sábado, 24 de maio de 2014

Miami age rápido e já assinou com 5 rookies

Fede já assinou. Ele foi o primeiro jogador de sua Universidade a ser draftado na história...
Ao contrário das longas e massantes negociações da era Ireland, Dennis Hickey tem outro estilo e já assinou contrato com 5 dos 8 rookies deste ano. Já estão sob contrato: Walt Aykens, Arthur Lynch, Jordan Tripp, Matt Hazel e Terrence Fede ( foto ).  E já encaminhou bem as negociações com os outros três: Ja'Wuan James, Jarvis Landry e Billy Turner.

Ao menos nisso, ele está melhor do que Ireland.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Rookies Training Camps

Rookies treinando...
Está rolando as chamadas Rookies Camps, o primeiro contato dos novatos com o time, onde conhecem os treinadores e tem acesso aos planos de jogos e outras coisa mais.

Amanhã a noite eu farei um apanhado das principais notícias sobre o evento.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

A última chance de Tannehill?

Agora é a hora?
Li e gostei deste texto do The Phinsider, que demonstra bem o sentimento de todos os torcedores sensatos do Miami Dolphins: agora é a hora para Tannehill mostrar o que pode. Desculpa, não tem mais. Texto apenas adaptado

O Miami Dolphins teve uma offseason de sucesso até aqui, incluindo o Draft da NFL e a Free Agency, especialmente atualizando a linha ofensiva. Nada disso importa, no entanto, se o quarterback Ryan Tannehill não melhorar seu desempenho neste terceiro ano de sua carreira.

No primeiro ano de Tannehill com o Dolphins, ele teve problemas com a consistência, oscilando demãos de uma semana para a semana. O jovem QB de 25 tinha pouco talento a disposição, além do versátil running back Reggie Bush em ascensão( em sua melhor temporada da carreira ) e a ascensão de Brian Hartline.

Segundo ano de Tannehill era coberto de expectativas de melhoras. O ex-Texas A & M terminou o ano com 17 interceptações, mas chegou a end zone em 24 oportunidades ( o dobro do seu ano de rookie ). Ele concluiu quase 60% dos seus passes, mas sua presença no pocket foi irrelevante. Tannehill foi sackado - como todos sabem – 58 vezes em 2013. Na maioria delas devido a uma falta de coesão na linha ofensiva, mas isso não elimina a sua inconsistência na tomada de decisões.

Tannehill lançou para 3.913 jardas na última temporada, não terá nenhuma desculpa para não ir além do que isso em 2014. Ao contrário do ex-gerente geral Jeff Ireland, recém-nomeado GM Dennis Hickey criou seu quarterback para trazer uma mentalidade vencedora para os golfinhos.

Dizer que a terceira temporada é quando o Quarterback deve explodir de vez é chover no molhado, mas neste caso, o tempo de Tannehill está se esgontando. Seu primeiro ano foi uma expectativa de melhora para o futuro, seu segundo ano foi um fracasso devido à falta de química de sua proteção. Este ano, ajudado pela profundidade na linha ofensiva, armas viáveis ​​do lado de fora, bem como no backfield e uma defesa renovada que pode dar a ele mais tempo de descanso, deve ser o ponto de virada para ele.

Knowshon Moreno foi sem dúvida a melhor adição de Hickey até agora. Ele vai se tornar o melhor amigo de Tannehill. Era evidente em Denver que ele é mais do que apenas um tipo de ground and pound, ele é um RB seguro, que dá ao seu quarterback algumas opções interessantes para sair das situações de passes óbvios.

A linha ofensiva tem caras novas em quase todos lugares, exceto a de Center. Brandon Albert se move para solidificar o blindside de Tannehill, Shelley Smith é um jogador sólido, Mike Pouncey é um centro proeminente na NFL, Billy Turner tem uma vantagem no campo aberto e sistemas de bloqueio de zona e Ja'Wuan James foi escolhido simplesmente para fortalecer o lado direito.

Parte do problema da menor produção de Tannehill eram lesões de seus recebedores de impacto. O veterano Tight end Dustin Keller sofreu uma lesão no fim da pré-temporada, Brandon Gibson deixou o com o New England Patriots ( em outubro ) com um lesão no tendão patelar e Hartline saiu de campo na última partida da temporada contra o New York Jets. Mas com um recebedor explosivo como Mike Wallace, um jovem e talentoso como Jarvis Landry e um versátil tight end como Charles Clay é preciso ir além e levar este time a ter um ataque forte.

Teto de Tannehill ainda não foi alcançado. Mas com todas as expectativas consideradas, Hickey e treinador Joe Philbin deram a ele tudo o que podiam fazer. Agora é ver se isso vai dar certo. Depende, somente, de Ryan Tannehill.