sábado, 2 de março de 2013

Darrelle Revis em Miami: Loucura ou uma real possibilidade?

De longe um dos 3 melhores Cornerbacks da NFL. Será que ele aceitaria trocar NY pela quenta Miami?
 
Antes de mais nada um aviso: Trocas só podem ser acertadas quando da abertura da Free Agency e conversas para acertá-las também. Só que isso, muitas vezes, fica na teoria porque nas primeiras horas são assinados contratos longos e cheios de termos que não dariam para terem sido acertados. A regra é assim: o Agente recebe ligação de alguém ( nunca do GM de uma franquia ) e demonstra interesse e o acerto é aprontado. Assim se alguém descobrir nem o atleta e nem a equipe podem ser resposabilizados. Adiante...
 
O nosso mais odiado rival está com, sérios, problemas no Cap e já cortou jogadores na semana. Acontece que mesmo assim o time ainda está com a corda no pescoço e um dos maiores salários do time, e da Liga também, é o do Cornerback Darrelle Revis, o que auto se intitula o único morador de uma ilha que leva seu nome, ou seja, do lado dele poucos QBs tem coragem de lançar uma bola.
 
Acima do Cap e com um jogador caro, o Jets já deu sinais de que poderia trocá-lo, mesmo que fique com dead money ( restante de contrato que teria que pagar ), o time conseguiria liberar grana para assinar com alguns FA do time e com os Rookies. Acontece que somos o maior rival do time de NY e vice-versa. Eles trocariam Revis para nós?
 
Acontece que GMs e Owners pensam, às vezes, diferentes de nós torcedores. Na cabeça deles não faz sentido algum recusar uma oferta melhor apenas porque quem oferece é um rival. Entre escolher uma pick de segundo round ( e não estou dizendo que ele sairia por isso ) no começo do round ou uma no final, o time vai querer a pick melhor posicionada.
 
A vinda de Revis resolveria dois problemas: deixariamos um lado do campo protegido e facilitaria a vida de um rookie do outro lado, pois este pegaria o WR2 do outro time. Mas e o custo? Bom, se Revis jogar o que sabe, valeria a pena e ele ainda poderia servir de inspiração pros mais jovens, mesmo que ele não queira ensinar nada (  e nem parece ser este tipo de jogador ).
 
Cabe saber se Ireland terá capacidades para topar um negócio desses. O histórico conta contra ele, não é mesmo? 

Nenhum comentário: