sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz Ano Novo

O ano termina e apesar de tudo o que aconteceu, sinto que estamos, agora melhores do que há um ano atrás. Agora não temos mais Coach Sparano e teremos um novo comandante. Além disso acho que nosso ataque pode sim tornar-se letal se for adicionado a ele a peça certa: um QB acima da média. A defesa termina melhor do que no final de 2010, mas acho que precisaremos de umas sutis mudanças. Em todo caso, 2012 será o primeiro ano sem - definitivamente - Jason Taylor. Mas teremos um Draft para achar um substituto a altura, além é claro do QB acima da média.

Eu farei o post final desta temporada amanhã, mas logo em seguida tirarei 15 dias de férias. Portanto, este post é meio que um até logo. Dependendo da urgência da notícia ( mudança no corpo diretivo ou o anúncio do novo Coach ) eu poderei até voltar, mas em tese, serão 15 dias se postar. A todos um feliz 2012, cheio de luz, paz e alegria. E claro, da palavra do Salvador. Até em breve...


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Afinal, quem é Jason Taylor?

 Creio que poucos que frequentam este espaço tenham visto Dan Marino jogar, afinal ele se aposentou ao fim da temporada de 1999. E lá se vão 12 anos desde que uma lenda da franquia se retirava do Esporte sendo atleta nosso. Zach Thomas se retirou sendo Free Agent, e mesmo que tenha assinado num dia e se aposentado no outro, ele não era mais um atleta do Dolphins, infelizmente. Agora, assim como Marino, vemos uma lenda se aposentar vestindo nossa gloriosa ( e também, infelizmente, sofrida camisa ). 

E pode até parecer estranho para alguns, mas o sentimento de perda agora é maior do que quando Marino parou. Pelo simples fato de que Jason Taylor cresceu teve sua carreira coincidindo com o advento da Internet, o que por demais facilitou obter informações sobre a NFL. Taylor chegou a NFL em 1997, ano que a Internet ainda não era, nem de longe, o que é hoje. Marino eu acompanhei a carreira com o que a Band, percussora da NFL em nosso país, passava no seu ( saudosíssimo ) Show do Esporte , que passava a NBA, mas que não detinha os direitos de transmisssão da NFL, mas que passava os melhores lances. Claro que eu sou Dolphins porque Luciano do Valle também o é. Assim como ambos somos torcedores do Lakers e do Yankees.

Mas como explicar o fato de que eu esteja mais triste hoje do que quando Marino parou? Simples , era esperada a sua aposentadoria e estava claro, desde 1995 ao menos, que ele não venceria um Super Bowl. A alguns anos ele confidenciou que pensara em parar em 1996, mas fora convencido por Jimmy Johnson, que seria seu Coach na última partida contra o Jaguars ( uma surra horrenda de 62x7!!! ). O mesmo Johnson draftaria Taylor, talvez o seu grande feito, em 3 temporadas como nosso Coach. Mas ainda assim fica a pergunta: porque eu estou tão triste enquanto escrevo esse texto? Talvez se eu tivesse escrevido um quando Marino parou eu ficasse tão ou mais do que agora, mas em 99 nem passava pela minha cabeça ter um Blog. Quanto mais um que falasse do Dolphins. 

Taylor é o jogador que atua com a mesma intensidade em todas as partidas e com qualquer placar. Ele nunca fez corpo mole ( vide Joey Porter ) ou diminuiu o ritmo quando o placar estava elástico, fosse a favor ou contra. Se os Bloqueadores o dominassem, ele ia com mais vontade ainda em busca dos sacks. Tom Brady deve estar mais descansado agora. Porque? Dos 139,5 sacks de Taylor, nada menos que 11.5 foram para o QB do Pats. Nenhum outro QB sofreu mais e nenhum outro defensor bateu mais em Brady.

Taylor sempre teve a mentalidade vencedora. Sempre. Sempre foi capitão do time, sempre deu 110% em campo, talvez até mais do que isso. Taylor foi o líder no meio de feras ( Marino, Thomas. Williams, Chambers, Surtain e Madison ) e entre os perebas ( não sujar este post citando os nomes, mas todos sabem bem quais foram ). Seguiu sendo destaque quando o time desgringolou a partir de 2004. Esteve ausente em duas temporada ( uma com o Redskins e outro - que coisa - com os Jets ). Como disse na coluna First Down: ele é tão diferente, que eu seria capaz de torcer por ele, mesmo vestindo a camisa dos Jatos. E todos sabem o quão isso seria sofrido e uma verdadeira tortura para mim, mas eu faria 10 vezes necessário fosse, porque o grande Taylor merece. Isso e muito mais. Todas as homenagens serão insuficientes. Nada para tanta dedicação que ele teve para com esta franquia.

Faltou o Super Bowl, dirão alguns. Sim, faltou, mas não podemos medir um jogador apenas pelas suas conquistas máximas. Em um esporte cada vez mais profissional e com tantas estrelas - a maioria no ataque - não é qualquer que se aposenta sendo defensor e tendo 10 em 10 analistas enaltecendo os seus feitos. E Jason Taylor será eleito para o Hall da Fama em Canton, Ohio, com 100% de certeza na sua primeira tentativa. E o será porque é um mito. Porque fez em campo o que muitos desejam e não consegue. E porque fora dos gramados sempre foi uma pessoa exemplar, sem qualquer mácula em sua honra.

Jason Taylor é o melhor defensor de sua geração e com certeza uma dos 10 melhores Deffensive Ends da História. Mas sobretudo é um dos melhores jogadores do Miami Dolphins. No mesmo patamar de monstros sagrados como Bob Griese, Dan Marino, Larry Csonka, Paul Warfield e todos os membros da Defesa Sem Nome do Super Bowl de 1972. É esta lenda viva que vai se aposentar, viver sua vida pós-NFL ao lado de sua ( belíssima ) esposa e seus três filhos. Que merece receber um cargo na Direção ou na Comissão Técnica ( ou quem sabe os dois ). Com a sua inteligência teria muito a ajudar-nos. E acho que se ele aplicar a mesma dedicação que teve em campo, poderá - caso deseje - tornar-se um excelente Coordenador Defensivo ou até mesmo um renomado Head Coach. Mas isso é, por enquanto, mero exercício de futurologia. O que é certo é que, este fã tem apenas uma frase a dizer: "obrigado por tudo Jason Taylor, nosso melhor jogador de defesa de todos os tempos".


Abaixo fotos de momentos marcantes de sua carreira:


2006 - Retorno de Interceptação para TD de 51 jardas, a maior marca de sua carreira.

o primeiro sack a gente nunca esquece. Quem é o Quarterback? Uma dica: quase virou nosso Técnico nessa temporada...

Alguém conhece outro jogador da foto? Procurem bem e verão um dos melhores DBs de nossa história ai. Mas neste momento, Taylor era figurante. Situação que logo mudaria...

A vítima predileta. 11,5 sacks dos seus quase 140. E que apesar de tudo, Taylor ainda venceu mais que perdeu contra o Pats.

First Down: Vencer pelo Grande Jason Taylor

O jogo de encerramente da temporada, diante do rival Jets,  será o último da grande carreira de Jason Taylor.

É o jogo diante do NY Jets ganhou um atrativo especial, como se fosse necessário mais algum. Taylor encerrará uma carreira de 15 anos ( 13 deles com o Dolphins ) e 139,5 sacks ( o sexto na história, sendo 131 com a nossa camisa ), foi 6 vezes selecionado pro Pro-Bowl, três integrou o All- Pro ( melhor time da temporada ), duas vezes o segundo time, foi eleito para o All-Team dos anos 2000, Jogador de Defesa de 2006.

Tantos números, tantos feitos, tantas honras e infelizmente irá se aposentar sem a maior de todas: um Super Bowl. Mas que o time faça da partida diante dos Jatos o encerramente digno de uma lenda. Sim, Taylor é uma lenda viva da NFL e claro do Dolphins. Não tenho o menor medo de errar que ele entrará para o Hall da Fama na primeira tentativa, logo que ficar elegível ( são 5 anos após a aposentadoria oficial ). Ele merece e todos iremos ficar tristes e ao mesmo tempo felizes, por estarmos vendo a história acontecer. Eu sou tão fá de Taylor, que se os Jatos tivessem ido ao Super Bowl eu torceria para que Taylor conseguisse o seu anel. Leiam bem: eu disse TAYLOR.

Ainda sobre a partida diante dos Jatos, temos uma baixa: Jake Long foi colocado na Injury Reserve, ficando obviamente fora da partida. Long, que teve uma temporada abaixo da média, termina de forma nada alegre a temporada, com o músculo da coxa rasgado. Junte-se as dores do joelho e lombares e temos um problema nada interessante para a temporada de 2012.

Sobre a temporada de 2012 não gostei nada de saber que Jeff Ireland falou o seguinte: "não iremos fazer loucuras. E se o novo Coach não pedir ( leia-se exigir ) um QB, iremos com os que temos agora". Como Henne será RFA ( Agente Livre Restrito ) e Pat Devlin agradou tanto que chegaram a contratar duas amebas para serem back-ups de Matt Moore, eu tiro dessa frase sofrível e lamentável o seguinte: iremos, a menos que o novo Coach exija, Moore de Starter. Eu detesto essa ideia por dois motivos básicos: ficou bem claro que nos jogos complicados Moore sumiu ( Pats, Cowboys, Broncos, Eagles... ) e vencemos aqueles em que a defesa deu show ou Bush foi a grande válvula de escape e a segunda é que com um QB acima da média este time iria para post-season com 100% de certeza.

Então para que insistir em um QB que fez algo parecido com o Panthers no fim de 2009 e em 2010 foi terrível? Já aconteceu isso e vamos esperar que aconteça de novo? Isso, contudo é papo para outra coluna.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Dois jogadores são nomeados para o Pro-Bowl

Os camisas 77 e 19 foram nomeados para o Pro Bowl. Alguém está surpreso?

Jake Long é um cara com um moral extremo no mundo da NFL e prova disso é o fato de, pela quarta vez consecutiva ele ter sido nomeado o Left Tackle do time da AFC no Pro Bowl. E destas 4, apenas uma vez ele foi como reserva. Feito nada desprezível.

A outra honra coube a Brandon Marshall, o nosso camisa 19 volta ao Pro-Bowl, onde esteve em 2008 e 2009, quando ainda defendia o Denver Broncos.

Outros nomes na espera, que dependem de quais times forem ao Super Bowl: Brandon Fields ( Punter ), Cameron Wake e karlos Dansby ( Linebackers ) e Reggie Bush ( running bakc ).

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Parabéns Drew Brees

Ontem a noite, curiosamente em um Monday Night Football assim como Marino, o QB do New Orleans Saints passou a ser o recordista em jardas passadas em uma mesma temporada, conseguindo superar em 3 a marca anteriores ( 5.087 agora, contra 5084 do nosso eterno QB ). Parabéns a Brees pelo feito e que o mesmo prossiga jogando tão bem quanto agora. E nós ficamos assistindo a este grande QB, que foi passado por nós e por duas vezes. Por isso, Parabéns Drew Brees.

domingo, 25 de dezembro de 2011

Tunel do Tempo: 40 anos do Jogo mais longo da História

Em dias em que recordes nossos são batidos com frequência até que absurda, vamos a um que - aparentemente - não corre risco iminente...

Era dia de Natal. Como hoje. E o jogo valia ida a final da AFC. E aquele time de 71 iria ainda ao Super Bowl, dando prévia do que iria acontecer em 72. E o Miami já era um time conhecido e com um certo respeito na recente NFL ( a liga, como a conhecemos hoje nasceu em 70. Mas o nome existe desde os anos 20, e os times que dela fizeram parte estão quase que todos na NFC ). Mas o jogo era diante do Kansas City, time fortíssimo e que fora a primeira equipe da ( atual ) AFC a vencer um Super Bowl. Portanto não éramos os favoritos, mas aquele time era muito bom e fez um dos seus melhores jogos, na opinião do Coach Shula, segundo o qual nunca mais veria tanta entrega, determinação e vontade em campo. Enfim, aquele foi um Natal Mágico. Com vitória na segunda prorrogação. E é este o recorde: vencer a partida mais longa da história do esporte. E este não corre - em tese - risco.

Falo deste recorde, porque o de Jardas Passadas em uma Temporada, pertecennte a Dan Marino deve cair domingo que vem. Tom Brady precisa de míseras 194jds e o Pats não tem histórico de tirar o pé em partidas finais. Além dele podem bater o recorde Aaron Rodgers ( Packers ) e Drew Brees ( Saints ), mas estes ainda jogam na segunda. E pensar que conseguimos a proeza de passarmos Brees duas vezes!!! Outro recorde caiu neste ano: o de vitórias de Coach e QB, que era da dupla Marino-Shula, agora pertence a Brady-Belichik.

Enfim, é bom lembrar disso. Ver que um dia fomos fortes o suficientes para resistirmos quase 5 horas em campo. E vencer. Que ontem perdemos após fazer 17x0 no primeiro tempo e no segundo levamos 27x7!!! Mas que fique registrado que eu fiquei feliz com a atuação: demos um belo cartão de visitas para 2012. Com um QB acima da média, esse time pode vencer qualquer um. QB acima da média eu disse...


sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

First Down - Sábado seria um excelente teste para 2012?

Esta cena pode repetir-se por 10 ou mais vezes em 2012? Domingo é uma prévia do que poderemos esperar no ano vindouro...

Enfrentar o Pats no dmingo pode, na minha opinião, uma boa ideia do que poderemos ser em 2012. Mesmo que pesem as ausências previstas de Jake Long e Vernon Carey, uma boa partida diante do New England poderão deixar-nos esperançados ou destemperados.
Claro que não estou falando de chegar no frio de Boston e dar uma surra no Pats, o que por mais que a ideia me deixe feliz, não é o que deve acontecer. Falo, isso sim, em jogar bem, dificultar a vida de Brady, conseguindo sacks e hits, mostrando a continua evolução defensiva. E no ataque? Fazer mais de 20 é possível ( o fizemos na primeira partida ) e tentar vencer. enfim, falo de jogar bem e se der vence. E se não der, deixar um cartão para a próxima temporada.
Não posto mais até o Natal, sendo assim desejo a todos os fãs, amigos e críticos deste espaço, votos de um Natal cheio de graça, paz e felicidade. Eque antes de pensarmos no velho pançudo. nos lembremos de reverenciar o filho de Deus, que deu a sua vida pela nossa salvação. Feliz Natal.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

First Down - Matt Barkley


Esse camarada da foto anunciou hoje que vai voltar para mais uma temporada do college football deixando todos torcedores do Dolphins preocupados. Depois dessa noticia temos grandes chances de ficar sem quarterback na nossa primeira escolha do draft, como diria Flávio e agora José?
Landry Jones ainda não anunciou se vai ou não para o draft podendo complicar ainda mais nossa vida. Caso Jones fosse para o draft valeria a pena escolher ele no primeiro round, o que vocês acham disso?

domingo, 18 de dezembro de 2011

Week 15: Dolphins 30 x 23 Bills

___Reggie Bush comemorando seu Touchdown junto de Brandon Marshall

Na vitória de hoje vamos destacar dois jogadores, Reggie Bush correndo para 200 yards e Vontae Davis com 2 interceptações. Logo mais faremos um outro post sobre a vitória mais detalhado.

Week 15: Dolphins x Bills

Na partida de hoje o Miamo terá sua primeira partida pós-Sparano, com Toddy Bowles com Coach. E precisaremos de uma boa atuação do cara da foto. Aliás a foto foi tirada na partida contra o Bills neste ano.

A partida será complicada pois está nevando pacas em Buffalo. Além disso estamos sem metade de OL fora da partida. Em todo caso, ainda temos a defesa que pode fazer com que vençamos. Todos sabem: vencer é o objetivo, mesmo que uso nos deixe mais longe de um QB decente no Draft. Mas eu prefiro vencer.

Update: Bush acaba de cometer fumble e na sequência o Bills marcou. Que beleza!!! 

Duelo de Gigantes - Santos x Barcelona


Daqui a pouco tem o jogo mais esperado do ano Santos x Barcelona. Como não é nenhum segredo eu Dan e Flávio somos santistas roxos e esperamos uma surpresa do nosso peixão para cima do melhor time do mundo......VAMOS SER TRI-SANTOS!!!

Comentário do Flávio - Juca Kfouri sintetizou de forma perfeita: A Terra é do Santos. O Barça é de outro planeta. Mas só perde pro Barcelona quem vem a ser o melhor da América. Coisa que até o fim da Libertadores de 2012, este papel cabe ao Santos.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

First Down - Departamento Médico

__________Todd Bowles observando o treino sem Jake Long e Moore

Nessa quarta feira, o Miami Dolphins treinou sem seu principal Tackle Jake Long, 3 vezes selecionado para o pro-bowl. Quem entrou no seu lugar foi John Jerry. Quem também não treinou foi o Quarterback Matt Moore que saiu com uma contusão no pescoço depois de um sack contra o Eagles no domingo. Tood Bowles deu sua primeira entrevista como HC interino do Dolphins se quiser dar uma olhada só clicar no link: http://www.thephinsider.com

Lista do Departamento Médico:

Não participaram do Treino:

LT: Jake Long (Costas)
QB: Matt Moore (Cabeça/Pescoço)
OLB: Koa Misi (Ombro)

Participação Limitada:

SS: Yeremiah Bell (Pé)
G: Vernon Carey (Tornozelo)
TE: Anthony Fasano (Costelas)

Participação Total:

CB: Vontae Davis (Pescoço)

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Fim de uma era. E agora José?

Tony Sparano não é mais o nosso Head Coach. Aliás, ele o era quando começou o ano?

A menos que você more em Marte, deve ter ficado sabando que em Janeiro o dono do Miami Dolphins, Stephen Ross cruzou todo o território dos EUA para ir a San Francisco contratar o atual técnico do Niners, Jim Harbaugh. Pois bem, ele fez isso e não contratou o cidadão que agora tem apenas a segunda melhor campanha da NFL!!. E o que isso tem a ver com Tony Sparano, agora ex-treinador do Dolphins? Tudo, ora bolas. Afinal Sparano não havia sido demitido ainda ( e a previsão é que seria logo ) e o dono do time cruzara o país de costa a costa atrás do melhor Coach da NCAA que queria ir para NFL ( o melhor, custo dizer isso, é Nick Saban de Arkansas, que não deverá nunca mais voltar a NFL ). Quem em sã consciência ficaria satisfeito com isso? E como é que se faz isso e no dia seguinte convoca a imprensa para, ao lado de um claramente constrangido Sparano, dizer que tem total confiança no Coach?

