terça-feira, 24 de julho de 2018

Nosso Ataque sairá do Top Ten péssimo esta temporada?

Paker e Stills terão várias cenas assim em 2018?
E chegamos ao ataque. O tão contestado ataque. O ataque que a tempos não é destaque positivamente. O ataque que não tem perspectivas de melhorar. Pelo menos não o quanto desejamos. Antes de prosseguir, um fato: este não é um post contra Ryan Tannehill. Ele apenas é parte do ataque, só isso. Ao menos neste texto.

Ryan Tannehill under center;
Ja'Wuan James, John Sitton, Daniel Kilgore, Jesse Davies e Laremy Tunsil na Linha Ofensiva;
Kenyan Drake, Frank Gores e Kalen Ballage no backfield;
Mike Gesicki e Durham Smythe nas extremidades da OL;
DeVante Parker, Kenny Stills, Danny Amendola, Albert Wilson, Jakeem Grant e Leonte Carroo recebendo passes
Adam Gase no comando de tudo.

Parece bom, não é mesmo? Aqui temos juventude com experiência em alguns jogadores, mas quantos destes jogadores ai em cima são All-Stars? Quantos deles acumulam idas ao Pro-Bowl e/ou menções ao menos no segundo time da NFL?A resposta é dura: praticamente ninguém fora Sitton e Amendola que tem Super Bowl no currículo. Existem alguns jogadores com potencial, mas talento puro, daqueles que você enxerga aos montes em times vencedores, não tem. 

Um QB altamente contestável, que não consegue nem aparecer na lista das 10 voltas mais esperadas para a temporada, dentre aqueles que tiveram contusões sérias. Um RB que nunca chegará aos pés do seu antecessor. Um monte de WR comuns que jamais renderão como o all-star que o setor tinha antes. Uma Linha ofensiva sem sal que perdeu um All-Star e não está sequer no mesmo patamar do ano passado. 

Olhando friamente pra o mesmo momento do ano passado ( não pode-se comparar com o final da temporada ), a única coisa que está melhor no setor são os 2 TEs, que são rookies e isso tem seus problemas, claro. No mais, ou estamos na mesma ou até mesmo pior ( com as saídas de Jay Ajayi e Jarvis Landry ). Como, numa situação assim esperar que o setor vire Top Ten?

É insano, mas pode acontecer. Tudo depende de melhorias no sistema e usar o que se adeque às limitações - evidentes - de muitos dos jogadores. Depende também de aproveitar o potencial do setor defensivo e capitalizar boas posições em campo com Touchdowns. Se, ao contrário, proliferarem os 3 and Out, ai pode esquecer. Adam Gase também precisa se provar como grande "arquiteto" de ataques. E ele estará bem ameaçado em seu cargo, após as patéticas doações feitas.

Por fim, temos como Tannehill voltará. E reitero o dito no sábado: ele não tem muito o que fazer diferente do que já fez, mas existe a chance dele voltar jogando pior do que em 2016. E, assim como ano passado, não fizemos um seguro para uma temporada ruim ou uma outra contusão. O plano segue sendo ele e apenas ele. Nada de um QB no Draft, nada de um Free Agent com qualidade para brigar pelo posto de Starter. Ah, trouxeram Brock Osweiller... pois é, isso diz muito sobre porque eu não espero que vençamos mais do que 6 partidas.

A resposta, se é que o amigo ainda não entendeu, é não. Este ataque não ficará entre os 10 melhores da temporada. Mas pode ser um sucesso mesmo assim, se ficar entre os 15 por exemplo. Mas o mais provável é ficar, mais uma vez, entre os 10 piores. Infelizmente.

Nenhum comentário: