sábado, 8 de dezembro de 2012

Imagem da Semana

Nem de longe foi a sua melhor atuação, mas ele tentou tudo o que era possível. Na minha opinião demonstrou até que esse máximo dele é insuficiente pro que precisamos. Mas isso fica para outro momento, um outro post. Para mim ao menos, esta é a imagem da semana, a imagem da superação.

Fique de Olho: Xavier Rhodes - CB - Florida State University

Semanalmente irei abordar jogadores que são cotados pra aparecer em nossa pick de primeiro round. Atualmente escolheríamos na 13ª posição do Draft. E com ela um dos que poderia aparecer é o camisa 27 da foto...

Comentei anteriormente em um post que apesar do senso comum de que precisamos de um grande alvo para Ryan Tannehill, mas nem sempre a melhor coisa a se fazer em um draft é fechar os olhos e ir na posição mais carente, pois você acaba deixando passar grandes talentos em outras posições.

Diante disso, é que draftar um CB faz sentido. Existem 3 CBs fortes no Draft, que devem sair antes da 15ª pick: Dee Milliner ( Alabama ); Johnthan Banks ( Mississipi State ) e Xavier Rhodes ( FSU ). Destes, os dois primeiros devem sair mais cedo no Draft, ficando assim Rhodes pra gente. Ele é um Corner alto, forte e inteligente. Apesar de ser Júnior ( tendo portanto 3 temporadas na NCCA ), ele parece pronto pra NFL, ou seja, com suas virtudes e defeitos, mas já conhecendo bem do riscado da posição.

Não irei adentrar demais nas qualidades dos jogadores e seus defeitos, pois teremos tempo suficiente para isso ano que vem, a ideia é apontar quem poderá estar em alto na época do draft. 

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

First Down: Deveria Tannehill ir pro banco?

Vida de QB na NFL nunca é fácil. Se for rookie e em Miami então...


Será que se Matt Moore virasse Starter mudaria algo?

Surgiu uma discussão nos EUA e a mesma veio parar no Blog ontem, por meio do post do Derek ( colaborador do Blog ), após o Dan Pereira postar a matério no Facebook. Realmente a internet espalha as coisas em uma velocidade espantosa. O fato é que a discussão é em torno de quem deveria ser o Starter nas 4 partidas finais.

Olhando friamente a situação ( e deixando de lado o que penso sobre Ryan ) eu sou terminantemente contra isso. Porque não traz vantagem alguma para a franquia dentro da temporada ( leia-se Playoffs ), para Ryan Tannehill e nem para o futuro da equipe. E explico o porque:
  1. Vamos imaginar que colocar Matt Moore fizesse com que a equipe vencesse as 4 partidas restantes da temporada ( o máximo que poderia acontecer ), o que isso traria de bom? Nada. Matt Moore mostraria-se um QB que conseguira comandar o ataque melhor do que Tannehill, mas não consegueria a vaga na post-season, além de valorizar o seu passe. Só que ele será Free Agent em 2013! Ou seja, nem mesmo conseguir realizar uma Trade para angariar picks nós conseguiríamos. Sem falar que vencendo 4 jogos o time iria escolher mais pro meio do draft, o que significa menos qualidade e opções para escolher jogadores;
  2. Tannehill indo pro banco igualmente não ajuda nada em seu desenvolvimento, pelo contrário. Se Moore entrar e não jogar nada, Ryan terá perdido preciosos 4 jogos para aprender a ser um QB ( jurei e vou cumprir de não criticá-lo ) e ainda terá sua auto-estima um pouco abalada. Mas como ficaria a confiança do rookie, se por acaso Moore entrar e fizer o ataque marcar perto de 30 pontos por partida e vencer os 4 jogos com atuações melhores do que as que Ryan anda tendo? De novo tudo aponta contra tal decisão. Sem falar que se a segunda hipótese acontecer, a pressão da torcida será maior ainda em 2013 caso deixemos Moore ir embora e bancarmos Ryan. Imagina então se ele começar a render pouco ou mostrar pouca ( ou quase nenhuma ) evolução? Nem quero pensar nessa situação, a bem da verdade;
  3. Fazendo isso, de colocar Moore como Starter, a Comissão Técnica ficaria desacreditada. O quanto eu não sei, mas como você olharia para Joe Philbin e Mike Sherman se eles simplesmente rasgassem tudo o que disseram desde o dia do Draft até agora e colocassem Moore como Starter? Isso não equivaleria a dizer que eles cometeram um erro? Ou talvez dois, ao draftar e bancar como Starter? E como ficariam eles para 2013?
Não vejo vantagem alguma em colocar Ryan Tannehill no banco, só problemas. A hora de trocar Moore era durante a temporada e não valerá a pena renovar para ele ser backup ( e nem sei se ele aceitaria sê-lo ). A hora é de manter o rookie jogando e aprendendo com seus erros e acertos ( eventuais ). E em 2013 dar a ele um time melhor e torcer ( e muito ) para ele melhorar bem. Se isso acontecer ( e reitero, temos que torcer muito mesmo para isso ) ai terá valido a pena draftá-lo. Mas neste momento, eu que tanto o critico desde o Draft, sou integralmente favorável a sua manutenção como Starter, por pior que esteja atuando ( ou não, como diria Cléber Machado ). 

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Mudar por mudar realmente é a solução?

Esse texto foi retirado do blog americano do Dolphins, o The Phinsider, o Dan postou no facebook essa matéria e eu achei interessante traduzir alguns pontos e trazer pra cá, adicionando outros pontos que considero importante.

O Miami Dolphins está 5-7 na temporada, com um HC rookie e um QB rookie, e ainda assim, alguma minoria já pede mudanças no time, como de por exemplo, tirar Ryan Tannehill do time e colocar Matt Moore como starter de novo.



Mudar por mudar. Esse é o mantra do torcedor do Dolphins. Uma jogada ruim, um drive ruim, um jogo ruim e pronto: precisamos mudar. Ou, demitir alguém (a menos que o alguém seja Jeff Ireland, aí eu concordo).

A mudança mais confusa que querem: alguma minoria de torcedores querendo tirar Ryan Tanehill do time, e voltar Matt Moore para starter. Tirar o QB que todos cobraram que o time draftasse um QB no top 10. Tirar o QB rookie que está quebrando recordes de passe da temporada de rookie do nosso grande Dan Marino (não tem comparação, mas recorde é recorde). As mesmas pessoas que torciam para se livrarem de Chad Henne no ano passado (nessa lista eu me incluo). E no ano passado, e passado...

O incompreensível é: por que mudar Tannehill seria a solução para melhorar o Miami Dolphins?

Alguns comentários de torcedores, a esse respeito: "Dê ao Tannehill um conjunto de tacos de golfe, e um carrinho de golfe e devolvam a posição de starter ao Matt Moore, por favor. E também: "Phins é uma merda. Técnico é uma merda. QB é uma merda. Sem Brandon Marshall, sem jogo corrido. Sem esperanças. Apenas aproveitando o clima... O time é dirigido por um monte de perdedores, assim como o Marlins.

Esses não são os únicos comentários, apenas os mais recentes. Mas porque uma mudança repentina apenas por mudar? O que eles pensam se repentinamente Matt Moore fosse colocado como titular? No que isso iria ajudar na evolução de Tannehill no futuro? Ou o Miami já viu que ele é um bust e deve cortá-lo? Eu não entendo.

O problema é que mais interceptações do que passes para TD? Bom, não é o Peyton Manning o rookie em Miami.
O problema é seu 72.3 de rating?  Apenas 4 pontos atrás do "todo poderoso" Andrew Luck nisso.
É sua porcentagem de acerto de passes de 57.9%? Matt Moore teve exatamente a mesma porcentagem, e está acima de Luck.
São apenas as 2,559 jardas lançadas até agora? Esse é o MELHOR número de um rookie em Miami. De todos os tempos. E é o 20º na liga.
Ou talvez seriam os 7.05 de média de jardas por tentativa. É o 19º na liga, acima de Carson Palmer, Matthew Stafford e Philip Rivers. E isso em uma WCO, onde predominam os passes curtos.

Ryan Tannehill é com certeza o nosso "franchise" QB que todos esperam, e que vai nos levar novamente ao SB? Não sei. Ninguém sabe. Mas retardar o crescimento nele na liga agora, ou até mesmo o demitir com certeza vai aumentar ainda mais a distância que estamos do troféu Vince Lombardi.

Mesmo sabendo que é só uma pequena porcentagem de torcedores que querem isso, eu não vejo sentido algum em trocar Tannehill por Moore agora.

Ou talvez, só eu é que não goste de mudar por mudar.

Quem quiser ler o post original em inglês clique aqui.

2012 já era. E para 2013, o que fazer?

Do ponto de vista matemático aidan temos chances de post-season, afinal se vencermos as 4 partidas restantes chegaríamos a 9-7, o que poderia resultar em Wild Card como Seed 6. Sabemos, contudo, que estamos fora do Super Bowl pela 9ª vez em 10 anos sem sequer ter a chance real de sonhar com ele ( chance real de sonhar foi super viagem, concordam? ). Mas o ponto é: estamos eliminados, e isso é uma dura ( e infelizmente rotineira ) realidade.

Mais uma reconstrução foi iniciada e ao contrário da anterior nem foi espetacular, mas esperamos que igualmente ao contrário da anterior esta consiga crescer ao invés de definhar. Por isso parto da principio de que o melhor da Era Joseph Philbin esteja por começar. Sendo assim temos a pergunta do post: o que fazer para que 2013 seja bem melhor do que 2012?

A resposta não é nada fácil, todos sabem. Mas existe um caminho básico que é detectar os maiores problemas e ter a consciência que é simplesmente impossível cobri-los em uma única off-season. O que isso quer dizer? Que o Draft deve procurar cobrir, de fato, um problema ( Secundária por exemplo ) e a Free Agency tentar diminuir o problema em outra área. Ficando duas outros problemas para 2014. Sendo assim e lendo diversas opniões, cheguei a 4 problemas do atual elenco:
    • Secundária: É o problema mais vísivel, com certeza. Mas será mesmo o maior? Um dado: é o mais visto, comentado e odiado porque a falta de qualidade resulta em grandes ganhos para equipes que possuam QBs de elite ( e isso são muitas equipes na NFL atual ), além de que até QBs meia boca conseguem fazer das suas diante no nosso setor atualmente. A vinda de um Corner Top é, portanto, crucial, pois consegueria neutralizar a principal ameaça rival. Ou ao menos, dificultar consideravelmente. E grandes QBs ficam desconfortáveis quando não podem contar com seu principal alvo;
    • Linha Ofensiva: É duro admitir mas Jake Long deve ter jogado pela última vez conosco domingo passado. Aquele que parecia ser o esteio da OL por, pelo menos, uma década, já não é mais uma unanimidade no time. Some-se a isso dois guards inoperantes e que faltam faltas idiotas uma atrás da outra e o quadro é terrível. Podemos discordar quanto a qualidade Tannehill, mas ele precisa de uma OL a protegê-lo. Da linha atual só Pouncey e Martin devem ficar para 2013. Portanto escolher um Left Tackle no primeiro round não seria absurdo algum no próximo draft;
    • Widereceivers: Não compartilho da opinião de que a simples adição de um Mike Wallace ou Dwane Bowe viriam a solucionar o problema, mas este tópico não irá tratar sobre Ryan Tannehill. Sendo assim, não estamos a apenas um WR Top para virarmos um ataque unidimensional, ou se preferirem, um ataque fodão. Primeiro porque qualquer um dos dois custaria muita grana e só viriam se acharem que o time possui condições reais de Super Bowl. Sendo assim, eu descarto a possibilidade de contratar qualquer um dos dois. Restaria então o draft, mas eu acho que devemos reforçar a OL e a Secundária, porque de nada vai adiantar Tannehill ter pra quem passar ( e eu acho que ele já tenha ) se fizer 14, 21 pontos e a defesa levar 28 ou se ele não tiver tempo para pensar ou um jogo corrido capaz de desafogar o ataque. Entenderam o ponto?;
    • Tight End: Li diversas pessoas dizendo que Fasano já era. Tem sentido e não ao mesmo tempo. Primeiro porque ele era um dos homens do antigo regime ( viera do Cowboys da mesma maneira que Parcells, Ireland e Sparano ). Mas ainda é um TE que pode ajudar bastante. Aliás Tight End é seguramente a posição mais complexa de todas na NFL porque mistura habilidades de três posições: Linha Ofensiva, Wide Receiver e FullBack. Portanto não é fácil achar um TE que bloqueie, corra e receba ao mesmo tempo. Some-se a isso o fato de que ele está passando pelo terceiro Coordenador Ofensivo e que cada um tem uma filosofia diferente e agora o esquema é totalmente diferente. Draftamos Michael Egnew este ano, mas ele ainda praticamente nem entrou em campo. Por isso achar um será extramamente complicado. Mas precisamos de um. E urgente.
Acho que está claro para todos que será impossível cobrir todos estes buracos em uma off-season apenas. Mas se chegasse um playmaker na secundária e dois bons valores pra OL, já terá valido a pena.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Week 13 - Patriots 23 x 16 Dolphins - Uma derrota sem dor

 Este é o lance que provavelmente decidiu nossa sorte...

Entre as coisas que eu detesto, a que eu mais detesto é perder. Se for pro Patriots então, nem se fala. Mas a derrota ( previsível ) de ontem entra na conta daquelas que deixam a sensação de dias melhores. O time fez o seu máximo - o que em outras situação me deixaria puto - e deixou claras as suas deficiências, mas forçou o time do Patriots a ter que suar pra vencer a Partida. Colts e Jets foram massacrados pelo time da Nova Inglaterra, mas nós conseguimos perder honradamente, ao ver que o rival é - de fato - melhor mas tendo feito tudo o que era possível pra vencer. 

Fica latente para mim - e creio que para todos os phináticos também - que o time é limitado, mas ontem deu a alma em campo, deixando todos orgulhosos. Não é que do nada jogadores contestados tenham passado a condição de mitos, mas o time entregou-se totalmente em campo. Perder era o mais obvio desde quando a partida fora marcada, mas eu fiquei esperançoso com a atuação de ontem.

Quando digo que o time fez o máximo possível não quer dizer que ninguém tenha atuado mal ou que um ou outro poderiam ter feito mais, apenas que o máximo do time, como grupo, é esse: perder de pouco pro Pats. Se, por exemplo, Ryan Tannehill fosse melhor do que ele é, o time teria vencido. Se nossa defesa fosse melhor do que ela é, teríamos saído de campo vitoriosos. Isso, convém dizer, não reflete uma crítica ao nosso QB ou ao Setor Defensivo, mas uma constatação. Afinal uma coisa é virar uma partida diante do Seahawks outra completamente diferente é fazê-lo diante do Patriots, não é mesmo?

Em todo caso a defesa e o ataque melhoraram consideravelmente no segundo tempo, que terminou empatado em 6x6. Não fosse o erro no Snap do Punt ao fim do primeiro drive da partida ( Fields tentou correr e foi parado na marca de 12 jds e cinco jogadas depois o Pats fez 7x0 ), o primeiro tempo poderia ter ficado empate também ao invés do 17x10.

Mas a derrota aconteceu e ficou evidente nossas limitações. Que não se resumem a um QB ( não vou entrar no mérito da questão se ele é ou não é o futuro da equipe ) e um Wide Receiver. Afinal Brian Hartline e Davone Bess vem jogando bem demais nas últimas partidas para que possamos considerá-los fracos. O jogo corrido inexiste na maioria das partidas e o provável melhor jogador não atua ( Lamar Miller ). A secundária conseguiu ontem uma proeza daquelas, interceptar Tom Brady, mas a DL náo fez tanta pressão assim em Brady. Mas o setor como um todo conseguiu pará-lo no segundo tempo.

Precisamos de reforços na OL com urgência. Fala-se abertamente nos EUA que ontem possa ter sido a última partida de Jake Long no Sun Life Stadium, pois ele deverá ser colocado na IR, e o time melhorou com a saída dele, o que pode ter sido uma mera coincidência. Mas eu que defendo Jake Long digo: o Jake Long de 2012 eu não quero em 2013 nem de graça. Além dele precisamos - urgentemente - de novos Guards, pois Jonh Jerry e Ritchie Incognito não dá mais. Eles não abrem espaços pras corridas e ainda matam o time com faltas bobas. Precisamos de um TE bloqueador e que se possível recebe passes com segurança. Precisamos de um Cornerback Top e de um Safety melhor do que Chris Clemons, pois Reshad Jones melhora a cada partida e prova que pode dar conta do recado.

Enfim a partida de ontem deixou nossos buracos evidenciados. Mas também mostrou que com mais talento nas posições certas, este time pode sonhar com algo mais. E isso foi a melhor coisa da partida de ontem, apesar da previsível derrota.

domingo, 2 de dezembro de 2012

Week 13 - Patriots at Dolphins

Época boa, na qual nós é quem tinhamos o super QB...
Parece-me desnecessário falar que hoje o rival é o favorito. Igualmente é chover no molhado dizer que as chances de perder é maior do que vencer. Mas sempre existe a esperança. E somos o time que mais venceu o Pats na era Tom Brady. Será hoje mais um dia desses? Em pouco tempo saberemos...