sábado, 22 de abril de 2017

Perfil: Charles Harris, DE - Missouri



Draft não é uma ciência exata, todos que acessam com frequência este local sabem disso. Nem sempre a escolha certa é a mais óbvia. Vez por outra o correto é escolher um jogador não esperado, mas que que enquadra ao planos da equipe do que um melhor prospecto que venha obrigar mudanças no vestiário e estilo de jogo. Seria o caso com Harris? Não sei ao certo, mas entre um DE um LB é mais do que óbvio que o ideal seria escolher a segunda posição. Mas vai entender o que se passa na cabeça dos responsáveis pelo draft...

VISÃO GERAL

Harris demorou para se dedicar ao football, só jogando no início do High School. Seu atletismo lhe rendeu uma bolsa de estudos. Como reserva, Harris teve quatro tackles for loss e dois sacks. Sua temporada de breakout veio em 2015, conseguindo figurar na segunda-equipe da SEC,  ao conseguir liderar a conferência com 18,5 tfl e 7 sacks. Treinadores votaram nele outra vez para a segunda-equipe SEC em 2016 ( 12 tfl e 9 sacks ), apesar da campanha ruim de sua equipe ( 4-8 ).

ANÁLISE
  • Pontos Positivos - Pernas longas, quadris móvel e com grande rapidez lateral, o que o torna um desafio bloqueá-lo. Joga em ambos os lados da linha e pode jogar com uma mão no chão ou em pé. Utiliza a velocidade precoce no poder para criar movimento antes de atacar o ombro interno do tackle. 
  • Pontos Fracos - As mãos precisam melhorar para atuar na NFL. Passeios em blocos em vez de shucks-los. Precisa melhorar contra o jogo corrido. Produtividade caiu depois de uma troca de esquema defensivo, o que pode complicar ainda mais sua vida na mudança para NFL.
  • Comparável na NFL - Connor Barwin
  • Resumo - Atleta de alto nível contra o passe, mas apenas mediano contra às corridas. Ironicamente, Harris pode jogar na borda em 4-3 ou 3-4, podendo até mesmo atuar como LB, precisando neste caso de uma transição quase que perfeita.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Uma primeira olhada sobre nosso Calendário

Agora sabemos quando e onde teremos que contar com eles...
Foi divulgado o Calendário do Miami Dolphins na temporada 2017. Teremos a sexta mais complicada tabela de todas as 32 franquias. Algumas partidas serão bem complexas outras nem tanto, mas sabemos do nosso histórico recente de falhar justamente nestas partidas ditas "fáceis". Uma rápida análise dos 16 jogos, com direito a 4 partidas em prime-time:

  • Semana 1, 10/09 vs Buccaneers. Abrir jogando em casa contra um adversário acessível parece-me o cenário ideal para uma outra temporada vitoriosa;
  • Semana 2, 17/09 at Chargers. Outro adversário acessível, fora de casa. Duvido que os Chargers mudem da água para o vinho. Tomara que não viremos vinagre...
  • Semana 3, 24/09 at Jets. Clássico de divisão em NY. Vencer é mais do que obrigação. Chances de um 3-0? Possível...
  • Semana 4, 01/10 vs Saints. Um mando perdido, atuando em Londres. A vantagem é que o time de Drew Brees não é exatamente um temível rival. 
  • Semana 5, 08/10 vs Titans. Voltando para o Hard Rock Stadium uma partida complicada. O time do Titans cresceu bem na temporada passada e será um osso duro de roer; 
  • Semana 6, 15/10 at Falcons. O começo das complicações da temporada. Fora de casa contra uma equipe que tem tudo para vir quente nesta temporada.
  • Semana 7, 22/10 vs Jets. A temporada nem terá chegado a metada e teremos que ter varrido o mais odiado rival. É obrigação;
  • Semana 8, 26/10 at Ravens. Fora, rival forte, momento crucial da temporada. Jogo na quinta, com pouco tempo para se recuperar depois da batalha contra os Jets; 
  • Semana 9, 05/11 vs Raiders ( SNF ). Depois de uma pausa, recebemos os Raiders, time que assim como nós quer se manter no topo. Batalha que pode definir os rumos da mteporada;
  • Semana 10, 13/11 at Panthers ( MNF ). Eu não sei qual foi a última vez em que jogamos três partidas seguidas em horário nobre, mas vai acontecer em 2017. Rival Contender e que vem ferido de uma má temporada. Será páreo duro;
  • Semana 11: BYE
  • Semana 12, 26/11 at Patriots. Fora de casa uma partida que, eventualmente, poderá valer a liderança da divisão.
  • Semana 13, 03/12 vs Broncos. Existem muitas dúvidas quanto a este Denver. Como nós teremos que nos empenhar ao máximo para voltarmos a post-season. Vencer partidas assim são essenciais;
  • Semana 14, 11/12 vs Patriots ( MNF ). Dois Monday Night no mesmo ano. Nada como jogar uma partida em post-season. Se o time estiver perto, aqui podemos voltar a vencer a divisão. Loucura? Quem sabe...
  • Semana 15, 17/12 at Bills. Visita complicada ao norte do estado de NY contra um rival encardido. Vencer, portanto, é a meta;
  • Semana 16, 24/12 at Chiefs. Jogo fora e contra um time forte. Em fim de temporada pode ser uma diferença entre post-season ou mais uma temporada sem jogos em janeiro.
  • Semana 17, 31/12 vs Bills. A segunda partida contra o Bills em 3 semanas. Vencer, em qualquer situação na temporada, é mais do que fundamental.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Perfil: Forrest Lamp, OG - Western Kentucky


Outro OL em primeiro round? Pois é, eu também não gosto da ideia. Escolhemos 4 OLs desde 2008 no primeiro round: Jake Long ( LT, 2008 ), Mike Pouncey ( C, 2011 ), Ja'Wuan James ( 2014 ) e ano passado fomos de Laremy Tunsil. Enquanto isso nada de LBs e apenas dois DEs foram escolhidos e um deles foi uma porcaria ( Dion Jordan, recém cortado ). Particularmente acho que a carência na defesa é maior do que qualquer vantagem que ele possa trazer para a Linha Ofensiva, ainda mais numa classe tão excelente na Secundária, outra carência do time.

Mas como aqui é o Dolphins, vamos ao perfil de Lamp.

VISÃO GERAL

Lamp terminou uma carreira brilhante para o Hilltoppers marcando um touchdown num Bowl. Lamp ganhou menção honrosa no All-Sun Belt atuando como Guard ( três jogos ) e Left Tackle ( nove jogos ) como um redshirt em 2013. Nos últimos dois anos, Lamp foi uma seleção do primeiro time da Conferência, começando cada jogo no lado cego. Ele foi eleito para o terceiro time da Associated Press All-American como um Sênior.

ANÁLISE
  • Pontos Positivos - Capaz de redirecionar o corpo, mesmo com sua força corporal. Mostrou pés ágeis, paciente, consegue realizar o bloqueio fora do esperado pela chamada da jogada. Inteligente com as mãos na proteção do passe. Eficaz no bloqueio na ponta da linha. Move-se rapidamente para o próximo nível quando a jogada é de corrida e não ocorre por seu gap, realizando valiosos bloqueios além da linha de scrimmage.
  • Pontos Fracos - Altura e o comprimento do braço provavelmente o impedirão de atuar como Tackle na NFL. Manter as mãos na posição correta e usá-la na hora certa é algo que a ser melhorado. Falta de envergadura vai exigir cuidado do Coach de OL.
  • Comparável na NFL: Zach Martin
  • Resumo - Starter de quatro anos como Left Tackle, cuja falta de altura/comprimento vão obrigá-lo a atuar como OG na NFL. Tem o athleticismom para segurar rushers atléticos. Sua habilidade de alinhar potencialmente nas 3 posições da OL só aumentará seu valor.