sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Week 11 - Dolphins 22 x 09 Bills - Vencendo na marra

Festejemos, o Miami venceu o Bills!!!

Poucas vezes eu vi um time vencer cometendo mais Turnovers do que o adversário. Hoje isso aconteceu e nós estamos do lado que mais entregou a bola. Além disso, cometemos dois fumbles, um em cada tempo: no primeiro com Tannehill em uma corrida em que ele não protegeu bem a bola e no segundo tempo com Jarvis Landry em um retorno de Safety. Poderiam ter custado a vitória...

Ainda bem que do outro lado estava um time pior, bem pior. Nas últimas 22 posses o nosso rival de Divisão não marcou um único Touchdown. É assustador. E eu acho ruim ( e de fato é ) o ataque do Miami!!! O time de Buffalo até que correu bem com a bola ( para meu desespero ), mas com Kyle Orton - que um dia alguns torcedores do Miami queriam para substituir Chad Henne - é péssimo e não produziu nada dentro da Red Zone. Nossa defesa outra vez envergou, mas não quebrou. Mas o time de Buffalo tem um ataque ineficaz, mas quase conseguia uma vitória. Precisamos melhorar o nosso setor para as próximas partidas.

Vencer é excelente, mas essa foi crucial: o time teve vencer fora da zona de conforto e tendo que virar a partida, sabendo que uma derrota era fim da temporada. Agora, com o resultado o time passa a contar com mais 4 vitórias em 6 partidas para ter uma ótima chance de post-season. Se vencer 5 em 6, pode até sonhar com a conquista da divisão ( falarei mais sobre isso durante a semana ), desde que o Colts vença no domingo e nós derrubemos o Pats fora de casa. Sonho? Bom, por enquanto ainda é. Mas eu não esperava ver o time com 6-4 até aqui. 

Tannehill segue sendo o mesmo de sempre: consegue lances até mágicos para logo na sequência fazer um besteira. O time não conseguiu pressionar Orton no primeiro tempo, mas no segundo detonou. Olivier Vernon conseguiu o Safety e um sack. A secundária deixou escapar duas ou três interceptações ( primeiro jogo nos últimos 4 em que o time não consegue ao menos uma ). 

Enfim, uma vitória boa pelo resultado, não pela atuação. Até porque o time agora vai encarar  o time de Peyton Manning. E com ele o buraco é mais embaixo. Ao menos o time terá um bom tempo para se preparar pro Jogo. Será o suficiente para vencer em Denver? Não sei, mas é melhor do que não ter tempo. Em todo caso, uma derrota pro Broncos já estava nos planos...

Esta, só para terminar, foi apenas a segunda vitória da dupla Philbin/Tannehill contra o Bills.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

É hoje: vencer ou vencer. Ou outra temporada perdida...

O jogo que resume um ano...
5-4. Esta é campanha do Miami Dolphins. É um recorde melhor do que todas as temporadas desde 2003, exceto 2008. Poderia ser bom, mas queremos post-season, é claro. Vencer hoje significa ficar com 6-4 e passar a contar com a história, onde 65% dos times com esse ranking depois da semana 11 vão a post-season. Ou ficar 5-5 e entrar no meio dos 29% que conseguem jogar em janeiro. 

Em suma, é vencer ou vencer. Ou seguir sendo um time piada...

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Pilulas do dia seguinte: Qual é o Dolphins real, afinal?

Resumo da derrota? Sim e não...
Se tem uma coisa que me irrita é ver times caindo, indo à lona, tendo diversas temporadas ruins e ai, de repente, aparecem entre os melhores da temporada. São muitos os exemplos ano a ano, mas em 2014 temos dois casos: Detroit Lions e Cleveland Browns. O primeiro está com 7-2 e o segundo com 6-3. Sabem quando foi a última fez em que nosso time este com um destes recordes? Melhor nem citar... Alguns poderiam citar o Cardinals, mas o time ano passado fez 10-6 e ficou de fora, portanto já estava em alta. Só para ficar claro o que quero dizer...

Já nós... Ok, o 5-3 que ostentávamos antes de domingo era inédito desde o 11-5 de 2001, é verdade. Mas o 5-4 de agora já fora alcançado ano passado, em 2008 e em 2002. Mas... pois é, o time poderia ter conseguido o 6-3 e - ao menos - igualar-se com o Browns. Gente, este time está pior do que o Cleveland Browns!!! 

Eu pensei, e acho que todos os torcedores também, que o time tinha aprendido a como não gastar o tempo de posse de bola vencendo uma partida a menos de 4 minutos pro fim. Ledo engano, é claro. Aqui é o Dolphins, erros são repetidos a exaustão quase doentia. Melhorar é coisa para outras franquias, não no sul da Flórida. Depois do melancólico final no Sun Life Stadium diante do Packers, eu pensei que todos teriam entendido que correr é a melhor saída para queimar tempo do cronômetro. Ou ao menos de obrigar o adversário a gastar os timeouts remanescentes. Pois o Miami nem fez uma coisa e, muito menos, a outra. Assim eu tenho que concordar com uma máxima dos esportes dos EUA: "times vencedores dão um jeito de ganhar partidas, já time losers sempre encontram uma forma de perder". Sem mais...

Abaixo, 5 pensamentos ( retirados e adaptados do site The Phinsider ) sobre a dolorosa derrota de domingo:

1 - Por um triz ( outra vez ): A dor de estar tão perto apenas para falhar é uma sensação familia. É o mesmo sentimento do fim da temporada de 2013, quando duas derrotas consecutivas custaram uma vaga nos playoffs. É o mesmo sentimento que ficou em Miami depois que Aaron Rodgers matou uma partida que parecia ganha, com um TD faltando 6 segundo, calando o Sun Life, festivo até faltarem mais de 4 minutos pro fim da partida.

É o sentimento que as equipes vencedoras acumulam: drives vencedores. Já time perdedores acumulam decepções. Eu acompanhei o final da partida sabendo que Matthew Sttaford iria conseguir, de alguma maneira, marcar o Touchdown. Assim como soubera que Aaron Rodgers conseguiria. Não é pessimismo, é a realidade. Ok, ano passado Brady não conseguiu, mas também não vai ser todo dia, apenas será na maioria deles.

O que acontece é que grandes times conseguem vencer jogos contra equipes mais fortes e em finais apertados. Aliás, nenhuma de nossas 5 vitórias até aqui ( Pats, Raiders, Bears, Jaguars e Chargers ) foi assim, sempre foram construídas antes do "momento final da partida". O time já era senhor do placar nestas partidas. Assim como já estava derrotado diante de Bills e Chiefs. Duas vitórias e o time estaria com 7-2. Mas como foi incompetente está com 5-4, o que ainda pode ser considerado bom, mas o time é o 11º da AFC. E só vão 6 para os playoffs...

A realidade é dura: este time ainda não é de elite. E talvez só ano que vem possa mudar de nível. Ou não...

2 - Ataque inconsistente: Como dizer o contrário? Não dá... ok, Lamar Miller esta machucado, Daniel Thomas é apenas um quebra-galho - e olhe lá - e depende do terceiro RB é osso. Mas outras equipes acham uma forma de jogar. Não poder ser tipo: perdi meu Starter, o reserva e meu ataque vai ficar parado. Temos um QB que alguns acham ótimo e trouxemos um novo OC. São problemas grande, sim eu sei... mas eu não posso aceitar que não tentem. E o playbook claramente não estava adequado ao que time tinha, era o mesmo como Miller estivesse 100%. Ai é osso...

O ataque na prática só produziu 3 Field Goals. Sim, isso mesmo que você leu. O Touchdown de passe de Tannehill para Wallace - ótima chamada por sinal - foi lindo, nos deu a vantagem e tudo mais... só que o ataque começou na linha de 3 jardas. Era só o que faltava, chutar outro FG, não é mesmo? Qualquer um dos FGs chutados por Caleb Sturgis tivesse virado TD e a partida teria ido para a prorrogação. Ou não, porque uma coisa é você ter que fazer passes para chegar na marca das 35 jardas de ataque e saber que um FG empata a partida. Outra completamente diferente seria ter a obrigação de marcar um TD. Quando Sttaford chegou ali e ainda tinha quase 2 minutos, resolveu ir pro TD e matar a partida. Essa é a realidade.

Tannehill jogou bem? Considerando a defesa que ele estava enfrentando e sem um jogo corrido eficiente, poderíamos até dizer que sim... não fosse a sua intercepção na redzone. Aquilo foi um desastre, custando ao menos mais 3 pontos. Não poderia ter acontecido e foi um erro dos que ele, infelizmente comete quase todas as partidas... mas eu tenho que admitir que ele persistiu na jogada e evitou o TD dos Lions. Um esforço de quem quer, ao menos, corrigir o erro.  Teve tamném o fumble de Daniel Thomas, que mesmo no meio do campo, o time poderia ter andado um pouco mais e chutar um FG. Seriam 6 pontos. Enfim, vence aquele time que erra menos. Em raríssimos casos o time que comete mais erros vence. E o que dizer do Drop bizarro de Charles Clay dentro da end zone? Quem teria ido para 20 pontos seria o Miami e deixaria o Lions com a obrigação de marcar o TD. Claro que o passe poderia ter sido mais alto, mas Clay cometeu um erro primário. Que nos custou a vitória. Outra vez: times perdedores...

Na terceira para cinco no final da partida, eu me pergunto: porque não foram para um screen pass? Ou colocar toda a OL na frente de Clay ( ou Wallace ) e tentar a conversão? Porque arriscar um passe mais longo? Se não conseguíssemos a primeira descida com um Screen Pass ao menos comeríamos tempo do cronômetro... Me esqueci... aqui é Miami, não Green Bay...

3 - Defesa jogou bem, mas...: Faltou o grande momento. Uma quarta descida incompleta no final da partida teria sido o final épico para uma atuação excelente e contra um grande ataque. Mas não aconteceu... infelizmente. A defesa socorreu o ataque diversas vezes. A defesa manteve o time na partida e quase nos dava a vitória. Conseguimos até um tree-and-out num momento crucial. Mas... 

Quando o ataque não conseguiu produzir um first down para queimar o relógio, foi dada uma outra chance para Matthew Stafford de conduzir sua equipe à vitória. Infelizmente para nós, Stafford foi ( muito ) bem sucedido na segunda oportunidade. A nossa defesa fez muita coisa, parando um ataque bem produtivo em apenas 20 pontos. Tanto é que todas as vezes em que tínhamos limitado o adversário a esse patamar ou menos, saímos de campo com a vitória.

4 - O lance do jogo: Que ótimo seria dizer que foi o Punt bloqueado Earl Mitchell ( uma excelente aquisição no FA sem dúvida ), que quase virara Touchdown nas mãos de Dion Jordan, que só parou na marca de 3 jardas ( e lembrar que isso nos deu um ganho de 10 pontos, pois o Lions deixou demarcar 3 e nós fizemos na jogada seguinte mais 7 ). Talvez fosse ainda mais impressionante dizer Brent Grimes tinha matado a partida com a mais bela interceptação que eu já vi, com apenas uma das mãos, negando a Megatron um TD que parecia inevitável. Mas não foi. 

O Drop de Clay, que foi uma ótima jogada defensiva, definiu a partida. 20x13 nos garantiria, ao menos, a prorrogação. Mas o FG, provou-se inútil...

5 - A temporada está longe de acabar, mas....: As coisas ficaram mais complicadas. Estamos 5-4 e nos faltam 7 jogos: 4 em casa ( Bills na quinta, Ravens, Vikings e Jets ) e 3 fora ( Broncos, Jets e Patriots ). Com o equilíbrio da AFC, estamos em 11º lugar e o primeiro fora é o Steelers que tem 6-4, ou seja, teremos que vencer mais partidas que ele para ficar de fora!!!

Contudo, como manter o ritmo sem Branden Albert? Sem ele, o time vai fazer o óbvio: mover o rookie Ja'Wuan James para LT, colocando Dallas Thomas(!!!) para RT e Shelley Smith de RG. Problemas a vista. Infelizmente, é claro. Além disso, como se pouco fosse, Lamar Miller está claramente jogando no sacrifício, o que não é bom. 

E para conseguir - ao menos - 10 vitória o time terá que vencer jogos complicados, apertados e com decisão no final. Até aqui estamos 0-2 nestas situações. E já encaramos os dois times mais fáceis da schedule ( Raiders e Jaguars ). Derrotas prováveis contra Broncos e Patriots nos deixariam com a obrigação de vencer os outros 5 jogos. Sendo bem realista é capaz do time vencer o Broncos do que vencer os outros 5 jogos. Antes de qualquer conta, é preciso evitar a varrida diante do Bills pela segunda temporada seguida. Nenhum técnico sobrevive a isso em Miami. Não que eu faça muita questão que Joe Philbin continue...

O panorama futuro parece sombrio após esta derrota, mas depende do time melhorá-lo já na quinta. Se conseguir, poderemos seguir sonhando, mas outra derrota, é fim de temporada. Tenham certeza disso.

Notas e Cotações

  • Os golfinhos começou lento, tomando um vareio em jardas 121-1 enquanto Detroit construiu seu início 10-0. Tem sido assim a temporada inteira, até em partidas onde o time detonou o adversário. Sair atrás contra equipes fortes cobra um alto preço. E nem todo dia teremos como abrir vantagem como fizemos contra Patriots e Bears e não correr riscos nos instantes finais. Ainda mais quando o adversário vinha de duas partidas com viradas no final. Agora o Lions tem 3;
  • Foi uma partida estranha: quantas vezes você vê um Coach tentar dois Fake Punts? E converter um, ainda por cima? Field Goal bloqueado nem é assim tão escasso de se ver, mas normalmente são os de mais de 50 jardas, quando Kicker tem chutar mais reto, para a bola conseguir chegar nos postes. Simplificando, foi um jogo estranho;
  • Joique Bell foi um tanque, correu para 44 jardas em 10 carregadas, era um touro todo o jogo e causou problemas para a defesa;
  • Jarvis Landry cresce a cada partida e tem cheiro de que poderá se tornar um grande jogador na Liga;
  • Dion Jordan demonstra ter a capacidade para realizar coberturas, apesar de seu peso adicional, e o time não tido medo de usá-lo na cobertura quando necessário. Jordan estava jogando em cobertura em lances próximos a End Zone, alinhando na marcação de Calvin Johnson em muitos lances;
  • Earl Mitchell. A melhor aquisição desta temporada. Além de ter ganhado a disputa com Jared Odrick pelo posto de titular, ainda fez o lance espetacular do bloqueio de FG, praticamente rasgando a Linha como se ela nem existisse. Sensacional;
  • Produzir na Red Zone separa um time comum de um time matador. 4 vezes estivemos na RZ e só marcamos um Touchdown, que o ataque não levara até ali. Assim não tem como vencer, infelizmente;
  • Apesar de tudo, a linha ofensiva realizou um trabalho admirável com a saída de Branden Albert. Ja'Wuan James fez um bom trabalho como Left Tackle;
  • Brent Grimes tem quatro interceptações nos últimos três jogos. Grimes voltou a jogar em nível de Pro Bowl, depois de um começo meio lento, digamos assim;
  • "Quando você se coloca em uma posição para matar o jogo, tudo o que você quer é fazê-lo. E não consegui-lo  é a coisa mais frustrante. Temos que encontrar uma maneira de fazê-lo...". Charles Clay;
  • "Nós não estávamos pensando sobre o jogo Packers Nós estávamos pensando sobre este jogo. Nós não ganhamos. Não terminou da maneira que queríamos Estamos orgulhosos de como jogamos, mas nós temos... que terminar o jogo ganhando". Brent Grimes.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Branden Albert fora da temporada...

E o pior aconteceu...
Branden Albert está fora da temporada regular. Quem viu a imagem, sabia que isso era - infelizmente - o mais provável. E se confirmou isso. Um dos 5 melhores Tackles da NFL nesta temporada, a melhor aquisição da Free Agency não irá mais proteger o lado cego de Ryan Tannehill.

Com a contusão, Ja'Wuan James será deslocado de Right Tackle, ficando Dallas Thomas ( santo Deus!!! ) com a posição deste. E Shelley Smith fica com o posto de Right Guard.

Grande perda. Piorada com a forma dolorosa com que conseguimos perder em Detroit.

domingo, 9 de novembro de 2014

Week 10: Dolphins 16 x 20 Lions - Impressionante como este arruma maneiras de perder jogos

Esse Brent Grimes é demais!!!

Existem diversas maneiras para descrever esta derrota: 
  • Lembrar que Lamar Miller estava meia-boca;
  • Citar que Branden Albert saiu machucado;
  • Observar que o Lions tem um grande Quarterback;
  • Reconhecer que o nosso Quarterback é ruim;
  • Ver que o massacre da semana passada foi mais por culpa dos Chargers do que mérito nosso...
Talvez todas essas, bem como tantas outras, mas eu prefiro falar de uma apenas: irregularidade. Times vencedores conseguem manter regularidade, times perdedores não. Hoje foi o nosso caso. Nosso ataque foi patético, para ser bonzinho. E quando digo ataque não vou colocar a culpa só em Tannehill, embora ele tenha tido outra atuação como tivera contra o Jaguars, mas a culpa vai para todo mundo, sobretudo para o nosso Coordenador Bill Lazor. Pela segunda vez em 5 partidas o time perdeu por causa de não saber matar as partidas. 

É irritante como nós conseguimos perder partidas no final, dá raiva. Eu tinha certeza que o Packers iria virar a partida, assim como tive hoje. Só que o Packers é excelente, o Lions não, é apenas uma forte equipe. Mas eu sabia que iríamos perder no final. Tudo porque ao receber a bola faltando 3:56 pro fim da partida, o nossa ataque só conseguiu queimar 30 segundos do relógio e ainda deixar o time do Lions com dois tempos para pedir. Ai é ignorância em doses cavalares. Uma corrida e dois passes!!! Coisa de ameba mesmo... reitero: nem culpo sozinho Tannehill, mas o ataque é um todo e ele tem que ser o líder... mas aqui o OC leva muito da culpa.

O Lions pegou a bola e... bom, o resultado final deixa claro o que aconteceu. Alguém poderá citar que a defesa não segurou o ataque adversário, mas o setor conseguira por duas vezes seguidas limitar o ataque do Detroit a tree and out. O problema foi o ataque. Chutou 3 Field Goals e o TD não veio em um drive feito pelo ataque e sim de um Field Goal bloqueado por Earl Mitchell e que Dion Jordan quase retornava direto para Touchdown, ficando na linha de 3 jardas. Ai era só entrar e foi o que Tannehill conseguiu com um passe fácil para Mike Wallace. Neste momento, a partida ficou 13x10... mas...

Esta derrota pode custar caro. Estamos com 5-4, mas o Browns está com 6-3 ( mesmo que eles liderem a AFC North, duvido que a vençam ao final ), Chiefs também venceram ficando com o mesmo 6-3. 

De bom na partida, só o lance acima, de Brent "Optimus" Grimes que negou o TD para Calvin "Megatron" Johnson, que com certeza vai figurar entre as 10 melhores jogadas da Temporada. Pena que inutilmente...