domingo, 14 de maio de 2017

Que tal darmos uma olhada na Classe do Draft de 2015?

Parker é quem tem rendido bem até aqui...
Falamos muito no Draft nestes últimos dias. Algo natural, temos novos rookies com os quais contamos para salvar a franquia. Claro e evidente que todos também sabemos que é errado apostar tudo em uma Classe, porque é um processo que envolve escolher bem durante um bom período. É assim que, talvez, uma franquia chegue ao paraíso. Talvez porque não é uma ciência exata, pois envolve desenvolvimento dos jogadores e controle absurdamente rigoroso do Salary Cap. Dar 120 milhões para um DT e outros 100 milhões para um QB meia boca não vai neste sentido, é preciso dizer. Se escolher e bem torrar bilhões sem critério você acabará perdendo bons jogadores ( Lamar Miller e Olivier Vernon por exemplo ) por falta de espaço. E ai...

Bom, de tempos em tempos é bom olhar para trás e ver como saiu-se determinada classe. De 2010 para baixo não temos mais nenhum atleta no elenco. De 2013 também não. De 2012 só Tannhehill. A de 2014 é uma das mais produtivas atualmente e a de 2016 ainda está tentando se provar. Sobra, portanto, a de 2015. E sobre ela que irei falar um pouco hoje.

A Classe foi essa:
  • 1º Round - DeVante Parker, WR - Louisville;
  • 2º Round - Jordan Phillips, DR - Oklahoma;
  • 4º Round - Jamil Douglas, OG - Arizona State;
  • 5º Round - Bobby McCain, CB - Memphins;
  • 5º Round - Jay Ajayi, RB - Boise State;
  • 5º Round - Cedric Thompson, S - Minnesota;
  • 5º Round - Tony Lippett, CB - Michigan State.
Antes uma explicação: o Miami trocara Darnell Ellerbe e sua escolha de 3º round por Kenny Stills, bem como as escolhas de 6º e 7º nas trocas de Mike Wallace ( para o Vikings ) e por um OT que catamos dos Ravens ainda na temporada anterior. Adiante...

A classe teve 7 jogadores. Vamos primeiro aos que não deram, nada, certo: Jamil Douglas e Cedric Thompson. O primeiro foi cortado no começo de 2016 sem deixar qualquer surpresa com isso. Ele assinou com o Patriots e está lá até hoje. Já Thompson foi cortado, ainda passou pelo Vikings e hoje está fora da NFL.

Temos 2 Starters na lista: Parker e Ajayi. O primeiro foi a aposta "segura" do time. escolhendo alguém com capacidade comprovada para ser Starter enquanto que Ajayi foi realmente uma aposta, nada segura segundo alguns. E ela se provou - até aqui - melhor que Parker, Ajayi já está na lista de grandes feitos da Liga e mesmo que nunca mais faça nada será lembrado positivamente por nós. Claro que por depender de um QB - e nós não temos um - atrapalha demais a vida de Parker, mas ele também não fez por merecer muito mais. Está se desenvolvendo e ao lado de Landry forma uma boa dupla, mas está atrás do produto de LSU quando era para ser o contrário. Ajayi tem tudo para superar a marca das 1,5 jardas com certa facilidade este ano. 

E temos os que são mais ou menos porque não viraram Starters e nem são nulidades. Jordan Phillips tem ajudado muito na rotação e agora deve virar titular, isso se não for engolido por Godchoux. McCain e Lippett tem sido usados na rotação e em alguns casos até como titulares, por conta de contusões. O time poderia ter conseguido mais nos anos seguintes, mas é isso que temos.

A Classe não é espetacular, algo raríssimo quando escolhemos em Draft, mas está longe de ser a pior. Bem longe por sinal...

Nenhum comentário: