domingo, 9 de julho de 2017

Olhando o elenco da temporada - Parte 2

Discutivelmente a melhor dupla de WR jovens da NFL...
Depois de analisar a defesa é hora de olharmos para o ataque. Onde, apesar de tudo, recebemos pouquíssimos reforços. E seguimos com os mesmos QBs - Starter e reserva - e com os mesmos RBs. Em todo caso existe talento no setor, mas em alguns casos poderemos perceber que não na quantidade suficiente.

Assim como na defesa, a análise será ancorada na conta de 10 vitórias o patamar necessário para uma vaga na post-season. E do que poderá ( ou provavelmente ) contar contra. Vamos ao que esperar de bom e de ruim dos jogadores que temos no elenco ( desta feita sem separação de setores, porque alguns tem apenas 2 atletas ):

Alguns números são mágicos nos esportes. Um deles toca os ataques na NFL: 20 pontos. Times vencedores atualmente são os que superam com consistência essa marca. A diferença entre ir ou não para o Super Bowl está na capacidade alcançar esta marca mesmo diante de super defesas. Até porque poucos times tem defesas sufocantes ao ponto de limitar todos os rivais abaixo de 20 pontos. Sendo assim, o nosso ataque precisaria marcar regularmente acima de 20 pontos.

E como fazer isso? Com um All-Star QB ( Brady, Brees, A-Rod ) ou com um All-Star RB ( Petterson, Elliott, McCoy ). O problema é que nosso QB está muito longe de ser um All-Star e talvez nosso RB possa ser um, mas ainda não é. Antes de falar dos dois, que tal falar dos outros atletas que compõe o setor?

Meu medo, acreditem, é a Linha Ofensiva. A troca de Branden Albert abriu um buraco no meio da linha, porque Laremy Tunsil foi deslocado para LT, onde deve ser Top na Liga. Mas quem vai atuar como Guard? Alguém pode responder que será o novato Isaac Asiata, mas... e se Mike Pouncey realmente não puder atuar nas primeiras oito partidas? Asiata seria deslocado para Center e... bom, teremos um problema né? Sem baixas, a OL Starter poderia ser: Tunsil, Asiata, Pouncey, Bushrod e James. Sem Pouncey, o Dolphins teria problemas e seria obrigado a improvisar. E o Miami trocou Albert antes do Draft e já sabia disso, mas só escolheu um jogador para a OL no quinto round.

O ponto de segurança, obviamente, são os recebedores. Juluis Thomas foi uma grande aquisição, assim Isaiah Ford no Draft, Renovar com Kwnny Stills foi caro, mas tem sentido. E o ponto é a dupla Jarvis Landry e DeVante Parker. Eles vão para sua terceira temporada junta e o entrosamento tende a dar aos dois ainda mais rendimento em campo. Só falta... bom, todos sabem.

Voltemos a como marcar acima de 20 pontos. A nossa melhor chance passa pelo rendimento de Jay Ajayi. Ele conseguiu 1.272 jardas em 2016, isso sem ficando as primeiras partidas de fora e sem Starter. Depois que estourou conseguindo 2 partidas acima das 200 jardas, ele virou destaque na Liga. Mantendo o ritmo, ele poderia conseguir mais de 1.500 jardas e algo com 13 ou 15 TDs. Neste cenário, o ataque funcionaria com mais fluidez e deixaria Ryan Tannehill  - o QB inconsistente - mais tranquilo sem forçar passes a toa como se fosse um QB que não é...

O contrário também poderia rolar. Tannehill ficar longe dos erros e das interceptações e comandar o ataque com uma capacidade fora do comum ( para ele ). Neste caso alargaríamos o campo e as corridas de Ajayi ficariam mais fáceis, pois a defesa se preocuparia com o fundo do campo. A questão é: quem ai realmente acredita que Tannehill seja capaz de fazer isso? E quem confia ai que Ajayi fica a temporada inteira sem contusões? Nem preciso dizer que acho arriscado não termos opções para os dois dentro do elenco. Ou alguém confia nos outros RBs do elenco ou em Matt Moore? Acho que ninguém né?

Temos que a OL ( sempre ela ) pode ser um problema e que tirante os Recebedores, temos mais dúvidas do que certezas. Poderemos ver nosso ataque render bem ou não. E disso, acreditem, dependem nossas chances de post-season.