sábado, 15 de setembro de 2012

Paciência: a palavra chave para Ryan Tannehill...

Ótimo texto sobre a adapatação de Tannehill a NFL, site do The Palm Beach Post, endereço aqui: http://www.palmbeachpost.com/news/sports/football/even-in-a-qb-friendly-league-experts-say-patience-/nSBsP/. Leiam e digam o que acham na caixa de comentário.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Será que o problema era só o Head Coach?


General Manager do Miami Dolphins, Jeff Ireland ao lado do dono do time Stephen Ross


E o protesto de torcedores em frente a sede do time, durante a pré-temporada do ano passado, que a época queriam ( arghhh!!! ) Kyle Orton de QB, que poderia ter-nos custado uma pick de segundo round...

Foi-se o tempo em que éramos uma Franquia vitoriosa, candidata nata ao Super Bowl e desfrutavamos do respeito de todos na Liga. Hoje em dia quando alguém quer falar de incompetência no mundo da NFL invariavelmente citam o Miami. Disso todos sabemos e ficamos tristes com erros e mais erros sendo cometidos ano após ano, picks perdidas atrás das outras, contratações terríveis...

Mas de 2011 para cá, tenho o sentido de que a coisa piorou demais. No começo do ano passado tivemos o que eu chamei a época ( mal sabia que poderia ficar pior ) de cúmulo da incompetência: o nosso Proprietário cruzou os EUA em seu jatinho particular para - supostamente - contratar o mais promissor Coach da NCCA, Jim Harbaugh então Coach de Stanford. Mesmo que o tivesse contratado - e isso teria sido ótimo - um erro grave foi cometido antes dessa viagem: o Coach anterior ainda não havia sido demitido. Ok, ele poderia ser demitido depois, mas não seria nada legal com Sparano, que se dedicara de verdade em tornar um time de 1-15 em um time vencedor. Deselegante é o mínimo que pode-se dizer de tal atitude. Mas eis que veio o pior: Ross fora apenas conversar com Harbaugh e - Ross nega isso - não fez proposta concreta alguma. Até posso imaginar a cara de espanto de Harbaugh ao nem ter ouvido proposta de um dono de uma das mais tradicionais franquias. Depois lançou-se a versão de que Roos oferecera 8mi de salários, mas mesmo que isso fosse verdade, Roos perdera a confiança de Harbaugh. Que assinou com o Niners e quase os levou ao Super Bowl!!!

Bom, sem o novo HC o que faz Ross? Com a maior cara de tacho renova o contrato de Sparano por mais uma temporada, dizendo que o mesmo estava com moral com a Diretoria. Pareceu até cartola brasileiro, porque sabemos que na 10ª partida da temporada, Sparano foi demitido. Quer dizer, oficialmente, porque ele fora demitido em janeiro. Pois bem. Mais picks perdidas no Draft de 2011 e chegamos a 2012.

Um verdadeiro parto para poder escolher um Técnico. O melhor disponível Jeff Fisher, simplesmente esnobou o Dolphins. E ai recaímos sobre o melhor Coordenador disponível: Joe Philbin, então Coordenador de Ataque do Packers.

Mas veio a novela sobre QBs, e fomos esnobados por Peyton Manning, que parecia ser o cara adequado para nós, mas para termos uma reunião com ele, precisamos da interferência de Dan Marino. E olhem que quando foi cortado pelo Colts ele entrou no seu jatinho e voou direito para... Miami!!!

Perdemos ainda Matt Flynn e Alex Smith. Perdemos é modo elogioso de se dizer. Fomos é ignorados. Mas se trocamos de Coach ( e ele fora Coach de Flynn, convém ressaltar ), porque não conseguimos contratar - nunca - as melhores opções, e sim as que se dispõe a ficar conosco?

Seja sincero, você iria quer trabalhar ao lado de um General Manager que, em 4 anos de trabalho, ainda não tem um QB Starter no time? Que pergunta à um Rookie se a mãe dele é prostituta ( o tempo mostrou que era, mas mesmo assim a pergunta era, simplesmente, descabida ), que é duramente criticado por ex-jogadores ( Channing Crowder é apenas um da lista ) e que aparentemente é um capacho na mão do presidente?

