quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Pílulas ( do quase infarto ) do dia seguinte: #MiamiMiracle

Jamais cansarei-me de ver esta obra prima!!!!
O tempo está mais escasso do que nunca, por isso transcreverei aqui texto de minha autoria no Site Sports da Massa, onde edito coluna semanal sobre o nosso querido Dolphins. Espero que gostem e entendam. E tirem onde dos Pats!!!!

Emoção não faltou no Hard Rock Stadium

Imaginem uma cena perfeita. Pode ser qualquer uma, de uma praia paradisíaca, uma cena nas montanhas ou um vale com um belo rio. Lugares onde você adoraria morar para sempre. A jogada final da partida de domingo no Hard Rock Stadium é como uma cena assim, onde eu quero morar pra sempre. Todos os torcedores do Miami adorariam. Não é complicado entender o porque. Anos e mais anos de fiascos, de decepções, de humilhações ficaram em segundo plano. E como num passe de mágica o velho e famoso Miami Dolphins estava de volta. E a cena acima retrata isso como se fosse uma paisagem inesquecível. A cena está na história como “Miami Miracle”.
Nem tudo foram flores na tarde de epopeia em Miami: a defesa cedeu mais uma vez trocentas jardas, o ataque vez por outra empacava, tivemos 2 punts bloqueados.  A equipe teve menos tempo de posse de bola, pressionou pouco Tom Brady, não forçou turnovers… mas mesmo assim conseguiu vencer. De alguma forma o time conseguiu vencer. É uma equipe com imensos problemas, com um ataque e defesa entre os piores na maior parte das estatísticas… mas mesmo assim o time está vencendo.  São 7 vitórias, mais do que qualquer torcedor otimista poderia pensar neste momento da temporada. Imaginem eu, que não sou exatamente o super otimista.
Mas podemos pensar que muita coisa deu certo. E não é só a jogada miraculosa no final do jogo. Um gameplan agressivo, sem os irritantes screen pass em profusão, com um bom jogo corrido, com passes em profundidade. E até mesmo a defesa sendo dominante, porque no segundo tempo só cedemos 2 Field Goals aos Patriots. Até mesmo em momento cruciais a defesa apareceu, como o Sack de Robert Quinn para negar pontuação ao rival no fim do segundo quarto. A OL protegeu melhor nosso QB e permitiu mais uma grande atuação do vovô Frank Gore. Também o algo diferente, com Brandon Bolden correndo apenas 2 vezes e… marcando TDs em ambas. E ainda tivemos Kenny Stills com 135 jardas.

Do caos ao êxtase supremo em apenas 7 segundos

Quando Stephen Gotskwoski acertou o FG deixando o placar em 33 a 28 não teve torcedor do Miami que tenha pensado que tudo tinha acabado. Era natural pensar assim. E até mesmo não seria uma derrota vergonhosa, como costumamos perder várias vezes por ano. Seria uma derrota honrosa, mas com o gosto de que com melhor sorte seria vitória. Fim de temporada, time com 6-7. O time teria direito a uma posse de bola, restando míseros 7 segundos. O que fazer? Tentar uma Hail Mary ou ir para o Rugby? Os Patriots foram no basicão e colocaram em campo os jogadores mais altos, dentre eles Rob Gronkwoski. Seria uma decisão desastrosa.
Adam Gase optou pelo rugby. Ninguém sabia, mas o time já treinara a jogada. Mas quem apostaria que finalmente daria certo? Pouquíssimos. Eu mesmo não acreditava. Sobre a jogada em si o que dizer de diferente? Citar que Ted Larsen conseguiu um bloqueio impressionante para salvar a corrida do Drake? Que Amendola conseguiu empurrar um defensor abrindo espaço para o Drake? O Gronk de Safety ser uma piada tentando dar um tackle? São vários pontos, mas eu prefiro apenas deliciar-me com a vitória. 
Agora com 7-6 o time pode seguir sonhando com post-season. Precisa vencer as 3 partidas, o que não é nada fácil. Mas só tem chances por causa do Milagre de Domingo. Estaremos na post-season? Quem se importa com isso depois da vitória maravilhosa contra os Patriots? Vamos semana a semana.
#MiamiMiracle #PhinsUp

Nenhum comentário: