terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Finda mais uma temporada frustrante, voltemos a pensar em Draft

Quem sabe ano que vem...
A foto e a frase abaixo dela não foram escolhidas ao acaso: pela sexta vez seguida ( e pela 11ª em 12 anos ) é o que determina o fim de temporada do Miami. Goste-se do QB que temos ou não, o ano que vem sempre será melhor até que... a temporada comece!!! Quando os playoffs chegam, o Miami sempre volta-se para tentar entender o que deu errado e como resolver os ( inúmeros ) problemas. Para a maioria não precisamos nos preocupar com QB e todos sabem que eu nem em sonhos ( ou seria melhor dizer pesadelos?? ) concordo com isso. Mas uma coisa é certa: não iremos draftar QB algum no próximo Draft... no máximo trazer um ou dois UDFA. Tudo porque o posto de QB do Miami é de Tannehill. Goste-se disso ou não. Portanto este texto não vai falar mais dele, ao menos não como problema. Garanto isso.

O Miami Dolphins vai escolher na 14º posição. Não é uma ótima posição, é verdade, mas ao menos estaremos mais próximos do Top Ten. E isso me dá algumas ideias, sendo a primeira delas subir no draft para draftar um estrela, um jogador que possa mudar o nível da posiçao e do setor em que vá atuar. O Miami Dolphins tem sido conservador ao extremo Draft, exceção feita a 2013 quando queimamos uma pick de segundo round para irmos até a escolha de número 3 e escolher Dion Jordan. Que até aqui, em duas temporada inteiras, não fez grandes coisas, diga-se de passagem. 

Subir não é, portanto, o usual em Miami. Descer tem acontecido mais, mas normalmente o time escolhe ( errado ) na posição em que esteja localizado. Que eu me lembre descemos em 2011, quando escolhemos Jared Odrick e conseguimos uma escolha de segundo round na trade com o Chargers ( recuperando assim a pick cedida ao Broncos por Brandon Marshall, um raro caso de ousadia do front office ). No mais, onde o time foi posicionado é onde escolhemos. Vide este ano quando o time poderia ter angariado ótimas picks e mesmo assim ficar com Ja'Wuan James, a quem critiquei não como jogador ( ele acabou sendo para lá de útil na temporada ), mas por não terem trocado para descer. Mas enfim... aliás, este ano foi contrário à tudo o que vinhamos fazendo em drafts: acertando no Midle e Late rounds e errando frondosamente nos primeiros. Ou alguém ai consegue ver alguém que foi destaque após Jarvis Landry? Terence Fede apareceu em alguns momentos, mas só. Os outros ( que seriam jogadores de grupo ), nem deram as caras. Ficaram, todos, devendo.

Mas quem seria o jogador a ser escolhido? Em que posição, caso não escolhamos o BPA ( Best Player Avaliable )? Bom, ainda é cedo, mas eu penso que devemos escolher um LB, o melhor que sobrar. Em segundo lugar um Safety, depois Cornerback ou ainda um Guard. Teoricamente, de recebedores não precisamos. Se sobrar um powerback eu até draftaria um. Acho que DL não será necessário, a menos que um monstro da posição esteja disponível. Teremos muito tempo para pensar em quem o time vai draftar. Em tempo, deixo para os leitores o cronograma de datas de toda a off-season:



Pensar em Draft é pensar no futuro. Mas o histórico recente não nos permite imaginar que um salvador da pátria vá aparecer em Miami. O mais correto neste caso é esperar alguém que possa, no máximo não decepcionar. Não nutro mais falsas esperanças. Não mais acreditarei que na temporada que vem será melhor. Porque pouco provavelmente será...

Nenhum comentário: