sábado, 21 de dezembro de 2013

Tannehill seria o Mr. December?

3 dos seus 5 melhores jogos no ano foram em Dezembro...
Ryan Tannehil é o tipo de jogador que não consegue gerar meio termo no seu entorno: ou você o ama ou o odeia. E cá pra nós ser o QB Starter do Miami Dolphins é uma parada indigesta. Mas, também cá entre nós, ele tem sido frio ao extremo nas 3 últimas partidas. Agora é hora de mostrar que ele pode fazer o diferente, o algo a mais que caracteriza os grandes QBs dos comuns. Ele fará isso? Ai eu não sei. Mas que dezembro tem sido o mês dele, isso é negável. Os erros ainda existem, falta a deep ball e uma melhor presença de pocket, mas em suma ele está passando mais confiança. Abaixo segue texto do Miami Dolphins.com adaptado e ligeiramente alterado por mim. Espero que gostem...

Existem algumas razões pelas quais os Dolphins ganharam seus três primeiros jogos em dezembro e colocar-se na posição em que eles controlam seu destino quando se trata dos playoffs, e o jogo do quarterback Ryan Tannehill  é um dos principais motivos. Tannehill tem jogado o seu melhor neste mês, com 73 passes completados em 113 tentativas para 843 jardas, com oito touchdowns e apenas duas interceptações e um rating de 103,2, de longe o melhor para qualquer mês desta temporada. Como comparação, em Setembro o rating foi de 85.3, em Outubro caiu para 76.4 e 85.0 em Novembro. Três dos cinco melhores jogos de Tannehill nesta temporada em termos de classificação aconteceram em dezembro, com destaque especial para os 120.6 no domingo passado.

Os oito passes para touchdown já é a maior marca para qualquer mês em sua carreira. O recorde anterior eram os seis TDs em quatro jogos, conseguidos em outubro deste ano. Oito TDs Tannehill é a terceira marca entre os QBs da NFL, a trás apenas de Peyton Manning ( 11 ) e Alex Smith ( 9, sendo 5 na partida anterior ). Os 843 jardas o colocam em sexto lugar, a apenas 1 jarda atrás de Nick Foles.  E ele é um dos 7 QBs a ter um ratinga acima de 100 ( Alex Smith, Peyton Manning, Nick Foles, Philip Rivers, Ben Roethlisberger, Russell Wilson e Carson Palmer ). Forte presença de Tannehill até agora não é apenas um dos melhores da Liga, é um dos melhores nós já tivemos. Apenas um tal de Dan Marino teve Dezembros melhores: 12 em 1984, 11 em 1985 e 1986, e 10 em 1991. Claro que a longevidade de Bob Griese e Dan Marino e a baixíssima qualidade dos QBs pós Marino não ajudam, mas é um feito e tanto. E ainda teremos outras duas partidas em Dezembro. Detalhe a favor de Marino: em 84 foram 4 jogos apenas.

As 843 jardas de Tannehill também representa o segundo maior total para os três primeiros jogos de dezembro nos últimos 15 anos. A única marca maior aconteceu em 2009, quando Chad Henne passou para 904. Com base no rating, Tannehill está a caminho de ter o segundo melhor dezembro para um quarterback dos Dolphins, atrás apenas dos tremenda corrida de Chad Pennington em 2008. Mas deve-se salientar que Pennington não teve tantas jardas, foram apenas 772 jardas nos quatro jogos em dezembro naquela temporada.

Os principais ratings dos QBS do Dolphins para o mês de Dezembro:

  1. Chad Pennington (2008) 112,6
  2. Don Strock (1983) 106,5
  3. Dan Marino (1984) 105,2
  4. Dan Marino (1991) 104,1
  5. Dan Marino (1086) 103,6
  6. Ryan Tannehill (2013) 103,2
  7. Dan Marino (1985) 97,9
  8. Matt Moore (2011) 93,9
  9. Sage Rosenfels (2005) 91,3
  10. Bob Griese (1968) 90,0

Tannehill também contribui – ao contrário dos outros da lista - com jardas corridas, tanto que as 48 jardas em Pittsburgh é um novo recorde da Franquia. E é dele o recorde jardas para o mês de dezembro, com 148 em 2012. Ele tem 77 até agora, ou seja, ele precisa de 72 jardas nos dois jogos finais para bater a sua própria marca. Mas o bom é que o momento é ótimo.  A este respeito, Tannehill tem três performances para mais de  300 jardas nos últimos quatro jogos e cinco na temporada. Esse último número já igualou maior total da equipe desde 1989. O desafio para Tannehill agora é terminar o que começou como um dezembro para se lembrar.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Adivinhem só quem foi eleito o jogador de defesa da semana na AFC?

Do nada para o estrelato...
Poucas histórias podem ser tão impactantes quanto a de Michael Thomas. Ele nem draftado foi, vindo da Universidade Stanford - talvez explicando porque foi parar em San Francisco onde o ex-Coach agora é o HC. Entrou com mais um entre muitos para participar da Training Camp do Niners. Lá conseguiu algum destaque, pois ficou na Pratice Squad. Até chegar na terça-feira em Miami. Fez dois treinos e sem saber os sinais defensivos teve que entrar em campo no lugar do melhor jogador da secundária: Brent Grimes.

Pois é, parece coisa de Hollywood. Talvez até seja um dia, quem sabe. Mas é espetacular o que aconteceu no domingo a tarde. E ele venceu o prêmio de jogador de defesa da semana da AFC. O conto de fadas de Thomas segue. E que o nosso também...

Cenários dos Playoffs: Week 15

Independente do que acontecer, se vencermos as duas iremos aos playoffs...
A menos que você tenha passado os últimos dias em um UTI ou em um retiro espiritual em um local sem qualquer tipo de comunicação, já está sabendo que o Miami Dolphins é dono do seu destino nesta temporada: vencendo Bills fora e o Jets em casa o time irá aos tãos sonhados Playoffs após 5 anos.

Então é fácil chegar lá? Pelo contrário, vencer rivais de divisão sempre possuem obstáculos adicionais, naturais da rivalidade exagerada. E claro e evidente que seria um troféu para os rivais impedirem nossa ida a post-season. Depender apenas de si já é um fato imenso, cheio de significados. Alguém pode perguntar: mas o Ravens está na nossa frente e vence o desempate? Sim, é fato. Mas se o Baltimore vencer as duas terá vencido também o Bengals, que ficaria com 10-6 igual a nós... e nós os vencemos no dia das Bruxas, lembram-se? Portanto, um entre Ravens e Bengals vai ficar atrás de nós. Basta vencer as duas.

Ainda temos chances, estas bem mais remotas, de vencer a divisão. Mas para isso precismos que o Pats perca duas partidas. Até posso esperar que o New England seja derrotado pros Ravens, mas perder em casa pro Bills beira a loucura. Mas é aquela coisa, vai que... 

domingo, 15 de dezembro de 2013

Pick of The Week: uma jogada pro futuro!!!

E um total desconhecido agora é ídolo de uma nação em festa...
O Miami venceu o New England Patriots após sete derrotas seguidas. Venceu em uma partida emocionante, épica e inesquecível. Venceu, assim como na semana passada, na última bola. Venceu com grandes atuações de diferentes jogadores ( Tannehill em modo all-star, Wallace monstro, Clay salvando o time em uma quarta descida que parecia perdida... ), mas coube a um desconhecido os dois últimos lances mais emocionantes da partida. Seu nome? Michael Thomas. 

Quem? Pois é, ninguém sequer sabia que ele estava no elenco. Foi contratado na quinta-feira quando o time colocou Dimitri Patterson na Injured Reserve ( lista daqueles que não mais vão atuar na temporada ). De onde ele veio? Nem sei direito... mas o fato é que ele apareceu como um, desculpem-me o exagero, anjo. Sim, como um anjo. O time perdera, durante a partida, os dois Corners Starters ( Carroll e depois Grimes ) e a secundária passou a ser uma peneira. Ai Thomas chegou do nada e deu tackles seguros, impediu um TD certo tirando a bola das mãos do recebedor e depois fez o que está na foto acima. Epopeia, delírio coletivo, euforia... são tantos os adjetivos possíveis para o que aconteceu nesta tarde no Sun Life que nem sei qual usar...

Só sei que Michael Thomas hoje é nosso héroi. Se ele vai jogar outra partida assim ou se será queimado seguidamente em campo pelos Recebedores rivais pouco importa. Hoje ele é o cara da imagem da semana...

E o milagre aconteceu...

Estes gifs demonstram como a fé é interessante: a velhinha ai ora aos céus por uma interceptação ou para a defesa segurar o último lance. E o milagre veio, pois um total desconhecido chamado Michael Thomas fez o impossível: interceptou o Tom Brady. Não tem como não se emocionar vendo estes dois Gifs. A menos que você esteja na página do time errado...




Ryan Tannehill brilha na maravilhosa vitória contra o poderoso Patriots

Tannehill cresceu bastante na segunda metade da temporada.

Ryan Tannehill sobre o último drive dos Patriots na partida: "Foram os 75 segundos mais longos da minha vida".  Já Mike Wallace disse: "Honestamente? Eu vou morrer dois anos mais cedo. Esse último drive tirou dois anos de minha vida." Com essas frases, podemos resumir qual o sentimento de todo torcedor e jogador do Miami Dolphins, na vitória incrível de 24 a 20 contra o Patriots.  O adversário, com um dos melhores QBs de todos os tempos, é uma equipe perigosa. 

Thomas Edward Patrick Brady Jr, ou simplesmente Tom Brady, é a razão por esse jogo ter sido tão difícil mesmo com seu time devastado por contusões de jogadores chave como Gronkowsky no ataque, e Wilfork na defesa. Tais contusões estão custando caro ao time de New England: US$ 25 milhões de dólares para atletas que estão fora de combate.

Grande jogo de Wallace:  6 REC, 105 Jardas e 1 TD de 39 jardas.
Mas, nossa equipe não tem nada com isso e tinha que ir pra cima mesmo, sonhar com a vitória e acreditar, cada dia mais, na pós-temporada. Algo que não acontece desde 2008. E o Miami Dolphins, que também conta com os seus problemas durante essa temporada, lutou muito e mereceu ganhar a partida. O feito foi atingido através da interceptação de #31 Michael Thomas. Um DB que chegou na terça-feira ao Miami, devido a lesão de Patterson. O mesmo disse que sabia as chamadas, mas não sabia os sinais. Reshad Jones falava pra ele verbalmente. Incrível.

Nosso QB, tão contestado (apenas aqui, entre os fans brasileiros, pois os americanos sempre depositaram muita confiança no garoto), agora mostra o seu valor. Completou 25 passes de 37 tentados, ganhou 312 jardas e anotou 3 TDs e ZERO Ints. Agora, ele tem, na temporada 23 touchdowns e 14 interceptações. O nível do jogo dele melhorou e muito e os resultados começaram a aparecer. Já é a quinta vitória nos últimos 7 jogos e falta apenas uma vitória para Tannehill terminar dezembro de forma invicta.

Mostrou evolução e o time também, principalmente a linha ofensiva, o jogo corrido e o playcalling. Só temos que concordar que a defesa precisa ser mais regular. Tem que acompanhar a evolução do ataque. Mas, graças aos Deuses do FA, na hora agá, ela aparece.

Espero que as coisas só melhorem. Será um belo início de uma nova era no Sul da Flórida.

Dia de celebrar?

Não sei... mas temos uma chance...
Na foto acima os jogadores celebram com Cameron Wake ( sumido no meio do bola ), o Safety que nos deu a vitória diante do Bengals. Desde então nos recuperamos no campeonato e estamos na briga pela post-season. Se vamos chegar nela, é outra coisa.

A partida contra o Patriots, como dito no post anterior a este, é mais do que uma simples vitória. Vale uma senha para uma nova era. Tomara que ele aconteça.. mas se tivermos que perder, que ao menos o Patriots tenha que suar sangue para consegui-la...