segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Week 6 - Rams 14 x 17 - Philbin e um feito e tanto

Joe Philbin torna-se um dos Coachs a alcançar a terceira vitória mais cedo na NFL. Ele não é o primeiro da lista e o mais recente a fazê-lo foi Jim Harbaugh, mas é um feito e tanto o do nosso Head Coach. Só como comparativo os seus dois antecessores levaram 12 ( Cam Cameron ) e 7 ( Tony Sparano ) partidas. Dos Coachs pós Don Shula apenas Jimmy Johnson e David Wanstead ( 5 ), conseguiram tal feito em menos partidas. E pensar que ele poderia ter conseguido essas mesmas três vitórias em apenas 4 jogos, caso não tivesse perdido - de forma patética diga-se - para Jest e Cards. Mas parabéns a Coach Joe, que parece estar fadado ao caminho das vitórias. Ele tem feito por onde e nós merecemos dias melhores, que aparentemente, estão de volta. Ah, e Coach Joe terá tempo para aprimorar a tropa para enfrentar - de novo - os Jest, mas só na Week 8. Na próxima é o nosso Bye Week.

Week 6 - Rams 14 x 17 Dolphins - Taylor e Thomas no HOF Dolphins

Antes de fazer o post da partida ( prometo fazê-lo sem falta, ainda hoje ), vai uma justa homenagem que a direção do Miami fez durante o intervalo da partida, colocando os dois maiores jogadores de nossa recente ( e infelizmente sofrida ) história entre aqueles que são considerados imortais: o MLB Zach Thomas e o DE/OLB Jason Taylor.

Para mim é um prazer poder dizer que acompanhei de perto a carreira dos dois. Thomas foi draftado em 1996 no quinto ( isso mesmo, acredite se puder ) round daquele draft. Não por acaso é o nosso maior achado de nossa história em Drafts ( e recentemente foi listado como o 4º maior achado em toda a história da Liga!!! ). Era considerado pequeno, mas sua vitalidade e entrega dentro de campo compensavam qualquer problema de estatura. Melhor ILB que eu vi jogar na Liga. Em seu período de auge ( 1999-2003 ) não tinha pra ninguém. Thomas era o tipo de jogador que dava 110% em qualquer momento do jogo, pouco importando o placar. Ressalte-se que era mais dedicado ainda ( se é que isso fosse possível ) quando estava perdendo. E fazia seus companheiros renderem mais do que sem ele em campo. A partir de 2005 uma série de contusões o minaram e ( graças a Deus ) ficou de fora do sofrimento da temporada de 2007. De fato ele não merecia viver aquilo. 

Já Jason Taylor é o meu ídolo. Sua técnica, força e inteligência complementavam a abnegação e astúcia de Thomas. Taylor foi draftado em 1997 no terceiro round ( outro achado, não é mesmo? ) e logo viraria o melhor DE de sua era. Respeitado pelos companheiros e temido pelos rivais ( adivinhem só de quem um tal de Tom Brady mais apanhou na carreira? ), Taylor é uma sumidade em termos de ser um dos melhores DE de todos os tempos. Certeza ser eleito pro HOF quando puder concorrer ( o que acontece 5 anos após a aposentadoria ). Foi eleito MVP Defensivo em 2006, foi o Homem do ano da NFL em 2007, conseguiu mais de 120 sacks e é dono da maiores dos recordes da franquia para um defensor. Outro que sempre deu a alma em campo. E que nem mesmo uma passagem pelo Jets  fez com que perdesse sequer um fã em Miami. Todos nós entedemos que ele buscava aquilo que infelizmente não poderiamos dar-lhe: um anel de campeão. Mas Taylor é daquele jogadores que a falta de um Super Bowl não o diminuem em nada. Como diria certo narrador, pior do Vince Lombardi.

Eles agora estão entre os imortais do Dolphins. Lugar onde, aliás, sempre estiveram.

 

domingo, 14 de outubro de 2012

Week 6 - Rams at Dolphins

Semana passada tivemos aquela que eu disse ser a última chance. Portanto agora teremos quem mantê-la viva, já que conseguimos vencer o Bengals. Estaremos dianjeff te de um rival de porte parecido e que é treinado por aquele que poderia ter sido nosso Coach, Jeff Fisher. Jogo em casa por isso é importante, como quase sempre, vencer. Desde que não entreguemos a bola de graça pro rival, as chances são boas. Não irei ver o começo da partida, mas o segundo tempo irei ver e postar aqui o desempenho do primeiro tempo.