quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Mel Kiper re-analisando o Draft de 2012

Tudo depende do desempenho dele, mas disso todos já sabiam antes do Draft...

Bom não é segredo pra ninguém o meu, digamos assim, conservadorismo sobre Ryan Tannehill. E o post não é sobre isso, garanto. Mas é que dois colaboradores do Blog criaram\reativaram outro espaço e fizeram indiretas nada diretas a este espaço. Não ligo e desejo ( de coração ) boa sorte ao Dan e ao Derek e agradeço pela colaboração que fizeram. Quero apenas deixar claro uma coisa que as pessoas às vezes se esquecem: Blog é local de opinião. E opinião, de verdade, não muda de acordo com o senso comum, ou seja, não é feita ao gosto do cliente, no caso de quem lê. Apenas achei desnecessária a cutucada ao Undefeat Team lá no "novo" Blog. Dito isso, vamos ao post em si.

Mel Kiper é um dos mais conceituados analistas dos EUA. E ele, como de costume, sempre faz releituras do Draft. O que disse ele sobre o Dolphins?
  • Ryan Tannehill era uma questão de valor para mim na pick N º 8, mas Miami não queria fazer trade para descer e ficar esperando se ele ainda estaria disponível, de modo que o Dolphins ficaram presos com um plano e draftaram o jogador que sempre quiseram. A franquia criou o que deve um dos melhores planos elaborados para a transição de um QB, ao contratar o treinador de Tannehill na Universidade. Ele teve alguns bons momentos na temporada e mostrou claramente porque muitos o consideram um talento nato, mas no geral teve uma temporada inconstante, ora jogando bem ora atuando muito mal. Jonathan Martin estabeleceu-se no lado direito da linha e jogou muito bem e Olivier Vernon poderá atuar um dia no lugar Cameron Wake, quando este se aposentar. Rishard Matthews poder vir a ser um valor no fim de feira, mas tudo gira sobre se Tannehill poderá dar o próximo passo. Eu acho que ele pode.

Quem sou eu para dizer que Kiper está errado? Bom, sendo quem eu sou, diria que penso diferente. Mas não custa lembrar o que ele disse no fim sobre Tannehill: "eu acho que sim". Mesmo para analistas conceituados, no fim tudo se resume a uma palavra mágica do inglês: feeling. O meu é diferente do dele.

Quanto ao outros jogadores citados, eu concordo mas eu acho que o Lamar Miller pode vir a ser o nosso RB Starter agora ou em 2014. 

Update: Esqueci de dizer que depois do Draft ele deu nota C e agora a corrigiu para B-. Nada que vá muda o preço do dólar, mas enfim é algo animador...
 

domingo, 20 de janeiro de 2013

Manuntenção do Staff é uma boa notícia para Tannehill

Essa off-season no Miami foi atípca: sem mudança no Staff e sem procurarmos um QB. Muito estranho...

Discordâncias a parte, não estamos atrás de um QB Starter pra temporada 2013. Precisaremos de um back-up ( Pat Devlin e Matt Moore são Free Agents ) e é necessário termos alguém para qualquer eventualidade.

Mas não é sobre isso o post. Ele é sobre manutenção do Staff do Miami, que não perdeu ninguém durante o período conhecido como "Dança das Cadeiras". Todos ficaram onde estavam, garantindo continuidade, deixando que o trabalho siga seu curso. Claro e evidente que existem diversos buracos no elenco, mas trocar de Coordenadores toda off-season não ajuda em nada no desenvolvimento dos jogadores.

Por mais que eu ache que Mike Sherman tenha feito errado ao bancar o draft do seu ex-pupilo em Texas A&M, a sua permanência garante que o aprendizado seja mantido. Se ele estiver no caminho certo, trocá-lo seria altamente prejudicial, mas mesmo que fosse o caminho errado ( ou não 100% correto ) a simples mudança poderia trazer problemas maiores ainda.

Nesses casos sempre cita-se o caso de Alex Smith no 49ers: em suas primeiras 5 temporadas ele teve 5 Coordenadores Ofensivos. Em outros termos ele teve que aprender 5 playbooks diferentes em cada off-season. Isso claramente o prejudicou e quando ele teve o mesmo OC em duas temporadas seguidas, seus jogo apareceu. E não queremos que nada parecido aconteça com Ryan Tannehill, certo?