sábado, 29 de dezembro de 2012

E a classe de 2011 do Draft?

Conhece o WR da foto? Não? Fique tranquilo, você não é o único...
 
O Draft de 2011 foi complicado, primeiramente pela temporada complexa de 2010, onde fizemos inacreditáveis 1-7 dentro de nosso estádio, mas vencemos por exemplo Vikings e Packers fora de casa. Sim, o Packers que seria o campeão ao final do ano. E não teríamos pick de segundo round, que enviamos para o Broncos na troca por Brandon Marshall. E acho que fizemos um dos piores drafts recentes ( e olha que somos especialistas em drafts ruins ). Vamos ver como estão os jogadores daquela turma:
  • Mike Pouncey. Titular desde o primeiro dia, podemos dizer que é o único que vingou de verdade. Sofre ainda com algumas defesas, mas até aqui em 2 anos mostra o potencial para ser de elite. Comparando com os first rounds de drafts anteriores, é um dos melhores escolhidos ao lado de Long;
  • Daniel Thomas. Pra mim, até aqui, uma bola fora. Não consegue correr pra valer, não consegue manter-se saudável e se existe a possibilidade de deixarmos Bush ir embora é por causa de Lamar Miller, não de Thomas. Serve no máximo para ser complemento, jamais como corredor principal. Para adquirimos ele no segundo round, tivemos que ceder as picks de terceiro, quinto e sétimos rounds. Tudo isso para conseguir um back-up. Sensacional, não?;
  • Edmont "Clyde" Gates. Quem? O cara da foto. Mas o que ele fez de bom? Nada. Tanto que hoje está no Jets. Viera de uma Universidade desconhecida e mostrou-se um desperdício de pick;
  • Charles Clay. Este está ai ainda e vem sendo usado como TE. Marcou TD recentemente, diante do Seahawks. Vem contribuindo bem e virou um reserva útil;
  • Frank Kearse. Foi cortado este ano e não está mais na NFL;
  • Jimmy Wilson. Está lotado na secundária e vem contribuindo de forma até que bem. Por ter saído no sétimo round, acho que valeu a pena.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Salary Cap, Franchise Tag e um recorde do Blog...

A NFL definiu valores do Salary Cap e das Franchise Tag para a temporada de 2013. E este Blog tem um recorde com este post...
Nesta sexta, a NFL anunciou os valores do Salary Cap e das Tags para cada posição. O total que as equipes podem gastar em 2013 aumentou impressionantes 1mi. Isso mesmo, passou de 120 para 121mi. Além disso os valores das Tags ficaram assim:
  • Quarterbacks: 14,642 milhões;
  • Runningbacks: 8,079 milhões; 
  • Wide Receiver: 10,357 milhões;
  • Tight End: 5,962 milhões; 
  • Ofensive Lineman: 9,660 milhões;
  • Defensive End: 10,984 milhões;
  • Defensive Tackles: 8,306 milhões;
  • Linebackers: 9,455 milhões;
  • Cornebacks: 10,668 milhões;
  • Safeties: 6,798 milhões;
  • Kickers/Punters: 2,926 milhões;
O Miami poderá ter que assinar a TAG com algum destes jogadores: Jake Long, Sean Smith, Brian Hartline, Randy Starks, Reggie Bush e Anthony Fasano. Sendo que no caso de Long, o valor não ficaria nesse citado ai em cima, ele cairia na regra que cita: "o valor da Tag ou 120% do salário, o que for maior". No caso de tagarmos Long, ele receberia impressionantes 15,3 milhões em 2013.

Além disso existem 2 tipos de Tags: a exclusiva e a não exclusiva. Na primeira o jogador é tagado e ele não pode negociar com nenhum time, euquanto que na segunda o jogador pode negociar, mas o time que tagou receberia duas picks de primeiro round. Existe uma terceira opção: a Tag de Transição, que é pouco usada, pois nela o time paga menos do que os valores acima, mas ele pode negociar com outra equipe e o time fica sem recompensa alguma.

Eu, particularmente, só acho que valha a pena assinar Tag com o Bush ou com o Sean Smith. No mais, não faria sentido e nem compensaria do ponto de vista financeiro. Além disso o Miami terá 22 FAs para assinar. Alguns é claro que nem valem a pena, outros são cruciais e mesmo que tenhamos 60 milhões de Salary Cap, não teremos espaço para assinar com todos. Além de, todos sabem, precisamos de reforços.

Quanto ao recorde deste Blog é o número de postagens totais em um ano, chegando neste na marca de 278 posts, superando a marca da temporada de 2009. A marca é significativa e vem em uma temporada onde a chance de post-season bateu, diversas vezes, na nossa porta mas por diversos problemas ( pra mim o principal é a falta de qualidade do QB ) iremos mais uma vez ver a post-season pela televisão. Fica para 2013. Ou não. 

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Cameron Wake é Pro Bowl.

Cameron Wake será o único jogador do Dolphins no Pro Bowl. Merecido, ele é de longe o melhor jogador do elenco. Brandon Fields, pra mim, merecia ter ido, mas é aquela coisa: não merecemos dois jogadores no Pro Bowl, não temos time pra isso. E essa é uma dura realidade. Parabéns para Wake, que tem sido de fato um jogador espetacular...

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Hora de olhar pra temporada dos rookies...

Foram 09 jogadores escolhidos. Um deles nem sobreviveu ao corte da temporada. Outro é o pomo da discórdia entre os torcedores, tem o que praticamente não entrou em campo, tem o que teve que mudar de posição... enfim, todos os rookies do Dolphins tiveram bons e maus momentos. Vamos ver o que rolou na temporada deles, com nota e tudo:
  • Round 1 Pick #8 - Ryan Tannehill - QB, Texas A&M - Discussão sem fim. Ou com fim, pois em 2 anos saberemos o fim da saga. Como ela será é que é problema. Polêmicas a parte, todos concordam em uma coisa: ele está melhor agora no fim da temporadas, mas não está conseguindo ter excelentes atuações e sim jogos seguros, errando menos mas não aumentando o número de acertos. Além dos adversários serem mais fracos. Antes do fim da temporada ele está 12-12. Seria bom, mas 3 rookies QBs tem mais Tds, mais destaque e concorrem entre si para ver quem vai ser o Rookie Ofensivo do Ano. É esperar pra ver o que rola em 2013, mas o meu sentimento não mudou desde o dia em que ele foi draftado. Nota B-;
  • Round 2 Pick #42 - Jonathan Martin - OT, Stanford - Que tal entrar em um time para ser RT e terminar o ano substituindo aquele que pra muitos era o melhor LT da Liga em 2010? Gelada, não é mesmo? Pois ele se virou bem até aqui, apesar do erros costumeiros de rookies. Parece promissor e com espaço pra crescimento. Nota B;
  • Round 3 Pick #72 - Olivier Vernon - DE, Miami - Uma atuação histórica diante do Jets valeu o ano. E ele foi consistente a temporada inteira, rodando entre DL e LB. Está progredindo bem e agora vai ter que mostrar-se melhor em 2013. Boa aquisição até aqui. B
  • Round 3 Pick #78 - Michael Egnew - TE, Missouri - Quem? Pois é, a pergunta do dia do Draft permanece. Até aqui praticamente não entrou em campo. Tem cara de bola fora, e daquelas pra gente nunca mais esquecer. Nota E;
  • Round 4 Pick #97 - Lamar Miller - RB, Miami - Por algum motivo inexplicado Joe Philbin e Mike Sherman insistiam em deixar ele de fora. Quando resolveram colocá-lo ele deixou esperança de que pode ser bem útil para os próximos anos. Nota ( por ter jogado pouco ) B-;
  • Round 5 Pick #155 - Josh Kaddu - OLB, Oregon - Tem atuado mais no Special Teams, mas parece que cavou seu lugar no elenco, pelo menos para 2013. Nota D;
  • Round 6 Pick #183 - BJ Cunnigham - WR, Michigan State -Tão bom, mas tão bom que nem sobreviveu ao corte do 53 man rostes. Bust do Draft até aqui, mesmo que o round tenha sido o sexto. Sem nota, é óbvio;
  • Round 7 Pick #215 - Kheeston Randall - DT, Texas - Parecia ser apenas mais um a tentar a sorte em uma TC saindo em little rounds. Mas eis que ele está fazendo uma temporada de rookie sendo bem interessante tanto nos STs quanto sendo usado na rotação dos DTs. Nota D;
  • Round 7 Pick #227 - Rishard Matthews - WR, Nevada - Excelente achado ou um jogador que aparece pela fraqueza do grupo de WRs? Difícl saber agora, mas ele tem feito o seu papel e conseguido suas jardas, apesar de ter recebido apenas 8 passes. Em 2013 saberemos melhor a resposta para a pergunta feita acima. Nota C, pelo round em que saiu.

Novo logotipo do Dolphins?

Pode ser que esse seja o novo Logotipo do Miami Dolphins. Há tempos que vem sendo especulada a modificação, mas agora existe um desenho. Se vai ser este ou não é outra coisa, mas eu achei bonito. Mesmo sendo apegado a tradições, eu gostei...

Renovar ou não com Reggie Bush eis uma questão pertinente

Que o seu Natal tenha sido cheio de paz, alegria e com a presença de ses familiares e amigos queridos...

mas a questão agora sobre este jogador. Valeria a pena mantê-lo em Miami?

Voltando a ativa após a pausa pras Festas Natalinas, vamos a uma questão pra lá de pertinente: Reggie Bush deveria receber um contrato na próxima off-season? Antes de prosseguir, vamos a um comparativo entre o Bush de 2011 e o de 2012 ( ano passado ele ficou de fora da última partida, portanto os números são todos de 15 jogos ):
  •  Jardas Corridas: 1.086 contra 960 ( a duas marcas são as melhores de sua carreira );
  • Touchdowns: 6, mas em 2012 ele recebeu pra 2, contra apenas 1 em 2011;
  • Média de Jardas por corrida: 5,0 contra 4,4;
  • First Downs: 40;
  • Corridas de 20jds: 7 contra 6;
  • Fumbles: 4
Analisando de forma bem fria, podemos dizer que os números são bem equivalentes, apesar de 120jds a menos. Acontece que Bush não fez nenhuma partida pra mais de 200k este ano enquanto fizera uma ( contra o Bills ) em 2011. Bush ficou devendo em diversos momentos na temporada e fez jogos apáticos, mas chega a ser surpreendente ver que ele esteja a míseras 40jds para ultrapassar, e apenas pela segunda vez em sua carreira de 7 temporadas, as 1000jds. 

Não existem muitos corredores por ai que podem correr, de forma consistentemente, mil jardas em duas temporadas seguidas. Além disso, convém citar, que o candidato a substituto está - pela segunda temporada em duas, na Lista dos Machucados. Seu nome? Daniel Thomas. E o terceiro no backfield está apenas agora ganhando experiência em correr, mas não está enfrentando as melhores defesas contra corridas, ressalte-se.

Isso torna delicada demais a decisão de renovar ou não com Reggie Bush. Ele está tendo, de longe, suas melhores temporadas conosco e tem ficado longe de contusões, algo que o perseguia antes. Mas se renovar, qual a duração do contrato? Qual valor? Quanto de dinheiro garantido? Daria para conseguir alguém melhor ou parecido na Off-Season? E se conseguirmos outro RB, seria mais barato?

Primeiro passo para definir essa questão é definir se Bush é importante para a evolução de Ryan Tannehill. Sim, isso tem peso crucial nessa decisão. Química entre jogadores de ataque não é uma coisa que aparece do dia pra noite e trocar o RB principal ( que também é um bom alvo no passe ) e o WR com quem ele melhor se entendeu no seu ano de rookie ( Brian Hartline ), não me parece uma boa ideia.

Isso quer dizer que devemos renovar com Bush ( e por tabela com B-Hart ), a todo custo? Não é bem assim, devemos procurar equacionar bem as variáveis envolvidas neste problema: Cap, tempo de contrato, idade ( RB começa a decair os números a partir dos 30 e Bush terá 29 ano que vem ) e melhora de nosso QB. Se pudermos equilibrar tudo isso, teremos feito um grande trabalho. Se iremos conseguir é outra coisa, mas o Bush de domingo passado merece ficar mais anos em Miami.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Feliz Natal para todos!!!

Feliz Natal para todos é o que desejam todos os que fazem o Undefeatteam.

Miami vence o Bills, mas está eliminado. Quem se importa com isso?

Ontem esta dupla, que ficou devendo em boa parte da temporada, esteve perto da perfeição. Mas eles podem se separar em 2013...
 e quem decide é este homem ai. Ou não, vai saber...

Eu sempre quero vencer. Se for diante de um rival de divisão, isso vira obrigação pra mim. Não sei bem a opinião de todos os que frequentam este espaço, mas eu sempre quero vencer, mesmo que o rival seja o Patriots ou o Texans, em suma, quero vencer mesmo quando é certeza a derrota. Mas existem outros lados que quero tocar neste tópico, o qual não irá malhar Ryan Tannehill. Acho que ele mereça uma trégua após completar sua quarta partida seguida sem interceptação, após romper a barreira das 3000 jardas e ter dado um passo grande no sentido de, ao menos, ficar zerado na relação TDs-Ints ( está 12-12 agora ):
  • O time vem de 3-2 nas últimas 5 partidas, mas só venceu um time que tem mais vitórias que derrotas ( Seahawks ). Perdemos para Patriots e Niners, mas esses eram resultados pra lá de prevísiveis e agora vencemos Jaguars e Bills. Não quero ser o chato, mas ocorre a vocês que além do Seahwaks, a outra equipe com mais vitórias do que derrotas a quem conseguimos vencer foi o Bengals? E que perdemos pra Jets, Cardinals, Bills e Titans e que das outras equipes que vencemos até aqui só o Rams pode terminar com saldo positivo? Isso mostra o quê exatamente? Que nosso time tem sérias dificuldades em vencer adversarios do mesmo naipe ou inferior e que consegue atuações decentes contra times fortes ( foi assim diante de Pats e Niners ). Temos muito o que melhorar para podermos ir a post-season;
  • Não obstante o dito acima, fica claro e evidente para que possamos ousar desafiar o amplo domínio do Pats na divisão, precisamos varrer Jets e Bills e só ai trocar derrotas com o NE. Varrer rivais ridículos como Bills e Jest é obrigação para quem tem o time que temos. Ou alguém ai vai dizer que o time mudou tanto assim da semana 11 para a 16? Não mudou, é a mesma equipe ( vá lá, Long estava em campo mas isso não quer dizer nada ). O QB, os OLs, os RBs, os WRs eram os mesmos. Ficou claro para quem quis ver que era possível termos vencido lá em Buffalo. Porque não vencemos? Não sei, mas que o Bills é patético ficou claro ontem, quando pediu pra levar 50 pontos de novo e não tivemos a capacidade de sequer fazer a metade disso;
  • O calendário do ano que vem é mais complicado do que o dessa temporada, pois inclui times bem fortes como Falcons, Saints, Steelers e Ravens e os confrontos com os times da AFC que terminaram na mesma posição em suas divisões prevê jogos duros contra Colts e Chargers. Trocando em míudos: nada de Raiders e afins ( vá lá que tem o Browns, mas eles melhoraram bem o ritmo neste fim de temporada ). Acho, sinceramente, que diante desses 6 times deveremos, em tese, perder ao menos 4 jogos. Some-se a isso duas derrotas pro Pats e já teríamos seis derrotas. E ainda tem times como Buccs, Panthers e Bengals na conta. Seria necessária uma melhora mais do que ótima para podermos ir a post-season ( isso sem melhoras nos rivais ). Aguardar que ela aconteça, no momento, é mais do que improvável;
  • Tudo isso claro, passa por uma evolução de Ryan Tannehill. Se ele melhorar de forma gradativa, ok. Se não, nada de post-season. Ele está melhor agora do que no começo da temporada? Piorar seria impossível, não é mesmo? Mas jogar bem e não ser inteceptado é uma boa notícia, mesmo não esquecendo que os adversários são bem mais fracos. E ontem ele ficou com menos jardas passadas do que Fitzpatrick. Alguns dirão que não fez falta e que vencemos, mas é um dado a ser considerado. Mas vai que ele atua assim ( ou melhor quem sabe ) diante do Patriots? Ai sim teríamos motivos para ficarmos animados de verdade;
  • O estádio vazio é um sintoma, acho que todos perceberam durante a partida, e para os que não viram a foto de Ryan e Bush juntos não deixa dúvidas. A torcida só vai aparecer em peso quando, e se, este time conseguir vencer mais partidas do que perder. A história poderia ter sido diferente e vi gente no Facebook criticando Steelers e seus jogadores, mas quando você passa a depender do outros é porque você não fez a sua parte. E nós deixamos de fazer a nossa ao perdermos, em casa, pra time como Jest e Titans ou ao conseguirmos perder pro Cards que na sequência perdeu apenas 9 partidas! Claro tudo poderia ser diferente, é o que todos queriámos. Mas, infelizmente, não deu;
  • Acertar a mão na off-season é mais essencial do que nunca. Na obtenção disso residem nossas esperanças de irmos melhor em 2013.
O Blog entra em recesso e só volta a ativa, talvez, na quinta. Um Feliz Natal para todos, cheio de paz e alegria. E até quinta-feira. Ou não... 

domingo, 23 de dezembro de 2012

Week 16: Bills at Dolphins - Vencer pra terminar com dignidade diante da torcida

Apesar de eu ter certeza de que esta temporada não está sendo, nem a pau, melhor do que a de 2011, alguns jogadores estão tendo a melhor temporada de sua vidas. O da foto pode ter a sua melhor marca em sacks em uma única temporada, basta conseguir 1 na partida de hoje.

Iremos encerrar nossa temporada diante de nossa ( sofrida ) torcida, enfrentando um velho e incorrígel freguês: o Buffalo Bills ( 55-37-1 ), diante de quem estamos 5-3 na recentemente. Vencer é importante não porque isso manteria acessa as ( remotíssimas ) chances de post-season, mas sim por darmos um presente de Natal aos tocedores, vencendo em casa e voltando a ter mais vitórias em casa do que nas temporadas anteriores ( se vencer, ficaremos 5-3 contra impressionantes 1-7 de 2010 por exemplo ou do 3-5 de 2011).

Vencer sempre é importante, pois é o objetivo básico do esporte. O draft de 2013 não pode comportar erros e pouco faria diferença entre escolher na 11ª ou na 14ª, pois mesmo perdendo as duas últimas o time não vai entrar no Top 10, onde sim faz diferença.

Nesta partida poderemos ver Cameron Wake superar a sua marca de sacks em uma temporada ( 14 em 2010, além de liderar pela 4ª temporada seguida o time nesse quesito ), poderemos ver Reggie Bush encaminhar-se para pela segunda vez na carreira conseguir passar das 1000jds ( precisa de 151 em duas partidas ). E que Tannehill passe das 3k jds ( precisa de apenas 71 hoje ) e que tenha 90 ratings ou mais ( o time está 5-1 quando ele faz isso ).

Davone Bess, Dan Carpenter, Daniel Thomas e Koa Misi estarão de fora da partida e a baixa mais sentida sera a de Bess, pois já não temos um grande corpo de recebedores, imagina sem um Starter a disposição. Enfim, vencer é a base. E é o que eu quero. Se der pra ser passando o carro, tanto melhor. Pois se Ryan deseja ficar com mais TDs do que Ints, teria que passar por pelo menos uns 3 hoje ( sem interceptações ), pois na semana seguinte passar para mais de um será bem complicado, diante do Pats, não acham?