sábado, 26 de setembro de 2015

Week 3: Se quiser salvar a temporada, Dolphins precisam jogar como time de Super Bowl...

Precisamos vencer nas trincheiras diante do Bills...
A chamada do post é forte porque a situação é tensa e delicada. Pegamos 2 times mais frágeis do que nós e quase que saíamos deles com 0-2 ( não fosse Jarvis Landry é um salvador Retorno de Punt para Touchdown, não custa lembrar ). E agora teremos, até a Bye Week na semana 5, dois confrontos encardidos contra times divisão ( ambos com transmissão da ESPN ): Bills e Jets - este último em Londres...

Para quem por ventura ainda não souber, existem duas maneiras de se conseguir a classificação para a Post-Season: vencendo a divisão ( Pats está 2-0 e muito pouco provável deixe de conseguir o 13 títulos de Divisão em 14 anos!!! ) ou como uma das duas equipes via Wild Card. Normalmente, para se almejar vencer a sua divisão, uma equipe precisa fazer - ao menos - 4-2 contra seus rivais diretos ( o que conseguimos em 2008, nao por outro motivo, a última vez que o Pats perdeu a AFC Leste ). Via Wild Card é necessário vencer, ao menos, 9 partidas, o que nao fazemos também desde 2008 ( quando vencemos 11 ). Sendo assim, bater nos rivais é meio caminho andado para o Paraíso. 

Além disso, iremos encarar os dois rivais "mais fracos da divisão". Fracos em termos é claro, porque o deste domingo ( Bills ) só perdeu para o Pats e o da semana que vem está com 2-0 e com uma defesa que está dando o que falar... Vencendo ambos - e hoje nós passamos longe de favoritos para os dois confrontos - poderemos arrancar bem na tabela, indo para a semana de folga com 3-1. Mas, contudo, perdendo... bom, ai seria o caos pleno: 1-3 com 0-2 dentro da divisão e tendo duas partidas com derrotas quase certas diante do Pats. E com 2-4 dentro da divisão ( e ainda assim teríamos que vencer Bills e Jets fora de casa ) nenhum equipe vence divisão e nem consegue vaga na post-season...

Por isso, para poder seguir sonhando com post-season, o time terá que atuar como um time de Super Bowl, ou seja, sendo o mais próximo possível da perfeição. Alguém ai acredita? Com Tannehill de Quarterback? Sinceramente, eu não consigo... Mas é o que resta esperar. Porque se jogar a mesma "coisa" que fez diante de Redskins e Jaguars, vai perder. E perder feio...

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Uma franquia perdida na mediocridade...

Essa imagem é de 2011, mas parece tanto com 2015...
Explicar a mediocridade em Miami é algo complexo. A última vez em que estivemos na post-season foi no distante ano de 2008, quando parece claro que foi um ponto fora da curva e não um renascimento. Aliás, em certa medida, aquela temporada é responsável pelos anos seguintes. Explicado melhor: aquela temporada deveria ser complicada, fazer 4-12 e escolher um QB em 2009. Mas com o sucesso - efêmero - da Wild Cat o Dolphins perdeu tempo tentando melhorar um sistema de ataque que mostrou-se inútil. Foi o ano da escolha de Pat White, só para lembrar.

Por causa disso, ficamos com a dupla de Chads: Pennington e Henne. O primeiro só conseguiu jogar em 2008 e depois sofreu duas lesões seguidas que findaram sua carreira. O segundo... bom, o segundo era o Tannehill de sua era ( sem comparar os dois, que fique BEM claro ). Foram 3 temporadas jogadas no lixo, com 7-9 em 2009 e 2010 e um inútil 6-10 em 2011 ( quando se tivéssemos vencido apenas uma seriamos nós a escolher Andre Luck e não o Colts ). Um tal de Matt Moore está no elenco desde 2011 e foi ele o QB a vencer 6 partidas em 9 que nos levou para a oitava escolha e... bom, nos deu Ryan Tannehill.

Hoje fica claro que nada mudou do time do 1-15 de 2007 ( pior campanha de nossa história ), quando a franquia ainda pertencia a Wayne Huizenga, que por sua vez comprara o time do espólio de Joe Robbie em 1988. Bill Parcells era, digamos assim, a esperança da vez. E deu em nada. Perdemos uma chance de ouro ( ter a primeira escolha ) e nem assim melhoramos. Como comparação vejam o quanto o Lions mudou desde 2009, quando conseguiu Matthew Sttaford. Adiante...

De lá para cá...  todos sabemos bem o que acontece. Stephen Ross assumiu o time em 2009 e desde então é uma trapalhada atrás da outra. Em que outra franquia um caso com o Bullying Gate poderia ter acontecido? Só aqui, é claro. Doamos Brandon Marshall ao Chicago Bears e com as escolhas conseguimos Michael Egnew e Will Davis. Trocamos Vontae Davis porque ele nao seria bom o suficiente e... ele virou estrela no Colts!!! Sean Smith, outro que nao servia aqui, agora é igualmente estrela no Chiefs. Nem posso dimensionar os absurdos que foram Dion Jordan e Ja'Wuan James, escolhas de primeira rodada. DeVante Parker é a aposta da vez para salvarmos uma escolha de primeira rodada desde Mike Pouncey, em 2011. Ah sim, domingo Jared Odrick mandou lembranças, conseguindo sack jogando pelo Jaguars...

Em 2012 um 7-9 quando duas vitórias serviam. Em 2013 um 8-8 quando apenas mais uma era necessária para conseguirmos uma vaga na post-season. Já em 2014 outro 8-8 mas eliminados bem antes do fim da temporada. Sofremos derrotas humilhantes contra rivais mais fracos, Jets e Bills para conseguirmos vencer o Pats. E ano após ano estamos sempre perdendo chances, jogadores e oportunidades. Passados 3 anos e no início da quarto ano da Era Philbin o time não tem nem defesa e nem ataque e estamos longe de chegar na post-season. Afinal, como um time que consegue perder para o Jaguars pode pensar em post-season?

Sinceramente tá ficando chato demais. E por favor, parem de defender quem não merece defesa. Isso só atrapalha. E o que oque precisamos é de ajuda.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

A visão do torcedor sobre a derrota e o desempenho de Ryan Tannehill

Opinião é algo que eu prezo. E gosto de ver quem tem a sua. Alguns não gostam de pessoas com opiniões fortes, mas eu me identifico com quem é assim, porque eu sou assim. Até agora, o Blog teve 220 acessos nesta segunda, o maior pico desde o Draft. Alguns leem e não comentam, mas dois deixaram suas visões acerca do que leram. O primeiro é sobre o texto sobre a derrota ( vexaminosa ) e o segundo é do que fez o apanhado das notícias. Leiam eles com atenção ( clique nas imagens para ampliá-las ). Eu volto para sintetizar:




No primeiro comentário temos alguém que comunga com a minha visão sobre Ryan Tannehill e o segundo não concorda. Antes de prosseguir eu quero deixar claro uma coisa: nós não perdemos por CULPA exclusiva de Tannehill, mas perdemos porque ele não é o líder que o time precisa. Ele não se coloca com o alguém que consiga superar as dificuldades, deixando sempre a impressão de que vá precisar - sempre - de 100% das condições favoráveis. Usando uma analogia com a Fórmula 1 é um carro que parece bom mas que só rende 100% em um asfalto perfeito e sob certa temperatura. Se esquentar ou esfriar, ai danou-se.

Thiago até dimensiona quanto da derrota é culpa de Tannehill ( algo que eu nao fiz e acho menor do que 80% ). Já RFialho acredita que é Tannehill quem esteja se queimando, ou seja, o time o prejudica. Discordo, mas respeito. A questão é que Tannehill não se impõe, não vemos ele mexendo ou tentando algo de diferente. Quando o QB é bom ( como sugere RFialho ) e é mal treinado ele tenta algo para sair da situação. Tannehill não faz isso, simplesmente porque não sabe fazer.

Por fim, quanto a ele não ter sido interceptado na temporada, isso não é nem de longe mérito dele e sim falta de qualidade das secundárias adversárias, porque ele pediu para tomar, ao menos, umas 4 até agora. Só que os rivais, digamos assim, foram bonzinhos... 

E voce? O que acha? Deixe seu comentário e eu posto aqui os melhores.

Notícias da Week 2

E o vencedor da partida foi o QB segundo anista...
Gostem de mim ou não, uma coisa é certa: jamais poderão acusar-me de ficar em cima do muro. Falo o que penso e sei que isso desagrada muita gente. Sou assim e permanecerei assim. Tenho, no âmbito deste Blog, uma coleção de desafetos. Tenho também fãs, é claro. Mas eu não edito o Blog a 8 anos para agradar este ou aquele torcedor do Miami, eu faço isso porque ADORO o time pelo qual - com muito orgulho - escolhi para torcer. Contudo, torcer nao é ser cego, louco e/ou babaca. Está claro, para quem quis vez, que o time não vai a lugar algum com Ryan Tannehill de Quarterback. Claro como a luz do dia, e eu disse isso antes dele ser draftado é sempre bom lembrar disso. Mas este post, agora tradição no dia seguinte às partidas ( e prováveis derrotas ) do time não é sobre Ryan Tannehill. Apenas gostaria de pontuar isso mais uma vez: a opinião do leitor importa até certo ponto: eu as leio, depuro e eventualmente as aceito. Mas eu não vou simplesmente mudar o que penso porque uma "maioria" discorda de mim. Adiante...

A derrota de ontem desnudou, de uma maneira traumática, todos os defeitos deste time. Em 4 anos da gestão Joe Philbin ( 2 com Jeff Ireland de General Manager e os últimos 2 com Dennis Hickey ) o time segue sem ter um ataque que preste, uma OL decente, um bom grupo de Linebackers e uma secundária eficiente. 4 anos que foram jogados no lixo. 4 anos em que estamos no mesmo patamar dos 3 anteriores a ele. 4 anos em que seguimos sendo piada da Liga. Ontem Jaguars, Browns, Raiders e Buccs venceram suas partidas pela primeira na história da NFL!!! E o Miami... bom, todos sabem. Até quando seguiremos assim? Pois é, eu posso responder: ao menos até 2017 o Quarterback terá que ser Ryan Tannehill, por causa do - a cada dia mais - insano contrato que demos a ele. Mas disso, eu trato em outro post...

As notícias, e nem poderia ser diferente, são trágicas. Vamos ao que de melhor ( ou pior ) foi dito sobre a vexaminosa derrota de ontem:

  • Miami Herald: Jaguars batem Dolphins por 23x20 com penalidades e Field Goal curto. O texto aponta falas de Olivier Vernon e de Ryan Tannehill e segue na linha de apontar a queda da defesa e as contusoes ( Miller e Albert ) como as chaves adicionais para a derrota. Até diz que Tannehill fez sua parte...
  • Palm Beach Post: Grande quantidade de problemas após derrota para o Jaguars e o 1-1 na temporada. Problemas, problemas e mais problemas. De uma maneira crítica, podemos ler que as coisas nao andam nada bem. Detalhe: o Miami cedeu, em média, mais de 370 jardas aos adversários. E isso porque, segundo alguns, a defesa seria uma das 3 melhores. 
  • Sun Sentinel: Dez reflexões sobre a derrota de 23-20 para o Jaguars. Como explicar que uma defesa com um jogador de 114 milhões de dólares não consiga um único sack no time que cedeu 5 na semana 1? Como explicar o time nao conseguir correr com a bola? Como explicar as faltas absurdas feitas pelos jogadores? O texto tenta explicar isso... E toca num ponto interessante: porque o time entra dormindo em campo? Contra o Redskins tomamos 10-0 e ontem 13-6 antes de empatar a partida...
  • The Daily Dolphins: Irritado, Dolphins está a procura de respostas após derrota por Jacksonville. Fácil encontrar um culpado pela derrota? Quando o time é o Miami, nao. Desde o altíssimo número de faltas, passando pelo inexistente jogo corrido, mas a realidade é que o time poderia, facilmente, estar 0-2 nao tivesse acontecido o inesperado na semana 1. Que, claro, nao deu as caras ontem...

Leia e tirem suas conclusões. E antes que venham falar que o Pats fez 2-2 tomando um vareio do Chiefs, lembrem-se que eles tem uma coisa ( e nem é Bill Belichik e Tom Brady ) que nós nao temos: espírito vencedor.

Week 2 - Dolphins 20x23 Jaguars: Como é doloroso estar certo...

Um dos piores times da NFL conseguiu vencer o nosso time...
No post da partida eu disse que era obrigação vencer o Jaguars... ou poderíamos esquecer a temporada logo na segunda partida. E com um atuação ruim, com um QB que não é líder, com um queijo suíço no lugar da Linha Ofensiva, sem pressão suficiente no QB adversário ( com uma inexplicável ausência de Cameron Wake na maior parte do jogo ), com escolhas para lá de duvidosas nas chamadas de jogadas e com faltas absurdas feitas pelo time nas duas pontas do campo... bom, tudo isso junto deu que o Miami Dolphins conseguiu perder para um dos piores times da NFL.

Eu sei o que uma grande maioria, que no fim torce por Tannehill e não pelo Miami, vai dizer: a OL impediu que o nosso QB jogasse. É uma bengala tradicional: tudo serve para minimizar os erros de Ryan Tannehill, que namorou com interceptações durante a partida inteira. Além disso, ele só conseguiu conduzir o time a Red Zone no segundo tempo. E seguiu com passes descalibrados ( antes ou depois do recebedor ). Contudo, de fato, a Linha Ofensiva realmente jogou mal. Muito mal, mas isso não é novidade. E é ai que reside a crítica quanto a Ryan Tannehill: eles simplesmente nao vence partidas quando as coisas estão complicadas. 

Eu vejo QBs como Big Ben, Aaron Rodgers dentre outros realizarem adaptações durante a partida e vencer mesmo como as dificuldades, mas Ryan Tannehill simplesmente não possui essa capacidade. E isso não é achismo: ele tem 24 vitórias em 50 partidas disputadas como Starter. E mesmo assim uma dessas nem deveria contar, aquela da temporada de rookie quando ele saiu machucado contra o Jets e o Moore venceu o jogo. Mas a culpa não é só dele, mas ele precisa ser o líder, o cara a comandar o time para a vitória. E ele não faz isso. 

O Miami trouxe, desde 2013, diversos jogadores para a Linha Ofensiva mas... o setor segue sendo ruim. Branden Albert se machuca demais, Ja'Wuan James simplesmente é uma porcaria, Dallas Thomas inexiste e os outros é melhor nem citar. Jason Fox é uma nulidade e embora tenha tido uma atuação desastrosa, conseguiu ao menos evitar um TD de defesa. Nada que vá mudar o preço do dólar, é claro.

Tenho que citar, também, a asneira que Olivier Vernon fez. Cometer uma falta de 15 jardas no fim da partida é coisa de imbecil. Deu ao Jaguars o Field Goal da vitória. Além disso, quem foi que mandou os LBs embora e não trouxe nenhum? Fora Brent Grimes e Reshad Jones a nossa secundária é uma piada. Jamar Taylor cometeu uma PI tola, Brice McCain nao cobre ninguém e por ai vai...

Perder para um dos 5 piores times da NFL é o tipo de resultado que me deixa com raiva, muita raiva. E olhem que o time pegou 2 times assim e só venceu semana passada por causa de um Retorno de Punt... Como esperar post-season? Eu jamais esperei. Mas lá na Tannehillandia... bom, eles lá talvez estejam até felizes, pois olhando apenas o números o QB deles foi bem...

domingo, 20 de setembro de 2015

Week 2 - Dolphins at Jaguars: Vencer é obrigação. Ou podem esquecer a temporada desde já...

E nao é só vencer, é preciso massacrar mesmo...
O jogo é fora de casa. O adversário é um dos mais fracos de toda a NFL. Fazer 2-0 seria um passo e tanto na temporada, desde que o Miami fosse um dos times com Home Field a favor. Vencer, portanto, é fundamental por diversos motivos porque o time pouco provavelmente vá vencer - tipo - sete partidas em casa. 

Isso quer dizer que vamos vencer fácil? Com o ataque apático de domingo passado, eu acho pouco provável. Até porque se tem uma coisa que presta nos Jaguars é justamente a defesa. Tem bons valores e subavaliada, muito porque o ataque não tem competência e força o setor a ficar muito tempo em campo, quebrando o bom rendimento da unidade. A senha seria correr melhor com a bola nessa segunda partida, superando as parcas 70 jardas da primeira partida. Trabalho extra para Lamar Miller, que precisa melhorar bem seu desempenho. Para isso a Linha Ofensiva precisa melhorar, e muito, o seu desempenho também. E contar com isso não é uma certeza...

Além disso precisaremos, é claro, de uma mega atuação do QB de 100 milhões de dólares ( sem jamais ter feito NADA para merecer isso ). Ele precisa atuar como um QB que ganha essa bolada. Precisa vencer partidas como um QB que ganha isso. E não ficar com uma atuação meia-boca como a que teve diante dos Redskins. Vai conseguir? Eu não sei, mas vai que acontece... não é o nível dele, mas vai que ele consegue superar as expectativas. Até porque não será todo dia que teremos um retorno de punt para TD, não é mesmo?

Sendo assim nosso front-seven precisa dominar mais o ataque adversário deixando que nosso ataque possa comandar o placar, sem ter a pressão de virar o placar. Se isso rolar, poderemos ter uma segunda vitória tranquila, daquelas que podem nos impulsionar a tão sonhada post-season...

Previsão? 20-10. Até porque o ataque é claro não é nada disso...