segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Pílulas do dia seguinte: E não é que estamos 2-0 e liderando a AFC Leste?

TJ McDonald agindo na hora certa com raro senso de antecipação...
assim como Xavien Howard fez na End Zone. 
Albert Wilson desencantou com um TD...
assim como Kenyan Drake, que tem produzido pouco para os muitos esperam dele.
Ryan Tannehill correu bem mas cometeu um fumble tenebroso.

Antes de mais nada: o Miami Dolphins lideram a AFC Leste. Por mais incrível que possa parecer isso é verdade. Mas nem tudo são flores e não serei eu a varrer os problemas para debaixo do tapete. Não gostam que eu faça isso e eu nem me importo com isso. Sei que muitos gostam e eu faço isso porque gosto de escrever sobre os Dolphins, não para agradar ninguém. Adiante.

Feito este preâmbulo, vamos ao ponto crucial: o ataque. Ainda estamos esperando pelo mago dos ataques, que até agora não deu as caras em Miami. E trago uma imagem para mostrar isso:


Observem nossa posição em Jardas Totais e em Jardas de Passe. E detalhe: neste momento em que escrevo o Seattle Seahawks e o Chicago Bears estão jogando e, portanto, podemos piorar neste ranking. E a 14ª posição em pontos não é exatamente algo que possamos nos vangloriar. Se pegarmos apenas os RBs Kenyan Drake e Frank Gore a média é bem menor, mas é preciso pontuar que temos tido boas corridas de WRs e, claro, de Ryan Tannehill. Ontem o QB correu mais do que todo o time dos Jets ( 42 jds ), o que é sintomático. Precisamos de mais do ataque, sobretudo porque as defesas que enfrentamos estão bem longe da elite da Liga.

E a defesa? Aqui os dados do NFL.com:


A situação é diametralmente oposta. E até mesmo um certo número ruim, o de jardas cedidas no passe não é exatamente ruim. Como assim Flávio? É que nossa defesa forçou vários turnovers na temporada e quando isso acontece, você pega a bola em boa posição e marca seus pontos ( o que o ataque tem feito mais que antes, é preciso dizer ) e o adversário tem que insistir novamente e novamente. São fumbles e interceptações que viraram pontos no ataque, que por sua vez explicam - em parte - a baixa produção do ataque. E como Bears e Seahawks atuam agora no MNF o time poderá subir posições neste ranking defensivo. O fato é um só: a defesa está atuando muito bem, mas é preciso ter cuidado, porque os ataques que encaramos também não são dos melhores. Mas é animador este começo.

Uma estatística aleatória provocou uma certa discussão nas redes sociais: Ryan Tannehill está 9-1 nas últimas 10 partidas em que começou como Starter. Os fãs de Tannehill dizem que isso é espetacular, mas outros podem dizem que isso não queira dizer muita coisa. Ele também teve um rating alto ontem, o que também dividiu opiniões. Eu acho que ele atua num playbook muito conservador, com passes curtos em excessos. Assim ele tem percentual de erros baixíssimos, mas também produz bem poucos, como os números comprovam. Em todo caso, ele foi melhor ontem do que na primeira partida, mesmo que com menos jardas.

Domingo receberemos os Raiders ( 0-2 ) com chances reais de fazer 3-0. Contudo, o Oakland é mais forte do que Titans e Jets e forçarão nossa defesa mais do que os 2 primeiros rivais. Nosso ataque precisará jogar mais, porque a defesa tende a sofrer mais pontos e talvez não dê tão boas posições de campo. A conferir como se desenrolará o confronto. Lembrando que na semana 4 teremos só o NE Patriots, em Foxbrough no Gillete Stadium. E ai, o nível subirá de vez.

Por hora, aproveitemos a liderança. E que Gase e cia corrijam os erros que não sumiram da semana 1 para a 2. Mas que precisam, ao menos, diminuir para a semana 3, sem falar para 4.

#phinsup

Nenhum comentário: