sábado, 14 de setembro de 2013

PAPO CRUZADO: ROUND 3

Pelos rostos é fácil saber quem venceu ano passado...

Olá amigos do blog Undefeat Team! Mais uma vez, o amigo Flávio Vieira nos convida para falar do Colts antes de um duelo entre os nossos times. Pois bem, aqui estou eu...

Assim como o Miami Dolphins, o Indianapolis Colts estreou com vitória na última semana. O triunfo era previsto, já que o adversário foi o Oakland Raiders, porém a vitória foi difícil. A defesa não conseguiu parar o quarterback Terrelle Pryor, que quase venceu o jogo com as pernas. Porém, Andrew Luck comandou outra virada no último quarto.

Mesmo com a vitória, o time recebeu muitas críticas. A mais notável foi realizada por Jim Irsay, dono do time, que cobrou uma melhor proteção para Andrew Luck. Então, desconfio que o time esteja mordido.

A defesa, que parou muito bem McFadden, tem tudo para fazer o mesmo contra Lamar Miller. Mesmo com Ryan Tannehill lançando muito melhor que Pryor, não criará as mesmas oportunidades fora do pocket. Ofensivamente, a defesa dos Dolphins criará problemas, especialmente na linha defensiva. Porém, acredito que o Colts também produzirá muito mais do que fez na última semana.

Por isso, acredito que levaremos o terceiro round do duelo. Porém, através de um jogo muito aperto. Uma derrota também não seria nenhuma grande surpresa.

Até a próxima, Dolphins fans!


Paulo Netto.

Vem ai Papo Cruzado 3.0

Eu e o meu amigo Paulo Neto, do Colts Brasil, temos uma tradição que permanecerá amanhã: o Papo Cruzado. Amanhã pela terceira vez na história, iremos trocar textos falando da partida. Ele falará pra vocês sobre o jogo e eu pros Colts fãs...

Até aqui 2x0 pra ele, uma com Manning e outra, ano passado, com Andrew Luck. Será que agora será a nossa vez? Seja como for, o bom é manter a amizade, ainda apenas no virtual, mas que um dia, tenho certeza, se concretizará na vida real. 

Aguardem e comentem.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Será que iremos emplacar um membro no Hall da Fama?

A equipe que cuida da eleição dos membros do Hall da Fama para 2014 divulgou os 126 nomes elegíveis para concorrer a uma das 6 ou 7 vagas ( seguidamente vem sendo eleitos 7 a mais de 8 anos ). Entre estes existem 11 jogadores com alguma ligação com o Dolphins. Tem desde jogadores que mal vestiram nossa camisa ( Trent Green, QB de 2007 ) a ex-coachs ( Jimmy Johnson - 1996/99 ). Mas que foram grandes com nossa camisa, existem 4 nomes: Mark Clayton ( WR 1983/92 ) Zach Thomas ( LB 1996/2007 ),  e os DBs Sam Madison ( 1997/2005 ) e Patrick Surtain ( 1998/2004 ).

Clayton vem tentando entrar pro Hall da Fama desde 1997. E nada parece apontar que ele vá conseguir agora, pois existem jogadores em sua posição com feitos melhores ( que tal Marvin Harrison é desta turma? ) e que jogadores como ele acabam ficando no limbo, ou seja, sem conseguir entrar. Portanto, eu o coloco como carta fora do baralho.

Dentre os outros 3, eu destaco com mais chances Zach Thomas. É um All-Star nato e seus números ( fabulosos ) falam por si. Se ele tivesse vencido um anel de Super Bowl seria talvez melhor até do que Ray Lewis. Por isso sou contra esta tendência de valorizar em excesso aqueles que tenham vencido em detrimento do que não. Thomas tinha o biotipo errado pra posição ( era baixo ) e comandou uma defesa - com poucos outros talentos - a uma das melhores de sua época. A concorrência é grande, mas ele tem chances boas. Merece, sem dúvida um lugar em Canton, no estado de Ohio.

Os outros dois, pra mim tem poucas chances, quase nulas. Primeiro porque raramente são eleitos mais de um jogador por time ( exceto quando de épocas distintas, ou seja, um da atualidade e outro da período pré-Super Bowl ). Como os 3 jogaram juntos, a tendência é que os votos migrem pra Thomas, que teve melhor carreira. Mas tanto Surtain quanto Madison fizeram por merecer estarem no Hall da Fama, mas muitos outros também merecem e a concorrência é grande e desleal ( pela quantidade de grande jogadores ). Se tivesse que apostar em alguém, eu colocaria minhas fichas em Madison, que foi um jogador mais completo. Mas podem acabar tendo o mesmo destino de Mark Clayton.





segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Pic of the Week - Sobrando confiança?

Joe Philbin muito mais feliz que Rob Chudzinski. Sobrando confiança para Coach Joe não?
Esta imagem é do encontro entre os Treinadores antes da partida começar. Dá pra perceber o nível de confiança do nosso Head Coach? Já o adversário parecia, digamos assim, menos descontraído. Será que os dois sabiam o que lhe reservavam a partida? Vai saber, mas que agora esta ficou com ares proféticos, isso é inegável. 

E você leitor, gostou da foto escolhida?

domingo, 8 de setembro de 2013

Week 1 - Dolphins 23 x 10 - Finalmente vencendo em abertura de temporada

O Miami venceu o Browns hoje em um jogo atípico. E em mais de um sentido. Mas o mais importante foi vencer. Precisamos de ao menos 10 vitórias para pensar em post-season, portanto faltam 9. Mas para vencer outras 9, o time vai ter que jogar mais do que hoje no ataque. Os 23 pontos podem deixar uma impressão de sucesso, mas não foi bem assim. Mas o importante é vencer, sempre é importante, pois desde 2010 o time não vencia em abertura de temporada. Vamos a uma análise por setores que funcionaram e os que deixaram a desejar:


FUNCIONOU

  • Pass Rush. Deu gosto de ver a atuação do nosso Front Seven. Cameron Wake começou simplesmente engolindo a OL do Browns, e olha que não é qualquer uma não. Ele terminou a partida com nada menos do que 2,5 sacks. Ele foi muito bem ajudado por Randy Starks, que dividiu um sack com ele e ainda fez outro, bem como fizeram um Derrick Shelby e Dion Jordan. Lindo de se ver.

  • Secundária. Faz tanto tempo que eu nem me lembro mais, diz uma letra de música dos anos 70. Pois eu não consigo lembrar quando tínhamos conseguido 3 interceptações em uma partida. Dimitri Patterson fez duas, uma delas lindíssima, e Nolan Carroll - que diria, né? - fez outra. Mas isso tem que ser relativizado um pouco, pois não será todo dia que o QB do outro lado será Brandon Weeden, vamos combinar? Mas enfim, foi uma ótima, mesmo que o time tenha levado quase 300 jds, mas é que Weeden ficou mais tempo com a bola. 

  • Jogo de passe. Fiquei sem saber se colocava aqui ou não. Pode perfeitamente estar no que funcionou quanto no que não funcionou. Explicando: Tannehill nem foi bom nem ruim. Isso é possível? Sim, é acreditem. O time conseguiu 3 interceptações no primeiro tempo e marcou apenas 3 pontos nessas situações. Aliás, o time só marcou 6 pontos no primeiro tempo. Ainda na parte de não funcionar, fica a interceptação de rookie que Tannehill lançou. Alguns dirão que o passe foi defletido. Sim, foi mesmo, mas o passe foi péssimo e por isso foi defletido. Mas tem o lado, digamos assim, bom é claro: Tannehill conseguiu seu primeiro TD em abertura de temporada e conseguiu uma boa produção de jardas e relação de passes acertados. Contudo, as deep balls não funcionaram e ele passou de ser interceptado outras duas vezes. Atuação regular ou que deu pro gasto, mas que diante de um Falcons vai resultar em derrota. Hartline teve uma atuação excelente, Wallace fez apenas figuração, Gibson mostrou útil e Clay apareceu bem em momento cruciais.

NÃO FUNCIONOU

  •  Jogo Corrido e/ou Linha Ofensiva. O Miami avançou impressionantes 20 jardas em 23 tentativas. Precisa dizer mais? Bom, nem deveria mas é preciso pontuar duas coisas: a) se for apenas o RBs, estamos mal pagos, pois teremos poucos o que fazer para resolver o problema; b) se o problema for na OL, e é o que parece, treino e dedicação podem amenizar o problema. Porque eu acredito que foi a OL quem não conseguiu abrir espaços? Os 2 RBs usados ( Thomas e Miller ) tiveram produção ruim, pífia até. Thomas até que conseguiu mais jardas, mas ainda assim produziu muito pouco. Ele ao menos fez um TD. Mas é preciso pontuar: uma semana de treinos não tem como produzir milagres.
  • Play Calling. É, passou um ano e o jogo do time segue num conservadorismo de dar raiva. Ai eu fico na dúvida: é assim porque falta audácia e capacidade para Mike Sherman ou porque Tannehill e os RBs são fracos? Se for a primeira opção é péssimo e se for a segunda mais ainda. Esperar que tenha sido apenas para não correr riscos desnecessários, mas não podemos capitalizar apenas 3 pontos em 3 interceptações. Audária, arrojo e ousadia é do que precisamos.


Acho importante ressaltar que, sempre, o mais importante é vencer. Sempre. Contudo é bom olharmos com atenção especial pro que não deu tão bem assim para não nos decepcionarmos nas próximas semanas. Entrando sabendo o que está ruim é a melhor forma de corrigir os problemas. Como por exemplo um retorno de TD anulado por uma falta imbecil de Nolan Carroll ou um número acentuado de faltas que cederam/custaram jardas importante.

Enfim, é bom vencer. É bom ver a defesa matando a pau. Mas é prudente pensar: era o Browns. Semana que vem tem mais. E o adversário é um tal de Colts com um tal de Andrew Luck. Mas, por hora, vamos celebrar. Miami está 1-0 pela primeira vez em 3 anos. E isso é o que, realmente, importa. Como disse lá em cima: falta nove vitórias!!!

Koa Misi ganha extensão de contrato

Koa Misi vai ficar conosco até 2017...
Ontem foi anunciado que o OLB Koa Misi ( escolha de segundo round de 2010 ) teve seu contrato renovado por mais 4 anos. O valor do contrato é de US$ 17 milhões, o que na prática nem é tao assim ( fica pouco acima dos US$ milhões por temporada ). Ele é um jogador de qualidade, mas também está longe de ser um jogador de grande porte, quanto mais de elite.

Com esta renovação, temos todos os LBs Starters recebendo muita grana e com contratos longos. Agora é render em campo.