sexta-feira, 18 de março de 2016

Passada a euforia(??) dos primeiros dias da Free Agency é hora de pensar no Draft

Shaq Lawson fazendo o que melhor sabe...
é algo que iremos precisar a ponto de draftar um DE?
O filé da Free Agency já foi, todos sabem disso. Alguns ainda podem dizer que o time trouxe um reserva do Jaguars ( e isso dá a medida de como foi ruim esse mercado até agora ). Os jogadores que ainda estao sobrando podem, no máximo, preencher elenco e olhe lá. Os que poderiam mudar o nível de um time não existe mais. Aliás, porque o Patriots consegue um Martelus Bennett e nós não? A resposta é óbvia: lá ele tem a certeza de que brigará por um Super Bowl. No Miami... bom, sabemos bem o que podem esperar. Sem falar que entre receber passes de Brady e Tannehill nem é tao diferente assim...

Com a saída de Olivier Vernon - que poderia ter recebido uma extensão em 2014. Poderia, mas não demos. Agora é passado. Trouxemos Mario Williams, que é bom sem dúvida alguma, mas está numa fase mais para o fim do que o começo da carreira, ou seja, não podemos usar ele como esteio de uma defesa Top. Cameron Wake, mais velho que Williams, volta da mais séria contusão da sua carreira. Portanto pode voltar em ritmo lento ou até mesmo nem conseguir jogar em alto nível.

Como os gênios que comandam o Miami Dolphins resolveram fazer uma doação para o Eagles ( na prática demos uma segunda pick por dois jogadores que, somados, valeriam no máximo uma de terceiro ), resta agora olhar para a 13ª pick do Draft.  Se formos olhar para um DE, o mais provável neste momento, temos dois nomes, ambos de Clemson: Shaq Lawson e Kevin Dodd. Neste sábado falo do primeiro e na segunda-feira eu falo do segundo.

terça-feira, 15 de março de 2016

Broncos iguala proposta e fica com CJ Anderson. E o time renovou com um jogador...

E lá vamos nós ter por mais uma temporada este cara com reserva...

Tem algumas coisas que só acontecem com o Miami Dolphins. A frase é sim um trocadilho que é atribuído ao Botafogo do Rio de Janeiro. E serve como uma luva para o Dolphins, desde... bom desde muito tempo atrás...

Eis que hoje o Denver Broncos cobriu, como era seu direito, a proposta que o Dolphins fizera por CJ Anderson. E agora nós não temos RB experiente, apenas Jay Ajayi, que tem um longo histórico de contusões. Posso estar forçando a barra, mas eu prevejo que a bengala para mais uma temporada ruim de Tannehill foi definida hoje. Sem um RB com experiencia é bem possível que o foco fique todo no passe e ai... os erros dele poderiam ser explicados por isso. E no ano que vem, mais uma vez, todos diriam que agora vai... sabem como é, pode ser paranoia, mas foi assim em 2012, 2013, 2014, 2015... não vejo como vá ser diferente em 2016.

Pois bem, não foi só essa notícia que, infelizmente, veio a tona: Matt Moore renovou com o Miami. Depois de testar o mercado, ele vai voltar para a sua... sétima temporada com o Dolphins. Ele vai seguir tendo o melhor emprego do mundo da NFL, onde sabe que jamais jogará e ainda receber grana por isso. Eu defendo, desde que Tannehill foi escolhido, que o time deveria ter usando uma pick ( ou até mesmo mais ) para draftar um QB e tentar desenvolver ele para quem sabe ele ser melhor do que o atual Starter. Mas o time, que enfrentou problemas de Cap, resolve manter um back-up caro que, é sabido, jamais conseguirá desafiar o posto de Tannehill.

Existe outra explicação: sem um novato jogando melhor não tem-se que colocar no banco o cara de 100 milhões. Sem merecer tal contrato, é bom dizer... E com a volta de Moore, tenham certeza, isso perdurar mais um tempo. E isso é lamentável. Além de triste...