terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Ano Novo com velhas ( e péssimas ) notícias...

Um resumo da temporada no rosto da Cheerleader no canto direito...
Alguns torcedores dos Dolphins, não sabe-se o porque, esperavam muito da temporada 2017. Eu, mesmo com Tannehill de QB, não tinha grandes esperanças após a Free Agency e, sobretudo, o Draft. O time negligenciara os dois setores mais problemáticos do elenco, OL e LBs, durante a off-season. Nada de bons reforços, mas teve de tudo em outras posições: volta de TE veterano ( Fasano ), troca por outro TE veterano ( Thomas ), um DE cru no primeiro round, mais um CB alto e que não marca bem ( Tankersley ) e por ai vai...

Ryan Tannehill optou por não fazer a cirurgia, que era o recomendado no seu caso, e nos deixou sem QB. O que faz Adam Gase? Contrata o aposentado Jay Cutler!!! E quando o ataque não funciona, ele doa Jay Ajayi aos Eagles. Isso sem falar num LB que ninguém conhece e que nem jogou adquirido junto aos Saints por uma escolha de quinto round. Some-se a isso que os rookies não produziram muita coisa ( só Tankerley e Godchaux ) e temos e quadro bem ruim. Como disse na legenda da foto, olhe atentamente para a alegria da loira... contagiante, não?? E claro, tem a frustração do melhor jogador do elenco atual: Reshad Jones. Você entenderá porque um certo WR não foi citado como melhor jogador do elenco mais abaixo...

Chegamos então a uma, triste, constatação: o que existe de diferente neste começo de 2018 do que passamos em 2010, 2011, 2012, 2013, 2014 e 2015? Nada, é claro. Estamos na mesma situação. Talvez até mesmo pior: temos um CAP curto e time FRACO. Não a toa as notícias - nada animadoras - apontam para cortes e re-estruturação de contratos, a saber:
  • Transformar o saldo remanescente do contrato de Ndamukong Suh em bônus de assinatura, liberando assim até 12 milhões no CAP. Arriscado, porque vira dinheiro garantido e um futuro corte/trade pesaria ainda mais no Salary Cap, mas por outro lado representaria um bom alívio para contratar/renovar com outros atletas;
  • Cortar Juluis Thomas ( TE ) e Lawrence Timmons ( LB ). Não acho uma boa porque Timmons não jogou mal e um TE veterano de qualidade é sempre bom ter, mas meu medo é: vão repor com quem? E o histórico não é nada bom neste sentido...
  • Re-estruturar o contrato de Mike Pouncey. Vale a pena? Saudável ele é Top Five, mas quando foi que ele ficou saudável pela última vez? Em tese, vale o mesmo que eu postei para o caso de Suh.
  • Re-estruturar o contrato de Ryan Tannehill. Bom, vão mexer no que nasceu muito mal feito ( e refiro-me apenas ao contrato erroneamente feito em 2015 ) e pretendem piorá-lo. Tannehill já ganha como Top Ten sem jamais ter feito algo para merecer isso. Re-estruturar contratos garante alívio momentâneo, mas logo ele volta a estrangular o Cap. Eu nem preciso dizer que prefiro o CORTE, mas isso não vai acontecer. Infelizmente.
Para finalizar este post ( ainda farei um mais abrangente ) trago que o Miami deve adicionar o ex-Coordenador Ofensivo do Chicago Bears!!! Sim, isto mesmo, um membro da recém demitida comissão técnica de Chicago, responsável por um dos piores ataques da NFL, está cotado para vir trabalhar conosco. Sabem quem fez isso no passado? Tony Sparano ( com inúmeros ex-Cowboys ) e Joe Philbin com Mike Sherman. Adam Gase, até nisso, está muito parecido com os outros. Sparano ao menos não doava atletas All-Star para outros times... E antes que termine: ao que tudo indica, Jarvis Landry só fica em Miami via TAG. Pois é, a diferença entre as duas partes é imensa e a última proposta veio do lado do agente do jogador. E como ele terminou sendo o líder em recepções da temporada, a tendência é que ele queira aumentar esta proposta. Lamentável, né?

A temporada será longa. Muito longa. E não me parece que vá ser diferente das anteriores, excetuando a de 2008 e a de 2016. Que se formos olhar bem direitinho, foram iguais as outras em muitos aspectos, apenas os astros nos deram um refresco no sofrimento. Que voltou pesadamente nos anos seguintes...

Nenhum comentário: