domingo, 6 de agosto de 2017

Afinal de contas, o que podemos esperar dessa temporada 2017?

Adam Gase terá que se provar para seguir vencendo...
As manchetes e o desespero dos torcedores são ou não muito exageradas quanto à contusão de Ryan Tannehill?? Eu acredito que sim porque não estamos de um time Super Bowl Contender e, muito menos, de um QB Top Five. No primeiro caso o time não tem OL, LB e Secundária para ser Contender ao Super Bowl e o QB nunca foi - e nunca será - sequer um Top 10. Por isso eu acho que as análises são fora do contexto, porque fica parecendo que com a saída de Tannehill o time sai da categoria de excelente para porcaria. E isso não é verdade...

Tannehill não é sequer o melhor jogador do ataque do Miami. Na frente dele existem, fora de ordem: Mike Pouncey, Jarvis Landry e Jay Ajayi. Ele no máximo seria colocado no mesmo patamar do RB, mas com certeza absoluta está atrás dos outros 2. E isso é fato, não questão de gosto. Se ampliarmos para o elenco inteiro, ainda teríamos Ndamukong Suh, Cameron Wake e Reshad Jones, novamente sem qualquer ordem. Sendo assim, Tannehill seria no máximo o sexto ou sétimo melhor jogador do elenco. Como pode, então, a saída de alguém assim gerar tantas notícias exasperadas?

Claro que chegamos ao ponto que na NFL atual, a posição de QB é a mais importante. A liga é hoje uma liga de passes, onde o jogo aéreo é o que faz times campeões. Tempos como os que Trent Dilfer foi campeão de Super Bowl estão cada vez mais distantes. Ter um excelente jogo corrido com um QB meia-boca não tem dado em nada mais do que presenças na post-season, mas com vida curta. Super Bowl é quase sem chance. Tannehill chama a atenção por jogar onde joga ( uma franquia de passado vitorioso e com 2 QBs HOF ) e por ser o menos ruim de uma lista de 18 QBs desde que Dan Marino se aposentou.

Mas sem Tannehill ( e com Cutler ) pode ir até onde nesta temporada? A rigor, onde poderia ir com Tannehill. Ou não. Tudo depende dos outros setores, o que já seria o caso com Tannehill. Poucos tem observado que a OL está com problemas ( Ted Larsen rompeu biceps e Asiata está decepcionando ) e que os LBs seguem como o pior setor coletivo do time ( McMillan tem jogado na segunda equipe ). Sem boas atuações destes setores, o Miami não vai longe na temporada. A segunda metade é bem dura e acumular vitórias na primeira metade ( algo com 6-2 ) para ficar com 4-4 na segunda metade ( teremos duas derrotas praticamente certas contra o Pats ).

Matt Morre deve ser o Starter na primeira semana, mas se vai ficar como Starter é outro papo. Cutler será uma sombra e vai sempre pressionar toda vez que o Moore errar. É o correto fazer isso? Sim e não. Sim porque se Moore não for bem, teremos alguém com "qualidade" para colocar no lugar. Não porque ele ficará inseguro e, convenhamos, segurança já não é o ponto forte dele. 

O time pode conseguir 10 vitórias tanto com Moore ou com Cutler, desde que Jay Ajayi possa superar a marca das 1,6 mil jardas ( e para isso precisaremos que a OL seja Top Five ), que a Secundária consiga grandes atuações e os LBs fiquem entre os 10 melhores setores da NFL. Alguém ai acredita nisso? Porque eu não acredito... Adam Gase precisa superar todas as expectativas quanto à sua capacidade de "mago dos QBs". Se vai conseguir ou não, é 

Mas se, e apenas se, tudo der certo poderemos jogar em Janeiro. Mas que não me perguntem o que acontecerá caso cheguemos lá, porque ai é querer demais. 

Nenhum comentário: