sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Miami precisa draftar um Quarterback em 2016. Nem que seja no meio do Draft




Resumo básico da carreira de Tannehill...
Eu não me orgulho, acreditem, de ter acertado tudo que disse sobre Ryan Tannehill antes mesmo dele sequer ter virado o provável escolhido no Draft de 2012. Eu disse que perderíamos 3 anos com a escolha de Ryan Tannehill. Eu só não contava com o fato de que o Front Office iria cometer a sandice de dar a ele um contrato ( que ele nunca fez nada para merecer ) de 100 milhões, mantendo-o com contrato conosco até 2020!!! Isso após ter, acertadamente, exercido a opção do quinto ano de contrato, o que já deixaria ele conosco até o fim de 2016. Enfim, eu me esqueci que aqui é Miami e que errar nunca é o bastante. Sempre é possível errar mais um pouquinho. No caso, muito mesmo...

Acontece que com essa sandice, o próximo Head Coach ( e eu jamais cogitei que Dan Campbell seria efetivado para 2016 ) terá que começar seu trabalho com Ryan Tannehill. Queira ele ou nao terá que contar com Tannehil entre os 53 das temporadas 2016 e 2017. E todos sabemos que, exceto se o Quarterback foi um All-Star, Head Coachs gostam de ter um jogador para desenvolver ao seu modo, ao seu estilo. Por isso temos Tannehill, era o cara de Philbin. Mas essa, infeliz, obrigação não impede de que o time vá atrás de um outro QB no Draft. Existem os middle rounds exatamente para isso. Perdemos tantas picks anos após ano que perder mais uma não faria diferença alguma, não é mesmo?

Além do mais tem a questão do Salary Cap. Que será bem apertado em 2016, algo que - nem de longe - é adequado para uma reconstrução. E sendo assim o Miami não poderá se dar ao luxo de ter um back-up para Tannehill que ganhe mais de 5 milhões. O correto ( e algo que já deveria ter sido feito ) é buscar alguém no Draft e colocá-lo como reserva ao lado de um veterano de contrato baixo. Jamais alguém como Matt Moore que nada agrega ao time.

Existe alguém em vista, pode perguntar o leitor. Eu não tenho ninguém, mas existem opções, basta procurar direito. E claro que, se duas pessoas falarem um nome, olhe com mais atenção. Já nos basta passar um jogador como Russell Wilson duas vezes no mesmo Draft, não é mesmo?

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Como de costume, vamos pensar no próximo draft?

Será o draft do ano que vem aquele que irá nos devolver aos dias de glórias?
Parece pontos consensual de que estamos no meio de mais uma temporada perdida. Sendo assim, este Blog ( a menos que o time vença 7 em 8 partidas ) vira-se mais uma vez para o Draft. Sim, o Draft. Como é cedo para cogitar quem o time vai escolher, eu irei monitorar a posição a cada semana em que o time deverá escolher. Atualmente, como pode ser visto abaixo, estamos em décimo. Mas podemos melhorar ( sim, em termos de draft é melhorar ) com uma derrota para o Eagles, pois conseguiríamos tomar o posto do San Francisco, ficando com a nona escolha. Derrota nossa e vitórias de Ravens e Cowboys nos dariam a 7ª escolha.

Vencer agora, além de desnecessário, poderia nos empurrar até para a 13ª escolha. Acho que ninguém quer isso, nao é mesmo?

1. Detroit Lions: 1-7 
2. San Diego Chargers: 2-7  
3. Cleveland Browns: 2-7  
4. Jacksonville Jaguars: 2-6  
5. Tennessee Titans: 2-6  
6. Baltimore Ravens: 2-6  
7. Dallas Cowboys: 2-6  
8. San Francisco 49ers: 3-6  
9. Tampa Bay Buccaneers: 3-5  
10. Miami Dolphins: 3-5 

Meio de Temporada: Melhores, Surpresas, Decepções e os Piores

Reshad Jones é, por muito, o MVP da Defesa...
enquanto que Jarvis Landry, também por muito, o é no ataque.
Mesmo nas piores campanhas ( como é o nosso caso em 2015, 2014, 2013, 2012, 2011... ) sempre existem jogadores que conseguem se destacar, jogando com empenho, força, dedicação, alma... enfim, são atletas que conseguem entregar o que deles se espera e até mais. Vou analisar por setor, quem foram os melhores, quem surpreende, quem decepciona e quem está sendo tenebroso...

ATAQUE: 21,4 ppg ( 21º ), 357,9 jds ( 13º ), 254,6 jds aéreas ( 13º ) e 103,2 jds terrestres ( 19º )
  • MVP - Jarvis Landry. Números em 2015: 53 recepções ( 10,1 jardas por passe ), 535 jardas e 2 Touchdowns ( 12 corridas, 95 jds, 1 TD e 1 Fumble. Para um Wide Receiver que não tem Quarterback sequer mediano, Landry tem números excelentes. Jogasse num time com um Tom Brady seria facilmente o líder da Liga. Conseguiu destacar correndo mas seu grande momento é o da foto: um retorno de 55 jardas de Punt que decretou a vitória contra o Redskins na abertura da temporada;
  • Surpresa - Pode parecer estranho citar alguém com uma única partida e que tenha estreado domingo, mas eu vou de Jay Ajayi. Deixou sim uma boa impressão;
  • Decepção - São tantas as possibilidades que eu prefiro ficar com um setor inteiro: a OL. Claro e evidente que eu cantei a pedra aqui bem antes da temporada, mas... eles conseguiram se superar, certo?
  • Piores: Ryan Tannehill e Bill Lazor. A dupla que deveria criar um ataque impecável até aqui é incapaz de sequer vencer times como Jaguars, Bills, Jets... parece piada, mas eu não vejo este ataque de Lazor melhor que o de Sherman. O amigo leitor consegue? eu irei adicionar outra pessoa aqui: Stephen Ross. Acho que desse, ninguém vai discordar não é mesmo?
DEFESA: 25,8 ppg ( 23º ), 384,5 jds ( 25º ), 242,4 jds aéreas ( 13º ) e 142,1 jds terrestres ( 31º )
  • MVP: Reshad Jones. Números em 2015: 75 tackles, 1 sack e 2 Interceptações. Jones é um jogador que tem oscilado muito desde que foi draftado no quinto round do Draft de 2010. Pois é, em primeiras rodadas o time não consegue acertar a mão, mas nos finais até que conseguimos achar bons valores. Ele teve sua melhor temporada em 2012 - que lhe rendeu um bom contrato - e caiu nos anos seguintes, mas agora ele está atuando em altíssimo nível. Segundo alguns analistas pode até conseguir uma nomeação para o Pro Bowl;
  • Surpresa: Ninguém a meu ver merece tal pecha nesta defesa. Ninguém está me surpreendendo para o bem, é claro;
  • Decepção: Todos os Linebackers. O Miami é a segunda pior defesa contra o jogo corrido e a culpa é deles. Ou, melhor, do nosso General Manager que nao trouxe sequer um reforço para um setor que já era ruim;
  • Piores: Os novatos da Defesa. Nenhum deles conseguiu ser melhor ou ajudar o time em ser menos ruim na defesa. Poderia falar de Kevin Coyle, mas ai é falar do passado. 
Poderia falar também de que nosso Kicker só chutou 8 vezes ( média de um por partida ) e acertou 6 e que os antecessora Dan Carpenter e Caleb Sturgis também erraram 2, mas chutando 11 e 13 vezes respectivamente. Ou ainda lembrar que Brandon Fields foi cortado do Saints e que o nosso Punter segue sendo um dos mais efetivos do ataque. O nome dele? Ah, eu esqueci de falar: Matt Darr, um dos 10 melhores Punters da Liga. Talvez - e isso é irritante - o único dentre todos os 53 jogadores do elenco ( fora Jones ) a figurar num Top Ten.

Enfim, esse é o Miami. E essa é a lista. Comentem e digam na caixa de comentários o que acharam da mesma...

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Week 9: Dolphins 17x33 Bills - 2015 se foi, mas se foi em 2011 não agora

Resumo da partida: Bills passando o carro...
Eu pensei muito antes de fazer este post, imaginando que enfoque eu deveria empregar nele. Pensei em falar que a temporada estava perdida ainda em 2011 quando decidiram draftar Ryan Tannehill ( o que é uma verdade inquestionável, diga-se de passagem. Mas também poderia lembrar que após a temporada 2013 e o Bullying Gate Joe Philbin teria que ter sido demitido ( outra verdade que ninguém ousa discutir ) ou ainda que o poderia ter refeito tudo do zero ao fim de 2014... mas preferiu manter o técnico e o QB, que agora tem contrato té 2020 mesmo sem jamais ter posto os pés na post-season ( para variar, uma outra verdade que só loucos seriam capazes de contestar ).

Resolvi, contudo olhar por outro lado: com o 3-5 temos uma chance de fazer uma limpa no elenco e, pela enésima vez, fazer uma reconstrução. Tudo novo ( ou quase, porque a porcaria de Tannehill vai ficar ao menos até o fim de 2017 ), novas esperanças em passos certos, em escolhas que mudem o rumo da franquia. Lembrei que há anos que na abertura do Sunday Nigtht Football aparecem os destaques da Liga, de vários times. E fui olhar se algum dia aparece um jogador do Miami. E... nao, nunca teve um jogador do Miami Dolphins. Jamais, nunquinha... tem de quase todos times, tem até do Cardinals!!! Mas do Dolphins, do outrora poderoso Miami Dolphins nunca. Isso dá bem um ideia do quao péssimos somos. Fosse 20 anos atrás... 30 anos atrás... 40 anos atrás.  Agora nao, ninguém neste elenco merece. Talvez Cameron Wake. Talvez...

Pensando no futuro, a partir de agora é perder e perder, pois nao adianta mais vencer. Faltam 8 jogos e nestes o time teria que vencer, ao menos, 7. Alguém ai acredita nisso? Se acreditar, procure, urgentemente, um psiquitra pois voce está louco. Quarterbacks bons não existem no Draft. Runningbacks como um Adrian Petterson, também não. Existem ótimos jogadores para defesa, mas um astro de ataque, nao. Adoraria ver o time ficando com, no máximo, 4 vitórias e uma escolha Top Ten. Poderia trocar angariando outras escolhas ou tentando encontrar um ídolo. Contudo, antes disso, precisará achar um Coach decente. Alguém com fibra e conhecimento. Eu, particularmente, apostaria em alguém com experiencia em montar ótimas defesas. Mesmo que o time marque poucos pontos, pode vencer muitas partidas apenas se tiver uma Defesa Top. O time de 1972 era muito mais defesa do que ataque, por exemplo...

Sobre a partida... bom, nosso Quarterback conseguiu nao lançar interceptação, mas também não passou para Touchdown. Ai fica complicado. Jay Ajayi estreou bem, dando esperanças de que possa ser o que dele se espera. Lamar Miller conseguiu, ao menos, 2 TDs. E ainda foi o melhor recebedor, dando uma ideia de como temos um ataque "potente". Na defesa fica de bom uma atuaçao animadora de Ndamukong Suh e a de Reshad Jones, que concordo com um texto que eu li hoje que cita-o como o MVP desta - melancólica - meia temporada.

Quem ficou animado com as duas vitórias diante dos fracos Texans e Titans ( Deus, como apanhei por apontar o óbvio!!! ) e entrou na onda "empolgaçao" de Dan Campbell quebrou a cara. Era fácil perceber que só "vamos que vamos" iria logo emperrar e só deu certo porque encarou os adversários certos em sequencia. Quando pegou 2 times fortes e bem organizados deu no que deu... mais de 30 pontos tomados nas duas partidas e o ataque nem nas duas chegou nesta marca. Quem também pensou que o Tannehill era o "mago" contra o Texans deve estar chorando agora...

Enfim, eu prefiro pensar em 2016 com um Coach novo e novas ideias. Prefiro pensar em contrataçoes decentes para o resto do Staff, com um QB vindo na FA ou no Draft. Com uma estrela advindo do draft. Com perspectivas boas para 2017 e, quem sabe, em 2018 estarmos brigando com o Pats pelo todo da AFC Leste. E, quem sabe, em 2020 estar brigando pelo Super Bowl. Mas, com certeza, sem Tannehill é claro.

É no que quero pensar. A temporada? Esta já acabou faz tempo... foi em 2011 que ela se perdeu. E eu previ isso. Portanto, vamos falar de futuro. Porque o passado eu já como foi. O Futuro, talvez eu não saiba como será.