quinta-feira, 8 de março de 2018

O Plano do Dolphins é não ter plano algum...

Veremos esta cena diversas vezes este ano...
Existem pessoas que acreditam, ainda, que os Dolphins tenham planejamento. Balela, tem 30 anos - ao menos - que isso não existe no time. É tudo na base da próxima temporada, na base do esperar que tudo dê certo. As escolhas quando são feitas não seguem uma estratégia maior, tipo escolher um QB num ano e no ano seguinte um WR e no terceiro um RB. Ou focar na defesa num ano e no outro pensar no ataque. Talvez por isso nem defesa e nem ataque prestem...

Quando veio a Free Agency de 2017 o time tinha um claro e real problema: 1 WR do elenco sem contrato ( Stills ), um com apenas aquela temporada com contrato ( Landry ) e o outro com 2 anos restantes ( Parker ). Se existisse um plano, tendo em vista produção e qualidade dos jogadores, o contrato a ser renovado/estendido seria o de Landry e na off-season seguinte, o de Parker. Jogadores como Kenny Stills não descartáveis, porque só tem uma finalidade em campo: a bola longa. Nada mais. E detalhe: o time escolher Jakeem Grant justamente pela velocidade em 2016 no Draft. 

Mas estamos falando dos Dolphins. E não custa nada lembrar que Ryan Tannehill - e não, ele não será malhado neste post - voltava de uma séria contusão e, obviamente, precisaria do seu melhor receiver alegre e satisfeito em campo, com o contrato renovado. O que os Dolphins fizeram? Renovaram com o terceiro "melhor" recebedor do elenco e disseram que durante a temporada tratariam da renovação. Atenção para esta parte, porque é aqui que as coisas se complicam... antes de passar, lembro que o time deu 28mi para Andrew Branch ( DE Reserva ) e outro tanto para Kiko Alonso. Ambos receberão perto de 10mi este ano. Alonso ao menos é titular...

Quando veio o Draft, o time passou os LBs para catar um DE - sim, um DE. Depois fez escolhas menos questionáveis, embora 2 DT no quinto e sexto round tenha sido algo estranho. Mas nada que mudasse o preço do dólar. Na TC, tudo ia bem... até que Tannehill desmoronou em campo, sozinho. Pânico geral, sobretudo entre aqueles que o veem como um QB de elite ( acreditem, tem quem ache isso ). Neste momento, os Dolphins esqueceram que tinha 15mi de espaço no Cap e que este montante poderia ser salvo para 2018 e assim, ter uma boa folga no Cap. E que com este valor, seria muito mais fácil assinar com Landry. Aqui neste momento, fica evidente a ausência de um plano: se a situação de Tannehill dentro da franquia seguiria a mesma - concordemos com isso ou não - o que seria mais fácil em 2018 para ele? Ter um WR All-Star como Landry em campo ou não?

Assinar por 13 milhões com Jay Cutler foi a comprovação cabal da ausência de um plano. Até porque o time paga 6mi por ano para Matt Moore para dizer que tem o melhor back-up da Liga. Mas quando o titular se machuca você nega a ele o direito de comandar o time? Esqueçam a qualidade dele, pensem na ausência de um plano e vejam se os 6mi não teriam sido melhor usados para manter Olivier Vernon e/ou Lamar Miller? Com Cutler em Miami, não tinha-se mais como assinar com Landry.

E Landry jogou como se nada tivesse acontecido. Correu, apanhou, sofreu e até mesmo foi expulso de campo. Sempre dando 110% em campo, nunca reclamando, nunca fazendo corpo mole. Ao fim da temporada, ao que se sabe, a proposta oferecida tinha uma diferença de 4mi e 1 ano a menos do que ele queria... e merecia. O resto, todos sabem. Agora pensem, que sem ele em campo, as coisas serão bem mais complexas na volta de Ryan Tannehill. Ele precisaria de conforto, com uma OL melhor e com um jogo corrido eficiente, mas seguramente o essencial é ter os alvos confiáveis. E o único que o time tem/tinha vai ser trocado... Sabe-se em troco do quê...

Então amigos, a conclusão é triste: o plano dos Dolphins é não ter plano algum. Somente isso pode explicar tamanhos e assombrosos erros cometidos até agora. E eu não nutro mais esperanças de que isso vá mudar. E outra: lembram do salário surreal dado a Branch? Pois é, o time draftou um DE no primeiro round ano passado e agora trouxe outro DE ao custo de uma escolha de quarto round. Branch e Harris serão reservas este ano, com quase 100% de certeza. Valeu a pena o contrato dado a Branch e a pick gasta em Harris?? A DL é hoje o melhor setor do time, mas será que ela sozinha nos levará para a post-season??

A bengala para outra temporada mediana de Ryan Tannehill já está dada. Será a falta de um alvo de elite. E tudo recomeçará novamente em 2019... Pois o Plano é não ter plano algum...

Nenhum comentário: