sexta-feira, 8 de maio de 2015

Perfil: Tony Lippett,CB/WR - Michigan State

Um talento raro ou uma pick perdida?
Como eu disse no post da escolha de Lippett temos aqui um risco altíssimo, contudo quanto maior é o risco incutido numa escolha maior pode ser o retorno. Para começar o Miami preencheu a ficha de recrutamento como Corner, o que dá um indício de que o time o queira na defesa. Além disso ele tem mais experiencia como Receiver. Os analistas dividem-se em que lado do campo ele possa render mais, mas todos concordam em uma única coisa: ele tem condições de brilhar em qualquer um deles. Assim como pode nem conseguir sobreviver aos cortes dos times. 

Ele chama a atenção, mas muitas equipes consistentes em Drafts poderiam ter escolhido ele. E isso me deixa apreensivo, afinal porque tais equipes optaram por desperdiçar um talento raro? Ou detectaram um bust nato? Como nós temos pouca, ou quase nenhuma, capacidade de desenvolver jogadores isso é um risco mais alto do que um Packers. Agora é aguardar.

Nome: Tony Lippett - Idade: 22 anos ( 02/07/1992 )
Altura: 1,91m - Peso: 87kg
Universidade: Michigan State - Classe: Senior

Pontos Fortes: Pode atuar na defesa e no ataque, quase que com a mesma eficiência. Tem bons instintos e sabe como conseguir distanciamento na marcação e receber bem o passe. Na defesa, tem bom senso de cobertura e sabe usar sua altura e envergaduras para negar passes. Recebendo passes consegue segurar a bola que vai longe do corpo, se esforçando ao máximo para segurar os passes.

Pontos Fracos: Seu físico é uma clara preocupação e precisará ganhar massa muscular para poder encarar marcadores ou recebedores na NFL. Sua velocidade é outra preocupação e não é um bom corredor de rotas mais complexas. Tem problemas ( tanto no ataque quanto na defesa ), quando a jogada tem vários jogadores no mesmo setor.

Resumo: Pode dar muito certo, mas o risco é proporcional. Ele, se for usado como Receiver poderia virar uma arma mais eficiente e onde o time precisará de ajuda imediata. Mas se o time for usá-lo como CB, creio eu que ele terá mais dificuldades para render. Em todo o caso, vale a pena arriscar assim quando se tem 4 picks. Se der errado, será apenas mais uma pick. Já se ele tornar-se um bom/excelente jogador poderemos ter feito um roubo parecido com o que fizemos com Zach Thomas.

Nota: Complicado quantificar uma escolha assim. Até porque é preciso pesar tudo e dar uma opinião - e eu sempre insisto: opinião é prévia. Sendo assim, levando em conta que o time precisava melhorar o seu corpo de WR, mas o time o draftou como CB - onde nao existe tanta carencia assim - eu fico com um B-. Daqui a uns 4 anos ela pode virar um D- ou um A+. Tudo porque o risco da escolha é imenso. Por hora, ela fica num grau mediano. 

Nenhum comentário: