terça-feira, 9 de setembro de 2014

Pilulas do dia seguinte: Vencer os Pats é bom demais!!!

A besta e a sua vítima preferida...
Tom Brady: esse é Chris McCain...
Antes ir soltando as "pílulas do dia seguinte", como sugere o título deste post, uma informação: no dia do jogo é simplesmente impossível não escrever com emoção. É impossível, eu garanto. Mesmo que eu tenha feito o post muitas horas depois do fim da partida, a emoção transborda. Sendo assim, será padrão isso no Blog para 2014. Emoção no domingo ( ou após a partida, é claro, quando for em outro dia ) e no day after eu tentaria passar a razão. E a ideia do "pílulas". Espero que gostem...

Vencer um rival é diferente. Eu não considero o nosso maior rival o Patriots, mas entendo quem o faça. Para mim o nosso maior rival é o Jets. É coisa histórica. O time do Pats foi insignificante durante os anos 70, 80 ( embora tenham ido ao SB em 85, derrotando-nos na final da AFC ) e nos 90 ( com outra ida ao Super Bowl ). Só de 2000 para cá é que virou um rival forte. E sim, mais forte do que do os Jest jamais foram ou serão, mas ainda assim eu odeio mais os Jest. Deixando isso de lado, vencer o time que venceu em 12 dos últimos 13 anos a Divisão, é algo especial. Mas quanto é a dimensão desse algo "especial"?

Comecemos pelo básico: qual Dolphins teremos nas outras 15 partidas da temporada? O do primeiro tempo, apático, sem sal e sendo facilmente dominado pelo adversário ou do segundo tempo, vibrante, esmagando o adversário e sem erros? Dessa resposta depende o quão longe conseguiremos ir na temporada. Outra questão pertinente: Tom Brady era dúvida para a partida. Ele claramente estava desconfortável e errou passes que não costuma errar. Some-se a isso que Rob Gronkowski também está muito longe das condições ideais e mesmo assim causou certo estrago. A dupla em condições ideais - e nós não temos nada a ver com isso - o resultado seria o mesmo?

Outra nuance a ser observada é a situação dos nossos LBs. Perdemos 2 Starters durante a partida ( Ellerbe e Misi ) e outro nem entrou em campo ( Wheeler ). O que parecia a senha para o caos teve efeito contrário. O trio formado por Jason Trusnik, Jelani Jenkins e, sobretudo, Chris McCain ( destaque na imagem que ilustra este post ) deu um show. Excelente, claro. Mas porque isso é uma questão pertinente Flávio? Simples: foi algo pontual ou vai se repetir durante as próximas semanas? A conferir.

Cameron Wake e Olivier Vernon. Que dupla, que atuação ótima. Ambos, bem auxiliados por outros ótimos jogadors, tiveram uma tarde de destaque. Vernon se aproveita bem da atenção que as defesas tem que dar a Wake e apressou diversas Brady, conseguindo sack. Já Wake... é igual ao vinho: vai ficando melhor com o passar dos anos. Animadora a atuação dos dois. Já nossa secundária foi mais ou menos... o lance do Grimes marcando o Gronk sem cobertura foi de fazer rir, se não fossemos torcedores. Piada. Além disso gente que, teoricamente, teria vindo para resolver, andou falhando. Um Brady em dia inspirada e teria sido um desastre. A destacar a boa atuação - sem contusão - de Louis Delmas.

Como destaquei ontem, algo que foi bem diferente de 2013 foi o fato do time ir "derrotado" para o intervalo e voltar outra equipe no segundo tempo. Contra este mesmo Pats no Gillete Stadium, aconteceu a mesma coisa, só que ao contrário. Quem fez mudar eu não sei, mas tudo aponta para Bill Lazor, pois ele era a o único que não estava ano passado por aqui. Por falar em Lazor, reitero que fiquei decepcionado com o que vi. Eu estava entre os que esperavam mais, outros com quem conversei se disseram satisfeitos. Eu não, afinal iremos enfrentar defesas mais fortes do que o do Pats e vamos precisar de mais do ataque.

A Linha Ofensiva superou as expectativas, sem dúvida. Deu tempo para o nosso QB e abriu espaços para o jogo corrido. Precisamos aguardar, mas se mantiver o ritmo Moreno pode ter uma excelente temporada, pois ele aproveitou muito bem os espaços abertos. Já o nosso QB...

Pois é, Ryan Tannehill começou a sua terceira temporada na NFL de maneira ruim. Sobretudo para quem tinha a OL como desculpa ano passado. Ontem ele só foi sacado uma vez, embora tenha tomado alguns Hits é verdade. Mas ele foi muito inconstante e só terminou com 1 interceptação por causa de um dia bem meia-boca de Darrele Revis, que deixou duas interceptações escaparem, uma delas que terminou em TD de Wallace. Este, é preciso dizer, outro que começa mal a temporada, apesar do TD. Deixou de marcar um por não se ater ao fato de colocar os pés dentro de campo, mesmo que eu insista que o passe poderia ser melhor. Mas ele errou. E ele é ( ou deveria ser ) a maior ameaça do ataque, mas ontem esteve bem longe disso. Tannehill precisará melhorar muito. Alguns podem dizer que isso é pegar no pé, mas não é: se ele fosse melhor do que é, o time teria passado o carro em cima do Pats. Daria para, caso ele fosse um Top Ten, ter vencido marcando 50 pontos. Tivemos chances para isso. Ele vai melhorar? Quem pode responder, não é mesmo? Mas na semana que vem vamos encarar o time contra o qual ele teve suas duas piores atuações: Buffalo Bills. 

Vencer é ótimo. E estamos esperando por mais. Vencer o Bills e abrir 2-0 seria excelente. E claro, todos queremos isso. E podemos conseguir, mas é cedo para euforias exageradas...

Nenhum comentário: