quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Power Ranking da ESPN e uma armadilha para o nosso futuro...

Os times circulados são os nossos dois rivais. E é ai que mora o perigo...
Tem alguns anos que eu parei de prever algo além de 2 semanas, por que invariavelmente o nosso time desmente tais projeções, seja para o bem ou para o mal. Sendo assim, eu falo no máximo sobre os dois próximos adversários. E eles são, pela ordem, Titans e Texans ( fora e em casa respectivamente ).

Olhando bem para a imagem - clique nela para ver em tamanho maior - percebe-se que as duas equipes estao bem próximos do nosso time do Power Ranking feito pela ESPN. Discordo um pouco de nosso posicionamento, onde nosso time a meu ver deveria estar atrás do Texans e, possivelmente, do Jaguars. Mas PR é assim mesmo e cada um posta o que acha mais adequado.

O problema dos dois rivais na sequencia é que sao time vencíveis, até mesmo para a draga atual que o Miami. E vencer estes dois times fracos nao vai mudar, em nada, nossa situçao dentro da temporada, mesmo que passemos a figurar com um 3-3. Acontece que alguns podem ver nisso a senha para pensar em post-season e ai vem o perigo.

Times da NFL não entregam jogos, mas o Miami deveria vencer o mínimo de partidas até o fim da temporada. Fazer um outro 6-10 só atrapalhará e só idiotas acham que post-season ainda seja possível. Além disso, vencer 5 em 12 partidas fariam com que alguns jogadores pudessem ser "salvos" do desastre, jogando toda a culpa nas costas de Philnin e Coyle.

Esse é o perigo. Por mim, se isso fosse exclusivamente minha, o time só venceria o Texans. Porque o Texans? Porque é a única equipe de todas as 31 da Liga que ainda não vencemos. No mais, eu perderia na boa e ficava com 2-14 e a FOP para escolher o melhor jogador possível ou capitalizar com Trades que nos trariam picks valiosíssimas para nossa ( quinta ) reconstrução desde o fim da Era Marino. Simples assim...

Respondendo ao Leitor: Quarterback no próximo Draft se tivermos uma Top 3 Pick?

Vai saber o que esta Franquia pensa...
O leitor Ruy Pimentel fez uma, pertinente, pergunta no post anterior a este ( clique aqui ): Flávio tenho uma questão é se caso acabarmos no top 3 draft, o que Miami iria buscar, QB?

Eu creio que um QB não venha no primeiro round. Primeiro porque a franquia acredita ter o seu Franchise Quarterback. Eu discordo disso, todos sabem, mas é o que pensa a direção. Caso não pensasse assim, porque estender o contrato de Tannehill quando ele já estava sob contrato até o fim da temporada 2016? A segunda questão é que, e aqui é apenas achismo de minha parte, o próximo Head Coach será aquele que aceitar manter Tannehill como Starter. Qualquer candidato ao cargo que deseje outro QB deverá ser vetado. É o que eu penso, porque não faz sentido deixar um QB de 96 milhões no banco, desvalorizando. E o time só poderá trocar ele na temporada de 2017...

Tem um outro motivo para nao se apostar na vinda de um QB em 2016: a qualidade da turma. Os melhores não me animam. Mas eu espero que o próximo Head Coach traga um QB pelo meio do draft... sabem como é sempre perdemos picks mesmo, vale a pena tentar. Além disso, um reserva rookie seria muito mais barato do que manter um veterano como Matt Moore.

Das demais posições existem jogadores de defesa que valeriam a escolha. Eu não estou falando de nomes, mas eu imagino que um DE, CB, OLB é a necessidade básica, não exatamente nesta ordem. Sendo Top 3 e existindo um OT/OG que valha a pena, eu também iria. É cedo, mas não deve sair daí... a menos que - é claro - o Miami Dolphins resolva ser Miami Dolphins e parir um Dion Jordan, um TGJ...

Resumindo: eu não espero que o Miami drafte um QB, mas acho interessante que o time busque um no Draft, mas a partir do quarto round. A menos que no segundo round sobre um dos mais cotados, ai seria oportunidade...

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

E o Draft de 2016?

Um apanhado do que andam projetando alguns dos Sites que fazem Mock Drafts
Draft 2016. Sempre, em algum momento da temporada, olhamos para o próximo draft na esperança de que o "salvador" apareça, o jogador que vá nos levar ao sucesso. E ano após ano sempre ficamos desapontados com as escolhas ou com o desperdício de jogadores que poderia render bem mas que acabam sendo trocados ou saindo ao fim de seus contratos...

O do ano que vem pode ser determinante no sucesso do que seremos até o fim da década. Uma escolha Top, que se torne em um All-Star poderá abreviar o fim do nosso sofrimento. Ou aumentar ele, é claro caso seja uma daquelas tipo Miami Dolphins. 

Na imagem acima eu reuni 8 visões sobre o que o Miami poderá, eventualmente, fazer em Maio de 2016. Poderá, porque até lá muita coisa vai mudar. A começar pela posição do time no Draft, que na imagem vai da sétima até a décima terceira. A real é que não deve fugir muito disso ai. E, fora um analista, é consenso: iremos de um CB. E é ai que começam as questões:
  • Eu imagino que o time precisa escolher o melhor LB disponível. Nada de contratar via FA, porque é caro e poucos rendem automaticamente ( Suh );
  • Nada contra os Corners citados, mas existindo um OG Top eu draftaria também;
  • Kendall Fuller é bom mesmo, assim como Vernon Hargreaves e Tre'Davious White. Seriam boas escolhas sim e poderiam ser o esteio do setor por uma década;
O que eu faria? Bom, se não existir alguém Top sobrando, um CB seria interessante, mas eu focaria em um LB ou um OG. Mais pro fim da temporada eu farei perfis dos mais citados.

domingo, 11 de outubro de 2015

Mike Tannenbaum queria Dan Quinn como Head Coach. Adivinhem quem foi contra...

Mentor da melhor defesa da NFL poderia ter sido nosso Head Coach...
Errar é humano, todos sabem disso, mas permanecer no erro é burrice. Acontece que quando trata-se do Miami Dolphins este ditado não se aplicar, porque aqui errar é o básico. Olhado para trás é de se assustar que tenhamos o maior feito de todos os tempos: uma temporada perfeita. É quase impossível crer que uma pessoa que não tinha muita grana e nem envolvimento muito direto com o Esporte tenha fundado uma franquia da NFL e a levado até a glória durante a sua vida. Quando o fundador Joe Robbie morreu em 1990, o time era até então um dos 6 maiores vencedores do Super Bowl e o Patriots era um timeco. 25 anos depois e... bom, todos sabem o que somos hoje. Antes de prosseguir a foto mais famosa de Don Shula e Joe Robbie:

Os dois maiores homens de fora do campo de nossa história...
A imagem fica mais velha, e não falo de idade apenas, a cada temporada. Nela Shula fala em sua primeira entrevista como Técnico do Miami ao lado de Joe Robbie, que o tirara a peso de ouro do Baltimore Colts. Coincidência ou não nós tomamos o lugar do Colts dentro da AFC este e fomos, pelos 30 anos seguidos o time a dar as cartas na divisão. Como Shula e Robbie fomos a 5 Suber Bowls ( 71, 72, 73, 83 e 85 ) em 15 anos!!! Nem times como Steelers, Redskins, Giants ou Cowboys conseguiram fazer isso. Só mesmo o Pats igualou ( e infelizmente superou ) desde 2001, mas todos sabemos bem como eles conseguiram, não é mesmo? Adiante...

O que isso tem a ver com o Miami atual? Tudo, ora pois. Desde o fim do ano passado que Mike Tannenbaum é o Vice-Presidente de Operações da franquia, virando uma espécie de primeiro-ministro do time, estando acima do General Manager Dennis Hickey, criando - em tese - algo desnecessário. Pois bem, eis que soube-se agora que ele queria a queda de Joe Philbin desde que chegou e tinha até o substituto certo. Quem? Antes de responder, que tal uma foto da dupla atual que manda no time:

Mike Tannenbaum e Stephen Ross...
Tannenbaum queria trocar Philbon por Dan Quinn. Quem? Eu entendo se os amigos não ligarem o nome a pessoa que primeiro apareceu neste post, natural. Dan Quinn era apenas o Coordenador de Defesa do Seattle Seahawks. Sim isso mesmo, o time que foi a 2 Super Bowls seguidos. Sim o mesmo time que tem a melhor defesa da liga nas 3 últimas temporadas. Era uma escolha ótima nao? Porque nao rolou? Ora, porque o Pateta do nosso proprietário quis manter Joe Philbin no comando. Para que? Ora, só ele sabe, mas o fato é que agora temos outra temporada perdida. Ou alguém ai espera que o time vença 9 partidas em 12? Aliás, é bem capaz do time vencer umas 6 ou 7 só para ficar no meio do próximo draft, as chamadas vitórias inúteis, tal qual fez em 2011 e ficamos com Tannehill ao invés de Andre Luck. Sabe como é, até para ser péssimo é preciso competência. E isso é algo que nosso time não tem, mesmo para ser horrível.

Existe, contudo, algo bom nisso: alguém nesta franquia conseguiu ver o caminho. E basta ver o desempenho do Atlanta Falcons nesta temporada para sabermos que Tannenbaum estava certo. Quem sabe, não custa sonhar, ele não consiga acertar outros passos e - finalmente - começarmos a dar passos na direção certa. Em tempo, tem um rumor rolando de que Stephen Ross vá atrás de Sean Payton, HC do Saints, caso ele venha a ser demitido pelo New Orleans. Daria certo? Bom, Payton transformou os Saints em um time forte depois de décadas de ostracismo ( para quem não sabe, Archie Manning - sim, o ´pai de Peyton e Eli - jamais foi a post-season em sua carreira com os Saints ). Quem sabe, caso aceite, ele consiga fazer algo parecido por aqui... não custa, mais uma vez, sonhar.