sábado, 12 de março de 2016

Como ficou o contrato de Ndamukong Suh após a re-estruturação?

O contrato dele seguirá pesando muito mais nos anos seguintes...
Ndamukong Suh. Foi o assunto da Free Agency do ano passado em toda a NFL, mas pelo motivo errado: o monstruoso contrato que recebeu. Ele, um ano atrás, tornou-se o primeiro defensor da história da NFL a superar a marcar dos 100 milhordes num contrato, com inacreditáveis 55 milhões garantidos. Cortesia de Stephen Ross e Dennis Hickey. O segundo não está mais no Dolphins e Deus sabe o quanto eu adoraria que outra pessoa comprasse a franquia e tirasse o pateta também... Adiante.

Ele iria receber, em média, 19 milhões por 6 anos de contrato ( 114 no total ), mas em 2016 o peso do contrato dele no Cap seria de assombrosos 29 milhões, ou quase 20% de todo o Cap. Uma aberração que só em franquias "losers" acontece. Qual seria a saída para arrumar Cap? Re-estruturar o contrato. Mas isso é só empurrar o problema para o futuro, além de ter que desembolsar mais dinheiro garantido para o jogador ( até porque ele nao é obrigado aceitar ganhar menos sem compensação por isso, certo? ).

Pois bem, antes de prosseguir, vejam está agora distribuída a grana do mega ( e insano ) contrato de Suh:


De um valor que era 29 milhões em 2016 temos agora quase 13 milhões, uma queda superior a 16 milhões. Que beleza, pode pensar o amigo mas... é, tem sempre um más: ele agora tem mais valor garantido por ano e vai ganhar mais nos 3 últimos enquanto que antes este era um valor decrescente. O lado bom da re-estruturação foi de que no ano que vem ele receberá menos de 20 milhões. Mas existe um problema, que pode acontecer: e se ele sofrer uma ending career? Ok, seria muita falta de sorte, mas de vez em quando acontece. Além disso, quando ele estiver com 32 anos - onde começa a declinar o desempenho - ele vai receber 26 milhões e com 33 mais de 28 milhões. Assustador não? Em 2020 - onde ele poderia ser cortado com quase nenhuma penalização, ele ainda teria 22 milhões. Alguém ai espera realmente que Suh ainda seja Top 5 até lá? Duvido que pensem...

Eu disse corte, nao foi? Pois é, existe como cortar ele em 2018 sem muito Cap Hit. Vejamos a imagem a seguir:


O novo CBA trouxe uma novidade, colocada pelos Owners: a possibilidade de cortar dois jogadores por temporada ( ou trocá-los ) com um peso menos para o Cap. Tais cortes podem serem feitos até a abertura do mercado e serem listados como "Cute post-June 1", que aparece no primeiro quadro da imagem acima. Notem que, neste melhor cenário só compensaria cortá-lo em 2018 ( de cima para baixo os anos de 2015, já em branco, até 2020 ). Em 2018 e 2019 o Cap Hit seria o mesmo ( 9,1 milhões ), mas no primeiro já compensaria salvar 17 milhões. Em 2020, diante do valor inicial, praticamente nem teria Cap Hit, embora salvar quase 19 milhões não seja nada desprezível. Ao lado temos os valores para Corte Normal e para uma improvável Trade.

É um valor assustador, com certeza. Em todo caso, existem brechas para nos livrarmos dele em 2018 com um Cap suportável... por falar em suportável, sabe de quem ainda temos Dead Money no Salary Cap? Vejam ai...

sexta-feira, 11 de março de 2016

Miami assina um OT, re-estrutura contratos dos ex-Eagles e procura outro CB

Bushrod deverá atuar de Guard...
No segundo dia de mercado, o Miami foi preenchendo algumas das inúmeras lacunas do elenco. Acertamos com CJ Anderson um contrato de bom valor e ficamos no aguardo se o Broncos igualará ou nao o valor. 

Além disso o time assinou com o OT Jermon Bushrod, ex-Bears para ocupar o posto de Guard, tentando assim melhorar o setor sem precisar gastar picks no Draft. O contrato é de um ano e valor ainda não foi informado. Um movimento interessante, sem dúvida. 

Uma coisa une esses dois jogadores: ambos trabalharam com Adam Gase em ataques que deram certo. Se o mesmo vai ser repetir em Miami é que é o problema, porque ambos os times ( Broncos e Bears ) tinham QBs melhores do que o nosso. Mas mostra um direcionamento, que pode mostrar-se errado mas existe um plano. O que já é alguma coisa comparado com a era Philbin...

Ainda ontem ficamos sabendo que tanto Byron Maxwell e Kiko Alonso aceitaram re-estruturações em seus contratos. Maxwell tinha certo receber 8,5 milhões este anos e 10 milhões em 2017, com um total de 11,3 milhões garantidos. Agora ele vai receber 8,5 milhões nos dois anos, subindo o valor garantido para 13 milhões. Já Kiko Alonso aceitou estender um ano, passando seu contrato de 900mil para 2,8 milhões.

Os movimentos diminuem o impacto no Cap, no caso de Maxwell, e uma segurança de que não percamos um jogador no ano que vem na free agency, no caso de Alonso. Bons movimentos, mas que não melhora o custo da Trade... ainda mais se o Eagles escolherem um Playmaker nato com a escolha que era nossa.

Para encerrar o time ainda busca outro CB no mercado. O alvo é Josh Robinson que jogou ano passado pelo Vikings. Assim o Front Office segue se mexendo. O que é bom, claro.

quinta-feira, 10 de março de 2016

Dolphins acerta-se com CJ Anderson, ex-Broncos. Mas ele ainda nao é um Dolphin Player

Uma reposição a altura para a saída de Lamar Miller?
O Miami Dolphins conseguiu acertar um contrato com o RFA ( Free Agent Restrito ) CJ Anderson, que foi campeão do Super Bowl pelo Denver Broncos. O valor do contrato é de 18 milhões por quatro temporadas, com algo em torno de 10 milhões garantidos. Algo bem mais barato do que o contrato de Lamar Miller com o Houston Texans. Saímos, então, no lucro? Antes responder a essa pergunta, compare o desempenho dos dois em 2015:


Parece-me bem claro que Miller foi bem melhor em 2015, com mais carries, jardas e Touchdowns, perdendo apenas na média de jardas por corrida. Os dois tem praticamente a mesma idade, com uma vantagem de 1 ano pra Anderson.  Em suma pode ter sido 6 por meia dúzia com 6 milhões a menos no contrato...

Como assim pode ter sido, Flávio? Bom, eu disse isso porque ele é um RFA e o Broncos agora tem cinco dias para cobrir a proposta. E o valor não é dos mais altos que impeça o time do Colorado de igualar a oferta nossa.

O time, caso seja bem sucedido, terá coberto uma necessidade com um atleta igual ao que se foi. Aguardemos.

Um resumo do primeiro dia da Free Agency

Essa cena não irá se repetir em 2016...
Ontem teve início o período da Free Agency, quando os times podem contratar jogadores livres. Em suma, é o começo da temporada 2016. E se o começo determinar o final da mesma... estamos ferrados. Eis quem chegou e saiu:
  • Olivier Vernon, DE - Assinou um contrato insano de 85 milhões por 5 anos com o NY Giants, sendo 52 milhões garantidos. Loucura total, pois a média é de 17 milhões por temporada!!!
  • Lamar Miller, RB - Assinou com o Houston Texans por 26 milhões ( 14 deles garantidos ) para 4 temporadas. Esse é um valor que cabia em nosso Cap e simplesmente não entendo poque deixaram ele sair;
  • Rishard Matthews, WR - Assinou com o Titans;
  • Derreck Shelby, LB - Assinou com o Atlanta Falcons por 18 milhões, sendo 7,5 garantidos por 4 anos;
  • Mario Williams, DE - Assinou por duas temporadas por 16 milhões;
  • Isa Abdul-Quddus, S - Quem? Pois é, um total desconhecido, nem aparecia na lista dos melhores da posição na FA. E tem um motivo: ele era reserva no Lions, que está longe de ter a melhor secundária da Liga. Assinou por 3 temporada num total de 12,75 milhões ( média superior a 4 milhões por ano ), grana que teria sido melhor usada para manter Lamar Miller, certo?;
  • Sam Young, T - Quem(2.0)? Pois é... tudo bem que estamos com limitações se Cap mas assinar com duas perebas beira o ridículo. Ele estava no Jaguars e não era titular. Assinou pelo valor mínimo ( 760 mil ) e deve ser cortado. Ou deveria...;
  • Kiko Alonso, LB - Veio na troca com o Eagles. Saudável, deverá ser Statter;
  • Byron Maxwell, CB - Veio na troca com o Eagles e, com o corte de Grimes, deve ser Starter. Ou terá que ser, uma vez que ganha muito para o pouco que tem jogado recentemente. Re-estruturou seu contrato, baixando o peso no Cap.
Muito pouco, com certeza. Williams repõe - teoricamente - muito bem ( e mais barato ) a saída de Vernon, mas é mais velho. Maxwell é um CB pior do que Grimes, mas é mais jovem e pode manter o nível pois Grimes tenderia a seguir numa linha descendente na carreira. Alonso, se saudável, é melhor do que as opções para o setor, portanto - em tese, é uma boa adição. Além disso ainda está sob contrato de rookie, o que nos livra de overpay em um jogador do mesmo nível. 

Para repor a saída de Miller o time agora está atrás de CJ Anderson ( campeão do SB com o Broncos ), mas ele deverá pedir alto, talvez mais do que pagaríamos por Miller. Ou então aguardar o draft e tentar draftar alguém por lá. A saída de Matthews não traz grandes problemas pois o time tem, possivelmente, a melhor dupla jovem de WRs, precisando apenas escolher um no draft para compor o setor. Estranho foi o time deixar passar os 3 melhores Guards disponíveis no mercado quando o time, claramente, precisa de reforço no setor. 

Agora só temos um jogador no elenco oriundo do Draft de 2012, aquele que deveria ser o transformador da história da franquia. E isso é uma explicação clara do porque ainda não temos uma equipe forte, sobretudo quando perdemos os dois melhores daquela turma ( Vernon e Miller, respectivamente ) e um achado de sétimo round ( Matthews ). Miami segue ignorando a máxima de que é pelo Draft que se montam times vencedores. Duvida? Deixo esta imagem para seus espanto:


quarta-feira, 9 de março de 2016

Lamar Miller assina, por pouco, com o Houston Texans

Ele foi embora, mas o time poderia facilmente pagar o valor que ele assinou com o Texans...
O draft de 2012 poderia mudar a história do Miami Dolphims. Poderia, mas escolhemos Ryan Tannehill e ele é essa porcaria que está ai 4 anos depois. E hoje perdemos os dois grandes valores daquela turma que ainda estavam em Miami: o DE Olivier Vernon e o RB Lamar Miller. Eu não vi grandes coisas em Vernon na época, mas em Miller eu sempre vi potencial para ser um sólido starter, mas Vernon mostrou-se um defensor de grande qualidade. Agora só resta Tannehill e com um contrato insano e que ele NUNCA fez nada para merecer.

Lamar Miller assinou um contrato de 4 anos com o Houston Texans num total de 26 milhões, sendo 14 milhões garantidos. O pior disso é que esse valor seria suportado facilmente pelo nosso apertado Cap, ainda mais se deixássemos para o ano que vem o maior peso. Mas não, simplesmente deixamos sair mais um jogador escolhido em draft e que estava rendendo em campo.

Enquanto isso, Tannehill permanece sendo um dos 10 QBs mais bem pagos da Liga sem jamais ter, sequer, passado perto de ser um Top 10. Depois tem gente que ainda quer que eu acredite e tenha esperanças no Dolphins...

Brent Grimes cortado

Obrigado por tudo Optimus Grimes!!!
Em um movimento muito esperado, o Dolphins cortou Brent Grimes pouco antes da abertura do mercado. Ele decaiu na última temporada e o clima ficara bem complicado com a boca de sua esposa Miko. 

Resta agradecer por tudo o que ele fez em campo e lamentar que nao somos uma franquia organizada e não permitimos que Grimes pudesse melhorar seus números na post-season. Por isso, obrigado por tudo Grimes.

E mais vez o Miami faz m.... na Free Agency

Agora é torcer para ele ficar saudável...

Parece piada, e na verdade é: o Miami fez a trade com o Eagles por Byron Maxwell e Kiko Alonso. Os jogadores nem são tão ruins assim, mas o problema está no valor: os times inverteram suas posições no primeiro round.

É isso mesmo que você leu: nosso time agora vai escolher em décimo terceiro. O valor de uma descida dessas equivale a uma escolha de segundo é quarto rounds somadas.  Acontece que Alonso e Maxwell foram avaliados em, no máximo uma escolha top de terceiro. E isso somados. Miami foi lá e, na prática deu uma escolha de segundo round por eles...

É o Miami Dolphins, a piada permanente da NFL...

terça-feira, 8 de março de 2016

Mario Williams pode aportar no Dolphins amanhã

Nossa DL com ele poderia ficar mais forte do que já é?
Ao que parece o Miami Dolphins já teria se acertado com Mario Williams, primeira escolha do Draft de 2006 pelo Houston Texans. Ele que estava no Bills, não se acertou muito bem no esquema do Técnico Rex Ryan, escolheu testar o mercado. E teria gostado do que ouviu do Dolphins, porque visitas marcadas ao Giants e Jaguars foram canceladas.

Em uma primeira análise o time não precisaria tanto assim de reforços no setor, mas o time tem um DE veterano ( Wake ) que veio de cirurgia de ACL e outro que, na prática, não tem contrato com o time ( Vernon ). A Tag de Transição não garante o jogador no time, como vimos ano passado com Charles Clay. Além disso Wake não teria aceitado re-estruturar o contrato, o que eu disse e repito era um direito dele. Contudo o Miami pode optar por cortá-lo liberando ainda mais espaço no Cap.

Segundo alguns rumores o acordo giraria em torno de 8 milhões por ano. Assim um corte de Wake poderia ser o próximo passo. Assim é a vida, infelizmente. 

Miami faz troca com o Eagles por Kiko Alonso(LB) e Byron Maxwell(CB)

Um LB que não é isso tudo...
e um CB que também não é isso tudo. 
O Miami Dolphins segue, ano após anos, cometendo os mesmos erros, ou seja, dando tiros nos pés. Construir uma equipe vencedora nao é fácil, fosse todas as 32 seriam e não seriam ao mesmo tempo, não é mesmo?

Hoje o time fechou negócio com o, desesperado, Philadelphia Eagles. O time da NFC East estava procurando livrar-se das peças que o ex-treinador Chip Kelly trouxera no ano passado ( fez uma trade com o Titans por DeMarco Murray, por exemplo ). E queria quem ficasse com Byron Maxwell e seu contrato caro ( mais de 9 milhões este anos e mais de 10 no ano que vem ). E aceitou colocar o LB Kiko Alonso, ainda em seu contrato de rookie, no pacote para não ter que negociar com ele na próxima off-season. Encontrou um interessado no Dolphins. Logo nós...

Com a Trade parece certo que iremos cortar Brent Grimes. Além disso o Miami está negociando uma re-estruturação de contrato com Maxwell e espera tirar o máximo de Alonso na defesa para, na próxima off-season ver o que rola ( seu contrato pesará menos de 1 milhão no Cap ). Qual seria o lado ruim dessa trade?

  • É pelo draft que se montam times vencedores. Ano passado o antigo comando entendeu que faltava pouca coisa para que o time se torna-se vencedor. O que fizemos? Estouramos o CAP com o contrato de Suh e um desnecessário contrato de longo tempo com Tannehill;
  • Com a Trade damos ao Eagles uma ( talvez duas ) escolhas de Draft vitais nesta re-construção ( a sétima desde 99 ). Jogadores vitais, sobretudo com salário menores do que o de Maxwell poderiam ser escolhidos nestas picks e serem - quem sabe - desenvolvidos no elenco;
  • Alonso será Free-Agency no ano que vem. Se jogar muito bem o time terá que assinar um contrato multi-year ou aplicar uma Tag nele ( com um alto custo ) e torcer que alguém queira dar picks ao Miami;
  • Maxwell não me parece o tipo de Corner capaz de elevar o nível da secundária. Fosse mais times teriam tentando a trade, certo? Enfim, será o novo Grimes: pode dar certo ou não. E nestes casos é mais provável não dar...
Claro que tudo pode cair por terra caso o time tenha dado apenas uma escolha de quinto round, mas com o histórico do Dolphins eu tenho a impressão de que foram duas, sendo 4º e 5º rounds.

Ah sim, lembram que eu disse que re-estruturar o contrato de Suh seria um mega erro? Adivinha o que o time fez ontem? Sim, isso mesmo...

domingo, 6 de março de 2016

Peyton Manning se aposentou. E eu já estou com saudades...

O Dan Marino de sua era...
E eis que o dia chegou: Peyton Manning resolveu que o melhor é parar por cima, como poucos jogadores podem fazer. Agora é lembrar o que ele fez nos campos da NFL, seus passes para Touchdowns, sua inteligencia rara... enfim, sua carreira brilhante.

Muitos críticos agora adoçaram as palavras, mas eu que sempre fui um admirador dele posso dizer: já está fazendo falta. Eu o defino como o Dan Marino de sua era, o melhor mas não o mais vitorioso ( o que não quer dizer que Brady, trapaceiro, seja o Montana dos nossos dias ). Manning para de jogar no mesmo patamar que Marino possuía em 99: liderando os principais recordes possíveis para um Quarterback. Ele, infelizmente, ao contrário de Marino com 2 títulos de Super Bowl.

Desperdiçamos a chance de ter ele vestindo nossa camisa pela total inoperância de nosso Front Office, que teve que recorrer a Marino para conseguir falar com Manning. Ele foi para o Colorado e por lá foi a 2 Super Bowls sem que o Dolphins conseguisse sequer ir para a post-season...

Fico feliz por ter tido o prazer de acompanhar a carreira inteira de Manning, que se aposenta como o melhor QB da história ( para mim, ele é ).