sábado, 7 de maio de 2011

O sucesso do Dolphins em 2011 passa pelo de Daniel Thomas?

Existem várias dúvidas sobre nosso ataque e a temporada de 2010 só fizeram que elas aumentassem. O ataque precisava mudar e não apenas em nomes, mas sobretudo de atitude. Pois bem os nomes mudaram consideravelmente, do Coordenador ( saiu - até que enfim - Dan Henning e entrou - vai dar certo? - Brian Daboll ) e agora ganhamos neste Draft 4 novas peças: Mike Pouncey (C/G), Daniel Thomas (RB), Edmond Gates (WR Deep Threat) e Charles Clay (TE/FB/WR/RB/K/P/LS/KR/PR...). Acho que está claro que nosso Front Office quer deixar claro que atendeu ao clamor de todos e mexeu - e muito - no ataque. Mas ai chega uma questão interessante: e o QB?

Deixarei esta pergunta para outro post mas posso adiantar que estamos atrás de um QB experiente pra ser o plano B do time a Chad Henne. Nomes como Carson Palmer, Matt Hasselbeck, Donovan McNabb são ventilados sempre, quase todos os dias. Mas com o Lockout, que impediu a abertura da Free Agency Period, não temos como trazer este tal QB.

Voltando a falar de Thomas especificadamente, o que dele podemos esperar? Bom tenho lido muito a respeito e pra ser sincero ainda não tenho uma opinião 100% formada. Alguns dizem que ele consegue quebrar tackles, outros dizem que não. Em alguns lances do Youtube ( os de melhores, é claro ) ele consegue jardas extras. Mas existem outros ( os de piores talvez ) onde ele cai após a ameaça do primeiro tackle. Enfim, ainda estou formando uma opinião acerca dele. E como o Lockout também impede a realização das Rookies Minicamps, não temos uma ideia clara a respeito do que ele realmente pode fazer ou não.

Para alguns ele foi um Steal ( com o que não concordo ), já para outros iremos nos arrepender amargamente de termos passado ( e duas vezes ) Ryan Mallett e que ele nos fará sofrer quando substituir Tom Brady um dia. Pode até ser, mas sei que com um Center novo, um Deep Threat nato, um TE/FB/WR e cia o ataque tem agora opções para que tanto Thomas quanto Henne possam formar uma dupla e tanto. E é o que todos queremos. Se vai dar certo, dependerá primeiramente do nosso novo OC, depois da OL abrir os espaços e do Gates conseguir abrir o campo. Assim Henne não ficará sobrecarregado e Thomas terá espaços pra correr. Agora é aguardar. E que tudo dê certo. E que a Mallet vire um zé ninguém... Abaixo deixo uma fotos do nosso novo Running Back:








quarta-feira, 4 de maio de 2011

Análise do Draft: 6° Round Draft: Charles Clay TE/RB/FB/WR...

Mais um Twenner? Pois é, este meus amigos é o candidato a ser o Pat White 2.0 pois ele joga de RB/FB/WR/TE/K/P e mais umas trocentas posições. Mas, que coisa, não sabe bloquear...

Nome: Charles Clay, TE/FB/WR/RB... Altura: 1,90 / Peso: 111 / Universidade: Tulsa / Classe: Sênior

Quem acompanha o Blog a algum tempo já deve ter percebido que detesto jogadores que possam atuar em mais de um posição, os chamados Twenners. Se o jogador em questão puder atuar como WR/TE/FB/RB/K/P/KR/PR, etc, etc, etc, então eu passo a ter pesadelos. Logo eu me lembro de Jason Allen ou mais recentemente um tal de Pat White. Achei poucas informações a respeito de Clay,mas ele tem no site DraftCountdown estatísticas tanto como TE como RB. E uma dado chama atenção: em 2007 ele correu 304 jardas e marcou 1 TD, mas recebendo foram 102a jardas e 7 TDs. Pena que esta tenha sido sua "grande" temporada. Nas temporadas seguintes ele foi decaindo, talvez por ter ficado conhecido, e em 2010 os números foram: 226 jardas correndo ( 0 TD ) e 526 recebendo ( 7 Tds ). É uma escolha com um grau enorme de desconfiança e portanto temos que esperar pra ver o que ele pode render. Pode ser KR/PR, embora não tenha se destacado neste interante. Nota: D-

terça-feira, 3 de maio de 2011

Análise do Draft: 4° Round Draft Edmond Gates

Agora o time tem o seu "deep threat" Receiver. Espero que este seja bem melhor que o antecessor...

Nome: Edmond Gates, WR / Altura: 1,83 / Peso: 87 / Universidade: Abilene Christian / Classe: Sénior.


Um Wide Receiver rápido é uma necessidade real do Miami desde a saída de Ted Ginn Jr ( ainda bem ). A aposta do nosso Front Office é de que esse substituto seja Gates.

  • Pontos Fortes: rapidez é talvez a sua melhor qualidade ( 4,31 nas 40jardas no Combine ). Explosivo, tem condições de esticar o campo e produzir boas jogadas. Sabe saltar e consegue boa distância dos DBs ( mesmo que sejam DBs de segunda linha, mesmo para o patamar da NCAA ). Tem boas mãos, controle do corpo, consegue mudar bem de direção, caráter excepcional.
  • Pontos Fracos: Não tem um tamanho ideal para a posição, além de ser magro o que é um defeito quando se imagina a qualidade dos DBs da NFL. Tem problemas de durabilidade, machucou-se no Sênior Bowl. Tem boa força, mas existe espaço para melhoras. Não jogava em um sistema em que irá encontrar na NFL e para isso será necessário um "grande salto".
  • Notas: Nada de muito relevante.
  • Avaliação: Explosivo, inteligente e veloz reune as ferramente necessárias para se tornar um WR de destaque na NFL. Era cotado pra sair antes ( alguns até o colocavam pra sair no meio do segundo round ) acabou caindo em nosso colo. Pesa contra o fato de vir de uma UNiversidade da "terceira divisão" da NCAA e de não participar de todos os snaps, pois era usado para "abrir" o campo, o que acontecia em situações específicas o que o deixava no banco em diversos ataques. Contudo pode sim virar destaque, desde que aprendar bem o Playbook e consiga "ficar mais forte" sem perder suas maiores qualidades. De um modo geral uma boa escolha. Nota: B+.

domingo, 1 de maio de 2011

Análise do Draft: 2° Round Pick Daniel Thomas

Nome: Daniel Thomas, RB / Altura: 1,84 / Peso: 104 / Universidade: Kansas State / Classe: Sénior. Prudência sempre é bom e em todas as situações. Ao ver a escolha de Thomas, o custo da mesma ( abrimos mão de duas escolhas para tê-lo ) e sua primeira foto postada aqui, achei que o mesmo fosse fraco fisicamente. Agora, com mais tempo e pensando um pouco melhor, retiro esta parte da crítica que fiz a ele. Mas só essa. As outras mantenho da mesma maneira e adiciono outra: ele é lento de doer. Raramente o veremos fazendo um TD com distância superior a 20 jds, pois com certeza os velozes DBs da NFL nele chegarão e o derrubarão. Claro e evidente que ele tem força e consegue quebrar tackles, fato. Vamos ao que pode ser dito dele, de bom ou de ruim:
  • Pontos Fortes: é alto ( além da média para RBs, dai a sua "lentidão ), resistente e com grande massa atlética. Mesmo lento tem agilidade boa e um bom uso dos pés, tendo portando um bom equilíbrio o que o ajuda a conseguir jardas extras, pois não cai no primeiro tackle. Tem uma boa visão e instintos até razoáveis. Por sua baixa velocidade, deverá ser "meio que mortal" nas situações de terceira pra 1/2 jardas e na Red Zone. Tem capacidade para receber passes próximo ao backfield, além de ser um bom bloqueador, podendo com treino passar a ótimo. E claro é bem produtivo em campo naquilo que sabe fazer.
  • Pontos Fracos: Não tem velocidade que o permita conseguir mais jardas, comete muitas faltas ( o que na NFL, se ele não mudar de atitude, pode ser um grande problema ). Não é uma ameaça para o adversário recebendo passes de média distância. Foi um aluno ruim e sua inteligência é, digamos assim, fraca.
  • Notas: Foi starter nas duas últimas temporadas, tendo sido nomeado para o primeiro time da All-Big 12 em 2009 e 2010. Era considerado uma grande promessa ao sair do College, tendo inclusive recebido uma bolsa de Flórida ( Gators ), mas não ficou por lá ( problemas acadêmicos, ou se preferir ruim nos estudos ), tendo ficado de fora do time no seu ano de Rookie. Depois foi para Ole Miss, onde o problema se manteve, tendo novamente ficado de fora. Quando finalmente chegou em Kansas State é que conseguiu jogar pela NCAA. Jogou como QB no College e em Kansas atuou como QB ( praticamente sem passar ) na formação Wild Cat. Teve um ano muito bom em 2010, o que o fez subir na cotação do Draft ( 1500 jardas e 19 Tds ). É o segundo melhor RB da história da Universidade, ficando atrás apenas de Daren Sproles.
  • Avaliação: Não é um RB para carregar sozinho o ataque de um time. Afinal não tem velocidade para tanto. Será necessário ter o complemento de um colega com esta característica para que o time possa ter uma dupla ideal. Em todo caso, em situações de terceira descida pra uma ou duas jardas ele deverá ser bem produtivo. Assim como em descidas para TDs. No entanto a sua vinda nos custou duas picks ( quarta e sexto rounds ) e portanto jogadores que poderiam ( e não iriam, fique claro ) render e preencher buracos que ficaram, como QB por exemplo. Em todo caso, olhando agora e sabendo que ele NÃO é um Twenner de RB com QB, a pick parece menos ruim. Mas está longe de ser ótima. Nota: C+.