segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Habemus Head Coach: Brian Flores já está em Miami

Brian Flores é o nosso Head Coach
Enquanto escrevo, Brian Flores já concede entrevista como novo Head Coach dos Dolphins, o décimo desde 2004 e o 13º em nossa História. Será o primeiro com ascendência latina ( o que surpreende demais ) e o primeiro negro que será Head Coach ( Pat Bowles foi interino e por isso não o conto como Head Coach. Antes de prosseguir, os nomes, temporadas e recorde de todos os antecessores em ordem cronológica;
  • George Wilson ( 66-69 ) teve como recorde 15-39-2. Jamais esteve na post-season, mas sob seu comando, vários dos jogadores que chocariam a NFL em 1972 foram draftados ou adquiridos;
  • Don Shula ( 70/94 ) o melhor de todos os Head Coachs da História já era um dos melhores quando foi contratado por Joe Robbie em 1970, num assédio que a Liga puniu com a perde de uma escolha de draft e que, desde então, norteia as conversas para contratação. Vencer 2 Super Bowls, perdeu outros 3. É até hoje o recordista de vitórias. Ao todo conseguiu 274 conosco, perdendo 147 e empatando 2. Desde que ele parou ( ou foi parado ) em 1994, o time venceu - atenção - a divisão apenas 3 vezes, venceu 4 partidas de post-season e não tem recorde desde a sua saída até os dias atuais. Na era dele, apenas 2 vezes - sim 2 míseras vezes - tivemos mais derrotas do que vitórias e em nenhuma delas vencemos menos de 5 partidas;
  • Jimmy Johnson ( 96/99 ) foi contratado tentando seguir o que dera certo com Shula, uma que Jimmy comandara os Cowboys na conquista de 3 Super Bowls. Pois é, sem Aykman ( embora tivesse Marino ), Smith e Irving tudo deu errado e ele terminou sua conturbada passagem com saldo de 38/31. Ficou marcado pelo desastre em Jacksonville na despedida de Marino: 62x7;
  • Dave Wannstetd ( 2000-2004 ) foi o último Coach com saldo positivo a frente do Miami Dolphins. Pegou o time no pós-Marino e se querem saber, foi bem. Com ele o time venceu a divisão 2 vezes, foi a post-season 2 vezes e embora tenha tomado porrada na post-season, não fosse a falta de paciência da Diretoria, talvez tivesse dado certo. Em quase 4 temporadas venceu 43 partidas e perdeu 33. Também ficou conhecido por perder um Monday Night contra os Jets de forma extremamente humilhante, em 2001;
  • Jim Bates ( 2004 ) o primeiro interino da história de Miami. Assumiu o time que estava 1-8 e fez 3-4. Foi muito bem, se querem saber;
  • Nick Saban ( 2005/2006 ) tinha tudo para dar certo. Uma lenda ( já naquela época ) em Luisiania State University ( ou apenas LSU ), ele veio para ser o novo Don Shula. O problema é que só existiu e só existirá um Don Shula. E Saban, a despeito do sucesso atual em Alabama, foi péssimo em Miami. Separou os vestiário do ataque e defesa, fez diversos ( acredite, alguns parecem coisa de imbecil mesmo ) negócios horrorosos e não fez nada de bom. Pediu o boné em 2006 e foi embora pra Alabama. O resto é história. Ah, ele passou A-Rod e escolheu Daunte Culpeppe ao invés de Drew Brees. Venceu 15 partidas e perdeu 17;
  • Cam Cameron ( 2007 ). O que dizer deste cara? Recorram ao histórico do Blog e vocês verão. Não sugiro fazer isso. É o Coach da pior temporada do Miami Dolphins. E draftou Ted Ginn. Precisa de mais? Doou um tal de Wes Welker para os Pats. Se não souberem em 2007 fizemos 1-15;
  • Tony Sparano ( 2008/2011 ) último Coach a vencer a Divisão. Foi sem Tom Brady, é fato, mas venceu quebrando a sequência dos Pats na post-season. Já é muito, certo? Não exatamente. Depois de 2008 tudo deu errado, vieram Pat White (  quem lembra dele? ), Jared Odrick e cia. Foi humilhado ao ficar como Head Coach depois de Stephen Ross se reunir com Jim Harbaugh e não o contratar, e nem dispensar Sparano. conseguiu 29-32 como recorde. Ele morreu de infarto no ano passado;
  • Todd Bowles ( 2011 ) é o segundo interino do Miami e tem mais vitórias que derrotas ( 2-1 ), mas quem liga para isso mesmo? Com elas ficamos em oitavo no Draft e com a escolha draftamos um QB pra lá de meia-boca;
  • Joe Philbin ( 2012/2015 ) parecia uma boa. Fez 7-9 em sua primeira temporada, dando alguns sinais de que poderia melhorar o time nos anos seguintes. Mas não foi o que aconteceu. Também, com Tannehill de QB não tinha como ser vencedor mesmo e ele tentou mudar os rumos tentando draftar Derek Carr ( hoje nos Raiders ), mas não deixaram. Foi demitido durante a temporada de 2015, após o time ficar 1-3 e no geral com 24-28;
  • Dan Campbell ( 2015 ) terceiro interino dos Dolphins. Fez até que bonito, ao conseguir 5-7, mas não conseguiu o cargo de Head Coach para 2016. Uma pena;
  • Adam Gase ( 2016/2018 ) primeiro Coach a nos recolocar na post-season desde 2008, mas... depois tudo deu errado. Não fez seguro ( draftar um QB ) para a contusão de Tannehill e ai começou a trazer QBs seus para Miami: primeiro o aposentado Jay Cutler depois o grande Brock Osweiller. Desandou tudo e ainda fez doações de duas estrelas ( Jay Ajayi e Jarvis Landry ) porque eles não cabiam no seu esquema. Não vai deixar qualquer saudade. No geral ficou com 23-25, mas que é bem pior do que parece, dadas as traumáticas derrotas por falta de treino. Isso mesmo, falta de treino!!!!
Flores chega para se juntar a esta turma ai. Tomara que com ele, tenhamos uma Florida bem mais florida. É, eu sei, um trocadilho ruim... mas ele ao menos mostrou muita coisa ontem - infelizmente, é claro - para nos animar. E sem - digamos assim - grandes "estrelas" da NFL para isso. Que repita isso em Miami.

Uptade: ele já foi apresentado e uma das suas frase foi "Ser um treinador nesta liga é um sonho tornado realidade, ser treinador principal do Miami Dolphins é um sonho tornado realidade. Esta é uma grande organização com uma grande história, com uma grande base de fãs e estou animado para estar aqui. "

Nenhum comentário: