domingo, 18 de junho de 2017

Olhando o elenco da temporada - Parte 1

Muito do sucesso do time neste ano depende da Defesa...
Vencer 10 partidas não é fácil, mas é o nível que as equipes precisam alcançar para considerar uma temporada como um sucesso. Com este número mágico o time praticamente se garante da post-season. E daí amigos, para o Super Bowl são 3 ou 2 jogos da vida. Ano passado vencemos 10 partidas e paramos no Wild Card. Mesmo com uma derrota feia, o time ganhou casca e experiência de post-season. A questão é voltar em 2017...

E para isso a defesa é a chave. A menos que a equipe tenha uma máquina de pontos ( e estamos muito longe disso ) defender em altíssimo nível é a melhor saída. E nossa defesa esteve longe de ser uma Top Five em 2016. Por isso precisamos olhar o setor e ver suas perspectivas para a temporada que se avizinha. Neste texto, olharei a defesa por setores e comparando com o que tínhamos e com o que temos e como eles podem render este ano.


Linha Defensiva:

O melhor setor do time também é o que recebeu mais e os melhores reforços, com quase nenhuma baixa. Cameron Wake mostrou em 2016 que lenha para queimar, Suh é o cara destruindo pelo meio, mas precisavam de mais ajuda. E ela veio. Na free agency trouxemos a troco de pinga um bom DE ( Hayes ) e no Draft reforçamos o setor com 3 nomes: o DE Charles Harris e os DTs Davon Godchaux ( LSU ) e Vicent Taylor (OSU ). Além de melhorada a DL ganhou em profundidade, portanto teremos um setor mais eficiente ainda em 2017. Claro que a bomba do Andre Branch e seu absurdo contrato, mas não tem como dizer que o setor não esteja bem melhor.

Linebackers:

O setor era, seguramente, o ponto mais frágil do time. E não foi reforçado como deveria na minha opinião. Ao menos não como um setor de uma equipe de alto nível deve ser. Trouxemos dois reforços apenas: o veterano Lawrence Timmons ( ex-Steelers ) e o ILB de Ohio State Raekwon McMillan. Muito pouco, mas muito pouco mesmo diante do que precisamos. Além de que Timmons pode se provar ser "apenas" mais um produto da Steel Curtain, como é conhecida a defesa do time de Pittsburgh. Em suma: mais um jogador que só funciona lá. E colocar todo o peso da defesa em cima de um rookie não é o melhor caminho. A rigor segue faltando não apenas qualidade mas sim profundidade no setor. E isso pode cobrar um alto preço. Que no Draft do ano que vem recebamos os reforços que merecemos no setor.

Secundária:

Existem duas formas de observar o setor: a otimista e a pessimista. No primeiro caso podemos pensar que temos 2 jovens CBs para desenvolver, um experiente que não é ruim e alguma rotação no setor, além de um Safety All-Star e jogadores esforçados no entorno dele. Na segunda situação os novatos cometem faltas demais, não marcam bem, Jones está ficando velho e não existe grande perspectiva de melhora para esta temporada. Tudo depende do seu olhar. Eu acho que estamos mais para a segunda situação do que a primeira. Cordrea Tankersley não é um tipo de jogador diferente de Xavien Howard não adicionando assim um outro estilo de jogo. Focamos mais uma vez no CB alto e atlético, mas é o mais técnico e ágil? Não temos e seguimos sem ter.  

Entre os Safeties é inegável que Reshad Jones é disparado o melhor do time, mas sofreu com contusões e está ficando velho. Falta qualidade e juventude no setor, mas o time não escolheu um único Safety. E Nate Allen? Tem ele, é bom e tem qualidade, mas raramente Safeties rendem em alto nível no primeiro ano em outras equipes, porque precisam demais de entrosamento, que só vem com o tempo. Em todo caso foi uma ótima adição, mas muito pouco.

Análise Geral:

Melhoramos no que já éramos mais fortes e adicionamos alguns bons valores no outros dois, mas de um modo geral essa defesa não entra no patamar almejado, que é ser uma das 5 melhores da Liga. Precisamos de mais reforços no corpo de LB e na secundária. A boa notícia é que Harris tem demonstrado que Wake pode ficar tranquilo quando se aposentar...