domingo, 16 de novembro de 2014

Pilulas do dia seguinte: Deu pro gasto, mas para ir mais longe é preciso mais, muito mais

Sorria, este ano não fomos varridos pelos Bills!!!

Eu não gosto de Galvão Bueno, mas uma frase dele eu adoro: "ganhar é bom... mas ganhar da Argentina é bom demais!!!". Adaptando o final ficaria pra nós: "mas ganhar do Bills é bom demais". Joe Philbin e seus bluecaps estavam com o time do norte do estado de New York entalados na garganta, pois quinta era o sexto confronto desse era Philbin e nos cinco anteriores o time só tinha vencido apenas um. E ano passado fomos varridos pelo time de Buffalo, o que nos custou a post-season ( uma vitória teria sido o suficiente para ficarmos com a vaga que caiu no colo dos Chargers. Pior: as duas últimas partidas o time rival tinha feito 48 pontos e nós... bom, apenas 10. Acho que nem preciso dizer que vencer valia mais do que apenas se manter com chances de post-season. Era a honra do time que esteve em cheque...

Vencemos, beleza isso é excelente. A defesa deu show, mesmo envergando segue sem quebrar. E quando o ataque ao menos é mediano, o time vence. E sim, o ataque foi apensa mediano não mais do que isso com certeza. A defesa rival é forte, sobretudo na DL? Sim, mas para vencer e ir para a post-season você precisa jogar contra grandes defesas. Nenhum time que vença apenas "galinhas mortas" tem futuro em Playoffs. Sendo assim é preciso que este ataque melhore. E muito, diga-se.

O adversário vem caindo de produção e o fato de ter 20 posses seguidas sem entrar na Red Zone é um sintoma disso. O Bills não é um time ótimo e mesmo assim nos venceu no primeiro tempo e deu trabalho, mesmo com Kyle Orton de QB e sem os dois melhores RBs do time em campo. Isso é pra se pensar, pois semana passada perdemos uma partida que esteve em nossas mãos. Em todo caso, seguimos como o time da NFL com mais pontos no segundo tempo. Só que isso significa que levamos muitos no primeiro e temos que correr atrás no segundo. Ontem deu, mas não dera em Buffalo, assim como não dera diante de Packers e Lions. Dai o título do post: "deu pro gasto, mas para ir mais longe é preciso mais, muito mais". Disso todos sabemos. Ou devemos estar bem cientes a respeito.

Abaixo, 5 pensamentos sobre a vitória de quinta:

1 - Uma vitória para desatar o nó na garganta: Na semana 2, esta equipe foi massacrada pelos Bills, tomando 19 pontos de diferença ( a mesma desvantagem da derrota sofrida no mesmo estádio na Semana 16 da temporada passada ). Nesta quinta  parecia um time completamente diferente. O ataque foi capaz de mover a bola com alguma consistência contra o rival. Embora a OL tenha permitido 5 sacks e algumas pressões, isso pode ser considerado um bom desempenho, dada a improvisação ocorrida com a contusão de Branden Albert. Além disso o Miami só chutou 3 punts na partida. Nas duas últimas partidas contra o Bills, nós tínhamos dado 16 punts. Só para se ter uma ideia.

Superamos os erros iniciais ( o fumble de Tannehill como destaque ), para infringir aos Bills uma derrota da qual eles lamentarão por muito tempo...

3 - Um time diferente em cada metade da partida? E o que parece. Este time - exceção feita às partidas contra o Chargers, Bears e ( talvez ) Raiders - vive numa gangorra permanente em termos de atuação. O primeiro tempo o ataque conseguiu mover-se, mas Touchdown que é bom, nada. Ainda bem que a defesa é da hora e conseguiu limitar o time do Bills a 2 FGs, mantendo o time vivo na partida.

Isso tem um dado interessante: ano passado em 5 partidas o time foi pro intervalo na vantagem e terminou perdendo no segundo tempo. Agora, ao menos, o time melhora após a parada do intervalo. Mas nem por isso está vencendo mais, pois entra dormindo na maioria das partidas. Quinta-feira a defesa amassou o ataque do Bills. Brent Grimes foi primoroso na marcação de Sammy Watkins, mas tomar tantas jardas corridas do terceiro running back foi osso. Mas enfim, vencemos por causa do segundo tempo ao fazer 19x3.

3 - A distância nos terceiros downs decidiu a partida: No primeiro tempo, o Bills converteu 6/8 terceiras descidas, todas para menos de 3 jardas. Isso deveu-se ao fato que o jogo corrido do time adversário ter funcionado bem, com a maior distância ter sido de 6 jardas. E o time converteu. Por isso que perdemos no primeiro tempo. No segundo tempo... 

O Bills ficou 0/7 em terceiras descidas, com a maioria delas para 4 ou mais jardas. Nestas situações claras de passe, fez-se sentir a péssima qualidade Kyle Orton e a nossa espetacular secundária. Louis Delmas quase conseguia uma interceptação em uma dessas situações. Some-se a isso a inoperância do Bills na Red Zone e fica fácil ler o que aconteceu na partida.

4 - O momento que decidiu a partida: Bills falharam na Red Zone pela terceira vez na partida, e chutam um Field Goal, ficando com 9x3 no placar, faltando 6:31 para o fim do terceira quarto. Era a hora de reagir. E o Miami conseguiu...

O time estava ainda no campo de defesa. Segunda para 10 jardas. Passe de Tannehill para Brian Hartline para um ganho de 31 jardas, sendo mais de 25 após a recepção. Aqui o jogo inverteu-se. O drive continuou e Tannehill acertou um lindo passe para Brandon Gibson para colocar o time de volta à liderança desde o começo do segundo quarto. E a defesa se encarregou de sacramentar a vitória esmagando o ataque do Bills.

Numa terceira para 14 jardas, Kyle Orton teve que tentar o passe de dentro da End Zone e pressionado lançou a bola para a esquerda do campo, longe de qualquer receiver. E isso é um intencional ground, que quando acontece dentro da End Zone vira Safety. 2 pontos a mais pro Miami, que ainda receberia a bola. Ai veio o fumble de Jarvis Landry no retorno e o Bills poderia voltar para a partida... mas eis que o Bills manteve-se fiel ao que tem feito na temporada: não fez o Touchdown. Só que desta vez Dan Carpenter ( ex-Miami e nunca errara um Field Goal contra nós ) não marcou. E isso matou a partida.

5 - Grande vitória, mas a tarefa segue difícil pela frente: Vencemos um rival de divisão e pela vaga na post-season. E teremos uma folga adicional ( que não tivemos pra esta partida ) antes de encarar - talvez - o melhor time da AFC: Denver Broncos, na altitude do Colorado, um dado extra como se encarar Peyton Manning e cia já não fosse difícil o bastante. Claro que a confiança readquirida com a vitória pode dar um gás extra, mas o rival é mais forte.

Vencer o Broncos poderia dar a esta equipe um respeito que ela ainda não tem. Além disso, caso o Patriots perca para o Colts no Sunday Night, nós poderíamos sonhar até com a conquista da divisão. Sonho? Possivelmente sim, mas quem apostaria seco que o time estaria 6-4 neste momento? Poucos, quase ninguém... eu mesmo contava com o inverso...

Notas e Citações:

  • Propaganda enganosa nas estatísticas: Bills ganhou a batalha dos Turnvers: 2-0. Bills teve cinco sacks, Miami dois;
  • Torcedores dos Bills não vão concordar, mas o passe que originou o intencional ground  e gerou o Safety foi a decisão certa. Orton não tinha qualquer chance de conectar o passe;
  • A defesa do Miami detonou e ai é que começa a diversão. Nosso setor esmagou Orton e cia no segundo tempo. E isso foi altamente divertido;
  • Tannehill foi extremamente eficiente neste jogo, mas o seu melhor lance foi o passe curto para Hartline, que gerou um ganho de 31 jardas. Tannehill jogou;
  • Lamar Miller balançou tanto o Cornerback Leodis McKelvin que ele saiu de campo com uma lesão no tornozelo. McKelvin garantira a vitória contra os Dolphins e afirmado que seria arrancada rumo a post-season, onde o Bills não botam os pés desde 1999. Acho que vão continuar sem jogar em Janeiro por mais um ano;
  • Parece que finalmente o time aprendeu como queimar o relógio. Faltando 02:33 para terminar a partida, o time foi pro jogo corrido, com Daniel Thomas conseguindo o First Down da vitória. Em tese, a partida já estava ganha ( 22 x 09 ), mas terminar com a posse após duas derrotas doloridas no final, foi um avanço e tanto;
  • A eficiência na redzone foi determinante. Bills chutam 3 FGs, Miami 2. Mas os dois TDs de passes nos deram a vitória. Simples assim;
  • Miami correu 125 jardas. Outra chave para a vitória;
  • "Acho que isso diz muito sobre esta equipa. Estivemos em momentos ruins, negativo com certeza. Mas lutamos e saímos de campo com a vitória, que é o que importa." Jarvis Landry;
  • Nós tivemos muitos problemas, mas ir para o intervalo perdendo por apenas 3 pontos foi bom, nos deu chances de recuperar no segundo tempo. E foi o que fizemos. Temos que fazer isso mais vezes. Obviamente houve algumas coisas ditas na mídia. nesta semana, que nós não gostamos. Por isso todos nós queríamos  entrar em campo e vencer e doar-se totalmente durante os 60 minutos". Cameron Wake;
  • "Eu tenho que fazer muito melhor. Não pudemos treinar direito nesta semana por causa do jogo logo na quinta, mas iremos treinar com afinco e agradeço por termos mais tempo até a próxima partida". - Ja'Wuan James em seu primeiro jogo como Left Tackle desde o High School.
  • "Grande, acho que foi o ponto de virada no jogo". Jared Odrick sobre o Safety forçado por Olivier Vernon, seguido de duas pontuações dos Dolphins.
  • "Vamos lá e iremos bater na bunda branca deles...". Leodis McKelvin garantira antes do jogo. Será que ele gostou do espancamento que levou?

Nenhum comentário: