sábado, 7 de maio de 2016

Miami assina extensão de contrato com Cameron Wake até 2017

Wakezillia ficará em Miami até 2017...
Cameron Wake. Um talento perdido nestes anos de draga do Dolphins que parecem ( e o draft deste ano não muda em nada esta triste situação ) não ter fim, assinou hoje um extensão contratual com o Miami Dolphins, ficando sob contrato até 2017 pelo menos. Os valores totais não foram divulgados, mas sabe-se que ele terá algo em torno de US$ 10 milhões garantidos. 

Uma justa recompensa para ele que é o melhor jogador de defesa do elenco desde 2009, tendo conseguido 70 sacks e 16 fumbles forçados. Merece uma ida a post-season, mas... é, eu acho que ele irá. Ao menos conosco, infelizmente.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Miami assina com Tunsil, Dought e os 12 não-draftados

Levante a mão quem foi o primeiro da Classe a ter um contrato...
O Miami parece que nao quer deixar qualquer polemica quanto à assinatura de contratos com os recém draftados: já assinou com a primeira escolha Laremy Tnnsil e com a penúltima Bradon Dought. Além disso ainda assinamos com todos ( isso mesmo, todos ) os rookies não draftados. A lista que eu postei tinha 11 nomes, mas o time assinou com outro ogador: AJ Hendy, Safety da Universidade de Maryland.

As escolhas foram ruins, mas o Front Office está agindo o mais rápido possível para assinar com eles. O que é uma coisa boa.

Dion Jordan de volta? Tenho um pensamento a respeito...

Eu me sinto assim quando penso em você Dion...
1º Round - Dion Jordan DE Oregon. High risk, high reward. Como sempre dizem os analistas dos EUA é assim que podemos classificar a escolha de Dion Jordan. Ele não tem físico para bater os Tackles da NFL, mas tem velocidade e agilidade de sobra. O problema será manter suas duas ( e para alguns únicas ) qualidades ao ganhar massa corporal. Se ganhar em excesso, poderá ficar lento e ai não terá como ser o atleta que foi na NCAA. Sobre a movimentação que o time fez para draftá-lo, eu gostei. Abrir mão de uma escolha de segundo round para subir 9 posições é quase nada.
Nota: A- por causa do risco envolvido.

Poucas vezes eu estive tão errado quanto a uma escolha de Draft. Deveria servir, e não serve, como consolo que praticamente todos os analistas também erraram. Enfim, parecia algo bom demais e que infelizmente deu errado. A parte grafada acima é de doer e eu sei muito bem disso. Acontece que eu quis acreditar que após errar feio com Tannehill no ano anterior o time iria começar a acertar. E eu caí nessa, mas foi a última vez. Desde que ficou claro que Jordan for um puta erro, meu lema tem sido: desconfie de TODAS as escolhas e se alguma lhe surpreender ( alguém ai pensou em Jarvis Landry? ), diga que o time acertou depois de errar trocentas vezes.

Todos sabem que em 2013 ele mal entrou em campo. Em 2014 foi punido nas 4 primeiras partidas da temporada e depois praticamente nada fez ( dado que era uma escolha Top 3 ). E ano passado foi punido por reincidência na violação das regras da Liga quanto a substancias proibidas. Em suma: até aqui não fez nada para justificar sua escolha. Ele andava meio sumido ( não tem contas em rede sociais ) até que seu agente disse que ele manteve-se treinando forte e que ele está pronto para "assombrar" a NFL nesta temporada. Afirmando até que Jordan planeja conquistar o prêmio de Comeback Player of the Year ( algo como a maior reviravolta da temporada ).

Sabe o que penso a respeito? Ceticismo. Até que ele consiga fazer algo em campo, eu não irei esperar NADA dele. E recomendo aos amigos ( e até desafetos ) que façam o mesmo. Se ele for o mesmo de antes não iremos sofrer desnecessariamente. Se ele surpreender, só teremos a ganhar não é mesmo?

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Perfis de todos os escolhidos pelo Miami neste Draft

Um draft ruim ou será que fui eu que não entendi ele querem pro time?
Tem tanto tempo que eu nem sei quando foi, mas um dia no passado após um draft a discussão era o quanto tínhamos melhorado. Recentemente o papo é o quanto pioramos, Alguns por ai acham que o time vai melhorar, e eu duvido disso. Como esse draft horroroso o time vai fazer, no máximo, um 6-10. E olhe lá... Mas nao é disso que trata o post, aqui juntar os perfis de todos os jogadores que escolhermos, deixando os links para os perfis dos escolhidos deste péssimo draft, seja pela qualidade ou pelo custo em picks das escolhas. Espero que gostem

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Draft 2016 - Round 7, Pick 10: Thomas Duarte, TE - UCLA

Será ele, no final, o melhor jogador dessa classe?
Um Tight End no fim de feira? Porque nao, afinal o time não tem um Starter excelente e vale a pena arriscar. Mas eu vou perguntar: será que não existia ali um LB para ser draftado? Eu até acredito que existia, mas o "mago" Gase fechou os olhos e foi mais uma vez no ataque. Aguardemos, mas se algum LB escolhido depois virar um jogador sólido e Duarte for apenas mais um TE cortado, ai teremos muito o que chorar.

Nome: Thomas Duarte - Idade: 21 ( 30/03/1995 )
Universidade: UCLA - Posição: Tight End
Altura: 1,91m - Peso: 102kg

Visao Geral

Duarte cresceu numa família com influências mexicanas e japonesas. Ele jogou em 13 jogos na temporada passada e ganhando menção honrosa na All-Pac-12 ( 16-214, quatro TD ). Duarte foi escolhido como menção honrosa seleção da conferência novamente em 2014, liderando a conferência com uma média de 19,3 jardas por recepção ( 28-540, quatro TD ). Na última temporada, Duarte tornou-se o segundo jogador do time a superar a marca de 10 touchdowns entre seus 53 capturas que renderam 872 jardas ( 16,5 por ).

ANÁLISE

PONTOS FORTES - Consegue fazer uso de sua altura na End Zone, além de mudar bem de direção conseguindo algum espaço da marcação. Foi um terror para o Safeties da Conferencia, com sua altura e força. Trabalha razoavelmente bem pelo meio do campo, não se assusta com facilidade.

PONTOS FRACOS - O fato de ser um Tweener ( atleta que atua em duas posições ), que num primeiro momento se parecem mas que na verdade são diametralmente oposta, é uma fraqueza a ser levada em conta. Scouts preocupar ele pode não ser eficiente no bloqueio na NFL, onde irá enfrentar Defensores bem mais fortes do que ele encarava na NCAA, até pelo fato dele ter um certo desinteresse em bloquear. Ele tem também um certo descuido nas recepções, deixando algumas bolas fáceis caírem no chão. Precisa também, melhorar as suas rotas, pois na NCAA ele corria menos e mais fáceis rotas e na Liga é preciso mais.

NFL COMPARAÇÃO - Jordan Reed

ANÁLISE DA PICK - De fato o time precisa melhorar seu grupo de TE e ter um com 1,91m e forte como é Duarte - de fato - foi um grande valor para o sétimo round. Ele, bem treinado, tende ser melhor do que Sims e podendo virar Starter nos próximos anos. Por tudo isso e dado o round em que saiu, eu classifico com um A a pick.

terça-feira, 3 de maio de 2016

Draft 2016 - Round 7, Pick 2: Brandon Doughty,QB - Western Kentucky

Enfim um QB em draft!!!
Lembram de Vontae Davis, atualmente um CB muito seguro dos Colts? Pois é, ele foi trocado ( ou seria melhor dizer doado? ) ao Colts porque poderia ser uma má influencia para o - à época - recém draftado Ryan Tannehill. Recebemos uma escolha de segundo round para 2013 e com ela escolhemos Jamar Taylor. Este mesmo que foi trocado com o Browns para conseguirmos uma inversão de picks no sétimo round, com a qual escolhemos Brandon Doughty. Em suma: o que restou da escolha de Davis em 2009 ( uma escolha de primeiro round, convém lembrar ) foi um QB de sétimo round. Brilhante não? 

Nome: Brandon Doughty - Idade: 23
Universidade: Western Kentucky - Posição: Quarterback
Altura: 1,91m - Peso: 100kg

Visão Geral

Doughty é uma estrela da NCAA, pena que de segunda linha. Ele foi MVP de sua Conferencia tanto em 2014 e 2015. Ele passou para 4.830 jardas, com 49 touchdowns na temporada como Júnior, tendo lançado apenas Interceptações em 552 passes tentados. Achou isso espantoso? Bom, na temporada seguinte ele liderou a FBS em jardas (5.055) e touchdowns (48) para o segundo ano consecutivo. Mas... pois é ( tem sempre um más né? ) tivesse ele tais números por qualquer Universidade da primeira divisão e teríamos feito a melhor escolha da História, não é mesmo? Pois é, acontece que neste caso ele jamais sairia na sétima escolha. E, muito provavelmente, nem o escolheríamos. Nem que tivéssemos a 1ª escolha geral.

ANÁLISE

PONTOS FORTES - Quando ele se sente protegido, joga de forma confiável e inteligente. Tem um bom entendimento do sistema e suas opções contra cada cobertura da defesa. Joga a bola catchable com bom toque na bola. Trabalhava num sistema de passes curtos e rápidos, daí seu alto percentual de passes acertados.

PONTOS FRACOS - Ele não possui muita força no braço e não tem o timing para desafiar cornerbacks no lado do campo. Vai ter que trabalhar muito para compensar a falta de velocidade. Fica muito desconfortável quando sente que o pocket pode ruim e por vezes não finca os pés do modo adequado diminuindo o seu desempenho. Não tem capacidade atlética para escapar correndo ou fazer jogadas com as pernas. Sua falta de experiencia contra defesas fortes, bem como um esquema ofensivo muito simplório, irá retardar sua adaptação para a NFL.

ANÁLISE DA PICK - Até que enfim um QB em drafts. Claro que Doughty é mais um daqueles QB de fim de feira que aparecem querendo um lugar ao sol, mas com chances diminutas. Amigos, não esperem dele barrar Ryan Tannehill ( o que eu adoraria ), pois isso não vai acontecer. Caso ele consiga com que Matt Moore suma de Miami já terá feito muito. Ele é dos arredores de Miami e nasceu no Condado de Davie. Este nome lhe lembra algo? Pois é, o Centro de Treinamento do Dolphins fica lá. Ele fez clínicas com Dan Marino no local. Mas é preciso classificar a pick e eu dou um B para a pick.

Draft 2016 - Round 6 Pick 29: Jordan Lucas, S - Penn State

Até que enfim uma pick que fez sentido total...
De um certo modo, bem estranho é verdade, esta talvez venha a ser pick feito com mais lógica e com maior sensatez. Entendam, eu não estou falando que escolher Jordan Luca ( Safetie de Penn State ) tenha sido a oitava maravilha, mas foi uma pick da qual é praticamente impossível discordar. Ele tem qualidade inegáveis e poderá ser bastante útil, mesmo que seja realmente usado como CB. E não, ele não resolve nossos problemas mas comparado às picks anteriores talvez o melhor movimento feito no Draft inteiro.

Nome: Jordan Lucas - 22 ( 02/08/1993 )
Universidade: Penn State - Posição: Strong Safey, mas será usado como Corneback
Altura: 1,83m - Peso: 91kg

Visão Geral
 
Lucas foi o primeiro recruta para assinar com Bill O Brien, Coach que assumiu após o escândalo que assombrou Penn State. Ele jogou como CB usando suas habilidades na cobertura além de ter exibido sua capacidade como Safety ( 58 tackles, quatro para perda, dois sacks, além de nove passes defendidos em 2014 ). Seu último ano foi interrompida devido a uma lesão ( 56 tackles em nove partidas), mas isso não tira dele a sua confiabilidade em campo. Versatilidade é fundamental na NFL de hoje, e Lucas é um jogador versátil.

ANÁLISE

PONTOS FORTES - Lucas foi capitão da equipe em seus três anos em Penn State. Jogou como  cornerback no dois primeiros anos antes de se mudar para Safety. Elogiado por seu caráter e liderança. não precisa de muita tempo de treinamento para impor-se como líder. Tem bom uso dos pés e muda de direção com rapidez boa quando o recebedor executa um corte. Sempre foca a bola e raramente é apanhado desprevenido, evitando assim queimadas bobas. Sua altura é adequada para a posição.

PONTOS FRACOS - Possui braços curtos e a velocidade não é o seu forte. Precisa melhorar seus instintos para não ficar um passo atrás na marcação. Não marca muito bem TEs. Perdeu os 3 últimos jogos da temporada ( incluindo o Bowl que Penn venceu ). 

ANÁLISE DA PICK: Tudo posto acima, eu classifico com um A-, só pelo fato dele não ter a velocidade ideal para um CB. Se ele fosse atuar como Safety, esse problema seria minimizado.

Draft 2016 - Round 6, Pick 11 Jakeem Grant, WR - Texas Tech

E no sexto round o Miami escolhe outro WR!!!
Adam Gase deve ser gênio e todos nós burros ou ele é que é o burro. Porque num time como Jarvis Landry e DeVante Parker ( seguramente a melhor dupla jovem de recebedores da Liga ) escolher um WR com menos de 1,70 de altura... bom, vejamos, vai que ele é o novo super mestre do ataque e nós ainda não saibamos disso...

Nome: Jakeem Grant - Idade: 23 anos ( 30/10/1992 )
Universidade: Texas Tech - Posição: Wide Receiver
Altura: 1,68m - Peso: 75kg

Visão Geral

Grant teve 90 recepções para 1.268 jardas e 10 touchdowns em 2015 e esses números os mais altos para uma temporada em seus quatro anos de carreira.


ANÁLISE

PONTOS FORTES - Capacidade atlética aliada com velocidade excepcional e não apenas em linha reta, mas também quando realiza cortes inesperados, que ele usa para fugir das coberturas dos Safeties ( mais altos ). Tem quatro touchdowns de kick-off durante a carreira. Seu jogo mais marcante foi contra LSU com 10 passe recebidos e 125 jardas com três touchdowns no Texas Bowl, incluindo um passe de 46 jds Tre'Davious White.

PONTOS FRACOS - Difícil ignorar seu corpo diminuto. Scouts estão preocupados com a capacidade dele ante os velozes, altos, atléticos e técnicos CB da NFL. Ryan Tannehill não possui a precisão necessária para acertar passes que favoreçam Grant, pois a janela para ele receber os passes é bem restrita. Coleciona 23 drops nas últimas três temporadas. Precisa melhorar a sua visão dos retornos, onde tende a escolher uma linha e ficar nela, ignorando buracos abertos ao seu redor.

NFL COMPARAÇÃO: Trindon Holliday

ANÁLISE DA PICK - Jamais entenderei esta pick. Se foi buscando um retornador, isso já tinha sido preenchido com Drake. Se era buscando um receiver veloz, Carroo já tinha sido escolhido. Agora se a busca foi por um tampinha que vai apanhar pra valer na NFL contra os ótimos e ágeis Defensive Backs, ai a escolha foi perfeita. Por tudo isso, e por ter feito TRADE UP para escolher alguém de quem o time não precisava, eu dou um C. Só porque ele tem coragem apesar da altura.

domingo, 1 de maio de 2016

Lista dos Jogadores Não-Draftados com quem o Dolphins assinou



Akil Blount - FAMU
James Burgess - Louisville
Tyler Gray, Boise State
Nas fotos acima estão os nossos recrutados para melhorar ( quem sabe ) a qualidade do setor de Linebackers. Um draft inteiro ignorando o setor que era - de longe - o mais carente. Claro que agora temos 2 WRs pelos quais pagamos caro que vao reforçar aquele que era ( apenas ) o melhor setor do time. Assim é o Miami... Ah, tem mais um WR ai abaixo na lista.
  • Akil Blount, LB, FAMU
  • James Burgess, LB, Louisville
  • Ruben Carter, OL, Florida State
  • Ryan Di Salvo, LS, San Jose State
  • Tyler Gray, LB, Boise State
  • Gabe Hughes, TE, Florida Tech
  • Farrington Huguenin, DL, Kentucky
  • Marshall Koehn, K, Iowa
  • Lafayette Pitts, CB, Pitt
  • Rashawn Scott, WR, UM
  • Brandon Shippen, DB, Temple
  • AJ Hendy, safety, Maryland

Draft 2016 - Round 3, Pick 23: Leonte Carroo, WR - Rutgers

Parece bom jogador, mas que o time não precisava ainda mais pelo que custou te-lo no elenco
O Miami tem, com certeza, a melhor dupla jovem de Recebedores da NFL: Jarvis Landry ( 2014 ) e DeVante Parker ( 2015 ). Todos sabem disso, mas ao que parece o nosso novo Head Coach Adam Gase não. Só isso seria capaz de explicar a besteira que o Miami fez para entregar 3 picks ao Vikings para escolher um WR. O time precisando de LBs e DEs ( e em tese, ainda de CB após a péssima escolha de Howard ) e o Gase vai estragar até o draft do ano que vem num WR? Eu não acho um único lado bom nesta escolha. Nem que ele vire um Randy Moss 2.0 eu aceito esta loucura feita pelo nosso Front Office.

Nome: Leonte Carroo - Idade: 22 anos ( 24/01/1994 )
Universidade: Rutgers - Posiçao: Wide Receiver
Altura: 1,83m - Peso: 96kg

Visão Geral

Carroo decidiu permanecer na faculdade por mais um ano, mesmo quando o QB da equipe foi para o Draft. Ele recebeu uma menção honrosa All-Big Ten em 2014 (1.068 jardas recebidas, 19,7 jardas por passe e 10 touchdowns ) foi bem melhor do que a de temporada como Sênior ( 39 recepçoes, 809 jardas e 10 touchdowns). A queda dos números deve-se em parte por um contusão no tornozelo e uma suspensão por uma prisão por tentativa de assalto ( queixa posteriormente retirada pela própria vítima ). Apesar destas questões, ele ganhou elogios dos analistas pela sua temporada em 2015.

ANÁLISE

PONTOS FORTES - Tem o tamanho desejado para atuar na Liga. Sempre foi o alvo principal dos QBs em Rutgers, tendo um produção consistente em sua carreira na NCAA. Terminou com 29 touchdowns nas suas três temporadas. Mãos naturalmente confiáveis que o permitem ser um recebedor seguro. ​​apanhador que agarra a bola para longe de seu corpo. Melhorou a sua separação da cobertura, variando suas rotas e seu footwork inicial. Capitão da equipe, atuou algumas vezes com dor. Perdeu dois jogos devido a entorse de tornozelo, mas voltou cedo e jogou machucado os três últimos jogos da temporada.

PONTOS FRACOS - Seus números são bons muito devido ao fato de que Rutgers usa muito mais o passe do que a corrida. Raramente ultrapassa cornerbacks e tem dificuldades para vence-los no alto. Quando enfrentou CB de alta capacidade teve desempenho limitado.

ANÁLISE DA PICK - Nenhum jogador vale tamanha quantidade de picks. Só se ele fosse o Randy Moss 2.0. Mas se ele fosse, convenhamos, nao teria sobrado no terceiro round. Ele é um WR de nível inferior - claramente - a nossa dupla Landry/Parker e nao faz qualquer sentido queimar as picks de terceiro e quarto rounds de 2017. E sobretudo deixar o time sem LB!!! Nada mais absurdo mas sabe-se lá porque tem gente que achou isso ótimo. Sob nenhum aspecto existe nada de bom nesta pick. Por isso a nota é dura mas é a realidade: D.

Draft 2016 - Round 3, Pick 10: Kenyan Drake, RB - Alabama

O time precisava de um RB? Que tal draftarmos o reserva de Alabama?
Depois de deixarmos Lamar Miller sair por um contrato que nosso Cap suportaria, depois de ver o Broncos cobrir a proposta que fizemos a CJ Anderson eis que veio o Draft e arrumamos um outro RB. Acontece que ele não é lá essas coisas todas, tem qualidades mas era - bom frisar isso - reserva em sua Universidade. O que, tenho que admitir, pode ser uma vantagem para ele ( correu menos e apanhou menos ainda ), mas por outro lado dá uma ideia do limite do que podemos esperar dele. Vejamos o que o "mago" Adam Gase vai conseguir tirar dele...

Nome: Kenyan Drake - Idade: 22 anos ( 26/01/1994 )
Universidade: Alabama - Posição: Runningback
Altura: 1,85m - Peso: 95kg

Visao Geral:

A explosão de Drake é uma arma para todos os fins, contudo seu histórico de lesões é um ponto crucial. é um pouco temperado pela sua história lesão. Na decisão da NCAA ele mostrou que pode ser uma ameaça como um returner de kickoff, marcando um Touchdown de 95 jardas para uma pontuação crucial. Foi reserva em sua carreira na NCAA por isso não possui muitas honrarias.

ANÁLISE

PONTOS FORTES - A melhor qualidade de Drake é a sua persistência na jogada, lutando até o último instante. Ele também possui uma boa capacidade de fintar nas corridas. Consegue jardas extras após o primeiro contato, algo valioso. Tem qualidade recebendo passes ( no que é comparada a Reggie Bush ). Retornador de boa qualidade. 

PONTOS FRACOS - Talvez sua maior fraqueza seja o fato de ser frenético demais. Por vezes sua mente parece levá-lo a realizar uma jogada que a situação não permite. Tendência de cortar para a linha lateral, em vez do meio do campo. Sua mudança de direção não é consistente. E, muitas vezes, ele solta a bola por tentar iniciar o movimento de corrida antes de te-la totalmente em seu domínio. Quebrou uma perna em 2014 e o braço em 2015, tendo portanto suspeitas quanto a sua durabilidade.

NFL COMPARAÇÃO - Charles Sims

ANÁLISE DA PICK - A Classe de 2016 para RBs era, de fato, fraca. Drake tem qualidades mas seus pontos falhos podem ser um limitador e tanto na NFL. Ele quebrou uma perna e um braço e seu rendimento após isso - naturalmente - não foi mais o mesmo. Ele será usado em complemento a Jay Ajayi, que já nao é exatamente um RB pronto para a NFL. Será muito ruim ter uma dupla tao crua e carente de grandes qualidades, mas como eu disse mais acima vai que o "mago" Adam Gase faz das suas né? A minha nota é um B+, por ter preenchido uma necessidade sem gastar picks, como foi na pick anterior a ele e como foi na posterior.

Draft 2016 - Round 2, Pick 7: Xavien Howard, CB - Baylor

Ele é um CB agressivo, mas que comete faltas demais...
O Miami tem uma predileção para fazer coisas erradas em Drafts. Entram e saem Head Coachs/General Managers e isso insiste em nunca mudar. Depois de ter escolhido muito mal no primeiro round, o time fez - acreditem - no segundo ao realizar uma trade com os Ravens para subir míseras 4 posições ( cedendo uma valiosa escolha de quarto round para isso ). E para escolher um CB que não é melhor do que nenhum dos que já estavam no elenco. Assim fica complicado acreditar em redenção...

Nome: Xavien Howard - Idade: 22 anos ( 04/07/1993 )
Universidade: Baylor - Posiçao: Cornerback
Altura: 1,83m - Peso: 91kg

Visão Geral: 

Depois de dois anos assistindo os jogos do banco, Howard conseguiu cavar seu lugar na equipe. Howard começou todos os 26 jogos ao longo das duas últimas temporadas. Ele fea 93 tackles, bem como liderou a equipe em interceptações (quatro em 2014, cinco em 2015) tendo conseguido, duas vezes, menção honrosa All-Big 12.

ANÁLISE

PONTOS FORTES - Aceleração acima da média nas curtas distancias, consegue mudar de direção o que lhe ajuda muito no chamado turn-and-run ( girar e correr ). Pediu para atuar como Nickel, o que pode ser muito útil na NFL.  Instintivo e com um bom tempo de cobertura. Tem 32 passes defendidos.

PONTOS FRACOS - Ágil nas curtas distancias, ela é ruim para rotas mais longas. Mais ágil do que rápido, com velocidade de longa questionável. Tem 14 interferência de passe e 5 faltas pessoais contra ele feitas nas últimas duas temporadas. Permitiu sete touchdowns em 2015.

NFL COMPARAÇÃO Jamell Fleming

ANÁLISE DA PICK: O Miami, é verdade, precisava de um CB no Draft, mas Howard não é um prospect que agrade. Ele recebeu notas ruins ( até mesmo um C+ ) e o time gastou uma pick sem qualquer necessidade para escolher um jogador que não melhora o nível do elenco e que tem falhas claras com faltas e coberturas. Minha nota, pelo conjunto da obra, nao ser mais do que um B.