Pois é, parece-me claro que o problema não era Tony Sparano e seus atletas. Pois o que vimos ( ou seria melhor dizer não vimos?? ) na partida diante do Texans não é melhor do que o time de Sparano era. Não mesmo. E, acreditem, não existem perspectivas de melhoras grandes não. A tendência é, e eu não gosto de dizer isso, de mais sofrimento. E quando digo mais sofrimento não me refiro a 2012 não, digo sobre 2013 e - permita Deus eu estar errado - talvez 2014. Porque se Ryan Tannehill não evoliur para o patamar previsto por alguns, poderemos ter perdido até 4 anos com ele. O que seria o pior dos cenários.

Como não dá para mudar de Presidente a menos que o mesmo queira sair, a solução parece-me clara: fora Ireland. Mesmo que o substituto não venha a ser espetacular, a sua chegada por si só seria altamente benéfica. Pois os jogadores conversam entre si, e a fama de Ireland já é de conhecimento de toda a NFL e, porque não, também da NCAA...

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Dolphins realizou movimentos no elenco...

Miami cortou o WR Chris Hogan e re-contratou o DT Ryan Baker. Não é nada que vá mudar o preço do dólar, mas enfim trocar um defensor por um recebedor chama a atenção.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Week 1: Dolphins 10 x 30 Texans

Bem vindo a NFL Ryan Tannehill...
 
Três interceptações e nenhum TD. Serão essas as lembranças que teremos do Debut de Ryan Tannehill na NFL. Perder era algo pra lá de prevísivel, mas com o nosso QB Rookie sendo interceptado 3 vezes tornou essa derrota pro Texans mais dolorida ainda. Ele conseguiu passar das 200 jardas mas o time, pra variar, empacou na Red Zone e conseguimos apenas um FG. Para sermos justos com a equipe, o time tentou duas quartas descidas, que poderiam ter resultado em FG, mas convém mostrar a coragem de Sherman, Philbin e Tannehill nestas tentativas. Foram frustadas, mas se virassem TD todos estaríamos elogiando a decisão. Portanto não é o caso de reclamar dessa atitude audaciosa, certo?
 
Olhando pelo lado bom, pode-se dizer que a West Coast Ofense tem tudo para dar certo em Miami. Alguém sentiu falta de Brandron Marshall? Eu nao, pois Tannehill conseguiu envolver todos os recebedores na partida, mesmo que tenha insistido demais com Reggie Bush. O jogo corrido, até Daniel Thomas sair machucado, esteve bem e a OL, tirante as faltas idiotas e tolas de Ricthie Incognito, mostrou que poderá voltar ao nível de 2009, quando foi a segunda melhor da Liga.
 
Na defesa tivemos bons momentos, mostra de que poderemos ter esperanças de que do meio pro fim da temporada os times terão que suar sangue para marcar pontos. Mas não será nessa segunda partida, certo? Mesmo assim os problemas ainda estão lá, com PI toscas feitas por Richard Marshall, algumas jardas extras cedidas por erros bobo de posicionamento e algumas faltas igualmente tolas.
 
Enfim, uma partida na qual entramos sabendo que iamos perder. E perdemos. Na qual sabiamos que o QB iria cometer erro. E eles aconteceram. Mas eu sai da partida com a impressão de poderemos ser mais felizes ( ou menos infelizes ) do que fomos em 2010/2011. Quem sabe...

domingo, 9 de setembro de 2012

Week 1 - Dolphins at Texans

Primeira partida de uma nova era. E lembrei-me de uma coincidência: nossa derrocada atual começou quando este time odiado ( por mim ao menos ) entrou para a NFL. Será que diante deste mesmo time iremos recomeçar o caminho de volta a glória?
Logo mais começa a temporada 2012 pro Miami Dolphins. Em instantes iremos saber o que poderemos esperar ( ou não ) do time durante as outras 15 partidas. E o que fazer para vencer ( além de rezar muito )?
  • Tannehill conseguir atuar de forma tranquila e não preocupar-se em demasia com a estreia.
  • A Defesa conseguir pressionar Matt Schaubb, deixando-o desconfortável e impedindo ele de fazer fáceis.
  • Nossa Linha de Ataque conseguir abrir espaços para Reggie Bush e Daniel Thomas.
  • Ser melhor entre os especialistas, ou seja, deixar o ataque do Texans contra a parede e conseguir colocar-nos em boas posições dentro de campo.
No mais é aguardar. E torcer. Como sempre fiz, neste 5 anos de Blog. E continuarei a fazer. Sempre. 



Jogadores que não irão atuar hoje: Lamar Miller, Will Yeatman, Pat Devlin, Sammy Brown, Ray Feinga, Michael Egnew, Ricshard Matthews