terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Como foi o Draft do Miami Dolphins em 2013?

Dion Jordan, parece ter futuro, mas esteve longe de ser o jogador impactante que precisávamos
Draft, sucesso e Miami Dolphins aparentemente jamais podem estar na mesma frase. Enquanto seguimos vendo ano após ano times se mantendo vitoriosos por saberem se renovar, o nosso segue na mesma mediocridade de sempre, fazendo o que mais sabe fazer: escolher péssimo no Draft. Esta temporada de 2013 não fugiu a regra.

Subimos no Draft para escolher um jogador que precisa de muito cuidado e que até agora só atuou em situação especificas, mas que poderá - quem sabe - valer o custo. Mas nos outros rounds... com a nossa Linha Ofensiva capenga, um rookie de terceiro round nem entrou em campo, dois CBs que já podem ser rotulados como, ao menos, péssimas escolhas, um RB que não correu e um LB que só entrou poucas vezes como Especialista. Teve um Kicker, mas nenhum time mantem dois, portanto o sucesso dele é bem relativo. E sim, teve um CB no fim de feira que até agora está rendendo bem, comparado onde foi escolhido. Enquanto isso o Packers conseguiu um Starter de OL no sexto round!!!. Pois é, o Miami foi Miami nesta temporada em Drafts... antes tivesse sido só nisso... Abaixo, os jogadores e a minha nota para a Classe de 2013:
  • Dion Jordan, DE/OLB - Oregon. Ele foi o rookie, sem contusão, a menos jogar nos 3 primeiros rounds. Isso dá uma clara ideia do quão pouco utilizado ele foi. Podemos dizer que isso era esperado, mas poderia ser mais. Agora temos um prospecto que poderá - apenas poderá - ser um destaque do time, mas daqui a 2 anos. Os outros times estão tendo jogadores impactantes desde o primeiro jogo. Nós temos um que teremos que esperar muito tempo. Mas ele se saiu bem, conseguiu sacks, pressionou QBs e deixou uma boa impressão, mas pouco para elevar o nível da defesa. Nota: pelo potencial que poderá ter no futuro, 6,5.
  • Jamar Taylor, CB - Boise State. Ele praticamente nem entrou em campo. Sabia-se que ele teria que fazer uma cirurgia, mas a ideia era que ficaria de fora de no máximo 4 partidas. Mas eis que ele ficou de fora praticamente de toda a temporada. Não fosse a contratação de Brent Grimes e sabe-se lá como teríamos ficado. Nota: -1. Seco assim.
  • Dallas Thomas, T/G - Tennessee. Se o seu time tem a pior Linha Ofensiva da Liga, tendo passado pela maior vergonha do ano ( o caso do Bullying ) e draftou um jogador no terceiro round, você espera que este jogador jogue, não é mesmo? Bom, mas aqui é o Dolphins, não se esqueçam. E ele é mais um caso de jogador escolhido que simplesmente, não joga!!! Nota: -1. Seco assim também.
  • Will Davis, CB. Utah State. Você deve ter ficado chateado com o que ocorreu com o Taylor, não é mesmo? Bom, ele ao menos fez uma cirurgia para servir como desculpa. E o que usar para explicar a ausência de snaps para Davis? Ele se mostrou tão útil que precisamos de um CB vindo da Pratice Squad do Niners para conseguir vencer os Pats. Tá bom ou quer mais? Nota: por ter conseguido jogar alguns snpas fica com 2.
  • Jeilani Jenkins, OLB. Florida. Parecia, desde o dia do Draft, uma boa escolha. Era um LB que poderia ajudar na rotação e ainda contribuir no time dos especialistas. Parecia... ele acabou sendo um jogador que, quando muito, ajudou nos especialistas. Nota: só por não ajudado na rotação fica com 3.
  • Dion Sims, TE. Michigan State.  Um grande momento. E uma temporada mais de baixa do que de alta. A recepção pro TD da vitória diante do Falcons em Miami foi o melhor momento dele na temporada ( talvez do time ). Mas no geral ficaram mais dúvidas do que certezas. Nota: pelo TD ele fica com 4.
  • Mike Gillislle, RB. Florida. Era uma esperança no dia do Draft, terminou virando uma das ( muitas ) decepções. Nota: -1.
  • Caleb Sturgis, K. Florida. Mais uma dos Gators. Foi o que mais jogou, mas isso não quer dizer que tenha sido ótima escolha por causa disso. Não melhorou tanto assim o nível do seu antecessor, o Dan Carpenter. Nota: 6,5, pois errou alguns chutes acertáveis.
  • Don Jones, CB. Arizona State. Um Cornerback de sétimo round que foi mais útil do que um de segundo e um de terceiro? Pois é, basicamente foi isso. Mas ser mais útil não implica que ele foi uma ótima escolha. Apenas um mais ou menos, mas é o que normalmente se consegue no sétimo round. Nota: 4. 
Mais um Draft ruim. Mas disso todos nós já estamos bem acostumados...

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Como foi o mercado do Miami em 2013?

Cena raríssima na temporada: Wallace com a bola fácil pra recepção...
A temporada da NFL oficialmente terminou ontem, com a vitória do Seahawks. Agora é pensar na Free Agency, depois no Draft e mais a frente na Trainning Camp 2014. Mas antes de pensar em quem iremos contratar, acho que é a hora de olhar como se saíram os contratados deste ano. Abaixo a análise pormenorizada de cada um deles:
  • Mike Wallace, WR. A mais cara contratação de nossa história. Antes da temporada começar o meu preferido era o Greg Jennings, ex-Packers. Terminada a temporada parece claro que o Miami escolheu bem. Wallace cumpriu o seu papel, que era o de alargar o campo. Só não foi perfeito porque para se tornar numa arma mortal, precisava que o QB acertasse os passes. E isso não aconteceu como deveria. Wallace conseguiu 930 jds e 5 Tds. Mas de fogo na bomba mesmo, bem poucas foram conectadas. Alguns dropes bisonhos, impedem uma nota maior. Nota: 6.
  • Dustin Keller, TE. Sem avaliação, pois na segunda partida da pré-temporada foi vítima de uma entrada criminosa e sua temporada terminou.
  • Dannell Ellerbe, ILB. Veio pro Miami oriundo do então campeão do Super Bowl Baltimore Ravens. De um modo geral, teve uma temporada apenas mediana, talvez prejudicado pelo seu companheiro ( citado logo abaixo ) Wheeler. Alguns tackles perdidos e várias corridas pelo meio em jogos cruciais estejam mais vivos na cabeça dos torcedores do que os seus bons momentos. Nota: 5.
  • Phillip Wheeler, OLB. Possivelmente um dos 3 piores negócios do Miami em todos os tempos da Free Agency. Não era nada antes de chegar ao Miami e se saísse não faria falta. Nota: 2.
  • Brent Grimes, CB. Se por acaso não for o melhor negócio de nossa história no Mercado Livre, mas certamente é uma das 3. Grimes chegou e elevou o nível da secundária. E foi um pedido de Kevin Coyle, que resolveu bancá-lo quando ninguém mais alguém acreditava nele. A ida ao pro-bowl comprova tudo o que ele fez. Nota: 9.

E a temporada da NFL chegou ao fim...

Quem diria que seria o primeiro dos 3 Grandes QBs da classe de 2012 a levantar um Lombardi?

Ontem terminou a temporada 2013 da NFL. Espetacular como sempre, com grandes jogos, jogadores se eternizando na história, outros rateando e um em especial passará os próximos 6 meses sendo malhado. Mas a temporada também manteve-se igual também para nós, só que triste como vem acontecendo a mais de uma década, sina interrompida apenas em 2008.

O Super Bowl de ontem foi o mais desnivelado desde a surra aplicada pelo Buccs no Raiders e só encontra paralelos no placar com uma das surras do Bills para o Cowboys. Devo admitir que quando estava claro que o Broncos perdera que eu passei a torcer a ser de Zero. Motivo? No Super Bowl da Temporada de 1971 ficamos apenas num Field Goal, e isso é a pior marca da história do jogo, na derrota de 24x3. Mas veio um TD e eu esperei que tivessem mais, não porque o jogo pudesse ser virado naquele, mas para que Manning não fosse tão malhado como está sendo e o será até Agosto. Talvez durante o resto de sua vida, quem sabe...

A Temporada 2013 também terminou por coroar um QB da Classe de 2012: Russell Wilson, o mais esquecido deles no draft. Quem poderia imaginar que ele seria o primeiro a levantar um Vince Lombardi? Pois é né, irônico isso com certeza.

Durante esta semana analisarei os contratados, os draftados e os jogadores por posição. Afinal o que terminou foi a temporada, não a NFL...