segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Projetando o Draft: Myles Jack ( UCLA ) ou Jaylon Smith ( Notre Dame )?

Uma máquina de tackles ou
um forçador de Turnovers?
A maior carência do time do Miami Dolphins é... bom, quem dera fosse assim facil respnder a esta questão. Podemos dizer que é um Corner, um Runningback, um Tight End, um Safety e até mesmo um Quarterback... mas eu prefiro apontar que o problema entre os Linebackers. Basta ver o que pode fazer um Clay Mathews, um Luke Kuechly ou um Ray Lewis por uma defesa.

E hoje existem 2 valores que podem - eventualmente - estarem disponíveis em nossa pick, a oitava. Claro que muita água vai passar debaixo da ponte e, por termos escolhido alguém ligado ao ataque para ser Head Coach, e temos quase 4 meses cheios até o recrutamento. Mas por hora tanto Myles Jack ( UCLA ) ou Jaylon Smith ( Notre Dame ) dariam conta do recado. Claro que o segundo só seria escolhido se o primeiro nao estiver disponível ( ao menos agora ). Mas seria preencher uma lacuna com um jogador de extrema qualidade.

Durante a semana farei psots sobre os dois, mostrando pontos fortes e fracos. 

domingo, 17 de janeiro de 2016

Já temos nossos Coordenadores de Ataque e de Defesa... e eu nao gostei de nenhum dos dois

Clyde Christensen: época de ouro foi ao lado de todos os tempos...
Vance Joseph: o seu antecessor também era Coach de CBs do Bengals...

A contratação de Adam Gase como Head Coach desagradou a quase todos, eu incluso. Era o mais inexperiente da lista e o com maior risco implícito. Ele, na sua entrevista de apresentação, disse que ele é que irá chamar as jogadas de ataque, ficando o Coordenador Ofensivo dedicado a outras funções, como cuidar do treinamento dos setores. Isso ficará a cargo de Clyde Christensen, que atualmente é o Coach de Quarterbacks do Colts. 

Christensen está na NFL a 20 anos, tendo começado no Buccs como Coach de Tight Ends. Estava no Colts desde 2002 ( levado por Tony Dungy que assumira o Colts ). Entre 2002 e 2007 foi Coach de Wide Receivers, tendo contado com uma das melhores duplas de Receivers da história: Marvin Harrison e Reggie Wayne. Em 2009 virou Coordenador Ofensivo, justamente quando Manning conseguiu a mais espetacular temporada para um QB. Contudo, quando Chuck Pagano assumiu o time, ele foi deslocado para Coach de Quarterbacks, onde - é claro - treinou Andrew Luck. Ele, com certeza, nao é o meu preferido para a posiçao e acho pouco provável que venha a ser o que precisamos. Em suma, tudo dentro do normal em Miami...

Do outro lado do time, teremos um outro Coach de Cornerbacks vindo do Bengals. Kevin Coyle treinara o setor e foi um tremendo fracasso, mesmo que a defesa tenha sido melhor do que o ataque nestes 4 anos. Ele, Joseph, poderá falhar como Coyle? Sim, é claro. Até porque é mais inexperiente do que o seu antecessor. Ele, em 10 anos na Liga, só foi até hoje Coach de Cornerbacks. Assim como Gase ele é jovem e tem passagens por algumas equipes, mas é imberbe demais aos 43 anos. Alguém pode argumentar que ter 60 anos não é garantia de nada ( e Christensen tem 59 e nem por isso me agrada ), mas se ele tivesse sido Coordenado de Defesa ao menos no College eu já poderia me animar, mas... nem isso ele foi.

Podem dar certo? É claro que sim. Mas, assim como para Gase, eu vou ficar com as barbas de molho. E se, por um acaso, eles forem bem ai sim ficar um pouco animado. A impressão de agora é que o trio não vai nos levar a lugar algum que preste. Espero, mais uma vez, estar errado, mas como das outras vezes tenho a sensação de que não estou...

Analisando o Elenco: Linha Defensiva

Para mim, manter os dois deveria ser prioritário...
Eu não sou nem um pouco chegado no lema de "ataques ganham jogos e defesas campeonatos". Fosse assim mesmo, ontem em Glendale não teria sido a genialidade de Carson Palmer e Larry Fitzgerald a darem uma épica vitória ao Arizona Cardinals no Divisional Playoffs. Claro que um defesa Top é meio caminho andado para o sucesso. E é aqui que vem o problema nesta off-season.

É de conhecimento de todos que temos diversos problemas, do Quarterback até o Special Team. Existem, contudo, duas exceções: os Recebedores ( com Parker e Landry ) e a Linha Defensiva ( com Wake, Vernon e Suh ). Já falei dos recebedores, onde acho que um velocista no Draft poderia ajudar muito, já na DL o problema está na manutenção dos atuais membros.

Temos um titular que é Free Agent ( Olivier Vernon ) e um que pode ser cortado, salvando espaço no apertadíssimo CAP: Cameron Wake. Eu manteria os dois, mas... existem diversos problemas para isso e um deles é o CAP, que está além do limite por causa de contratos insanos ( já tratei disso antes e todos sabem quem sao os 3 que estão ferrando o nosso CAP ). Vernon é um DE de extrema qualidade e em crescimento. E não podemos seguir trocando de DEs toda vez que um rookie terminar seu contrato, como foi com Odrick e Langford. Mas, ao que parece, só poderemos ter que manter um deles. Mas quem?

Olivier Vernon tem tido temporadas sólidas, é jovem e vem evoluindo. Com o Coach certo entrará definitivamente na Elite da posição, mas sua renovação sairá caro e acho pouco provável encontrarmos espaço no Cap para manter ele. Contudo, a resposta pode estar justamente com Wake. O veterano, que ainda tem muita gasolina no tanque, já disse que aceita reduzir seu salário para permanecer na equipe e isso traria um alívio no Cap, abrindo espaço que pode ser usado para renovar com Vernon.

Pouca gente lembra, mas o setor ainda tem Dion Jordan, o DE escolhido em 2014 e... que ficou suspenso por toda a temporada 2015 e que até aqui... pois é. Ele é jogador do elenco e pode, eventualmente, atuar como DE mas eu não espero mais que ele possa render como o esperado. Claro que se Vernon e/ou Wake saírem o time precisará reforçar-se no Draft com um DE, isso é bem óbvio. Se mantivermos os dois, ai só precisará trazer algum reforço do meio para o fim do Draft.

No meio da DL o time não precisa de reforços: temos Ndamukong Suh ( 29 milhões pesando no Cap ), Earl Mitchell e o novato Jordan Phillips, que por sinal tem atuado bem, além do que eu poderia esperar. Quando muito um UDFA para rotação, pois custam menos no Cap, que não temos.

Posso falar que temos, hoje, um setor forte. Agora em 2016 eu não posso garantir nada. E com Coach novo ( e muito cheio de "dúvidas" ), um General Manager novo e sem CAP tudo é instável e improvável...