ajustes, caso assinem para cima do programado.
Amanhã, o plano para a Free Agency e o Draft.    

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

First Down: A culpa não é de Ryan Tannehill

Chega o fim da temporada e mais uma vez estamos com os olhos voltados pro futuro. E este futuro, que esperamos ser o da redenção, nunca chega. Mas desistir não é opção e aqui estamos, com mais uma nova aquisição do Undefeatteam: Caique Salinas. 

 Pensei em colocar outra foto da Lauren para ilustrar ( e embelezar o post ), mas achei que era forçar a barra demais. Ai resolvi colocar a dos três patetas...

A culpa não é de Tannehill


Essa temporada, como já se tornou de praxe em Miami, ficaremos fora dos playoffs. E nossa equipe nem se quer incomoda os adversários mais fortes da liga e esse fato não tem nenhuma relação com nosso QB Ryan Tannehill. Ele que foi jogado em uma fogueira sem ter preparo algum para tal missão. Não venho nesse post discutir a qualidade ou não de nosso QB, venho isso sim, tentar mostrar que alguns erros de planejamento e de contratações foram feitos por parte de nosso Staff, prejudicaram e muito a temporada de nosso time.

Desde o começo da Off Season nosso staff fez escolhas no mínimo discutíveis. À escolha do Head Coach foi muito boa, não condeno pois faria a mesma escolha, mais foi à única boa escolha. Pois fizemos uma free agency nada mais que ridícula: fomos esnobados por Manning, perdemos Matt Flynn para os Seahawks (que não vem sendo titular, mas poderia ter ajudado a proteger Ryan ) e acabamos com um QB veterano e quebrado que era David Garrad. 

Não contratamos nenhum dos grandes WRs e poderíamos ter trazido um Pierre Garçon um Vicent Jackson ou outro nome de qualidade. Mas isso não era o suficiente, pois ainda deixamos nosso melhor recebedor ir embora para Chicago de graça alegando problemas disciplinares que ate o momento não foram notados em Chicago. E para completar o show de horrores nosso GM, junto com o HC, resolveu trazer um receiver com comportamento disciplinar igual ou pior de que Brandon Marshall, que foi Chad Ochocinco. E pior esse não chegou a jogar um jogo da temporada regular, pois foi dispensado antes mostrando mais uma vez a grande incompetência de nossos dirigentes.

Após isso veio o Draft que foi muito prejudicado por nossa Free Agency ruim e tínhamos muitas carências e poucas escolhas. No 1º Round fomos obrigados a escolher um QB para tentar diminuir o prejuízo já causado e o escolhido foi nosso querido Ryan Tannehill. Escolha muito duvidosa e polemica mais não vou entrar nesse mérito, fato é que Tannehill não era um QB pronto para ser starter na NFL. Os 6 Rounds seguintes pouco acrescentaram para a equipe e assim fomos mais uma vez com um time fraco e cheio de buracos para a temporada.

A temporada já esta em sua reta final e o fracasso se comprovou mais uma vez. Nosso time não vai para os playoffs novamente por isso já se deve voltar todas as atenções para arrumar o time para a próxima temporada. Contratar urgente 1 ou 2 WRs de ponta, melhorar a OL e arrumar um pouco a secundária, pois só com um time arrumado e com alvos dignos é que poderemos ver se Ryan Tannehill é capaz ou não de ser nosso futuro Franchise QB.