sábado, 14 de março de 2015

Free Agency: Temos um outro TE, um CB e fizemos uma trade sem lógica.

O cara só jogou 10 partidas ano passado...
Depois de comprometer nada menos do que 29,6 milhões do Cap de 2016 ( sim, isso mesmo, 20% do o Cap Total deste ano ), o Miami foi atrás de alguns outros jogadores. E conseguiu alguns, além de ter feito uma trade:
  • Jordan Cameron, TE. Cameron é um jogador de qualidade, não é Top, mas é bom. Desde que fique saudável. Assinou contrato de um ano, já que Cap para 2016 o time não tem mesmo;
  • Brice McCain, CB. Um jogador comum, sem grandes feitos. Vem para ser mais uma opção, sendo a sua única vantagem ele ter experiência em atuar como Nickle CB. No mais, é para composição de elenco;
  • Kenny Stills, WR. O WR estava no Saints e veio via trade, na qual cedemos Dannell Ellerbe e, que coisa, uma escolha de terceiro round. O lado bom da trade é: nos livramos do contrato de Ellerbe e recebemos um jogador que com 2 anos restantes de contrato de rookie. O lado ruim: perdemos uma escolha onde poderíamos conseguir um talento melhor do que Stills. Outra coisa boa: ele é rápido, não que isso vá ajudar em muita coisa num time que tem Wallace e não sabe aproveitá-lo. Enfim, a trade foi ruim por diversos lados e boa só pelo Cap liberado, que será todo usado para pagar Suh.
Ainda sobre a Free Agency, o Miami agora poderá não usar o poder de cobrir a proposta que fizerem por Charles Clay. E ele seria mais um a deixar o Miami. Em todo caso, o time vai precisar dos 7 milhões da Tag.

O mais cruel disso tudo? É que todos os jogadores que chegaram não melhoram o nível do time. Passada mais uma FA, o time segue - quando muito - na mesma de antes da abertura do mercado. Fosse outro time, eu poderia dizer: o Draft vem ai... Sendo o Miami, e com apenas 6 escolhas e com o nosso histórico lamentável, acho que podemos esperar por coisas bem piores...

quarta-feira, 11 de março de 2015

E, enfim. Ndamukong Suh é do Miami Dolphins

Eis a foto. Mas depois não me cobrem por omissão: é um erro feio essa contratação.
Tudo já estava antecipado, tempo de contrato, valor total e o garantido. Não pegou ninguém de surpresa. Aliás, caso não estejam sabendo o time será investigado se teria ou não violado as regras para contratar um jogador. Em tempo - e antes de prosseguir - é preciso dizer que TODOS os times fazem isso, mas só o Miami Dolphins é incompetente a ponto de vazar todas as informações do contrato. E poderá - acreditem - perder a sua escolha de primeiro round no Draft deste ano. Miami é Miami, todos sabemos...

Falando de Suh: ele é, possivelmente, o melhor DT da NFL hoje. Vai melhorar, sim, o nível do setor caso jogue ao seu mais alto nível. E aqui reside o primeiro grande problema: alguns jogadores simplesmente ficam molengas após assinarem o contrato de suas vidas. Tantos são os exemplos que eu vou citar apenas um da mesma posição: Albert Haynesworth, o primeiro jogador a assinar um contrato de 100 milhões. Nunca mais foi o mesmo. É um risco sério, não é corneta como agora sou acusado por quem gosta de Ryan Tannehill... É o que vai acontecer? Eu não sei. é claro, mas ele não vai mudar o patamar do time. Não viramos uma equipe de post-season porque ele assinou conosco. Simples assim.

Ainda sobre Suh em si: não era a maior carência do time. Nem a segunda. Discutivelmente poderia ser a terceira. Quando um time com carências tão latentes como as nossas fecha os olhos e contrata um jogador onde era, talvez, melhor, fica difícil concordar. Eu sei que muitos torcedores que escrevem em outro espaço vão postar apenas os lados positivos. Mas este local tem uma características: falar a verdade de quem escreve, não a de quem lê o blog. Assim sempre foi e assim sempre será. 

Sobre a Free Agency: diversos bons jogadores estavam disponíveis, mas o time resolveu pagar 19mi por ano para Suh. Times vencedores são feitos no Draft. Essa é a máxima mais verdadeira possível depois da instituição do Salaty Cap nos anos 90. A última grande equipe a vencer com jogadores obtidos no mercado foi o Washington Redskins. Curiosamente a equipe que menos consegue vencer algo - até sua divisão - desde então.

A temporada 2015 já estava perdida a muito tempo, desde 2012. Agora eu reafirmo: a de 2016 também. Possivelmente a de 2017. Mas é claro, poucos terão a coragem de dizer isso. Eu tenho. E digo. E pouco me importo com o que acham disso. Seguirei falando o que penso. 

Os índices de acessos ao Blog seguem os mesmos, só para avisar...

terça-feira, 10 de março de 2015

Respondendo ao leitor

Com todo respeito, mas não consigo te entender cara, Miami pegou o melhor free agent em décadas,um cara que vai fazer a defesa jogar melhor por pressionar o qb adversário, que vai fazer Wake e Vernon muitas vezes ficar mano a mano, lógico que o valor é muito alto, mas é o que se paga na free agency. com Suh, miami so precisa achar um CB e FS, o resto da pra pegar no draft que tem muitos valores interessantes. No mais vc precisa ter mais otimismo, parece que os dolphins são um Raiders da vida

 O comentário acima é do Vitor Hugo, que ainda está cadastrado para escrever no Blog. Vou pontuar algumas partes antes de responder em si:

a) Claro que Ndakomung Suh é all-star. Todo mundo sabe disso, eu incluso;
b) O Valor é fora da realidade. Um JJ Watt vale isso. E no máximo outros 2. E olhe lá;
c) Wake e Vernon precisam sim de ajuda, mas o sistema atual é adequado?
d) Você está apostando no Draft? Não se esqueça como somos bons nisso;
e) Todo ano tem valores interessantes e nós pegamos jogadores comuns ou quando muito que não precisamos naquele momento. Lembra de alguém?
f) Eu não me permito mais ser otimista. Não dá, cansei faz tempo. Serei realista até o time me provar o contrário;
g) Bom, a gente só consegue surrar o Raiders. Deve ter algum motivo...

Indo mais além na resposta, além do post que fiz antes de ver seu comentário, o que dizer além de que o time não passa confiança. A única coisa que o Miami Dolphins não consegue falhar é em nos decepcionar. Todas as vezes nestes anos todos pós-Marino que eu achei que o time iria mandar bem na temporada, o time decepcionou, fora 2000 e 2001. Nos outros, eu sempre comecei temporada pensando: este é o ano. E sempre acontecia algo, alguma ( ou várias ) porcaria vinham pelo Draft e tudo desmoronava. Em 2007 os analistas colocaram o Miami entre os times com mais chances de chegar ao Super Bowl... e eu embarquei nessa. Bom, nem preciso dizer mais nada...

Em 2008 foi a única temporada em que entrei com medo. O time fizera 1-15 na anterior e não parecia nada animadora a off-season. Mas o time foi lá, aproveitou-se do fato do Pats estarem sem Brady e venceu. Depois, bom, você sabe bem...

Este ano, tenha certeza disso, Ryan Tannehill terá suas 5 ou 6 partidas no seu melhor ( ou seria correto dizer pior? ) estilo: entregando os jogos. Depois, vai fazer 3 ou 4 em bom ( uma delas em alto ) nível, o time vai fazer 7-9, outro 8-8 ou - com sorte - 9-7 e todos os que o defendem dirão: esse é o QB. Ai o time vai empacar 120 milhões nele e... bom, nem preciso dizer o que isso vai resultar...

Suh poderá até ser Jogador de Defesa atuando em Miami. Mas não é a primeira, nem a segunda necessidade do time. A primeira, nesta off-season seria um CB ou um OLB. A segunda - primeira em termos de pensamentos futuros - é a mesma desde a off-season de 2000: um QB de elite. Além disso, times vitoriosos são montados no Draft. Mas eita, Draft e Miami Dolphins são como água e vinho: não se misturam.

Mas é claro, eu estou entre os poucos que pensam assim. Enquanto isso, a cada ano ficamos - sim - mais parecidos com o Raiders. E eu odeio isso...

Desilusões

Me sinto assim a anos...
Alguns acham, não sei porque, que eu não gosto do Miami Dolphins. Sinceramente, porque que raios e manteria um blog a quase 8 anos se não gostasse do time? Porque cargas d'água eu iria debater sobre FA em diversos locais nestes anos todos se odiasse o time? Enfim, quem pensa isso ou é burro, ou é idiota ou não é torcedor do Miami. Quem pensar assim, escolha a opção que o melhor descrever... Adiante.

O time do Miami Dolphins é especialista em ferrar a temporada antes de sequer chegar no Draft. E quando, por ventura, a off-season e a Free Agency não foram desastrosas, o time faz o o pior draft possível. A quantidade de excelentes jogadores que desperdiçamos é tão grande, mas tão grande que nem compensa fazer um post sobre isso ( aliás, eu já fz isso, buscam ai no arquivo ). Só o fato de termos passado, duas vezes, Drew Brees, esnobar Aaron Rodgers e termos sido avisados duas vezes para draftar Russell Wilson dá uma ideia. O time de jogadores excelentes que poderiam estar em Miami seria o melhor da NFL. Talvez seria... talvez não, mas com certeza seria 100% melhor do que a porcaria que temos...

Os mais jovens não viveram, sequer, uma temporada como time grande. Nem venham me falar da temporada de 2008, porque a cada ano que passa fica mais claro que aquilo foi obra, 100%, do acaso. Tivesse sido planejamento, o time teria - ao menos, voltado a post-season em 2010. Aliás, aquela temporada foi sem Tom Brady, convém lembrar. Por nunca terem visto o grande Miami Dolphins - pra ser bem rigoroso nem eu vi, mas o time do fim dos anos 90 era SUPER respeitado - ficam achando que duas temporadas de 8-8 é melhorar. Afinal, nunca tinham visto ( fora 2008 ), uma temporada em que time ficasse ser ter um saldo negativo de vitórias.

Este é o problema central: achar que, porque não piorou esteja melhor. Achar que, ficar ZERADO é bom. Não, não é. O time não consegue nem varrer Bills e Jets. E tivesse conseguido isso nas últimas 3 temporadas, em todas teríamos ido para os playoffs. Que futuro tem um time que consegue a proeza de perder para Bills e Jets? Nenhum, para ser preciso...

Em poucas horas o time irá anunciar Ndamukong Suh segundo todas as fontes. Ele passará a ser, apenas, o jogador de defesa mais bem pago da história da NFL. Ele que é totalmente o oposto do tipo de jogador que o time vem contratando ou draftando na Era Philbin ( que deveria ter terminado em 2012 ). É sujo, é desleal e covarde. Apesar de ter excelentes números, é preciso dizer. Mas 114 milhões por 6 anos de contrato é muita grana. Pode dar certo? Sim, ele pelo meio, com Wake e Vernon de lado pode ser, de fato, o terror para Tom Brady e cia... mas e o ataque? E a secundária?

Ano que vem Ryan Tannehill será Free Agent. E se o time se dispõe a pagar isso por um DT, quanto não terá que pagar por Tannehill? Pois bem, eu decreto aqui e agora: a temporada 2016 já está perdida, com grandes chances de 2017 e 2018 entraram no rolo também. Sim, a de 2016, não a de 2015. Essa foi perdida quando em 2012 draftamos o "queridinho"... só que eu pensava que o time aprenderia com os seus intermináveis erros. 

Mas aqui é Miami Dolphins, e errar nunca é o bastante.

domingo, 8 de março de 2015

Ninguém consegue estragar uma temporada antes do Draft como o Miami Dolphins

Realmente é tudo o que time precisa é de um DT...
Meu medo vai se confirmando o cada dia: o Miami Dolphins está virando um América na NFL. Não entendeu? O América do Rio de Janeiro foi grande no futebol carioca um dia. Era equipe forte, tradicional e respeitada. Com o passar dos anos, sobretudo a partir dos anos 80, começou a cair no ostracismo e hoje em dia nem joga mais a primeira divisão. Ou se formos usar uma franquia da própria NFL, hoje somos um Raiders do lado leste da AFC. Patético. Estamos acima do Teto do Salário estipulado pela Liga, mesmo tendo um elenco frágil em diversas posições e sem, a pior parte, um Quarterback Top Ten. Se tivéssemos ainda ia... mas não temos. E pouco me importo se eu sou praticamente o único com essa opinião. Eu penso assim e não irei mudar de opinião.

Pois bem, a matéria abaixo é do site Quinto Quarto e é de matar de raiva. O Miami vai empatar 114 milhões para contratar Ndamukong Suh em um contrato de 6 anos. Ele tem 28 atualmente e se cumprir o contrato todo, terminará com 34 anos. Um risco e tanto. Mas ao menos, alguém pode dizer, o jogador rende em campo. Sim, rende... mas é o tipo de jogador que Joe Philbin varreu do elenco quando assumiu o Miami, lembram? Pois é, o time doou Brandon Marshall para ficar com Ryan Tannehill... e, bom nós tem o Tannehill que não faz nada. Por falar em Marshall ele foi para os Jets... Leiam a matéria e tirem suas próprias conclusões, levando em conta que no ano que vem, o próprio Tannehill estará atrás de renovar seu contrato...

Dolphins ficam perto de acordo gigantesco com Ndamukong Suh

O defensive tackle Ndamukong Suh está perto de tornar-se o jogador de defesa mais bem pago da história da NFL. Só falta assinar, na próxima terça-feira, o contrato de 114 milhões de dólares oferecido pelo Miami Dolphins, que tem que tem seis anos de duração.

Dirigentes da equipe da Flórida se reuniram com o agente do jogador, Jimmy Sexton, e concordaram que 60 milhões de dólares já seriam garantidos na assinatura do acordo. A proposta de Miami superou a dos outros times, inclusive a do Detroit Lions, que queria manter o jogador no elenco de 2015.

Nos parâmetros acertados entre as duas partes, Suh ganhará em média 19 milhões de dólares por cada um dos seis anos de contrato. A proposta dos Lions é de 17 milhões de dólares por ano, além de um bônus de 58 milhões de dólares. Outras equipes ainda correm bem por fora para conseguir Suh, como Bears, Jaguars e Raiders.

O acordo deve ser o mais chamativo da abertura do mercado, na próxima terça-feira. O que faz o torcedor dos Dolphins acreditar ainda mais no acordo é a vontade do dono do clube, Stephen Ross, que já disse estar determinado a investir forte no período de free agency.

Com 28 anos e cinco temporadas em Detroit, Suh foi selecionado para quatro Pro Bowls e é considerado um dos melhores jogadores de defesa da liga desde que foi recrutado na segunda escolha geral do draft de 2010. Em cinco anos, jogou em 78 dos 80 jogos da temporada regular disputados pelos Lions, fazendo 238 tackles, 36 sacks, dois fumbles forçados e uma interceptação. Em Miami, ele tem tudo para aumentar a força da linha defensiva dos Dolphins, que já conta com outros Pro Bowlers, como Cameron Wake e Randy Starks.