terça-feira, 12 de junho de 2012

E o namoro virou casamento...

Tudo bem que o dia dos namorados nos EUA já passou, mas aqui é hoje. E o namoro entre Chad Ochocinco e Miami Dolphins terminou em casamento. Contrato de um ano por 950mil dólares mais incentivos por produção em campo. Uma contratação excelente sem dúvida. E uma correção: ontem eu dissera que ele jogar na NCAA em Flórida State. Errado, ele atuou em San Diego e depois em Oregon State. Foi no High Scholl que ele atuou na Flórida. Em todo caso, ele é nativo da Miami e volta agora a sua terra natal. Que seja bem vindo. E um feliz Dia dos Namorados para todos...

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Chad Ochocinco a caminho do Dolphins? - Parte 2


Chad Ochocinco ( Johnson ) está mais próximo de virar um jogador do Miami Dolphins. Isso deve-se a dois motivos básicos: a) ele realizou um treino ( o dia em que ele aconteceu não foi divulgado ), que foi hoje confirmado por Coach Joe ( cada vez gosto mais de chamar assim a Joe Philbin ) e; b) ele deu declarações a Jason La Confora, da ESPN, que deseja muito atuar pelo Dolphins, pois é nativo de Miami, tendo atuado na cidade tanto no High Scholl quanto na NCCA.

O que eram apenas boatos, ganham agora contornos mais realistas. Se esse, agora oficial, namora vai dar em casamento é outra história. Até porque Chad tem um histórico de primadona das mais exigentes e sempre reclama quando não é acionado como ele acha que merece. Se levarmos em conta que argumentos parecidos foram usado para que nos livrassemos de Brandon Marshall, isso fica totalmente sem sentido. Mas se pensarmos que Chad é umas 5x melhor do que 7 de nossos WRs ( tiro da conta apenas D-Best, que seria apenas 2x pior ), faz sentido.

Por fim convém citar que temos um QB rookie que, em tese, deve ser o Starter e que talvez possa sentir a pressão demais por ter um jogador como Chad no elenco. Se bem que, se ele jogar ruim por causa de um All-Star cobrar-lhe passe na mão, seria o caso de mudar de profissão, não é mesmo?

Como não sou de fugir da raia, eu cravo sem medo: Vem pro Dolphins OChocinco, vem...

domingo, 10 de junho de 2012

Ireland: "Philbin foi escolhido para desenvolver jogadores"


Joe Philbin ( Head Coach ) e Jeff Ireland ( General Manager ): o entendimento entre os dois é o caminho natural para o sucesso.

Período chato esse após as OTAs e Draft e antes da Trainning Camps ( esse ano sendo também o Hard Knocks do HBO ). Porque quase nada acontece e só temos especulações, algumas declarações de jogadores ( às vezes bem polêmicas diga-se de passagem ), mas de fato, de coisa palpável, pouco acontece. E ai o Blog fica sem atualizações ( muito também pelo trampo, às por preguiça e em outros momentos realmente por falta do que falar ). Eis que ontem Jeff Ireland abriu os motivos pelos quais ele ( e o dono Stephen Ross ) escolheu contratar Joe Philbin, vulgo professor universitário ( é como ele é apelidado na Flórida ).

Antes de entrar no mérito do que disse Ireland, quero relembrar fatos nada agradáveis que aconteceram no últimos 18 meses:
a) Com o fim da temporada de 2010, Stephen Ross e Jeff Ireland foram a São Francisco conversar com Jim Harbaugh ( à época ainda Coach da Universidade Stanford ). Algo normal, não fosse por um detalhe: Tony Sparano ainda não fora demitido. E diante da recusa de Harbaugh de ser o Coach mais pago de toda a NFL ( falou-se a época de que a proposta era de apenas 7mi ao ano ), Ross fez aquele que para mais é a mais sem graça coletiva de imprensa de nossa história, para dizer que Sparano estava "com moral" junto a Direção e permaneceria como Coach. Algo poderia ser mais patético?
b) Claro que poderia. Passado um ano de novo estavámos sem Coach ( Sparano caira durante a temporada regular ) e era preciso contratar um. Quem era o mais cotado? Jeff Fisher, que tem uma ida ao Super Bowl como principal credencial. Vamos contratá-lo, certo? Não quando se fala em Miami. Ele acabou indo pro Rams ganhar menos do que lhe fora oferecido aqui. Supimpa não?
c) Como passar vergonha é conosco mesmo, veio o corte de Peyton Manning, que surgiu como um natural Dolphins Player. Pois bem, só conseguimos conversar com ele porque Dan Marino ligou para ele e pediu que recebesse os Diretores do Dolphins. E isso porque Manning tem uma casa em MIAMI!!! Talvez seria mais fácil se ele tivesse uma casa em Oakland, que é do lado de San Francisco rsrsrsrs... E eis que ele foi pro Broncos. E um tal de Matt Flynn, que era do Packers assim como Philbin foi pro Seahawks. E acabamos ficando com Tannehill.

Voltando ao que disse Ireland, diante do que eu escrevi acima acho que está claro que não foi exatamente nós quem escolhemos Philbin, e sim o contrário. Afinal após tantas patetadas ( e não por outro motivo este é o apelido que dei a Ireland ), acho que não tínhamos mais condições de escolher quem nos treinaria e sim contratar quem se dispusesse a trabalha conosco. É o caso de Philbin.

Mas, mesmo diante de tudo o que disse, Ireland tem razão numa coisa: Coach Joe realmente sabe desenvolver jogadores jovens. Não custa nada lembrar que ele é um dos - senão o maior - responsáveis pelo o que é hoje Aaron Rodgers. E também pelo fato ataque do Packers ter sido o melhor do ano passado e ter dobrado da forma que conseguiu fazer com o Steelers no Super Bowl de duas temporadas atrás. É preciso dizer também que segundo os analistas o ataque do time de Green Bay não tem nenhum All-Star, fora A-Rod, e sim um conjunto de qualidade e versatilidade. Algo que lembra o nosso caso, sem A-Rod, não é mesmo?

Se ele conseguir, ao lado de seus auxiliares de ataque, fazer algo 60% perto do que fez em Green Bay já merecerá placa no Sun Life Stadium. Se conseguir no levar ao Super Bowl será o caso dele ter um busto. Se vencer, teremos que torná-lo imortal. Eu ficaria extramente feliz se ele conseguir fazer-nos voltar a vencer - com regularidade - 10 partidas ao ano.