sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Não importa o quanto seja reforçada, a OL dos Dolphins seguem não prestando

Pouncey e cia não tem jogada nada bem...
Existem várias maneiras de observar o ano de 2017 do Miami Dolphins. Nenhuma delas é boa ou animadora, infelizmente. Inexiste talento bruto de alto nível que possa ser desenvolvido na maioria dos setores. Tirante os já - para mim - estabelecidos Jarvis Landry e DeVante Parker acho a qualidade do jovens jogadores pouco animadora. Charles Harris talvez venha mesmo a ser um bom substituto, mas não parece que será uma estrela. Cordrea Tankersly dá indícios que vire um Starter decente, mas também não me passa confiança de que vá se tornar um all-star. Existem outros que poderiam ser citados. mas o texto de hoje é sobre a OL.

O time vem gastando picks e mais picks em drafts seguidos e o setor simplesmente não melhora. Alguns sites colocam o setor entre os 10 piores da temporada e é simplesmente impossível discordar deles. Como encontrar argumentos para contrapor isso se o setor não fornece sequer o básico para o QB e o RB do time? A temporada magnífica de Jay Ajayi não vai sair do papel e a culpa, claro, não é dele. Esforço e dedicação dele são irretocáveis. Ele dá tudo o que tem, mas batendo contra a parede, não tem muito o que fazer.

Se o setor fosse ruim, porque usassemos apenas picks de middle round para buscar reforços, ok. Mas não, o time gastou 2 picks de 1º round no setor em drafts recentes: o inútil Ja'Wuan James e o até aqui "indefinido" Laremy Tunsil. Se o primeiro foi um reach insano - pior a cada dia que vemos atletas escolhidos depois dele virarem estrelas - o segundo foi, ao menos, uma boa sacada no draft de 2016. Acontece que os 2 estão tendo uma temporada bem discreta, para ser bonzinho. Mas a culpa é só deles, quando o Coach do setor cheira cocaína em notas de 100 dólares do vestiário após uma atuação tenebrosa em campo?

Mike Pouncey é ídolo, é all-star mas talvez o seu tempo tenha passado. Suas, poucas, atuações em 2016 mostraram o jogador espetacular que ele é, mas o de 2017 mostra que as lesões minaram seu talento. Algo que vimos acontecer com Jake Long, o first overall pick de 2008. Aliás, o segundo escolhido naquele draft é o QB que iremos encarar no domingo. Se o Pouncey das poucas partidas do ano passado der as caras, ok. Mas até aqui, ele não deu... e nem acho que dirá presente até o fim da temporada. Uma pena.

O time não tem Guards confiáveis desde... bom, desde Ritchie Incognito. Vocês conhecem bem minha opinião sobre o Bullying Gate, que aquilo só possível porque Joe Philbin resolveu, para não milindrar o jovem QB, limar do vestiários todos os veteranos que pudesse representar uma má influência. Ficamos sem o talento de Brandon Marshall ( a época um dos 3 melhores WRs da Liga ) e de Vontae Davis e isso cobrou seu preço. Os Guards atuais não servem para muita coisa, mas Incognito jogava. E como jogava. Foi para os Bills e jogou até Pro-Bowl!!!

Voltando ao começo, temos que fazer uma análise realista: o time tem buracos imensos, alguns piorados com relação à 2016. Este time não está a uma estrela na defesa ou na OL de virar um time temido. Você não cobre tantos espaços num único draft. E no de 2017 não cobrimos carência alguma, por mais que Harris possa evoluir, a não escolha de LBs cobra agora seu preço. Mas o time escolher um no segundo round Flávio, azar se ele se machucou. Será que McMillan sozinho resolveria o problema nos LBs do time?? Acho que é querer demais de um calouro, não? Mas temos 2 DTs no elenco...

Meu medo é que, em nome de "proteger" o QB que ganha igual ao Aaron Rodgers, o time resolve investir é na OL... não que não precise, porque sim precisa. Mas é que reforçar via draft não tem adiantado...

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Uma vitória enganosa...

Landry conseguiu um TD. Aleluia!!!!
Vencer é, basicamente, o objetivo de todos os esportes profissionais. Entre vencer jogando mal e perder jogando bonito, eu claramente prefiro a segunda opção. Mas quando se perde e vence jogando mal, ai tem algum problema. Em 4 partidas até aqui, o Miami Dolphins não teve aquela atuação de time confiável. E é capaz que não tenha durante toda a temporada.

E aqui chegamos a uma dúvida eterna nos esportes: vencer jogando mal ou perder jogando bem. Basicamente, vencer é o objetivo de todos os esportes, coisa pra lá de óbvia. Mas jogar bem e perder, pode demonstrar que o time tenhas perspectivas de crescimento futuro. Vencer jogando, exceto numa casualidade muito grande, significa que o time esteja fazendo mais do que pode. E em que situação estamos em 2017?

Eu tendo a crer que no pior dos mundos: a OL não rende - falarei dela dura a semana, os LBs são um desastre e a secundária... tirando Reshad Jones falta qualidade demais por ai. É triste ver a defesa dos Dolphins em campo, tirando a nossa DL que anda monstruosa. Mas a defesa é um conjunto, não apenas um grupo de 4 jogadores que alinham contra a OL adversária. Em tempo, Charles Harris conseguiu seu primeiro sack. Ele não tem desapontado, tem feito uma evolução até que boa, mas não dá sinais de que será uma estrela. Até aqui, que fique claro.

E o ataque... bom, o "mago" Adam Gase não tem feito das suas. O time não melhorou basicamente nada entre o jogo contra os Chargers na estreia e este com os Titans. A qualidade dos adversários é que nos permitiram vencer 2 jogos, não nossas qualidades. Não por outro motivo, foi graças a erros de Field Goal que as vitórias foram conseguidas nos dois 2 casos. Contra Jets e Saints nem isso salvaria...

Ter Jay Cutler é parecido com aquele cara que volta para a namorada que lhe pôs chifres: todos sabem que vai dar no mesmo resultado, mas ele  - o corno - acredita que dessa vai dar certo. Todos sabiam antecipadamente que daria errado. Menos Adam Gase. E agora estamos pagando o pato. Salvo um súbita melhora da água para o vinho, iremos ficar com um 6-10. Que nem nos daria a chance de escolher um playmaker nato e nem ir para a post-season. A temporada de Jay Ajayi foi pro ralo, porque a OL não rende. Sobram os WRs ótimos, mas sem QB para lançar para ele. É uma pena ver tanto talento desperdiçado.

A vitória veio, mas a sinalização não é das melhores. Nossa defesa fica muito tempo em campo e assim cansa no fim, porque o ataque não tem capacidade de mover-se. Somando isso a falta de qualidade dos LBs e dos CBs... poderia ser pior: o time não ter a DL que tem. E n domingo o QB que vai lançar do outro lado é do Matt "the ice" Ryan... tenham pesadelos desde já...

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Week 5: Titans 10 x 16 Dolphins - Reshad Jones salva!!!

"in Reshad Jones we trust!!!!"
Eu confesso: não tive coragem de ver a partida. Fiquei entre meus sobrinhos que moram fora, a partida entre Jaguars x Steelers e o jogo Sim City 5. E pelo visto, não perdi grandes coisas. A não ser a mítica atuação do cara acima: Reshad Jones que, praticamente sozinho, ganhou o jogo pros Dolphins.

Sim, praticamente sozinho. Recuperou 2 fumbles, retornou um para TD demonstrando grande esperteza e inteligência, ao perceber que os árbitros não tinham parado a jogada. Conseguiu lances vigorosos e sobressaiu-se antes a falta de qualidade que impera ao seu redor na secundária. Enfim, ele foi o cara da partida.

Mas o ataque... meu Deus do Céu. Se Adam Gase é o mago dos ataques eu não quero conhecer quem seja ruim em termos de ataque. Não adianta culpar apenas Jay Cutler, porque eu não acredito que Ryan Tannehill faria diferente. Duvidam? Bom, quem viu a partida entre Cowboys e Packers jamais duvidaria. Como todos sabem, Tannehill ganha o mesmo salário que... Aaron Rodgers. Acho que isso resume a questão.

Jay Ajayi parece perdido, mas ai a OL tb não ajuda. E nosso Coach de OL foi demitido porque simplesmente tirou ( ou deixou ser fotografado ) uma foto cheirando cocaína!!! Pois é, até quando vencemos os problemas aparecem. E por falar em problemas, os LBs e os CBs seguem sendo o que eu sabia que seriam: horríveis!!! Teve momentos em que Matt Cassell parecia até um Tom Brady...

Mas tem a DL, sua linda!!! 6 sacks conseguidos, muitas pressões e tudo mais. Sem um grande número de faltas dessa vez, para ajudar. No mais, uma vitória sem grandes brilhos que, em tese, pode mais atrapalhar no final do ano que ajudar. Mas é bom fazermos as contas: 41 pontos em 4 partidas dá uma media ligeiramente acima de 10... e isso é sofrível. 

Como ademais, tende ser a temporada inteira...

domingo, 8 de outubro de 2017

Week 5: Titans x Dolphins - Vencer ou pensar em 2018

Uma dupla sensacional, não aproveitada...
Daqui a pouco o Miami Dolphins recebe o Tennessee Titans numa partida que, se não vencer já estaremos fora de qualquer chance de post-season. Pode parecer cedo, mas ficaremos 1-3 faltando 12 partidas, das quais 2 são contra o Patriots, o que nos deixaria com chance de vencer apenas 10. Sendo assim, o time só poderia perder mais uma dessas partidas e temos jogos contra Falcons, Buccs e cia... isso sem falar que já perdemos para os Jets e ainda teremos 2 partidas com os Bills, que lideram a divisão..

Contra os Titans não enfrentaremos o QB Marcus Mariota, que está machucado, mas a defesa dele é fortíssima. Ao menos o jogo corrido deles terão sérias dificuldades contra nossa DL, que é uma das melhores neste quesito. Assim sendo, a defesa não será tão exigida nos passes como foi diante dos Saints, mas também fora incrivelmente diante dos Jets, com o Josh McCown!!!

Se vencermos, teremos ainda alguma chance de post-season ( hoje eu digo que elas são praticamente descartáveis/inexistentes ), mas ainda ficaríamos sonhando. Perdendo, como eu disse, as chances seriam ZERO. Se perder, eu não vou querer que o nem vença mais. É duro dizer isso, mas ter uma escolha no Top Tree poderia trazer-nos um craque para melhorar a defesa de fato.

Por enquanto, sigamos buscando as vitórias. Mas se não vencer, 2018 vira o alvo. Infelizmente...