sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Qual o plano ideal caso Tannehill não volte bem aos gramados em 2018?

Gase garante o posto de intocável de Ryan Tannehill...
Ryan Tannehill. Este é o terceiro melhor QB da História do Miami Dolphins. Antes que alguém ache que eu estou ficando maluco, é apenas um fato que não tem qualquer importância. De 1966 até 1999 o Miami teve 4 QBs Starters, sendo que 2 deles estão no Hall da Fama: Bob Griese e um tal de Dan Marino. Depois de 1999, nenhum QB jogou mais do que 3 temporadas seguidas ( Jay Fiedler foi o único a jogar 3 temporadas ). Assim sendo, ao jogar 5 temporadas quase completas como Starter em todas elas, numa franquia com esta lista de QBs ser o terceiro melhor não é nada demais. Adiante...

Ele tem mais partidas como Starter, mais TDs e até mesmo mais vitórias do que os outros QBs do time, fora Griese e Marino. Mas isso não o coloca como intocável para os fãs. A cada dia que passa mais e mais torcedores entendem que ele não é a resposta para a posição. Existem, é claro, os que ainda acreditam no contrário, mas alguns talvez o façam apenas para não darem o braço à torcer.

Mas este post não é para criticar ele. Este post é para buscar indícios se Adam Gase e cia aprenderam com o erro de 2017, quando montaram um plano B. Era um risco grande que Tannehill voltasse a campo em ritmo pior do que o que apresentará na carreira e como ele não era nenhum grande All-Star... isso sem falar que ele poderia se machucar de novo ( como aconteceu ) e o time claramente não tinha se preparado para isso. Entendam: era algo que tinha que ter sido feito. É diferente dos Packers, que com um All-Star colocaram um Zé Goiaba qualquer para ser reserva, pois Rodgers não vinha de contusão. Nada de QB no Draft... mas também, Gase queimara picks desnecessariamente em 2016...

Até aqui, os sinais são de que não aprenderam. Gase falou que o plano é melhorar o time com novos Coachs ( até aqui, só ex-Bears apareceram ) e só ai definir a estratégia. Ou seja, ele não sabe o que vai fazer, apenas que Tannehill é o Starter e que ele está ótimo. O que eu faria, perguntam vocês? Bom, Fales precisa ser testado e seria o meu reserva. Mas eu traria outro QB no Draft, nem que seja uma random no fim do Draft. Assim existira uma espécie de seguro contra um nova contusão de Tannehill ou - algo provável - ele volte mal aos gramados.

Lembrando que pouquíssimos são os QBs que voltaram jogando igual ao que eram vindo de cirurgias semelhantes às que Tannehill - finalmente - fez. E menos ainda voltaram melhor ( Tom Brady é um exemplo ). Assim sendo, eu acho que todos deveriam ficar bem preocupados com a inexistência aparente de um plano. Vimos em 2017 no que deu apostar tudo em Tannehill. Espero não termos que desaposentar outro QB nunca mais enquanto eu vivo for, porque não sei se eu sobreviveria a isso...

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Roteiro para ( tentar ) entender o que pode rolar no Draft

Foto do último atleta All-Star que draftamos... isso foi em 2011!!!
Esqueça o que quer pro time. Esqueça que você odeie determinado atleta e adoraria ter um novo jogador vindo via Draft. Vou colocar em linhas gerais o que devemos analisar antes buscar por um JJ Watt, um Darrele Revis ou um Dan Marino no Draft deste ano. Vamos lá:
  • A organização Dolphins acredita em Ryan Tannehil - Goste-se dele ou não, essa é uma coisa que ainda não mudou, se é que vá mudar tão cedo. Sendo assim, mesmo que pairem dúvidas quanto a capacidade dele pós-cirurgia ( no que todos concordam ), a Franquia garante a ele o posto de QB Starter. Sendo assim, reitero ( gostando ou não ), o time não vai escolher um QB no primeiro round. Esqueçam isso;
  • Kenyan Drake é o cara de Adam Gase - Não foi por outro motivo que Adam Gase doou Jay Ajayi: Drake é o RB no entorno do qual Gase deseja montar o ataque. Sendo assim, esqueçam também que não iremos escolher um RB no primeiro round. Nem que seja o novo Emmit Smith ou Rick Williams somados. Nem que seja o melhor RB recebendo passes da história. 
  • Com Xavien Horward e Cordrea Tankersly o time acredita ter uma boa secundária - Aqui eu posso até concordar. Sim, Howard fez boas partidas - embora não me encha os olhos - e Tankersley mostrou potencial. As chances de pintar um CB no Draft são pequenas por causa disso, mas pode aparecer.
  • A situação de Jarvis Landry pode levar o time a Draftar um WR? - Sim, pode. Primeiro porque parece claro a todos que ele só ficará se o time aplicar a TAG. E isso traz 2 problemas: em 2019 ele só ficaria com um grande contrato ( porque não poderemos usar TAG outra vez nele ) e DeVante Parker também fica sem contrato. Por isso não descarto o time trocando Parker na off-season e draftando um WR para o seu lugar. Fiquem de olho nisso...
  • Seria um LB a maior carência do time? - Sim, é. Um LB All-Star pode elevar o patamar de um time mas um OL não. Mike Pouncey foi por 6 temporadas um All-Star nato e o time venceu alguma coisa?? Não, é claro. Por isso eu identifico um LB como necessidade maior do que um OL. Até mesmo por isso, por ser óbvio demais, é que eu não recomendo a ninguém cravar isso em Mocks Drafts. Miami NUNCA faz o óbvio... a não ser de modo invertido, é claro. Lembrando que em 2017 já era uma carência urgente do time e foram de DE.
  • Mas não draftar um OL não manteria o discurso sobre a qualidade de Ryan Tannehill? Sim e não. Sim para os que gostam dele, que sempre apontam outros como os culpados. Mas quando eu vejo o que fez um tal de Russell Wilson este ano, que praticamente sozinho carregou um decadente Seattle Seahawks, esse discurso perde totalmente o sentido. E não, porque na Off-season é possível preencher os espaços da OL e usar os atletas atuais. Me parece mais problema de Coaching do que de material humano. Ademais, existe um outro problema: apenas um atleta tem cara de All-Star entre os mais cotados ( OG Qnenton Nelson - Notre Dame ) e ai amigos eu me lembro do reach insano que foi Ja'Wuan James em 2014. E já que falei nele, ele vai ser cortado...
  • Pode pintar um Safety? - Deveria, mas... a Classe não é das melhores. E ai pode pintar outro reach ( quando pega-se um atleta muito antes do que ele realmente deveria ser escolhido ). Jones e McDonald são veteranos e ter revezamento serve também para alongar ao máximo a qualidade deles. 
  • E a DL, precisa de reforços? - Em tese, não. Com Suh negociando uma alteração no contrato para liberação de espaço no CAP, com Wake mostrando que tem valor e com Harris dando a entender que pode virar algo na NFL, não vejo porque o time gastaria uma pick no setor. Os outros atletas até que foram, sobretudo os DTs novatos. Mas é Miami e neste ano já não era esperado um jogador de DL no Draft...
O Draft acontece entre 26 e 28 de Abril e antes temos a Free Agency, onde contrataremos jogadores e perderemos outros. Tudo isso tem impacto no que o time vai fazer no recrutamento. Mas por hora, é isso...

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Ano Novo com velhas ( e péssimas ) notícias...

Um resumo da temporada no rosto da Cheerleader no canto direito...
Alguns torcedores dos Dolphins, não sabe-se o porque, esperavam muito da temporada 2017. Eu, mesmo com Tannehill de QB, não tinha grandes esperanças após a Free Agency e, sobretudo, o Draft. O time negligenciara os dois setores mais problemáticos do elenco, OL e LBs, durante a off-season. Nada de bons reforços, mas teve de tudo em outras posições: volta de TE veterano ( Fasano ), troca por outro TE veterano ( Thomas ), um DE cru no primeiro round, mais um CB alto e que não marca bem ( Tankersley ) e por ai vai...

Ryan Tannehill optou por não fazer a cirurgia, que era o recomendado no seu caso, e nos deixou sem QB. O que faz Adam Gase? Contrata o aposentado Jay Cutler!!! E quando o ataque não funciona, ele doa Jay Ajayi aos Eagles. Isso sem falar num LB que ninguém conhece e que nem jogou adquirido junto aos Saints por uma escolha de quinto round. Some-se a isso que os rookies não produziram muita coisa ( só Tankerley e Godchaux ) e temos e quadro bem ruim. Como disse na legenda da foto, olhe atentamente para a alegria da loira... contagiante, não?? E claro, tem a frustração do melhor jogador do elenco atual: Reshad Jones. Você entenderá porque um certo WR não foi citado como melhor jogador do elenco mais abaixo...

Chegamos então a uma, triste, constatação: o que existe de diferente neste começo de 2018 do que passamos em 2010, 2011, 2012, 2013, 2014 e 2015? Nada, é claro. Estamos na mesma situação. Talvez até mesmo pior: temos um CAP curto e time FRACO. Não a toa as notícias - nada animadoras - apontam para cortes e re-estruturação de contratos, a saber:
  • Transformar o saldo remanescente do contrato de Ndamukong Suh em bônus de assinatura, liberando assim até 12 milhões no CAP. Arriscado, porque vira dinheiro garantido e um futuro corte/trade pesaria ainda mais no Salary Cap, mas por outro lado representaria um bom alívio para contratar/renovar com outros atletas;
  • Cortar Juluis Thomas ( TE ) e Lawrence Timmons ( LB ). Não acho uma boa porque Timmons não jogou mal e um TE veterano de qualidade é sempre bom ter, mas meu medo é: vão repor com quem? E o histórico não é nada bom neste sentido...
  • Re-estruturar o contrato de Mike Pouncey. Vale a pena? Saudável ele é Top Five, mas quando foi que ele ficou saudável pela última vez? Em tese, vale o mesmo que eu postei para o caso de Suh.
  • Re-estruturar o contrato de Ryan Tannehill. Bom, vão mexer no que nasceu muito mal feito ( e refiro-me apenas ao contrato erroneamente feito em 2015 ) e pretendem piorá-lo. Tannehill já ganha como Top Ten sem jamais ter feito algo para merecer isso. Re-estruturar contratos garante alívio momentâneo, mas logo ele volta a estrangular o Cap. Eu nem preciso dizer que prefiro o CORTE, mas isso não vai acontecer. Infelizmente.
Para finalizar este post ( ainda farei um mais abrangente ) trago que o Miami deve adicionar o ex-Coordenador Ofensivo do Chicago Bears!!! Sim, isto mesmo, um membro da recém demitida comissão técnica de Chicago, responsável por um dos piores ataques da NFL, está cotado para vir trabalhar conosco. Sabem quem fez isso no passado? Tony Sparano ( com inúmeros ex-Cowboys ) e Joe Philbin com Mike Sherman. Adam Gase, até nisso, está muito parecido com os outros. Sparano ao menos não doava atletas All-Star para outros times... E antes que termine: ao que tudo indica, Jarvis Landry só fica em Miami via TAG. Pois é, a diferença entre as duas partes é imensa e a última proposta veio do lado do agente do jogador. E como ele terminou sendo o líder em recepções da temporada, a tendência é que ele queira aumentar esta proposta. Lamentável, né?

A temporada será longa. Muito longa. E não me parece que vá ser diferente das anteriores, excetuando a de 2008 e a de 2016. Que se formos olhar bem direitinho, foram iguais as outras em muitos aspectos, apenas os astros nos deram um refresco no sofrimento. Que voltou pesadamente nos anos seguintes...