sábado, 2 de setembro de 2017

Phinsider lança previsão dos 53 que ficarão no elenco...

Essa camisa tem história...

Neste sábado os times precisam reduzirem seus elencos para o máximo de 53 jogadores e outros 10 no Pratice Squad ( com jogadores de no máximo 3 anos na Liga ). Portanto, entre hoje e fim da janela amanhã, muitas mudanças acontecerão. Por conta do meu novo trabalho, não estou tão familiarizado com todos os atuais jogadores dos Dolphins, mas eu sempre busco informações no The Phinsider, para mim a melhor fonte sobre o Dolphins.

Kevin Nogle listou os jogadores que ele entende que serão os escolhidos. Mas é bom ficarmos atentos porque outros times cortarão jogadores e eles podem - e muito - interessar aos Dolphins.



Ataque (23)
  • Quarterbacks (2) - Jay Cutler Matt Moore;
  • Running backs (4) - Jay Cutler, Kenyan Drake, Damien Williams e Senorise Perry;
  • Wide receivers (5) - Jarvis Landry, DeVante Parker, Kenny Stills, Leonte Carroo e Jakeem Grant;
  • Tight ends (3) - Julius Thomas, Anthony Fasano e MarQueis Gray
  • Offensive linemen (9) - Laremy Tunsil, Anthony Steen, Mike Pouncey, Jermon BushrodJa’Wuan James, Sam Young, Jesse Davis, Eric Smith e Isaac Asiata
Comentário: Nada de muita surpresa. Os WRs Carroo e Grant foram bem na pré-temporada e dada a falta de concorrência. Gase adora mesmo ter vários RBs para ter variações, mas acho a turma fraca nos reservas de Ajayi. A OL segue com problemas e como é bom ver Fasano de volta...

Defesa (26)

  • Defensive ends (5) - Cameron Wake, Andre Branch, William Hayes, Charles Harris e Terrence Fede;
  • Defensive tackles (5) - Ndamukong Suh, Davon GodchauxJordan Phillips, Vincent Taylor e Nick Williams;
  • Linebackers (7) - Kiko AlonsoLawrence Timmons, Mike HullRey Maualuga, Trevor Reilly, Chase Allen e Deon Lacey;
  • Cornerbacks (5) - Byron Maxwell, Xavien Howard, Bobby McCain, Cordrea Tankersley e Alterraun Verner;
  • Safeties (5) - Reshad Jones, Nate AllenMichael Thomas, Walt Aikens Maurice Smith.
Comentário: Aqui o calo do time, com os LBs. É um grupo mais fraco do que o do ano passado pra mim. Passamos 12 meses e o setor segue sendo ruim. Talvez consigamos melhorar com os cortes dos outros. Entre os CBs, onde alguns acham que é bom, eu também não me animo. DE bom, a DL. Que pode vir a ser a melhor da Liga.

Special Teams (3)


Practice Squad (10) - Brandon Doughty - QB, Thomas Duarte - TE, Drew Morgan WR, Damore’ea Stringfellow - WR, Avery Young - OT, Jake Brendel - C, Praise Martin-Oguike - DE, Tory McTyer - CB, Lafayette Pitts - CB, A.J. Hendy, S.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Jay Cutler parece bem a vontade em Miami

Cutler parece outra pessoa ou é apenas pré-temporada?
Sair da aposentadoria de QB e receber uma proposta de 13 milhões para jogar mais uma temporada podem mudar o patamar - nem que seja financeiro - de qualquer um. Esse é o caso de Jay Cutler, que tem entusiasmado a todos nos treinamentos. Ele, acreditem, está muito a vontade. E aqui começam as perguntas...

Primeiro não custa nada lembrar que Ryan Tannehill também estava assim nesta mesma época do ano passado. E a temporada dele não foi exatamente uma Brastemp... será que com Cutler será diferente? Ele tem uma vantagem que Tannehill não tinha: química com Adam Gase, nosso HC. Para Cutler não é como uma primeira vez, mas sim como voltar para casa e conhecer quase tudo.

Segundo qual Cutler será o que vai jogar: o de 2015 com Gase ou o do ano passado sem Gase? Ok, pode ser pegar no pé, mas é uma pergunta pertinente. O de 2015 é um QB para ser - até - Pro-Bowler, mas o de 2016... bom, este foi aposentado por falta de proposta para continuar jogando. O dos treinos parece na parte do tempo o de 2015. Seria ele capaz de se aproximar dos 30 TDs com no máximo 15/16 Ints, beirando as 4k jardas? Talvez seja pedir demais, é fato. Mas é aquela coisa, vai que ele consegue...

Por fim, uma outra pergunta pertinente: e Matt Moore nesta equação? Como ficará ele reserva de um ex-aposentado? Por enquanto, ele está bem mas resta o medo do que isso pode produzir de ruim no vestiário.

Sabem quantos jogadores temos na lista dos 100 melhores no site da ESPN?

Aqui porque eles estão na lista...
Na lista anual dos 100 melhores jogadores que o site da ESPN faz, eis que temos apenas 3 jogadores. Antes de prosseguir, um dado: se dividirmos 100 por 32 ( numero de franquias ) cada time ficaria com 3 jogadores e sobrariam 4.  Neste caso, se nós temos 3 quer dizer que temos apenas uma média simples, inexiste algo de bom nisso. Como comparativo Jets e Bills tem apenas 1. Mas o Pats tem 7, três deles entre os 50, dois entre os 11. E claro, o número 1.

Estão na lista, por ordem crescente: Suh ( 26 ), Wake ( 78 ) e Landry ( 94 ). Notem que não temos ninguém no Top 15, no top 20 e nem no Top 25 e apenas um entre os 50. Se lembrarmos que nosso FQB ( coisa ele nem é e nem nunca será ) é um dos 6 mais bem pagos da sua posição, temos um grande problema. 

Eu senti falta de Jay Ajayi, mas faz sentido ele não estar na lista: porque ele precisa se provar de que o ocorrido em 2016 não foi um acaso. Se ele conseguir correr 1,5k de jardas, fatalmente estará bem posicionado em 2018. Mike Pouncey e Reshad Jones seriam merecedores, mas como enfrentam problemas de contusão, creio que isso tenha pesado. E é justo não figurarem na lista. Mas poderiam e podem eventualmente voltarem no ano que vem.

É um dado sintomático a percepção de grandes jogadores que os outros tenham do nosso elenco. Isso só demonstra o que digo a tempos: temos um time fraco. E que é lamentável que 2 dos 3 jogadores sejam do mesmo setor, a DL. Nem mesmo distribuição por todo o elenco temos. E o outro escolhido, sequer é reconhecido como jogador do elenco, tendo até agora não recebido uma extensão contratual. Lamentável...

E um dado, caso você não olhe a lista: porque ali pela casa dos 80 e verá um ex-Dolphins na Lista. E pense que ano que vem Landry poderá estar na mesma situação: um dos 100 melhores, mas sem usar nossa camisa. Infelizmente, não parece algo tão improvável assim...

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Porque o Miami trocaria Jarvis Landry?

'The Juice" tem feitos históricos na Liga, mesmo sem um QB que preste...
Não sou botafoguense, mas tenho amigos que torcem para o time da "estrela solitária" e eles usam um mantra de que "existem coisas que só acontecem com o Botafogo". Verdade ou não, eu estou praticamente importando essa frase para o Miami Dolphins.

Na off-season renovamos com Kenny Stills ( um WR pra lá de comum ) num acordo de médio prazo, além do contrato assustador dado a um DE para lá de questionável ( Andre Branch ). Se levarmos em conta que Ryan Tannehill recebe o sexto maior salário da Liga ( empatado com um tal de Aaron Rodgers ) e que Ndamukong Suh é o maior salário da Liga fora os QBs, temos uma clara explicação porque faltou espaço no Cap para assinar com Jarvis Landry.

Acontece que dos citados acima, tirando Suh, nenhum deles sequer chegam perto do talento espetacular que Landy tem e já demonstrou na Liga. Nenhum outro WR recebeu mais passes do que ele, que por sinal é apenas o recordista da NFL neste quesito para recebedores nos seus 3 primeiros anos. E olhem que ele concorreu com o seu amigo pessoal Odell Beckham Jr, colega dele de time em LSU. Landry é, acreditem, um All-Star. Fora ele, no time, temos apenas Cameron Wake e, tirando as contusões da equação, Reshad Jones e Mike Pouncey. Como dar mega contratos a jogadores questionáveis e negá-lo a um dos poucos All-Star do elenco?

É ai onde entra a frase dos botafoguenses, porque só aqui que Branchs e Stills receberiam contratos novos e o melhor WR do time ( e um dos melhores jogadores do elenco e da Liga!!! ) seria relegado a um segundo, terceiro plano. Jamais o time poderia deixar que Landry fosse para seu último ano de rookie sem contrato. Santo Deus, o time deu uma extensão para Ryan Tannehill ao fim do seu terceiro ano quando ele nem fazia ( e ainda não fez ) por merecer, quando o time o tinha sob contrato por mais duas temporadas, mas deixa Landry de fora? Simplesmente, surreal.

Durante o fim de semana, Mike Tannenbaum disse que o Miami estaria realizando uma trade importante antes do fim da pré-temporada. E, lógico, alguns times entenderam que Landry poderia ser negociado. E ligaram, é claro. Eu mesmo ligaria se fosse GM de alguma equipe da NFL. E o burburinho instalou-se em todo o Sul da Flórida. E ao que parece, não existe fundo de verdade, mas o boato só existiu porque Landry não estará sob contrato no ano que vem. Em suma: o Miami pede para que coisas assim aconteçam.

Landry poderá, com base na procura por seu nome, forçar uma saída no ano que vem ou dificultar ao máximo um novo acerto, tirando mais e mais recursos do nosso Front Office. Uma coisa é certa: satisfeito ele não está. Tem sido político nas suas entrevistas, mas quem estaria feliz ganhando menos do que Stills? Ninguém, é claro. O CBA ( acordo coletivo entre Liga e Jogadores ) estipula regras bem rígidas, mas a franquia deu um reconhecimento a Tannehill e não o fez com alguém muito melhor do que ele... outra vez, são "coisas que só acontecem com os Dolphins".

Infelizmente. E em uma tenebrosa trade, creio eu, o máximo que conseguiríamos era uma escolha de segundo round, com mais alguma no ano seguinte. Ou seja, nada. Sem falar que Landry - não me canso de dizer - é um jogador tão bom, mas tão bom que nem parece ter sido draftado por nós. E talvez por isso, por não parecer jogador, o time não o queira conosco. Prefiram as perebas com nossa cara...