quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Olhando as próximas derrot... ops, partidas do Dolphins

Das próximas 6 partidas, cinco delas serão em casa...
O Dolphins terá, como aparece na imagem acima, cinco jogos em casa, com apenas uma saída para encarar o Bengals em Ohio. E o que esperar destes confrontos? Primeiramente temos que lembrar que temos um dos piores desempenho em casa dentre as 32 franquias nos últimos 10 anos. Sendo assim, jogar cinco vezes em casa por si só não quer dizer nada. Alias, entrar em campo já não quer dizer muita coisa tem tempo.

O primeiro adversário, Browns, é o mais fácil da lista ( ou alguém do mesmo nível ). Sem RGIII e com mais uma reformulação acredito que marquemos nossa primeira vitória na temporada. Iremos até Ohio provavelmente para uma derrota, pois o time do Bengals ( noutra quinta de Halloween ) é melhor do que o nosso, mas oscila muito e quem sabe... Depois tem o Titans, na primeira de quatro partidas em casa. O time de Memphis está com 1-1 e tenta emplacar uma temporada vitoriosa desde muito tempo com Marcus Mariota de QB. Não me parece um adversário perigoso, mas nunca podemos confiar sequer 50% em nosso time.

Se tudo desse certo, o time chegaria encarar os Steelers - um dos times quentes agora - com 1 vitória e 3 derrotas. Mas em condições normais aqui é um jogo com cara de derrota, E irei fazer post para agradar pessoas que acham que vamos ganhar todos os jogos, independente do adversário. Não vejo nosso time ganhando Steelers, da maneira como o ataque deles tem atuado até aqui. Sem falar que nossa defesa... bom, todos sabem muito o que quero dizer.

Em tese, após 5 partidas estaríamos com 1-4. E ai dois rivais de divisão. Contra os quais não conseguimos nos impor. Aliás, o que mais conseguimos fazer é perder para eles em casa. Acredito que o mais plausível é que consigamos vencer o Bills do que os Jets, mas não seria absurdo perder as duas partidas. Absurdo mesmo seria vencer as duas. Sendo assim, o time chegaria praticamente na metade da temporada com - na melhor das hipóteses - com 3-4, mas o mais provável é um 2-5.

Muita coisa pode mudar até a Semana 8 - tem a data limite de transferências nesse meio por exemplo - e os adversários que hoje imaginamos mais fortes podem ficar enfraquecidos ou eventualmente mais fortes. O que eu sei é que não estaremos jogando como um Super Bowl Contender... isso jamais, mesmo que alguns achem o contrário sabe-se lá baseado em que.

O fato é que, podemos afirmar que não melhoramos em nada com relação a 2015 ( e eu particularmente vejo é pioras ). O que, apesar de não ser exatamente uma novidade, já é uma péssima notícia para um time com um Quarterback entrando na sua quinta temporada e com um técnico novo, que seria o "mago" do ataque...

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Pilulas do dia seguinte: Outra temporada perdida ou podemos esperar um milagre como 2008?

E ai Tannehill, quando é que você vai jogar mesmo?
66 jogos. 29 vitórias. 37 derrotas. Esses são os números do Miami Dolphins desde 2012. Se somarmos mais 48 jogos a esta ( temporadas 2009/2010/2011 ) conta, teremos 49 vitórias e 65 derrotas. Se quiserem em porcentagem, temos 0,4298 desde 2009 ( 0,4393 desde 2012 ). Sim, isso mesmo que você leu. E a tendência no médio prazo não é nada animadora. 

Porque eu coloquei estes números? Pois é preciso mostrá-los para seguir falando o que precisa ser dito: esta franquia tornou-se uma franquia loser. O termo é usado sempre que uma franquia fica vários anos sem conseguir ser competitiva ou, mesmo que esporadicamente o seja, não consiga ter mais acertos do que erros. E convenhamos o Dolphins é as duas coisas. Os erros são tantos que daria para falar uns 10 posts só com eles. E a cada temporada mais e mais erros aparecem. E as vitórias estão cada vez mais distantes. 

A sequência atual já é a maior de nossa história longe da post-season, superando a anterior que era entre 2002 e 2007 ( seis temporadas ), pois estamos sete temporadas sem pisar os pés na post-season desde 2008. E fizermos uma conta básica, temos que nas últimas 14 temporadas(!!!) só fomos uma vez à post-season. Apenas duas franquias conseguem ser piores do que nós: Browns e Bills, este último fora da pós-temporada desde 1999. Todas as outras 29 franquias ( exceção ao Patriots ) viveram secas ( alguns até mais do que nós ), mas foram a post-season mais vezes do que o Dolphins nestas 14 temporadas. Patético, com certeza.

A questão central é: teremos a 14ª temporada sem post-season em 15 ou viveremos o milagre de 2008? Digo isso porque em 2008 também começamos 0-2, mas a situação era outra. Mas resta esperar por isso, não é mesmo? Até porque para vencer a divisão seria necessário ao menos 12 vitórias, portanto sem chance vencer 12 em 14 partidas. E o Pats terá Tom Brady em duas semanas. Para uma vaga de Wild Card, sem grandes riscos 11 vitórias. Mas quem em sã consciência - e com Tannehill de Quarterback - aposta nesta façanha de vencermos 11 em 14? Ninguém, é claro. Resta, no caso, vencer 9 em 14 e contar que essa marca possa dar playoffs. Mas este time é capaz de vencer 9 partidas?

A resposta nua e crua é não. Falta de tudo para isso: QB, RB, OL e Defesa ( excetuando a DL ). E ao que parece falta também Comissão Técnica. Nada está melhor agora do que era ano passado e normalmente os times apresentam alguma melhora quando trocam de técnico. Mas nem isso nós conseguimos ver no time. E os novatos? Realmente causando super impactos no time... só que não. Laremy Tunsil - pick que eu critiquei - não está sendo nada além de um Guard mais ou menos. Sim mais ou menos. E quando se drafta alguém como ele o que se espera é alguém que mude o nível do setor, o que não é o caso. E Xavier Howard, o CB? Deu pena dele ontem.  E que tal o WR que Gase escolheu queimando picks de 2017? 2 recepções em duas partidas e espantosas 14 jardas!!! Os outros até aqui NADA fizeram. NADA. Enquanto isso alguns times tem 3, 4 e até mesmo 5 novatos contribuindo bem com o time.

O que me deixa mais triste é que nosso time ainda vencerá umas 5 ou 6 partidas e, assim como nos anos anteriores, ficará longe do Top 3 do Draft. Se bem que com a "capacidade" temos para escolher jogadores, tanto faz onde fiquemos no recrutamento... Por fim temos o Quarterback. Ou melhor, não temos. Eu tive que ler que no segundo tempo atuamos como Super Bowl Contender!!! Que tipo de pessoa consegue escrever isso, meu Deus? Tem que ser muito louco, cego... e outras muitas coisas para conseguir postar algo assim. A última vez em que o Miami atuou como Super Bowl Contender faz tanto tempo que eu nem sei dizer ( talvez o 21-0 contra o Pats no fim da temporada de 2006 ). Mas o fato é que resta bem claro o erro que foi draftar Ryan Tannehill em 2012. Na época eu falei que escolher ele faria-nos perder 3 anos, contando que ao fim de 2014 o time o descartaria e passaria para outro QB. Ledo engano. Veio uma inexplicável extensão contratual que o fez ser um QB de 100 milhões, sem NUNCA ter feito nada para isso. E se formos falar dos péssimos negócios feitos por causa dele, eu provavelmente pararia de escrever...

Agora é pensar em 2017? Nem sei se é o caso, porque como dito já queimamos picks do ano que vem. Mas é o que sobra... mais uma vez. Para recomeçar tudo de novo, com contratações erradas, picks mal feitas, mais derrotas, começar a pensar no Draft de 2018...

domingo, 18 de setembro de 2016

Week 2 - Dolphins 24 x 31 Patriots: Copo meio cheio ou meio vazio?

Durante quase todo o primeiro tempo, foi o camisa 10 quem deitou e rolou...
até sofrer um tackle forte e se machucar, saindo da partida...
sem Garapollo em campo, a defesa do Pats cansou e nosso ataque conseguiu aparecer
mas nem por isso o ataque foi bem na partida.
 Eu, postei isso no Facebook, não espera vencer. Depois da péssima atuação contra o Seattle, contudo, era de se esperar melhoras no modo de atuar, com alguma sinalização de que a semana de trabalho surtira efeito, demonstrando o dedo da Comissão Técnica. Enfim algo que dissesse que, no longo prazo, as coisas poderiam ser melhores em Miami. Eu apostava em derrota porque, mesmo sem Tom Brady, o Patriots no geral é mais time que o nosso. Com Brady fica espetacular, só isso.

Mas, na boa, tomar 21 pontos sem resposta alguma de Jimmy Garapollo é humilhação. Nada deu certo nos dois primeiros quartos da partida, nem no ataque e muito menos na defesa. Foram várias big plays, destruindo o time em campo. Foram 3 TDs do reserva de Brady, com um domínio que me fez sentir vergonha de ser torcedor do Dolphins. Ai eis que deram um Tackle em Garapollo e... ele saiu de campo. E tudo mudou...

Com o reserva do reserva em campo, aconteceu o óbvio: o ataque do Pats parou. Ficou focado no jogo corrido e passou a acumular vários 3 e out, cansando a defesa. E ai, com uma defesa que não é assim tão espetacular, nosso ataque começou a aparecer. E é aqui que vem o título do post: copo meio cheio ( porque fizemos 24 pontos contra 7 do Pats depois que Garapollo saiu ) ou meio seco ( por ter jogado NADA no primeiro tempo )?

Complicado definir, mas acho que nem podemos ficar tão pessimistas e nem devemos ficar super otimistas pelo o que ocorreu hoje na Nova Inglaterra. Muitos erros seguem os mesmos de anos atrás: a OL não protege, o jogo corrido não funciona, o QB não acerta os passes, os LBs não marcam TEs ( e Gronk não estava em campo ), os CBs não cobrem... e Centers seguem errando Snaps!!! Nenhum dos draftados este ano ( e porque não até os do ano passado, menos Parkers ) mostrou a que veio. E até mesmo os que foram contratado seguem devendo ( Alonso, Maxwell e Williams ). Assim fica complicado.

Para os defensores de Tannehill ficam as 389 jardas ( 32/45 em passes ), com 2 TDs, mas com duas interceptações, a segunda desculpável mas a primeira não. Eu tenho certeza de que lerei de que ele foi excelente no segundo tempo e que, por causa dele, por pouco não vencemos. Mas isso não é verdade. Passamos longe de igualar a partida contra o Pats e se não tomamos uma paulada histórica devemos ao acaso. Contudo, ainda sobre o caso do copo, resta ver que - com ou sem contusão o time reagiu no segundo tempo, voltando menos apático. Mas eu digo: com Brady em campo, ele teria saído com uns 6 Tds hoje. E essa é a - dura - realidade.

Agora é atuar em casa e torcer ( ou seria melhor rezar? ) que a "nova casa" traga alguma mudança no nosso time. Parece ser o que sobrou, porque com 0-2 poucos são os times que se recuperam. Eu mesmo não esperava post-season, mas acho que faremos pior do que 6-10. O que, sob certo aspecto, nem seria algo tão ruim assim...