Não custa nada lembrar que Ricky Williams ( que tem feito falta ) abriu a boca e desancou Sparano para a imprensa, crendo ( como todos ) que Sparano jamais permaneceria no cargo. E ficamos com Sparano e sem Williams. Mas tem mais: a fala de Williams seria a sensação de todos no vestiário. E outra: porque demitir agora quando ele venceu 4 em 6 e não quando o time perder sete seguidas, tendo entregado feio diante do Broncos? Porque manter ele por mais 6 partidas? Só para agora mandá-lo embora? Mas porquê? Será que pensaram mesmo que daria para vencer 9 jogos e ir para a post-season? Espero que não.

Stephen Ross corrije agora, com uma temporada terrível de prejuízo, um erro cometido em Janeiro. E que pode ter-nos custado 4 ou 5 anos a mais longe do Super Bowl. Mas porque isso? Ora, nenhum técnico conseguirá chegar aqui e nos levar ao Super Bowl no ano que vem. Tivemos uma chance de ter um que poderia ter conseguido, mas Ross ( sabe-se lá porque ) não o contratou.

Sparano fez o seu melhor? Acho que sim. Chegou em um ponto e de lá não passou. E nem pode-se usar em sua defesa que não teve poder, porque ele próprio disse que foi a favor de Pat White. Enfim, termina uma era. Que ao contrário das duas anteriores, ao menos nos levou a post-season. Mas que, na média, foi insuficiente para o que queremos para o nosso time. E detalhe: quando ele assumiu em 2008, o time não tinha um QB. Ele agora sai, e o time continua sem ter um...

Quem será o novo Coach? Muitos deverão discordar, mas por mim o correto seria efetivar Mike Nolan. Tem o comando da defesa e conhece a organização por dentro. Não seria ( mais uma ) traumática a reconstrução e com o OC certo, este ataque pode tornar-se letal. Enfim é esperar.

First Down - Tony Sparano fora


Jay Glazer
Dolphins have just fired Tony Sparano has their head coach. Todd Haley not the only one today

Essa foi a frase que deixou todos torcedores do Dolphins felizes da vida, acaba aqui a Era Sparano no Dolphins e seus Field Goals, porém 3 nomes estão sendo especulados: Cowher, Gruden e Fisher. Ross quer um nome de peso para ser o HC do Dolphins, mas tem gente falando que Cowher e Gruden não aceitariam Ireland como GM e Carl Petersen como predisente eles querem mais poder dentro da franquia sendo assim o nome de Jeff Fisher passa ser o mais forte no momento ao que parece Ross está querendo fazer o Dolphins virar uma franquia forte e não está afim de poupar dinheiro para isso basta aguardar

domingo, 11 de dezembro de 2011

Week 14: Eagles 26 x 10 Dolphins

Em uma partida com muitas contusões de nosso lado ( Matt Moore, Jake Long e Vernon Carey ), o Miami Dolphins fez um segundo quarto tenebroso ( 24x0 pro Eagles ) e perdeu mais uma na temporada. Derrota que, sob certo aspecto, pode ter sua serventia no futuro: o Eagles agora está a nossa frente na temporada, e escolheria depois no Draft. Não gosto de perder, mas essa é uma daquelas que não me deixam nem um pouco triste. Só temos que acompanhar o desenrolar da contusão de Jake Long, pois parece ser algo bem grave, tomara que não seja nada demais e que nem o prejudique na continuação de sua - até aqui - excelente carreira.

 Não sei exatamente porque, mas acho que Nmandi Asomugha não deve guardar boas lembranças do Miami. Ano passado sofreu com o camisa 15 Davone Bess. Agora tomou esse queimada na End Zone de B19. Foi lindo demais o lance e parecia, apenas parecia que o time iria vencer outra.

 Bush e Marshall dão mostras que podem formar uma grande dupla. Um correndo e o outro recebendo. Se irão ou não, depende de quem será o nosso QB em 2012. Se for alguém como Moore, as chances são pequenas. Mas se vier um QB com talento ao menos decente, ai as chances aumentam consideravelmente.

 E por falar em Matt Moore, o mesmo saiu de campo machucado, por tem apanhado para burro, após as saídas de Vernon Carey e sobretudo Jake Long. Ainda não se tem informações concretas sobre a sua contusão, mas eu espero que ele possa jogar no domingo, pois ele não é uma Brastemp mas é muito melhor do que J. P Losman.

 Convém citar que Reggie Bush, sem OL, conseguiu fazer o seu terceiro jogo da temporada com 100 jardas ou mais ( o quarto na carreira ). Até aqui é promissor a sua estada em Miami...

 Para os críticos, ai está Jason Taylor dando mais um sack. Não custa nada lembrar que ele é o líder do time no quesito e o líder da NFL entre os jogadores em atividade. Nada mal para um dançarino, não?

 E foram 2 hoje. E adivinhem quem agora é líder em sacks do time na temporada? Por isso eu adoro Jason Taylor.

 E depois puxou a fila para orar pelos jogadores machucados. Na foto diversos jogadores, mas salta aos olhos Michael Vick. Que teve uma atuação interessante hoje.

Week 14: Eagles x Dolphins

Hoje temos uma partida em que alguns poderão ter sentimentos estranhos: torcer por mais uma vitória ou pensar em posicionamento no Draft de 2012?

O Miami recebe hoje o Philadelphia Eagles, que era cotado para ir ao Super Bowl, tendo montado o que foi chamado de Dream Team e hoje estão empatados conosco na temporada, sendo que ficamos a frente pela dificuldade de calendário.

Eu particularmente irei torcer por uma vitória. E porque Wake está no post? Simples, ele foi multado em US$ 15mil por dado uma porrada "desnecessária" em Carson Palmer no domingo passado. E claro que se ele tiver outra boa atuação como teve no domingo, nossas chances de vitória aumentam bastante.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

First Down: Ficar com Moore/Henne ou apostar em alguém no Draft?


Acho que não seja segredo para ninguém que eu não fique nem um pouco entusiasmado com a possibilidade de que Matt Moore seja o Starter em 2012. Me desculpem os que gostem da ideia, mas eu a abomino. E antes que digam que eu defendo Henne, não, também não o quero como Starter em 2012. Mas existe um problema bem interessante: se eles não o forem ( o que desejo ), quem o será?

Primeiramente vamos ver o que pode acontecer com qualquer um deles como Starter em 2012: o time ficar fora da post-season ou caso consiga a vaga, perder logo na sequência por falta de alguém com o algo a mais. Existe, contudo, uma chance de que um deles ao chegar na post-season ( nenhum dos dois jamais pisou em campo nessa situação ) exploda e vire o Sr. "Clutch". Existe esta chance é claro, mas eu prefiro ter alguém de quem eu possa esperar mais. Acho que todos estão comigo nesta. Sendo assim, chegamos a um consenso: Henne ( que vira FA ao fim da temporada ) e Matt Moore servem para Backups, não para Starters. Dessa maneira, vamos olhar para o Draft, certo?

Hoje o Miami seria o nono time a escolher e pelos scouts da NCAA existem 3 QBs que valem a pena uma pick dentro do Top Ten: Andrew Luck ( que deverá ser o First Overall Pick ), Matt Barkley ( que não deve fugir do Top 5 ) e R. Griffin III. Este é o Quarterback que poderia sobrar para nós. Poderia, mas é muito pouco provável que vá sobrar. Mas ai depende rolar Trades ou não. Onde eu quero chegar é que temos chances pequenas de pegar um deles. E ai é que chega a grande questão: os outros valem a pena? Ao que parece, não. Pegar qualquer um dos outros QBs com Pìck entre a 10ª e a 15ª segundo os analistas seriam reach e a depender do jogador em questão, coisa absurda mesmo. Algo como fez o Ravens ao escolher Joe Flacco, que era QB para sair depois de Chad Henne segundo alguns analistas.

E como fazer? Escolher outro QB no segundo round e correr o risco de vir outro Beck, ou pior ainda, um Pat White? Não é fácil sem dúvida, mas mando uma perguntinha: alguém ai conhece algum QB selecionado no segundo round que venceu, como Starter, o Super Bowl.?

Se não usarmos o Draft, podemos passar a pensar no FA. E disso, eu trato na próxima coluna, mas antes de encerrar um dado: o Miami é o quinto de 5 times com 4-8 e iremos enfrentar um deles domingo ( Eagles ). Vencer ou torcer por uma derrota para termos uma melhor chance de escolher um QB melhor?

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

First Down: poderá Sparano ficar em 2012?

Existe possibilidade de Sparano ficar em 2012?

É, o que parecia certo agora pode estar virando algo, no mínimo, meio duvidoso. Eu particularmente não gostaria que ele ficasse para 2011, mas se olharmos o modo como a equipe está jogando ( e mesmo na derrota pro Cowboys a equipe esteve bem ), e ai nos EUA começa - digamos que lentamente - um movimento para que Coach Sparano fique para 2012. Minha opinião particular? Eu não quero, mas não vejo com maus olhos se vier acontecer. E o amigo leitor, o que pensa a respeito? Vote na enquete e deixe sua opinião.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Raiders 14 x 34 Dolphins


Massacre. Essa é a melhor definição para a partida de hoje. E o Raiders fez seus 14 pontos no chamado Garbage Time ( tempo do lixo, ou seja, quando um time não está mais nem ai para a partida ). Enfim vencemos com boas atuações da OL ( que volta, ainda bem, aos seus momento de glória da temporada 2009 ), dos nossos corredores, dos nossos WRs e do QB. Enfim, o ataque passeou diante da defesa do Raiders, a ponto de R. Seymour ser ejectado por não conseguir para os nossos jogadores. Vencer é bom e eu gosto, mas não foi só o ataquem quem brilhou: a defesa também mandou bem demais, como na foto acima no TD de retorno de Interceptação de Kevin Burnett ( 56). Agora é vencer 3 até o fim da temporada e ficar - pelo terceiro ano seguido - com 7-9. Mas desta vez, sendo um fim de temporada vitorioso e que se mantenha no ano que vem. Mas isso é papo para outro post.

Falta de atualização no Blog...

Nestes quatro anos de existência do Blog eu não sei ao certo quem depende mais de quem: se eu do Blog ou ele de mim. Tivemos momentos de seca por aqui, mas raramente durante a temporada, nem mesmo quando o time esteve na iminência de fazer 0-16. Não deveria ser agora, que estamos com 3-8 que o Blog iria ficar parado. Mas é que o trampo está sugando-me quase que totalmente e ainda estou preparando-me para um Concurso. Ou seja, tempo é tudo o que eu não estou tendo. Sendo assim peço paciência aos leitores deste espaço, pois a seca deverá permanecer por mais algum tempo. Irei fazer um post sobre a partida contra o Raiders, contra quem vencemos 10 das últimas 12 partidas. Ou seja, iremos enfrentar um notório "freguês". Espero que vençamos. E um aviso importante: este Blog não será fechado. Não o farei, nem que tenha que contratar um Escritor.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Jim Mandich entrará para o Hall da Fama do Dolphins...

O jogo. A catch. A vitória. O time invencível. O TE na foto é Jim Mandich marcando TD no segundo tempo do Super Bowl VII, diante do Washington Redskins. A Homenagem é merecida, mas bem que poderia ter acontecido com ele vivo. Para quem não sabe, Mandich morreu este ano. Após se aposentar ele virou simplesmente a voz do nosso Estádio. Será no intervalo da partida de domingo, contra o Raiders. Adversário aliás contra o qual estamos 9 em 10. E até por isso mesmo, as chances de derrotas são altas.

domingo, 27 de novembro de 2011

First Down - Não deu no dia de Ação de Graças...

Como todos sabem, eu não ligo para o que dizem os críticos do Blog. O Blog é nosso, é da torcida do Dolphins e para os leitores ( sérios ) de outros times, que fazem deste um dos mais vitistados Blogs de NFL da Blogsgfera Brasileira, o que me deixa bem orgulhoso. Por isso tanto faz se falam que eu só posto em vitórias do times ou não. Ninguém está nem ai se meu PC quebrou ( posto de uma Lan House neste momento ) e se tive que viajar a trabalho. Enfim, aqui é um espaço nosso e feito para um público específico. Sendo assim up.

O Miami perdeu para o Dallas. Um adversário melhor, com um momento melhor na temporada do que os outros 3 que tinhamos vencido anteriormente, fora de casa e com um QB que tem seus dias de estrela. Perder era uma possibilidade bem real. E que acabou acontecendo. O que me deixa meio curioso é que o Miami deve ser a equipe que mais perder por menos de um posse na NFL nesses últimos 10 anos. Quase sempre é assim, poucas são as varridas que levamos comparando - é claro - com as que perdemos por menos de uma posse.

Enfim perder é normal, ainda mais diante de um Cowboys e fora de casa, o que não é normal é tomar FG no finalzinho, é voltar a ser inoperante na Red Zone. Isso não é normal. Agora é bola pra frente e seguir tentando vencer o maior número possível de partidas.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Matt Moore: solução ou não dos nossos problemas?

Algumas vozes já se levantam no sentido de se deveria ou não ficarmos com Matt Moore.

E as vozes nem são de leitores deste Blog, que se manifestaram a favor e contra a ideia, mas sim de torcedores dos EUA, que ficaram - não totalmente sem razão - encantados com a atuação de Domingo. Claro que Matt Moore teve uma atuação acima da média. E isso é óbvio. Mas o problema é que foi uma atuação acima da média DELE e da média da maioria dos QBs que passaram pelo Miami desde a aposentadoria de Dan Marino, no já longínquo ano 2000. Não acima da média dos QBs da NFL. O que não deixa de tenhamos que elogiar o que ele fez no Domingo.

Feito o elogio, vem a pergunta central deste post: Ele é capaz de fazer o algo mais? Sim ou não? Antes de tentar responder a esta pergunta, vamos a algumas considerações, já feitas por mim nos comentários da partida contra o Bills:
  • Acho que todos já perceberam que a OL do Miami melhorou, certo? Sendo assim - e temos de fato um setor excelente - o Moore está tendo tempo para lançar a bola e pensar no que fazer antes lançar. E todos vocês devem saber que QB protegido atua melhor. Não quero com isso diminuir os feitos do Moore, pelo contrário. Mas eu acho que Henne não estaria fazendo pior. Talvez até mesmo o Devlin ou ainda qualquer QB mediano da NFL. Quarterbacks medianos conseguem fazer boas atuações quando bem protegidos. O que eu tenho certeza é que Moore não consegue fazer o algo a mais. E o algo é sim vencer um Super Bowl.
  • Além da OL ter melhorado tivemos outro setor que melhorou: o jogo corrido. E a melhora de um tem a ver com o outro. Corredores que conseguem receber bloqueios ganham jardas e minam a defesa adversária. Bush começou a marcar TD, Thomas a converter descidas complicadas e o time passou a vencer. Simples não? E Moore passou a jogar melhor. Tudo tem ligação.
  • Uma outra coisa tem contribuido bastante para a melhora de Moore ( e por tabela do Dolphins ): a defesa. Temos conseguido sacks, interceptações ( foram duas domingo pela primeira vez no ano ) e agora pressionamos os QBs dos times rivais. Sendo assim, temos conseguido marcar pontos ou conseguir boas posições no campo para o nosso ataque. Sem pressão para virar a partida e jogando com vantagem no placar, o QB rende mais. A menos que seja um Sanchez da vida, é claro. 
 Quero deixar bem claro que não estou criticando Moore ou diminuindo o que ele tem feito, pois mesmo com os fatores citados acima, ele fez o papel dele. E até acima do esperado, diga-se. Claro que o que eu estou fazendo é levar em conta os prós e os contras. E se ao invés de Moore o QB fosse Drew Brees? Ou Matt Ryan? Ou A-Rod? Esta é questão que quero chegar. Acho que devemos ver Matt Moore como o QB até o fim do ano. E esperar por o nosso Franchise Quarterback. Algo que Matt Moore - e nem Chad Henne ou Pat Devlin - nunca serão.

domingo, 20 de novembro de 2011

Week 11: Bills 08 x 35 Dolphins

Vencer 3 partidas seguidas tem sido tão raro em nossa história recente, que só aconteceu 3 vezes desde 2002, sendo que a anterior tinha sido na mítica temporada de 2008 ( quando vencemos 5 seguidas e vencemos a Divisão ). Por isso é um momento a ser comemorado, mesmo que agora tenhamos chances reduzidas de conseguirmos o melhor QB do Draft de 2012 ( Andrew Luck, é óbvio ). Mas enfim, como já dissera antes, o objetivo é vencer e se for contra um rival de Divisão então. Sendo por blowout ( goleada ), com direito a toques de crueldade fica perto de perfeito. A lamentar apenas que o time tenha acordado tarde demais e caso tivesse duas vitórias a mais poderia perfeitamente brigar até pela divisão. Mas como não tem, fiquemos com a excelente vitória de hoje diante do Bills:

Nenhum jogador deste elenco tem tantas vitórias na NFL quanto Jason Taylor. E na NFL ninguém tem mais sacks. Ele adicionou mais um a sua extensa conta. E deverá conseguir mais alguns...
Anthony Fasano tem melhorado a olhos vistos na últimas partidas, e marcou hoje o seu 4º TD na temporada. Lembrando que em 2008 ele marcou 7.
Reggie Bush segue fazendo partidas consistentes e marcando seus TDs. Hoje ele teve uma atuação decente e ao contrário de seu histórico recente, segue sem contusão.
Quando a fase muda, até o nosso Special Team - um dos piores da Liga - consegue aparecer bem...
Chris Clemons, que perdeu a briga de Free Safety para Reshad Jones, salta espetacularmente para bloquear o chute de punt...
Que é recuperado dentro da End Zone por Lex Hilliard. E mais um TD na partida.
Ryan Fitzpatrick saiu - pela primeira vez diga-se - de cabeça baixa. Teve uma atuação horrível, não marcou TD e ainda levou duas Interceptações ( Nolan Caroll e Yeremiah Bell ). Ou seja, ele não vai querer lembrar desta partida. Pra finalizar, ainda foi substituido pelo "grande" Tyler Tighpen...
Algo mudou, está bem claro isso. O que vem a ser, eu não faço a menor ideia. Mas a foto mostra que o time está, finalmente, unido.
Charles Clay foi o melhor Receiver do Miami na partida e foi recompensado com o seu primeiro TD na carreira. Algo que nunca se esquece. Mas acho que Brandon Marshall não deva ter saído nada satisfeito da partida: recebeu apenas um passe e para meras 5 jardas.

First Down - Contratar um OC para Head Coach é uma boa? Parte II

Só pelo símbolo na camisa dá para perceber que o cara é dos bons não?

A menos que seja como os ursos e tenha acabado de sair da hibernação, deve saber que Tony Sparano não será mais o Head Coach do Miami em 2012. Sendo assim, estou fazendo uma sequência com prováveis candidatos ( no momento nem cotados eles são ) ao posto. O nome da vez é diferente, estranho e até mesmo feio: Joe Philbin.
O cara é o Coordenador Ofensivo do Green Bay Packers, atual campeão do Super Bowl e única equipe invicta na temporada. Semana passada no massacre diante do Vikings, o time usou 10 jogadores diferentes para receber passes. Fantástico não? Na melhor partida que tenhamos conseguido fazer nestes anos recentes, acho que nunca conseguimos envolver mais do que 7.

Claro que ter Aaron Rodgers como QB ajuda muito, é fato. Mas de nada adianta ter um Super QB se o OC não tiver competência. Philbin é o chamado produto Packers: ex-atleta do time, foi sendo formado pelos diversos Coachs que por lá passaram. Era Assistente de OL, depois para Coach do Setor e desde 2007 é o Coordenador Ofensivo do time. Treinou Favre na campanha que quase resultava em uma ida a um Super Bowl ( perdida em casa, diante do Giants, que pra nossa felicidade venceu o Pats ). No ano seguinte pegou A-Rod e começou a moldar o time de agora. Vencedor e que encanta a todos. Poderia ele fazer o mesmo com o Miami e um QB novato? Sim e não, é claro. Mas não seria uma escolha ruim. 

sábado, 19 de novembro de 2011

Dan Carpenter fora do jogo de amanhã...

Desde que foi contratado em 2008 como UDFA ( Rookie não draftado ), Dan Carpenter é o nosso Kicker, tendo conseguido até mesmo uma nomeação para o Pro-Bowl. Mas amanhã ele não estará em campo...

Dolphins kicker Dan Carpenter is out Sunday vs. Bills and Miami is signing former Bengals kicker Shayne Graham to fill in.

Assim chega ao fim uma sequência que já durava 45 jogos como Starter. A quinta maior de nossa história. Mas agora é Elvis... Shayne Graham não é lá uma brastemp, mas enfim não existia nada melhor mesmo no FA.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Miami evita pela 4ª vez o Blackout...

Vista aérea do Sun Life Stadium, a casa do Dolphins. Está ficando cada dia mais difícil de conseguir a lotação mínima...

A NFL é uma Liga com regras bem rígidas e que tentam abarcar tudo e todos os setores que envolvem o jogo em si. Entre elas existe uma: jogo em que a capacidade do estádio esteja abaixo de 75%, o jogo em questão não será transmitido para a "praça" onde se realiza. Seria melhor que não se transmitisse, alguns podem pensar, pois assim os que fica em casa e assistem a partida pela TV iriam ao Sun Life. Não é bem assim, pois estamos falando de uma região ( no entorno de Miami ) que temos mais de 7 milhões de habitantes e o nosso estádio tem capacidade para pouco mais de 66mil. Sendo assim, qual seria o problema? Sem poder transmitir o jogo, a TV que paga ( e caro ) para ter os direitos não irá pagar pelo jogo, certo? Pois é, e se um jogo não é transmitido, outros patrocinadores ( o banco que dá nome atualmente ao estádio ) irão também pagar menos. Portanto viraria uma bola de neve.

E como chegou-se a essa situação? Três fatores são determinantes:
  1. O Lockout que a Liga viveu este ano, impediu que fossem vendidos, da forma antecipada que era feita todos os anos, os Tickets Season, ou os carnês da temporada. Os mesmos só puderam ser negociados quando a "greve" terminou". Isso fez com que as vendas ficassem bem comprometidas.
  2. A menos que você tenha chegado agora do espaço ou acordado de um estado de Coma deve saber que os EUA vivem uma pesada crise econômica, desde 2007, mas que - talvez - viva seu ápice agora. Sendo assim, os salários ( para quem tem a honra de tê-lo ) cairam e entre pagar uma quantida nada desprezível com os jogos do time de coração e pagar contas essenciais, nem preciso dizer o que a maioria está preferindo fazer. Acertadamente, diga-se.
  3. E por fim tem o problema técnico. Todos nós, no fundo, sabiamos que a temporada seria - no máximo - no mesmo nível das duas anteriores. Nada - nada mesmo - apontava que iríamos ter caminho fácil pra Post-Season. E isso é diferente de acreditar que pudesse acontecer. Era saber que seria complicado. Com isso vem a desconfiança e entre pagar caro para ir ver um time sem futuro e ir ver NBA ( que também está em greve ), Baseball ou Hockei, o torcedor preferiu não comprar os tickets season.
Então como, com tudo isso, ainda não tivemos um Blackout? Simples, a Direção está comprando os ingressos que faltam para os 75% obrigatórios e distribuindo entre, primeiramente, os torcedores que compraram os Tickets Season ( como forma de incentivá-los a continuarem a comprar nos anos seguintes ) e depois fazendo sorteios em rádios e sites de Miami e cercanias. Dessa maneira iremos manter a marca de 106 jogos seguidos com transmissão Televisiva. Mesmo que isso esteja custando caro aos cofres agora, é fundamental para o futuro.

First Down: Contratar um OC para Head Coach é uma boa?

O cara da foto é o Coordenador Ofensivo do New Orleans Saints. Contratá-lo seria uma boa?

Pete Carmichael Jr é o cara por trás do sucesso do ataque dos Saints, campeão do Super Bowl de  quase dois anos atrás. Ele está no cargo há 3 anos e teria uma vantagem e uma desvantagem:
  • Sabe como fazer um ataque ser letal ( afinal o do Saints o é );
  • Não soube tirar proveito de Reggie Bush.
Se a primeira é uma clara vantagem, a segunda é uma grandes desvantagem. O ataque do Saints é quase happy pass ( se eu tivesse Drew Brees - e tivemos duas chances para isso meu DEUS!! ) eu também montaria o ataque pra passar e passar. Mas nós não temos e ai me surge uma questão: ele conseguiria montar um bom ataque sem ter um HOF de QB? E se tivesse que usar - apenas como uma hipotése ) Matt Moore para isso? Ou Chad Henne?
Outra coisa importante a se pensar é: quanto do sucesso do ataque do Saints é mérito dele ou de Drew Brees? E não custa nada lembrar que em 2007 apostamos em um OC renomado da Liga ao escolhermos o ex-Chargers Cam Cameron, que assim como Carmichael, nunca teve experiência como Head Coach. Enfim perguntas interessantes.

Minha opinião? Erramos com Cam Cameron, mas não podemos tornar isso um empecilho, uma norma e nunca mais contrarmos outro OC para ser Head Coach. Se escolhermos Carmichael estaremos indo atrás de alguém que está fazendo um ótimo trabalho. É só não permitirmos que ele draft os seus TGJ e John Beck...

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Quem é o melhor jogador do Miami nesta temporada?

Se formos analisar apenas o rankeamento no Site da NFL, o homem eleito é Brandon Marshall. Entenda porque na matéria.

Brandon Marshall é o quinto melhor Wide Receiver da Liga em jardas recebedidas ( 742, com 14,2 de média por recepção ). Surpreendente não? Pois é, eu também achei, ainda mais porque os nossos QBs somados até aqui 2027 ( 868 de Henne e 1159 de Moore ). Sendo assim ele tem mais de 30% de todas as jardas e já projeta manter-se na meta das 1000 jardas ( faltam 258 ), pois até agora em 5 temporada completas na NFL em quatro delas ele ficou nesta marca. E nada aponta no contrário.

Reggie Bush poderia ser outro, certo? Mas ele é apenas o 25º RB da Liga e nem tem 500 jardas. Mas ele vem evoluindo e nas últimas 3 ele passou das 200, quase metade do total. Sendo assim essa briga(?) só tende a melhorar.
E você o que pensa respeito? A caixa de comentários é toda sua...

Week 10 - Redskins 09 x 20 Dolphins

Vencer é bom e se for em casa - onde estavamos sem vencer a quase um ano - então é excelente. Vencer é o objetivo ( sempre ) de uma franquia. Mesmo que isso custe-nos um QB como Andrew Luck, mas existe um alento: existem outros bem cotados no Draft. Vamos ao tradicional post com imagens ( os criticos dirão que faço isso quando o time vence com mais ênfase. E daí? O Blog é meu e nele eu mando... ):

 O ataque do Miami foi mais balanceado no dia de ontem, mesmo que Matt Moore não tenha passado para TD ( e sofrido Interceptação ), ele teve uma atuação - como diria - até que razoável, pois fez o time andar ( e como andou ). O ataque parece não ser tão inoperante como deu a entender e me deixa até esperançoso para o ano que vem...

 Reggie Bush anda impossível nestas últimas 3 partidas: sempre com mais de 140 jardas conjugadas ( passe + corridas ) e marcando TDs. Ontem foram 2, um deles com uma jogada a tempos não vista por aqui ( onde nosso RB, perto da linha de TD, consegue entrar sem marcação alguma ) e outro fintando meio-mundo e contando com diversos tackles da Offensive Line, além da linha de Scrimmage, coisa rara também. Enfim, ele mostra que poderá ser extremamente útil no ano que vem. Ficando a ressalva que ainda insistem demais em usá-lo pelo meio, ainda mais quando Daniel Thomas ( saudável como agora ) disponível para isso...

 Por conta dos percalços desta temporada, nosso Light Tackle não irá ao Pro-Bowl. Mas se tivesse jogado a temporada inteira como tem atuado nestas 3 últimas, iria com certeza... Moore agradece, mesmo que ele tenha cometido uma Interceptação tosca até. Mas enfim, ele está apenas cobrindo buraco. E ele também merece certos ( comedidos ) elogios pela duas últimas atuações...
 A Cheers do Dolphins são famosas, nem tanto quanto às do Cowboys, mas estão entre os 5 melhores grupos com certeza. E como vencer é lindo, nada melhor do que embelezar ainda mais este post com esta bela ruiva. Mas tem de tudo: negras, morenas, loiras, asiáticas...

 Motivos para termos conseguido vencer duas partidas depois do começo da temporada passada? Bom, alguns claros e outros nem tanto, mas o mais vísivel está na foto acima: pressão no QB adversário. Começamos a pressionar e por consequência o rival erra, comete turnovers e não sai do lugar. Na foto, Sex Rex recebe sack de Cameron Wake. E a subida de produção dele é proporcional a nossa "tímida" melhorar...

 Alguém se lembra qual tinha sido a última vez em que Vontae Davis tinha feito uma interceptação? Tanto tempo que eu mesmo não me lembro. E nem fui buscar. Mas só de ele ter conseguido já é um feito e tanto. Méritos para ele e para Mike Nolan, que está pondo seu emprego a prova neste fim de temporada...

 Karlons Dansby, até aqui, vale cada centavo do seu altissimo salário. Interceptações de ILB no Miami só não são mais raras ( antes da chegada dele ) do que nossas idas a Super Bowls no últimos 30 anos. E Dansby já dobrou a marca dos últimos 6 anos em apenas um ano e meio. Feito notável é claro. E quem comemora como garoto ao lado de Dansby? Um senhor de 36 anos. Esse é o grande Jason Taylor...

 Aqui o lance de Dansby visto de outro lado, ele cercado por Kendall Langford (70), Sean Smith (24) e Vontae Davis (21). O lance decidiu a partida, porque o jogo estava 13 x 09 e no drive seguinte, Reggie Bush matou o jogo com o TD "fintado"...

 Ao final o cumprimento. Talvez um dos últimos que Sparano faça na condição de vitorioso como Coach do Dolphins. Porque último? Durante a semana explico, mas é que o calendário agora ficará - acreditem - pior do que foi até agora.