sábado, 3 de março de 2018

Dolphins adquire Robert Quinn em troca com o LA Rams

Está longe de ser uma necessidade, mas é um negócio interessante...
Existe uma coisa estranha no Front Office dos Dolphins: faz péssimos negócios com os Eagles e consegue bons negócios com os Rams. Porque isso, eu não faço a menor ideia, sinceramente. Mas isso foge ao meu entendimento. Porque não ofereceram o Ajayi para o Rams que parece tão generoso conosco... enfim, mistérios de Davie.

A troca em si, esquecendo CAP e necessidade, foi até que boa: cedemos uma escolha de quarto round e invertemos as escolhas no sexto round. Isso por um DE de 27 com bons números na carreira. Nada a reclamar, a não ser que não precisamos de reforço na DL e sim entre os LBs. Só isso é que merece TODAS as críticas. Se lembrarmos do problema de CAP então... por falar nele, os contratos de Suh, Wake, Branch e Quinn somados dão quase 50mi, ou seja, mais de 25% do salary Cap. 

Com ele fica ainda mais estranha a escolha de Charles Harris ano passado. Se já temos, como disse Adam Gase ( que também já bancou Ryan Tannehill como titular para 2018 ), o substituto de Cameron Wake no elenco, porque gastar picks e comprometer ainda mais o Cap com um DE? Não faz sentido, mas estamos falando dos Dolphins, nunca podemos nos esquecer.

A certeza que fica é que, desta vez, o time não vai de DE no primeiro round. Ou não sinaliza que vá, lembrando do histórico da franquia...

sexta-feira, 2 de março de 2018

Dolphins deram autorização para Landry procurar uma Trade!!!

Assustadora esta notícia...

Antes de falar sobre este idiotice que o Front Office fez, um constatação: eu vou dar 2 temporadas a este time. Se não acontecerem mudanças, eu vou mudar de time. Vou escolher outro time para torcer e seguir. Não aguento mais, sinceramente. Fecharei o Blog, porque eu não tenho mais estômago para escrever sobre tanta idiotice e mediocridade sendo feita em Davie... Depois os homens que "cuidam" dos Dolphins não entendem porque o estádio não lota.

O caso Landry é de longe o pior caso de má condução de uma negociação de toda a NFL!!! Primeiro renovaram com Stills, o terceiro e descartável recebedor do elenco. E sequer ofereceram proposta à Landry, o melhor do grupo. Deixaram ele jogar uma temporada inteira sem contrato, correndo o sério risco de sofrer uma contusão gravíssima e não ter segurança no ano seguinte. Só isso já é condenável, imoral e inexplicável. Só times losers fariam algo assim e é o caso dos Dolphins, infelizmente.

Quando a temporada começou e Landry seguiu rendendo em altíssimo nível, mesmo sem QB que preste para lançar a bola para ele, o time teria a obrigação de oferecer uma proposta, para ser analisada e fechada assim que possível, uma vez que quando assinaram com Jay Cutler o time ficara sem espaço no Cap para isso. Mas fizeram isso? Não. Só em Dezembro é que fizeram uma proposta, quando ele caminhava para quebrar o recorde de recepções da NFL nas primeiras quatro temporadas. E isso, obviamente, subiu a pedida dele. Negociar no começo da temporada era simples e mais barato, mas no fim da temporada... coisa de times losers...

Ai veio 2018 e nada de novas propostas. Nada mesmo. O agente dele disse que aguardava uma nova proposta, mas ela não veio. E ai a separação virou uma certeza. Somente a TAG o manteria em Miami. E ela veio. Um alívio momentâneo, porque em 2018 ele jogaria em Miami, mesmo que ao custo de 16,2mi. Mas agora vem a notícia triste: o Miami fez isso apenas para ganhar algo. Mas será que vai ganhar mesmo??

Notem que esta é Administração que doou Jay Ajayi aos Eagles por uma escolha de quarto round. Porque acreditar que conseguirão uma de primeiro por Landry? Devem receber no máximo uma de terceiro, uma vez que o sinal é: "estamos desesperados". Assim como foi com Ajayi, sem calma e entregando o desespero, a pick foi uma lástima... Como eu falei aqui e aqui, é proibido ter talento em Miami. Enquanto Andrew Branch tem contrato de 50mi e vai ganhar 9,5mi este ano. O mesmo que Landry queria receber, só que o DE é RESERVA!!!! 

Landry deve estar revoltado. E eu estou e é muito...

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

É proibido ter talento em Miami (2)

Entra ano e saí ano e os erros permanecem os mesmos...
Segundo Armando Salguero, em quem confio demais assim com Omar Kelly, os Dolphins estão buscando um negócio para Jarvis Landry. Sim, isso mesmo que você leu: a mesma trupe de incompetentes que queimou picks de drafts sem necessidade em 2016, que adquiriu um LB que não jogou junto ao Saints por uma quinta escolha, os mesmos que doaram Jay Ajayi aos Eagles ( mesmo Eagles com quem trocamos de posição no draft de 2016 por praticamente nada e eles pegaram em outra troca Carson Wentz )... estes mesmos caras que deram 11mi de salário para Kenny Stills e 50mi no geral para Andrew Branch, querem trocar Jarvis Landry, seguramente o melhor jogador do ataque dos Dolphins.

Como eu dissera aqui neste texto, infelizmente é proibido ter talento em Miami. Não é possível que estas pessoas que recebem muito bem para gerir uma franquia sejam tão idiotas assim. É surreal, totalmente fora do aceitável. Errar é uma coisa, mas seguir errando e cada vez com mais "capacidade". Dada a perspicácia deles em conseguir "ótimos" negócios, deve vir uma escolha de terceira rodada, se muito. O pior é que se Landry saísse teoricamente de graça, renderia algo assim em forma de pick compensatória. Ou uma outra de quarto round. É assustador.

A reação à esta notícia, claro, foi péssima entre os torcedores. Apenas entre os torcedores de Ryan Tannehill, sim tem quem torça para ele e não para os Dolphins, é que isso soou bem. Assim podem recompor o ataque no entorno dele com outros jogadores novatos e... quando não der certo, outra bengala pronta para a falta de qualidade do QB que temos estará prontinha. Sim, é duro dizer isso mas é o que me parece. O time apostará tudo num QB mediano que  nunca fez nada na NFL e que está voltando de uma seríssima contusão da qual muitos poucos voltaram sequer jogando como antes, imagina melhor. 

O que eu faria? Trocaria Suh e Tannehill, cortaria quem pudesse ser cortado e daria rebuild de vez no time. Outra meia sola - e o trabalho de Gase já começou assim, ao não tirar Tannehill do posto que não merece ocupar - não vai ajudar em nada. É preciso, de fato, começar do zero. E para isso, contratos pesados precisam ser cortados e jogadores que não tem futuro idem. Manter ou não Landry? Acho que não exista mais clima para sua permanência, assim sendo eu extrairia o máximo possível de algum GM. Ele tem valor de estrela. mas duvido que alguém ofereça escolha de primeira rodada, mas duas de segundo seria uma negociação interessante, ainda mais se lembrarmos que doamos Brandon Marshall em 2012 ( por causa de Ryan Tannehill convém lembrar ) por duas de terceiro.

Acontece que esperar isso de quem doou Jay Ajayi por uma reles escolha de quarto round é demais. Afinal, é proibido ter talento em Miami... e não é só no campo.