sábado, 12 de dezembro de 2015

Um olhar sobre o elenco, por setores, e a necessidade de reforço via Draft/Free Agency

Temos muito o que melhorar, mas saber onde e como é o fundamental...
Times, em todos os esportes, nunca estão 100% prontos. Sempre falta alguma coisa. Ok, o Dream Team de 1992 não tinha buracos, mas é a exceção que confirma a regra. Nos esportes dos EUA, com Draft e limites salariais, os GMs sempre terão que fazer escolhas complexas: manter aquela estrela ou voltar-se para o draft? Manter um time coeso ou ter 3 ou 4 super salários? Existem exemplos aos montes e o meu Lakers parece ser um caso a ser estudado ( e sobretudo não ser seguido ) pelas outras franquias.

Na NFL, dada a magnitude dos elencos, sempre saem e entram jogadores. Em franquias vencedoras porque falta Cap e em times perdedores porque falta projeção para carreira dos atletas draftados. Algumas, por ficarem no meio do caminho e nao conseguirem vencer, sempre dao contratos insanos a Free Agents que saíram para encherem o bolso de grana ( alguém ai pensou em Mike Wallace e Ndamukong Suh? ). Enfim, sempre vai ter um Miami achando que vai tornar-se vencedor pela Free Agency. Para cada equipe que venceu usando a Free Agency tem 10 que venceram via draft. Essa é a realidade.

Quem é o All-Star desta equipe que veio pelo Draft? Nosso Center Mike Pouncey? O irregular Reshad Jones? Jarvis Landry já merece essa pecha? Talvez mereça, talvez seja forçar a barra. Pode ser que DeVante Parker vire... pode ser. Alguém mais? Olivier Vernon não é, com certeza. Nem Lamar Miller. Enfim, eu poderia ficar aqui citando todos os Starters que vieram do Draft e talvez só achemos 2 que podem ser considerados - forçando a barra para isso - All-Star. O Bills tem 2, o Jets tem ao menos 4. o Browns tem 2 ( e eles sao ruins pacas )...

Por isso irei olhar setor por setor numa análise crítica e densa, olhando quem está hoje, as perspectivas de evolução dos atuais jogadores do setor, a necessidade de reforço e se o faria no Draft. Acho que no ano que vem deveremos esquecer a Free Agency por um motivo bem claro: os contratos de Branden Albert, Ryan Tannehill e Ndamukong Suh - somados - vão ocupar 50 milhões no Cap, um terço do total que teremos para gastar. E isso tendo que assinar com vários jogadores Starters, tais como Lamar Miller, Olivier Vernon, Cameron Wake e cia...

Um setor por dia. Começando neste sábado com os... Quarterbacks, é claro. Poderia ser outro o setor? Acho que não...

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Draft 2016: Miami saiu do Top Ten após a, inútil, vitória contra o Ravens

Quem será que iremos escolher para Goodell chamar em 2016?
O Miami entrou na semana 13 ocupando a posição de número 7 do próximo draft. Saiu dela ocupando a posição de número 11, ficando assim fora do Top Ten. Tivesse perdido e o time teria a pick 4. Por isso eu lamento a vitória - desnecessária - de domingo diante do Ravens. Mas só para contrariar mais um pouco o time vai vencer mais 2 jogos até o fim da temporada para ficar com 7-9 e escolher ali pelo meio do draft.

Até porque aqui, como sabemos, é Miami. E isso representa ser incompetente ao extremo. Abaixo como está a ordem atualmente:


quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Segunda é dia do re-encontro entre dois grandes amigos

Odell Beckham Jr e Jarvis Landry: uma espetacular dupla saída de LSU
E o Miami jogará no próximo Monday Night, diante do New York Giants. Um jogo que para eles é de vida ou morte. Já para nós... é apenas mais um jogo de uma temporada tenebrosa. Mas para dois jogadores é hora de - pela primeira - se verem em lados opostos. Jarvis Landry e Odell Beckham Jr viveram dias memoráveis em LSU. O camisa 3 saiu no primeiro round e o camisa 80 no segundo. Segundo alguns analistas os dois eram do mesmo naipe, mas números melhores deram mais hype para Beckham, que tem chocado a todos na NFL. Landry, que de tao bom jogador eu custo acreditar que foi o Miami a draftá-lo - caiu um pouco por questões físicas e foi escolhido no segundo round. 

Ambos tem mostrado na Liga tudo o que faziam em LSU e tem carreiras promissoras. Beckham até aqui leva vantagem na NFL, mas Landry tem cavado seu espaço, apesar de ter um QB muito pior e uma franquia altamente competente... em ser desorganizada. 

Segunda é dia de ver os dois em ação. E em horário nobre. Os amigos com certeza serão o foco das atenções.



terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Tá achando ruim mais uma temporada sofrível? Bom, ela pode ficar pior, bem pior...

Jets estaria no Wild Card e o Bills tem boas chances...
A temporada, mais uma entre inúmeras, é um fiasco. Eu cantei a bola aqui bem cedo. Aliás em meus sonhos pós-Draft 2012 é que esta teria sido uma temporada de reconstrução, no pós-Tannehill. Como todos sabem, ao invés de largar o péssimo Quarterback o Miami fez justamente o contrário e ele agora tem contrato até 2020, recebendo 41 milhões de dólares garantidos num total de 96 milhões. Nós tornamos rico um QB comum e ferramos - ao menos - mais 2 temporadas depois dessa. Coisas que só Miami consegue fazer. Adiante.

Ficar de fora até que é algo corriqueiro. O que não é normal é correr o risco de ser a única equipe da divisão a ficar de fora da post-season. Sim isso é possível. Olhe bem a imagem acima e perceba que o Jets estaria classificado hoje. E que os Bills são o segundo time fora da briga. Esqueça e ignore que o Miami Dolphins é o quinto fora: nossas chances de post-season são NULAS. No desempate perdemos para todos os times a frente ( exceto o Texans ) e esta equipe "comandada" por Ryan Tannehill jamais vencerá as 4 partidas restantes. É simplesmente impossível... Só para lembrar: o Bills é a equipe da NFL a mais tempo fora dos Playoffs. Se eles forem, claro que ficaremos como o time da AFC Leste a mais tempo, mas não viramos o time da NFL a mais tempo, mas ficaremos perto disso, a frente de potencias como Raiders, Jaguars, Browns...

Isso nos permite olhar por outro espectro a temporada: com um QB melhor e uns LBs o time poderia estar, facilmente, com um 8-4, folgado na briga pelo Wild Card e ainda com chances - pequenas - de post-season. Parece impossível? Então pensem comigo: o time perdeu para Jaguars, para o Cowboys, 2 vezes pra Jets e Bills. Se tivesse trocado derrotas com rivais de divisão e derrotado o Jaguars o time já estaria com 8-4. Um QB melhor do que Tannehill já seria o suficiente para vencer 2 partidas a mais do que temos. Com 1 LB Top e uma OL pouca coisa melhor... pois é, mas o que temos é isso em campo e um 5-7.

Junte-se a isso o risco do Pats vencerem o Super Bowl pela quinta vez e temos que o que está ruim pode ficar pior... e em se tratando do Miami...


domingo, 6 de dezembro de 2015

Week 13: Ravens 13 x Dolphins 15 - Vencer é bom mas tem hora ela é inútil...

Landry foi discreto. algo raro na temporada...
Antes de falar da partida uma explicação: eu QUERO um time vencedor, nem que para isso el precise TANKAR agora de olho no draft do ano seguinte. Tivéssemos feito isso em 2011 Andrew Luck seria nosso Quarterback. Acho que só isso mostra como para ser VENCEDOR às vezes é necessário passar alguma vergonha. O problema é passar vergonha todo ano e nunca sair da porcaria que este time é há quase duas décadas. Sendo assim, a vitória é comemorável mas inútil. Aliás é mais o que o Miami Dolphins fez estes anos foi vencer quando perder era melhor. É apenas mais uma. Infelizmente...

Sobre a partida, a defesa ganhou o jogo. Durante vários anos atuando como QB Starter do Texans Matt Schaub castigou demais o Miami, três vezes com viradas nos instantes finais, com requinte de crueldade. Hoje foi, digamos assim, o dia da forra: uma pick six e uma interceptação, de Reshad Jones que 100% de certeza vai para o seu segundo Pro Bowl ( ele conseguiu sua 4 interceptação ).

Tannehill? Bom, ele lançou um Touchdown lindo de se ver para DeVante Parker ( a quem eu cornetara ), mas fora isso, quase nada. Acertou 9 de 19 passes para 86 jardas. Contudo, é verdade, quebrou uma de suas sequencias de partidas com interceptações. Lamar Miller correu muito mas... ficou sem Touchdown e ainda cometeu um fumble tosco que quase nos levava a derrota.

A defesa foi melhor no primeiro tempo do que no segundo mas deu-nos mais uma vitória este ano. Aliás das 5 que temos só duas ficam na conta do ataque. O time agora está 5-7 e ficamos mais distantes do Top Five ( onde eu adoraria que o time escolhesse ). Talvez ainda consigamos vencer mais 2 partidas, sempre sem necessidade. Fica aqui a torcida que algo de espetacular aconteça no Draft do ano que vem. Tipo o que ocorreu em 1983... é do que precisamos.