sexta-feira, 16 de setembro de 2016

O TNF de ontem entre Jets e Bills foi uma péssima notícia para o Dolphins

Nossos rivais pelo segundo potos da AFC Leste mostraram suas armas ontem...
A temporada do Miami Dolphins apenas viveu sua primeira partida ( e também derrota ), mas já existem indícios para ficarmos bastante preocupados. Não obstante a inoperância do ataque e as falhas grotescas na defesa, eis que Jets e Bills atuaram em um nível muito alto ontem, sobretudo o time de NY. 

Ryan Fitzpatrick ( primeiro jogador de Havard a ter sucesso na NFL ) fez uma partida praticamente perfeita, espalhando os alvos e conseguindo 374 jardas em uma defesa melhor do que a nossa ( mas não muito ). Além disso o time verde da Big Apple teve um Matt Forte pra lá de inspiradíssimo totalizando 100 jardas ( mesmo que em 30 carregadas ), com 3 TDs!!! Some-se a isso que Brandon Marshall ( 101 jardas / 6 recepções ), Eric Decker ( 126 jardas / recepções ) e Quincy Enunwa ( 92 jardas / 6 recepções ) e temos um cenário nada interessante para nossa frágil defesa.

Mas o Bills também mostrou força, porque poucos serão os times que marcarão 30 ou mais pontos no time do Jets. Tyrod Taylor conseguiu 297 jardas contra a forte defesa do rival, passando para 3 Tds e uma interceptação. Não é uma atuação espetacular, mas a defesa do Jets é forte, muito mais forte do que a nossa. E na boa, eu não vejo como nosso QB possa fazer números assim contra os Jets. O jogo corrido dos Bills não foi assim tão bem, mas um jogador no final, em um passe, fez um TD que permitiu ao time de Buffalo sonhar com uma virada. Seu nome? Mike Gillisllee... lembram dele? Pois é, mais uma jogador que saí de Miami e vai render no nosso rival.

Podemos vencer as 4 partidas contra os dois rivais? Sim, tudo em tese é possível... mas a senha dada ontem não aponta neste sentido. E domingo ainda tem os Pats em Foxborough, no inóspito Gillete Stadium. E ainda tem que ache que vamos a post-season...

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Parabéns Daniel Constantine Marino, Jr.

A lenda completa 55 anos...
Hoje é aniversário da Lenda. Todo torcedor do Miami Dolphins sabem muito bem quem ele é. E o que ele representa para nós. E que pena que ele não possa entrar em campo no domingo...

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Week 1 - Dolphins 10 x 12 Seattle: Temporada nova mas os problemas seguem os mesmos

A defesa pressionou e conseguiu turnovers, mas ainda está aquém do que precisamos...
Nosso jogo corrido segue inexistindo, com meras 65 jardas...
A proteção segue ruim, apesar de tudo que foi feito... foram 5 sacks ontem.
E na hora de decidir sempre alguém erra, como na recepção acima que decidiu a partida
A partida, todos já sabíamos disso, era complicadíssima: fora de casa no estádio mais inóspito para o visitante de toda a NFL. Nosso time está muito longe de ser uma equipe decente e o Seahawks é um Super Bowl contender. Mas o Miami consegue sempre arrumar uma maneira de nos decepcionar mesmo em partidas assim. Foi o caso de ontem. Antes de falar dos lances, em si, quero falar dos dados que mostram como nosso ataque não melhorou NADA em relação a 2015:


Nenhum time consegue vencer na NFL completando menos de 25% das suas tentativas de terceiras descidas. E menos ainda com apenas 11 first downs em toda a partida ( sendo que até perto do final do terceiro quarto eram apenas 4 ). E o que dizer de mal conseguir passar das 200 jardas? O que eu quero dizer com isso? Que o ataque não melhorou NADA em relação a 2015. Eu já disse isso? Pois é, vou repetir pela terceira vez: o ataque não melhorou NADA em relação a 2015.

Voltando ao que rolou na partida, vou começar pelo que foi o pior ontem: Kenny Stills dropou um passe perfeito de Ryan Tannehill. Você não leu errado, eu disse que Tannehill deu um passe perfeito e que o WR perdeu um TD certo. Tão certo que ele, possivelmente, já estava pensando era na comemoração antes de realizá-la. Erro grosseiro que mostra mais uma vez como escolhemos e contratamos mal. Chances assim contra uma das melhores ( se não a melhor ) secundária da NFL às vezes nem aparecem na partida, mas quando aparecem devem ser finalizadas. O drive terminou em ZERO pontos, portanto, a vitória foi perdida ali, mesmo que não saísse o TD - por algum outro motivo sobrenatural - ao menos um FG seria marcado. Quer dizer, se o nosso Kicker acertasse... mas isso é outra história.

Nosso Front Seven fez o que pode, pressionou muito a OL adversária e mesmo que os 3 sacks não sejam um número espetacular, segurou um ataque que costuma marcar 20 pontos ficar limitado 12. Russell Wilson teve que se virar, correndo e tentando passes fora do que está acostumado, tanto que foi interceptado. Faltou foi ajuda dos LBs e, sobretudo, da Secundária que abriu o bico na hora de decidir ao deixar livre um WR numa quarta para 4 jardas quando o time vencia por 10x6. E o que é pior: num lance claro de passe. Depois comeram mosca no lance que decidiu a partida. Enfim, tudo dentro do esperado: os três grupos da defesa estão em claro desnivelamento e isso cobrará seu preço na temporada. Ontem já cobrou.

O ataque... bom, o ataque é como eu nunca me canso de falar o problema do time. Numa liga de poderosos ataques aéreos, se seu time tiver um meia boca ele não irá a lugar algum. Uma solução seria ter um efetivo jogo corrido, vide o Vikings com AP2K, mas isso está cada vez mais raro. 65 jardas terrestres é algo vergonhoso, patético, bizarro... mas eu estava ciente disso. Alguns ai achavam que seria diferente, mas eu jamais fiz parte destes. E outra: se tirarmos as 17 jardas de Tannehill... acho que isso encerra o assunto. No passe... bom, sem QB de elite não dá para esperar muito mesmo. Tannehill tentou espalhar seus alvos e - crítica de alguns aos outros Coordenadores - realizou os "audibles", mudando jogadas de acordo com o que percebia da defesa. Acontece que para fazer isso necessita-se de uma capacidade impar de leitura das defesas. E isso é algo que nem todos QBs possuem, ficando restrito a pouquíssimos. E Ryan Tannehill não faz parte deste limitado grupo. Ele foi mal na partida? Acredito que não, mas também não fez o diferente, o algo a mais. Sobretudo quando o time recuperou a bola com fumble ele falhou bisonhamente em conseguir o TD que daria a liderança - e quem sabe a vitória - deixando com o Kicker conseguir 3 pontos para empatar o jogo. E ai... bom, o chute foi bloqueado. 

E aqui vem o segundo problema: o Miami marcou ZERO pontos nos Turnovers que forçou do Seattle. E não se vence partidas assim. Perdemos e era o esperado. Mas eu imaginava que o time mostrasse alguma evolução. Ao que parece - apenas um milagre evitará isso - iremos vencer partidas contra times fracos ou que atuem mal no dia e perderemos para todos os mais fortes que não bobearem. Em suma, pela primeira impressão iremos ter outra temporada entre 4 e 7 vitórias. Nem vai pra post-season e nem fica com uma pick Top Five. 

E pelo o que o Patriots fez ontem em Glendale é bom ficarmos preocupados... bem preocupados com a visita a Nova Inglaterra, pois a Era Gase começou com os mesmos problemas que a tempos vivenciamos e sem respostas para eles. E, para variar, começamos mais uma temporada com derrota. E uma outra se avizinha...

domingo, 11 de setembro de 2016

Week 1 - Dolphins at Seahawks: 3 pontos cruciais da partida

Não como não lembrar que ele poderia ser o nosso QB...
Neste domingo iremos até o mais barulhento estádio da NFL, encarar um dos times mais bem organizados, com técnico, elenco e torcida de nos fazer morrer de inveja. E iremos encarar o QB Russell Wilson, que no fatídico Draft de 2012 nós recebemos 2 alertas para que o escolhêssemos. Uma do seu treinador em Wisconsin e outra pelo HOF Bob Griese. Infelizmente fecharam os olhos para os avisos e o que temos é Ryan Tannehill e 4 temporadas sem termos mais vitórias do que derrotas.

Mas o jogo de amanhã, é claro, todos sabem que para vencermos não poderemos contar com o nosso QB(??), porque ele não tem capacidade para vencer uma partida assim. Contudo, caso vençamos - algo pra lá de improvável - ela passará por outros caminhos, no caso de amanhã por 3. Vamos a eles:
  1. Mario Williams vs Bradley Sowell - Nossa DL é, com certeza, o que temos de melhor na defesa, mas... Mario Williams vem de temporadas decepcionantes e precisará de uma atuação ótima amanhã caso queira superar Sowell e chegar em Wilson. Conseguirá? Aguardemos, mas o histórico recente joga contra ele. Adicionalmente, uma atuação de fala da DL nos ajudaria a vencer a partida, como fez o Rams ano passado ao conseguir 6 sacks em Wilson;
  2. Ja'Wuan James vs Cliff Avril - Nosso desperdício de pick de 2 Drafts atrás terá tarefa dura para proteger Tannehill. Avril é experiente e forte. James precisará mostrar que evoluiu e que superou a lesão que o afastou de parte da temporada 2015. Se ele perder este combate, podem contar com pelo menos 3 interceptações de Tannehill;
  3. Arian Foster vs Bobby Wagner - Ajaiy está fora, Drake já tem TODA a cara de Bust e sobrou para o ex-atleta em atividade ser o RB Starter do Miami amanhã. Pior cenário impossível, certo? Errado, o jogo é contra o Seahawaks, uma das melhores defesas de toda a NFL. E Wagner será o jogador que deve ficar de olho em Foster. Duvido que Wagner tenha perdido um único segundo de sono. Já Foster...
Se obtivermos vantagem nestes 3 pontos, poderemos ter uma chance. De uns 10%... mas teremos.